Explorando novas fronteiras
Por (Mais Artigos)
05/12/2016 14:00 / 5,447 visualizações / 36 comentários

 

Olar magiqueiros, depois das nossas viagens pelo multiverso na classe econômica, venho convidá-los hoje para mais uma viagem para explorar, desta vez, uma nova fronteira do nosso amado joguinho. 
 

Trocadilhos infames a parte, estou aqui hoje para falar de um formato novo e que vem ganhando certa notoriedade nos últimos tempos: o Frontier. Se vocês acessam o Mtggoldfish com frequência devem ter notado que uma nova seção surgiu na parte de metagame, e ela cobre o meta deste formato, o que me levou a uma enorme curiosidade, pois eu sabia um enorme total de 0 coisas sobre frontier até uns dias atrás.

 

Então, acho que é a hora de todos nós conhecermos melhor esse novo formato, como anda o meta dele e ainda as polêmicas (porque jogador de Magic adora uma treta de "meu formato é melhor que o seu") e se valhe a pena se arriscar no frontier. Sigam-me os bons!

 

O que é o Frontier?
 

O ponto de partida da nossa exploração aqui é inicialmente saber onde estamos pisando. O Frontier é um formato surgido em 2016, graças a duas lojas japonesas que começaram a organizar torneios semanais no formato. A premissa básica é simples, um formato que não rotaciona e utiliza cartas do novo frame, surgido na coleção de M15. O Modern utiliza cartas a partir do frame surgido em 2003. Então pode-se dizer que the Frontier is the new Modern, porque ele utiliza cartas apenas das expansões com o frame novo, a partir de Magic 2015, nada que saia em edições como Masters ou Commander, que já não sejam válidos no formato pode jogar. Ou seja, temos uma pool de aproximadamente 2 anos mais recentes em cartas do jogo válidas para a montagem dos decks.

 

Mas e o metagame?
 

Bom, aproveitando que o Goldfish fez uma sessão novinha pro formato, vou tirar de lá as principais listas do meta do Frontier, atualmente. Se você joga/jogava/jogou Standard desde que saiu M15, provavelmente vai encontrar várias semelhanças entre os arquétipos do Frontier e os arquétipos de sucesso do T2 recente. Aliás amiguinho, se você era da parcela de pessoas que odiava com todas as forças Siege Rhino e Collected Company, e o estrago que eles faziam no T2, tenho más notícias para você. 

 

Os decks estão marcados como Vintage apenas para a postagem. são todas listas válidas no Frontier.
 

Rally Combo - Vintage
2016-12-03

Jogador

LeoTzT

Visitas

5821

Código Fórum

[deck=472849]

 

Lembra do 4C Rally? Pois é, olha ele ai de novo. Esse deck era o meu preferido na época que estava bombando no Standard, acho ele sensacional. Basicamente um deck cheio de interações ótimas que busca abusar da mecânica de sacrificar criaturas com Nantuko Husk para tirar valor de cartas como Zulaport CutthroatCatacomb Sifter, reutilizar tudo com Rally the Ancestors, e deixar seu oponente sem saber o que aconteceu de tanta coisa que você fez. 


Jeskai - Vintage
2016-12-03

Jogador

LeoTzT

Visitas

5492

Código Fórum

[deck=472868]


Temos aqui um deck focado em descer a porrada no oponente, o clássico aggro. Criaturas que caem rápido e entram com os dois pés no peito, é o que temos com Reckless Bushwhacker, Monastery Swiftspear, Mantis Rider e Kytheon, Hero of Akros. O deck conta com cartas que apoiam e ajudam a dar um tempo e alcance a mais na forma de burns, e Reflector Mage, que atrapalha o oponente que quiser brincar de race ou tentar segurar a porrada bloqueando com algo grande. 


“Ah, mas pra que eu vou fazer isso com a minha vida? Jogar um formato com Collected Company  enchendo o saco de novo ? Ah não”. Calma companheiro, que agora eu vou te dar um ótimo motivo para adorar o Frontier (ou terminar de odiar né, nem todo mundo tem bom gosto, fazer o que...).


