O Submundo do Modern - Planeswalker Season
12/11/2017 14:00 / 4,644 visualizações / 9 comentários

 

Olá, galera! Tudo beleza? Hoje eu resolvi cavar um pouco mais no Submundo do Modern, então o deck que lhes apresentarei é bem mais Rogue do que os de costume. Isso não significa que seja algo completamente sem valor para um torneio, mas digamos que ele seja um pouco mais "fora da caixa" do que o comum e tenho certeza que o fator surpresa para ele vai pegar muitos, mas muitos jogadores de surpresa. Prontos? Bora lá!
 
Obviamente o nome do texto já disse sobre o que se trata, então não há motivos para fazer suspense aqui, e aposto que vários jogadores ou já tentaram montar uma lista bacana para a combinação de Doubling Season com vários planeswalkers, ou pelo menos já pensaram em rascunhar alguma coisa baseada nisso. Bem, para nossa alegria o jogador Brocker Hervé, no primeiro semestre desse ano, conseguiu se posicionar em entre o Top4 de um torneio de 20 jogadores na França, provavelmente em sua loja local, usando essa combinação louca. Olha aí:

 

4 Colors Walkers - Modern
2017-11-10

Jogador

Teddy_Bear_X

Visitas

4679

Código Fórum

[deck=728804]

 

Para quem ainda não entendeu, a presença de uma Doubling Season no campo de batalha faz com que nossos planeswalkers entrem com o dobro de marcadores que eles normalmente entrariam, permitindo que a maioria deles, se não todos, utilizem sua última habilidade assim que ele entra no campo de batalha. Essas habilidades são geralmente a mais forte e, muitas vezes, já ganham a partida ou nos colocam MUITO à frente, então a vantagem é bem grande.

 

 

É óbvio que para o deck funcionar bem precisamos de vários planeswalkers para sempre ter alguma maneira de abusar de nosso encantamento, então nada mais justo do que uma lista com 14 deles. Não adianta também botar qualquer planeswalker na lista, pois, por mais absurdo que algumas de suas últimas habilidades possam parecer, algumas as vezes são situacionais ou simplesmente inúteis comparado com a de outros disponíveis no formato.
 
Planeswalkers como Chandra Ablaze, Elspeth Tirel e Garruk, Caller of Beasts, por exemplo, possuem uma última habilidade completamente inútil para nossa lista. Já um Ral Zarek ou Sorin, Lord of Innistrad, possuem habilidades interessantes, mas não o suficiente para entrarem no nosso deck. O que precisamos mesmo, como podemos ver na lista, é achar um balanceamento para as diversas situações que esse deck pode enfrentar, levando em consideração tanto o oponente como também nossa linha de jogo.
 
Não adianta, por exemplo, lotar o deck com planeswalker pesados e últimas habilidades absurdas e demorar um ano para conseguir colocar algum no campo de batalha, pois mesmo com essas acelerações, não temos nada para interagir com os oponentes a não ser nossos próprios walkers. Não adianta também selecionarmos apenas planeswalkers com últimas habilidades fortes, mas tendo suas outras habilidades fracas ou ou inúteis em nossa linha de jogo, pois não é sempre que teremos disponível uma Doubling Season assim que o planeswalker cair no campo de batalha. Ou ainda, um efeito que é impactante no momento e dê a chance do oponente voltar quando usado sozinho, já que apesar desse número grande de planeswalkers na lista, não é sempre que teremos vários no campo de batalha.
 
Por esses motivos é bom fazer um balanceamento e escolher bem à dedo o que usaremos aqui. Temos, por exemplo, Ajani Vengeant, que já cai acabando com os terrenos do oponente se conseguirmos fazer ele entra com o dobro de marcadores ou, sem os marcadores, consegue nos ajudar com suas outras habilidades contra ameaças menores. Uma Tamiyo, Field Researcher consegue nos garantir ainda mais recursos e torna possível descarregarmos todos os planeswalkers de nossa mão de uma única vez, numa única habilidade, ou também consegue nos proteger com sua segunda habilidade (que por sinal combina bem com a primeira de nosso Ajani), ou nos garantir, de certa maneira, mais cartas com nossas criaturas ou com as do oponente.
 

 
Claro que nessa lista há algumas escolhas que eu mesmo não concordo, mas eu também não julgo algumas escolhas dele, pois temos de levar em consideração que o ambiente que ele esperava é um bem específico ou, ainda, ele montou o deck com o que tinha em mãos, o que acaba me fazendo gostar mais ainda desse jogador e mostra que o deck pode realmente ser melhorado.
 