Goblins - Vintage
2016-12-03

Jogador

LeoTzT

Visitas

5514

Código Fórum

[deck=472881]


GOBLINS. Sim, eles mesmos. Um dos dois primeiros tribais sólidos do frontier é composto pela tribo mais amada de muitos planeswalkers. Acho que um mono red Goblins dispensa explicações profundas né? Baixe Goblins, passe o carro em cima do oponente, ai baixe mais goblins, bata mais ainda...E se o oponente sobreviver, toque fogo nele. Simples, feio e direto, como todo bom Goblin. 
Bom, se Goblins é um dos tribais sólidos que estão fazendo sucesso, quem são os outros? Claro, só podiam ser eles:
 

Bant Eldrazi - Vintage
2016-12-03

Jogador

LeoTzT

Visitas

5720

Código Fórum

[deck=472888]

 

Se você viu o Eldrazi Winter no Modern sabe o que essas coisas fazem. Se você viu um deck que mais da metade das cartas são válidas no Standard arregaçando no Legacy, sabe bem que os Eldrazi não chegaram para brincadeira. Assim como o Bant modern, o deck tem a base em Thought-Knot Seer, Reality Smasher, Eldrazi Displacer. entre outros bichinhos "pé-na-porta-soco-na-cara". Aliás, nesse deck da pra notar que quem não tem Noble Hierarch caça com Elvish Mystic

 


 

Eu creio que esse deck só tende a ficar mais poderoso com o tempo, com as novas expansões, mesmo que os Eldrazi propriamente ditos provavelmente não voltem tão cedo (assim esperamos). o deck tem aquela cara de que é fácil achar coisa que possa jogar e encaixar na estratégia. Sinceramente, ele e o Rally seriam minhas apostas para ingressar no formato.
 

Ub Control - Vintage
2016-12-03

Jogador

LeoTzT

Visitas

5537

Código Fórum

[deck=472900]

 

Já estava na hora de aparecer aqui um deck que tira o sorriso da cara dos oponentes. Um deck pautado em encher o saco, dominar a partida e vencer lenta e dolorosamente, do jeito que jogador de control gosta. Aqui temos praticamente um monoblue totalmente focado em segurar bastante o jogo para finalizar com alguns golpes de Torrential Gearhulk ou um Part the Waterveil despertado. Se você gosta de monoblue e não gosta de ter amigos, vai fundo. 
 

Mono Green - Vintage
2016-12-03

Jogador

LeoTzT

Visitas

5564

Código Fórum

[deck=472904]

 

Um monogreen focado em marcadores. Praticamente o deck todo interage com isso, e o faz muito bem. Com destaques para Hangarback Walker, que consegue gerar um valor absurdo facilmente em estratégias assim, e a musa Nissa, Voice of Zendikar, que manda um bônus legal para todo mundo. O deck é rápido, consistente, e seu mana elfo no primeiro turno pode virar facilmente um “batendo com meu elfo 5/5” nos pŕoximos turnos. 
 

Multi Color Control - Vintage
2016-12-03

Jogador

LeoTzT

Visitas

5489

Código Fórum

[deck=472908]

 

Por último, mas não menos importante, temos o que parece ser uma evolução do Jeskai Black, que era um deck Control/Tempo que fez sucesso no T2 há algum tempo atrás. O deck é recheado de cartas poderosas, como JJace, Vryn's Prodigy, Tasigur, the Golden Fang e Soulfire Grand Master, além de contar com mágicas poderosas que ajudam a ganhar muita vantagem rapidamente para cima do adversário. Collective Brutality, Dig Through Time e Crackling Doom são destaques, e fazem um estrago muito grande quando encaixadas na hora certa. 
 

 

Terra de ninguém?

 

Como tudo novo no Magic, o Frontier tem causado certas discussões na comunidade de jogadores. Muita gente já tomou uma posição contrária ao formato e acredita que ele não durará. Dentre os argumentos estão o desequilíbrio aparente e a pouca variação de arquétipos, causado principalmente pelo pool relativamente restrito de cartas e pelo fato do formato ainda não possuir uma banlist.
 

Os argumentos favoráveis ao formato são de que ele faz vender cartas que nunca verão jogo em outros formatos e é uma forma mais barata de entrar em um formato que não rotaciona, visto que os preços do Modern estão restringindo cada vez mais o ingresso de novos jogadores no formato, e nem todos tem a disponibilidade financeira, ou o interesse, de acompanhar as rotações do Standard. 
 

Fato é, que o formato acabou de começar e ainda será gradualmente lapidado, claramente ainda há muito a fazer para que ele torne-se um formato saudável e competitivo. No entanto, me parece muito promissora a ideia e com o amadurecimento, lançamento das novas expansões e, quem sabe, a boa vontade da WOTC, possamos ter no Frontier uma alternativa cada vez mais popular, competitiva e divertida para jogar Magic.

 

TAGS:  Frontier

ARTIGOS RELACIONADOS

Standard, Modern, Frontier e... Extended?

Uma Conversa Sobre Formatos, Confiança e Wizards.


A Cena Frontier

As diferenças do online e do IRL.


Por dentro do Frontier.

4 Listas para entender o formato.


Três motivos para jogar, ou não, Frontier.

Pros e Contras do formato.

MTG Cards





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

Ricardo_R_JR (21/12/2016 09:35:51)

Parece que é um formato para quem não quer perder as cartas com rotação do Standard, ou seja, para quem não quer gastar muita grana. Não sei se vai rolar e se rolar será preciso ficar atento para banimentos (o mais rápido possível). Por enquanto tem poucas possibilidades, parece mais uma volta desesperada do "extended". Além disso, as lojas vão conseguir administrar/organizar mais um formato nas suas agendas?

VIP STAFF Blitkun (07/12/2016 18:42:25)

Acho que um pouco de divulgação ajudaria bastante :D
Fico feliz MESMO em ver que tem mais gente curtindo essa proposta - até então só conhecia mesmo o que foi divulgado pela Hareruya, Big Magic (Japão) e Face to Face Games (Canadá) via Reddit.

Não é "crédito injusto", é realmente o que se encontra por aí quando se pesquisa por Frontier. Eu mesmo sequer sabia de Petrópolis (comentado aqui), tem mais ainda?! Isso que é notícia boa! ^^

Bora agitar essa cena, galera!!

VIP OURO ElderDragon (07/12/2016 17:29:13)

E outra coisa:
- O formato possui dezenas de arquétipos Tier 1 - não existe argumento de que há poucos arquétipos, isso é falácia. Só quem joga sabe;

VIP OURO ElderDragon (07/12/2016 17:27:13)

Gostaria de falar algo SÉRIO sobre este artigo. Nós já fazemos torneios deste formato há mais de um semestre e acho totalmente injusto dar crédito somente para lojas japonesas. No Estado do Rio de Janeiro, algumas lojas já estão testando o formato.

VIP STAFF Blitkun (06/12/2016 16:45:01)

O que quis dizer nesse trecho foi "1000 fetchlands" - self mill existe sim, tem um bocado de suporte pra isso em KTK e SOI inclusive (base do BG Delirium do t2).
IMO o que seria decisivo pra delve ficar abusivo seria a presença de free spells, como no Modern/Legacy/Vintage - Gitaxian Probe é um dos maiores facilitadores de Delve possíveis. Thought Scour também é a principal responsável, ao lado das fetches, pelos Tasigur de turno 2 que o Grixis às vezes faz xD

Sobre Dismissal - isso que tava pensando também: como o formato é ligeiramente mais lento, vários counters de CMC 3 e 4 passam a ser viáveis (não necessariamente opressivos/ridículos, mas sólidos). Ainda mais com o Voidslime novo lá monoblue, imagino que teremos potencial de decks blue-based muito divertidos pela frente :D

leviziinho (06/12/2016 16:09:21)

Kiora, Master of the Depths, Reunir o Bando, Lutar com o Passado (versão verde que pega land e bicho, e versão preta que só pega bicho), a sorcery que olha 5 e põe até 5 no grave.