Uma das coisas que temos de ter em mente fica na base de criaturas, onde, tirando o lindo do Emrakul, the Aeons Torn, BFF de nossa também presente Nahiri, the Harbinger, todas as outras servem para adicionar mana, tanto para acelerar a conjuração de nosso encantamento, quanto para nos ajudar a ter as manas certas para conjurar cada planeswalker dessa lista.
 
Felizmente, quando tratamos desse assunto de ajustar as cores, podemos contar com outro encantamento: Oath of Nissa. Ele é provavelmente um dos maiores responsáveis por fazer com que essa lista tenha o destaque que teve no torneio e que está tendo agora aqui, já que faz tudo o que o deck precisa, possivelmente desde o primeiro turno: nos encontra planeswalkers ou acelerações para ele, além de permitir que os conjuremos com qualquer mana que tivermos disponíveis.
 
O mais legal de tudo é que graças a ele, o uso de Blood Moon aqui se torna completamente "ok", já que podemos usar sem problema algum todas nossas manas vermelhas para conjurar qualquer planeswalker que quisermos, enquanto não podemos dizer o mesmo do oponente...
 
Enfim, hora de ver quais walkers compensam continuar na lista e quais podem ser substituídos!
 

 
Ajani Vengeant, Nahiri, the Harbinger e Tamiyo, Field Researcher, como já citei, possuem habilidades incríveis com ou sem uma Doubling Season no campo de batalha; Elspeth, Sun's Champion também, pois mesmo custando mais manas ela consegue nos proteger de criaturas pequenas com suas fichas, ou destruir criaturas grandes com sua segunda habilidade. Seu ultimate não é nada "absurdo", mas pelo tanto de geradores de mana que temos e a possibilidade de aumentar o poder de pelo menos 3 fichas no próximo turno (e esse bônus vindo através de um emblema), é realmente bem relevante.
 

 
Gideon Jura é muito interessante para nos garantir tempo, coisa que realmente parece ser importante para nós, pois enquanto as criaturas do oponente atacam eles, conseguimos colocar mais walkers ainda no campo de batalha ou usar mais vezes as habilidades dos que já temos. Mesmo sua última habilidade não sendo influenciada por uma Doubling Season, vale notar que ele entra em jogo com 12 marcadores nesse caso, podendo destruir várias criaturas (ainda mais quando combinado com Tamiyo ou Ajani) ou aguentar umas boas porradas.
 

 
Jace, Architect of Thought me parece bem situacional, então eu só usaria ele em um ambiente onde espero encontrar decks com várias bombas. Sua última habilidade contra decks que possuem Eldrazis, sejam Trons ou Nahiris.decks, Reanimators, Titans, Breachs ou até mesmo um Lantern Control, onde pegamos seu Witchbane Orb, acaba sendo útil, porém, se pegarmos algo como Storm, Ad Nauseam ou decks agressivos com mágicas e criaturas pequenas ou muito específicas, ele é bem medíocre.

 

 

Kiora, the Crashing Wave não consegue usar sua última habilidade mesmo entrando com o dobro de marcadores, porém, suas habilidades ainda conseguem nos defender ou nos acelerar enquanto oferece recursos. No melhor cenário, com uma Doubling Season, conseguimos criar seu emblema no turno seguinte ao que ela entrou no campo de batalha, nos garantindo uma ficha 9/9 em cada um de nossos futuros turnos. Nissa, Voice of Zendikar sofre do mesmo mal que a Kiora com sua última habilidade, mas ela ser um planeswalker que pode entrar no campo de batalha já no segundo turno e, a partir de então, começa a nos garantir fichas para nos garantir tempo, enquanto cresce, me faz querer ela aqui justamente para dar segurança para a estratégia.
 
Notem aqui que, de todos os walkers presentes na lista, Nissa e Nahiri são as únicas que aparecem com 3 cópias, enquanto dos outros temos apenas 1 ou duas em nossa lista. Isso mostra que apesar de ser importante termos uma certa variação para cobrir a maior quantidade de situações que conseguirmos, a consistência ainda não é deixada de lado. Como acabei de dizer, uma Nissa no começo do jogo sempre será boa, enquanto uma Nahiri com o dobro de marcadores sempre irá nos garantir a vitória pegando um Emrakul em nosso grimório.
 
Para começar a cortar cabeças em nossa lista, temos de avaliar todas as opções que temos e são MUITAS. Deixando de lado os planeswalkers de Origins, que são inicialmente criaturas, temos um total de 88 walkers, se não me engano, para estudar e ver se compensam ou não substituir os que temos aqui. Vale lembrar ainda que temos o fator "ambiente esperado", onde determinado planeswalker pode ser muito bom ou muito ruim durante o torneio. Um último influencia muito em nossas escolhas, nessa lista, é a ausência de mana preta, então as Lilianas provavelmente ficarão de fora.
 