Sim, tem selfmill no Frontier.

Não, não acho Gearhulk + DTT apelão, vem ni mim e vai levar summary dismissal, que já vai estar esperando os eldrazi mesmo. RIARIARIARIARIARIARIAIRA

EderMogi (06/12/2016 15:53:49)

@Blitkun

Delve é uma mecânica muito roubada, e sim, nesse formato o setup vai ser mais lento, porém, o formato tbm é mais lento e fraco q modern e legacy, o q favorece o setup. E tem fetchland sim, de khans e o Jace Vryn Prodigy. Só isso acho q é o suficiente para fazer essa "palhaçada" bem rápido e DTT por si só já bem ridículo. Pq vc acha q o Gearhulk entrou logo depois q DTT saiu? Coincidência? Mas enfim essa é a minha humilde opinião.

tattoowalker (06/12/2016 15:44:31)

Mtg tem uma gama enorme de cards que me faz crer que falta formatos suficiente pra acolhe las devidamente. Acho pertinente um novo formato.

VIP STAFF Blitkun (06/12/2016 15:30:11)

Not really - olha o setup necessário pra isso, cara xDD

Pra começar, se tá usando o Dig, vai querer jogar coisas no grave pra exilar no Delve. Sem MIL fetchlands e cantrips e free spells, o grave não enche tão rápido.

Gearhulk continua custando 6 manas num formato sem fast mana, sem mana rock (só a Grafstone) e sem reanimate effect rápido.

Gearhulk pede instants no cemitério, Dig exila cartas do seu cemitério. Se você precisou castar um dig no jogo (a menos que esteja jogando de self mill) você quase que certamente vai exilar algumas spells, possivelmente instants, reduzindo o potencial do Gearhulk.

Dig Through Time não é tutor - é um draw com selection que cava fundo, mas não é "game over" sem combos absurdos nem vai dar pra abusar tanto quanto deu pra fazer no Modern/Legacy.

Por favor, né?

EderMogi (06/12/2016 15:26:06)

Dig Through Time + Torrencial Gearhulk = BAN

VIP STAFF Blitkun (06/12/2016 14:30:22)

Nossa, belo artigo - não tinha lido esse. Gostei bastante, muito obrigado pela sugestão! ^^

VIP OURO SilverGreen (06/12/2016 14:13:46)

Curti muito essa análise aqui:

http://magic.tcgplayer.com/db/article.asp?ID=13659&writer=Corbin+Hosler&articledate=12-6-2016

VIP STAFF Blitkun (06/12/2016 14:02:51)

Nomes mudam muito facilmente - se a WotC quiser sancionar como Frontier, é uma coisa. Mas nada tá escrito em pedra ^^

VIP STAFF Blitkun (06/12/2016 14:01:58)

Com certeza esses são ótimos argumentos a favor de um formato de rotação lenta (vide finado Extended), e eu concordo com eles. Talvez o "novo Extended" seja a solução que o Magic precise - mas não tenho tanta certeza de que seria a solução adotada pela WotC. O mero appeal de não existir rotação já é o que hoje acaba trazendo muitos jogadores para o Modern...

De qualquer maneira, com ou sem rotação, Frontier me parece um formato potencialmente mais saudável que o Modern xD

Gostei bastante de sua análise.

Muito obrigado pela resposta - sempre me empolgo, escrevo muito e fico com receio de ninguém ler até o final! HAUHAOUAHAOHA

VIP OURO SilverGreen (06/12/2016 13:56:57)

Aliás, qual o sentido em chamar o formato de "frontier" se ele não rotacionar? A cada nova edição que entrar, cada vez mais longe da tal "fronteira" ele vai estar.

VIP OURO SilverGreen (06/12/2016 13:32:24)

Eu achei todas as colocações excelentes, Blitkun, e muito viáveis.