 
Chandra, Torch of Defiance me parece uma boa opção, conseguindo oferecer tudo o que o deck precisa entre recursos, remoção, aceleração e uma ótima condição de vitória com sua última habilidade, além de ter um custo de mana altamente acessível por todas as habilidades que possui; Jace, Cunning Castaway não está nessa lista muito provavelmente por ela ser de Maio, meses antes de Ixalan ser lançada, mas agora é altamente recomendável, pois também consegue fazer uma quantidade infinita de fichas de si mesmo e de ilusões com a presença de uma Doubling Season; Samut, the Tested possui uma primeira habilidade horrível para a nossa lista, mas sua segunda habilidade contra as inúmeras criaturas X/1 do formato é boa e sua última, procurando por outros dois planeswalkers ou até mesmo nosso Emrakul, the Aeons Torn, é bem chamativa.
 

 
Os planeswalkers que menos me chama a atenção nessa lista são Chandra, Flamecaller e Xenagos, the Reveler. A primeira eu até entendo, por ser a única opção que temos para manter a mesa sob controle, ainda mais contra os inúmeros decks baseados em criaturas "pequenas" presentes no formato. O problema aqui é que suas duas primeiras habilidades são bem ruins em nossa lista, então se forem usar, tenham em mente que ela é uma das primeiras a sair para o sideboard quando sua última habilidade for ruim. Já Xenagos parece estar na lista apenas pela sua aceleração, então se esse for o caso, eu prefiro muito mais uma Chandra, Torch of Defiance, pois consegue gerar mana sem ser dependente de nossas criaturas e tem todas aquelas habilidades bem mais úteis que acabei de citar, ainda mais a sua última. Troca então mais do que certa.
 
No caso de Jace, Cunning Castaway e até mesmo Samut, the Tested, aqui eles acabam competindo com as duas walkers que mais estão presentes em nossa lista: Nahiri e Nissa. A primeira consegue ser melhor em qualquer cenário para finalizar uma partida quando a questão é confiar numa Doubling Season dobrando seus marcadores, enquanto a segunda consegue nos oferecer criaturas para nos proteger enquanto GANHA marcadores. Porém, admito ser interessante aqui estudar esses dois pretendentes para o sideboard, onde continuamos tendo condições de vitórias, mas nos protegemos contra cartas como Pithing Needle e clones de Cranial Extraction presentes no formato.
 
Não acredito que nenhum outro planeswalker tenha potencial para entrar nessa lista, nem mesmo se abdicarmos da cor azul para a inclusão da cor preta, porém é bom ter em mente que toda coleção tem planeswalkers novos, então toda coleção pode oferecer uma oportunidade de melhorarmos esse deck.
 
Muitos devem estar esperando também para ver a parte em que cito as cartas Call the Gatewatch e Deploy the Gatewatch. A primeira é realmente interessante, ainda mais por usarmos apenas uma cópia de uns par de planeswalkers, então eu talvez colocaria UMA cópia dela no lugar de um Gideon. Já a segunda é ruim, pois apesar de parecer bem alto o número de planeswalkers que usamos, dificilmente encontraríamos mais de um quando a conjurarmos e pode acontecer ainda, mais do que o desejado ou esperado, de não encontrarmos nenhum planeswalker. Quem já jogou de Collected Company, que possuia muito mais criaturas do que planeswalkers nessa lista, sabe que isso é um fato, então imaginem aqui...
 
Apesar também de oferecerem efeitos interessantes em algumas situações, Nykthos, Shrine to Nyx e Gavony Township me parecem apenas cartas luxuosas para cenários extremamente específicos, em contrapartida elas são horrendas quando não temos um Oath of Nissa no campo de batalha e completamente inúteis em conjunto com Blood Moon. Me parece bem mais interessante investir numa base de mana melhor, que gere mana colorida pra esse tanto de variação que temos, do que pensar em jogadas bonitinhas e mirabolantes com esses terrenos escolhidos.
 
As vantagens desse deck é que as habilidades dos planeswalkers aqui podem ser comparadas a mágicas, então enquanto tivermos algum no campo de batalha, todo turno temos mágicas "gratuitas" para conjurar, nos permitindo ir atrás de outros planeswalkers enquanto isso. A partir do momento em que temos dois ou mais planeswalkers em jogo, começa a ficar difícil para o oponente cuidar deles, ainda mais se esses planeswalkers tiverem efeitos sinérgicos, como uma Nahiri exilando uma permanente que foi virada por uma Tamiyo, ou um Jace oferecendo -1/-0 para todas as criaturas que atacarem nosso Gideon.
 