Só acredito que a criação de mais um formato não-rotativo não seria algo assim tão saudável para o jogo como um todo. Se a gente se basear no que aconteceu quando o Modern foi criado (e, em menor escala, quando o Commander foi oficializado), a sobreposição de staples em mais de um formato foi o que causou a primeira escalada de preços que criou as diversas bolhas subsequentes. Foi nessa época que um Tarmogoyf e um Dark Confidant triplicaram de preço de um dia para o outro. Não tenho a menor dúvida de que a mesma coisa aconteceria com uma Collected Company ou um Gideon no dia posterior ao anúncio oficial do Frontier. Nesse sentido, criar o formato já com uma rotação pré-definida e conhecida ajudaria a diminuir a pressão sobre os preços, já que ninguém mais iria ficar sentado ad infinitum sobre as cartas até que a baixa oferta e a price memory delas levasse os seus preços às alturas.

Outra vantagem da rotação estendida seria a diminuição do problema de power creep inerente a todos os formatos eternos. O acúmulo de edições faz com que naturalmente somente as cartas mais eficientes já lançadas tenham espaço nos decks, o que com o tempo vai refinando e restringindo cada vez mais as opções de cartas viáveis nos formatos. Não adianta nada um formato com 500 opções de cartas que cumpram determinada função, se apenas as 5 melhores entre todas serão utilizadas. Com uma rotação periódica, o formato estará sempre renovado e "fresco". E uma outra consequência disso é que uma eventual lista de banimentos tenderá a ser sempre bastante enxuta, já que eventualmente as cartas problemáticas vão saindo naturalmente do formato.

VIP STAFF Blitkun (06/12/2016 12:21:48)

(texto longo)

Ando bem desanimado com Modern ultimamente, e não tenho vontade de jogar Legacy/Vintage nem Standard por causa da rotação. Frontier me pareceu uma proposta interessante por diversos motivos, entre eles a disponibilidade maior de cartas (print runs de M15 pra frente é ridiculamente superior aos print runs de Time Spiral, por exemplo).

Uma coisa que me chamou a atenção foi que a WotC citou Frontier oficialmente num artigo falando do GP Chiba (link: "Building the Japanese Community wiht Hareruya"). Mesmo que en passant, é uma citação positiva e que descreve o formato como algo diferente e que tem feito sucesso relativo no Japão.

Daí me ocorre que a WotC tem pouco/nada a perder com Frontier, e que dar suporte ao formato teria um custo muito baixo - além de ser potencialmente atraente para eles a idéia.

Quanto a custos de suporte, gosto de comparar com Modern. Atualmente a WotC não faz muito playtest Modern por causa da complexidade do formato (caso queira, precisaria de um esforço homem/hora grande), além de atualmente desenvolver e lançar Modern Masters. Isso exige uma equipe de design que não só sofre pressão pra reprintar "coisas caras e que vendam box" mas também "que resolvam problemas de distribuição" e "que seja draftável". Fora isso, existe um número X de GPs Modern por ano, e acabaram com o Pro Tour principalmente por causa da necessidade de agitar o metagame via banlist, o que fodia com especulação na época do Pro Tour.

Frontier não precisaria de "Frontier Masters" pelas print runs, não exigiria necessariamente mais GPs por ano (basta trocar um número X de GPs Standard/Modern para Frontier, mantendo custo) e é um formato menor, o que permitiria playtesting na FFL para criar experiência de jogo mais consistente.

Fora isso, Frontier é 100% design recente - com equipes seguindo diretrizes modernas de design da WotC. Não tem raio, não tem mil mana dorks de 1 mana (só Elvish Mystic), não tem sweeper incondicional de 4 manas, não tem counterspell, não tem mana phyrexiana nem freecast/pitch mechanics, não tem infect (que apesar do MaRo adorar, é um problema pro Modern), não tem nada "quebrado" mecanicamente.

Ok, tem Delve (um "erro de design"), mas visto que Cruise/DTT não foram opressivos no t2, eles provavelmente consideram que é um "erro contornável".

E o que a WotC tem a ganhar com isso? No meu ver (especulando), eles ganham a chance de realizar o sonho de ter um "eternal format sem banlist", o que provaria que eles finalmente sabem como desenhar cartas. Seria o maior atestado de competência que eles poderiam fazer - pois seria um voto de confiança nas diretrizes de design atuais, e seria "a nova cara do magic" como eles vêm se propondo a fazer.

Pela card pool reduzida e power/spectacle creep, os novos lançamentos SEMPRE serão relevantes em Frontier (eles também conseguem facilmente desenhar as edições novas para garantir isso), o que impulsionaria vendas mais do que o Modern, sob a mesma base de custos para o t2 - ou seja, eles venderiam mais com os mesmos custos de design (talvez ligeiramente maiores, se quiserem que a FFL teste Frontier), o que me parece extremamente vantajoso para a WotC.

Eu arrisco dizer que Frontier não será rotativo, e que a WotC não esperaria muito tempo para sancioná-lo. Isso ajudaria os jogadores a manejar expectativas logo de cara, ao invés de daqui a X anos provocar uma explosão nos preços de manabase (KTK/BFZ) e ter uma playerbase reclamando que o formato é inacessível (o que geraria demanda por "Frontier Masters", caindo no mesmo problema que o Modern). Isso ou eles simplesmente reprintam essas coisas depois (tangolands parecem bem fáceis de voltar, pelo menos).

Dito isso, eu acho que a WotC tem bastante a ganhar e a provar com Frontier, a um custo bastante reduzido comparado com o que vem sendo necessário para viabilizar Modern ou atrair novos jogadores.

Não acho que Frontier "mataria o Modern", seria um formato diferente o suficiente para atrair jogadores com expectativas bastante diferentes. Mas posso estar errado - e Modern acabar na situação que o Legacy se encontra hoje, com uma playerbase bastante dedicada, embora contida em poucos eventos.

Me parece um formato interessante pra caramba, e que olhando através dos "Siege Rhino/Company/Rally" da vida, tem bastante espaço para hard control, combo, aggros e midranges. Imagino que seja o mais próximo que teremos de um ambiente "realmente diverso" nos parâmetros que a WotC gostaria. Só olhar pra Kaladesh mesmo, tem bastante engine/combo interessante pra fazer (Aetherflux Reservoir e Aetherworks Marvel).

O maior problema seriam as staples caras (Jace, Vryn's Prodigy, Grim Flayer, Liliana, the Last Hope, Gideon, Ally of Zendikar e Collected Company são exemplos fáceis), mas isso todo formato tem - pelo menos os print runs foram grandes o suficiente para você não ficar o ano inteiro correndo atrás de uma Mishra's Bauble que literalmente ninguém num raio de 200km tem.

Todo modo, tô empolgado pra montar algumas listas legais e ver se consigo agitar Frontier aqui em Campinas - SP. Nunca me preocupei em ser competitivo, então vou acabar focando em jogar com "cartas legais que gosto", e sem medo de morrer no turno 2 pra Infect/Griselshoal.

Espero que o pessoal de Petrópolis esteja tendo bastante sucesso aí com o formato - vamos ver se isso vinga para a WotC dar esse próximo passo :D

TL;DR: Frontier é uma proposta interessante, que legitimamente acho que a WotC possa sancionar devido a baixo custo de oportunidade. Possui vários pontos positivos (obviamente alguns negativos no meio), mas me parece uma alternativa melhor do que o Modern para jogar, e a ausência de rotação do Standard ajudaria a playerbase a se estabilizar. É um "novo Extended" com novas diretrizes de design e com maior potencial de crescimento, dado o contexto atual do Magic.

Goodbyebluesky (06/12/2016 11:17:05)

Nunca joguei, mas parece bem legal, acho uma boa oportunidade de jogar com cartas legais que não temos mais oportunidade no t2 ou não possuem o powerlevel necessário pro modern. Esse 4 color parece ser muito legal de jogar (se é bom no formato eu nao tenho certeza).

Modern é meu formato favorito, mas eu tenho curiosidade de jogar esse frontier, assim que tiver um tempinho, jogarei. Sei que em