O problema é que mesmo com essas acelerações, nosso jogo é muito lento, então algumas vezes o oponente irá passar por cima de nós nos primeiros turnos e, se não tivermos os planeswalkers certo, como aquela Chandra que não gosto muito, não conseguimos virar a partida de jeito nenhum, por mas que ainda tenhamos também Gideon e Elspeth para cuidar delas, seus custos de mana também são muito altos, então confiamos quase que totalmente em nosso sideboard contra esses decks. Combos também são um problema, mas contra decks mais lentos, as chances de nós montarmos uma mesa repleta de efeitos contínuos é bem maior, então pode ser mais inteligente jogar com essa lista quando esperarmos um alto índice de midranges.
 
Por hoje é isso, galera! Espero que tenham curtido essa estratégia mais rogue e não deixem de escrever aí o que acharam, quem sabe não começo a trazer mais desses decks bizarros e bem underground mesmo para cá? Fiquem com a sorte do top deck e até o próximo texto!

 

 


ARTIGOS RELACIONADOS

Decks da Semana #9 do CLM10: BR MoonRat

Modern: BR MoonRat, por Eduardo Bairrinhos.


Real Rogues! – Black Aggro!

O lado negro da força.


Decks da Semana #8 do CLM10: Abzan Midrange

Modern: Abzan Midrange, por Bruno A. Neivae.


Decks da Semana #7 do CLM10: EldraTron

Moodern EldraTron, por Gabriel O. Cano.


O Submundo do Modern - Empty the Pits

"E de repente, uma invasão zumbi!"

MTG Cards



Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

Raimek (16/11/2017 01:01:11)

Esse deck é muito legal de ver jogando. Mas uma coisa é certa essa é a pior de todas as listas que já vi.
3x ou 4x Tamiyo é obrigatório nesse deck, o ult dela é o melhor ult de todos os PW no deck tirando o jace rtr, que obrigaroiamente são 4 tbm! Vei, o jace te da recurso e diminui o poder das criaturas atacantes e o ult dele ganha jogo, vc pode castar todos jace do seu deck e 4 cartas do inimigo e terminar com o enrakul no ultimo jace. Outra coisa que tem que ter 4 é oath de nissa, com oath o terreno que gera 2 para lendário ganha muito poder, não prrecisa de tudo isso de dork que o cara usou e não sei pq usar arbor elf se não usa Utopia Spawn... E o jace novo acho que toma o lugar da nissa, já que é mais um PW que comba com ele mesmo e custando so 3 manas...

CabecaCards (14/11/2017 11:02:55)

Contra controle infelizmente é um match muito difícil, chega a ser ridículo pois não dá pra encaixar um card relevante na mesa.

CabecaCards (13/11/2017 10:40:02)

Mano fechei esse deck full foil essa semana, hhahahahah
Nem de longe é competitivo mas com certeza é o mais divertido

bpalves1986 (13/11/2017 09:48:29)

Joguei contra um deck desse no GP. Consegui ganhar no final, mas foi beeeeeem chato. O cara usava na lista dele 4 Nahiri ao invés de 3 e acho que jogava com algum Garruk...

VIP STAFF Teddy_Bear_X (13/11/2017 08:36:50)

Então, no começo eu realmente estudei a possibilidade de sugerir Garruk, mas ainda assim eu acho que a Chandra é melhor, pois faz praticamente o mesmo que ele (acelera, protege...), mas melhor e com um ultimate mais relevante para o deck no geral.

Boa! Realmente com a nova regra de lendas esse terreno é bem interessante, mas 3 cópias é exagero, tanto por ser lendária, quanto só gerar mana para lendárias e incolor. Mais que isso pode prejudicar muito nosso plano de jogo, pois por entrar virada ela não consegue ser "cumulativa" e nos garantir 4 manas em um turno.

Não, eu estou errado mesmo. Juro que li esse efeito dele umas 4 vezes e só conseguia ler "cada oponente"... Me desculpe pela gafe, realmente mais uma win condition com Emrakul para o deck.

Opa, realmente não dá mesmo, my bad. Ainda assim, um turno depois ele já é alcançado e, pelo estrago que faz, compensa bem "esperar".

enc_toledo (12/11/2017 16:13:44)

Brow, acho que você se confundiu com o Ajani. Não dá pra dar o ultimate dele no turno que entra mesmo com a Season em jogo.

morgoth_lotr (12/11/2017 16:11:55)

Me corrija se estiver errado, mas o ultimate do Jace permite buscar uma carta PARA CADA JOGADOR, ou seja, vc pode pegar seu Emrakul e CASTAR sem pagar custo, o que é bem melhor que botar em jogo com Nahiri.

Loneless85 (12/11/2017 15:13:39)

Não está faltando uns 3 Untaidake, Guardiã da Nuvem nessa lista? Acho que tem sinergia.

coelhodosreis (12/11/2017 14:33:19)

Faltou o falabravo...

Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina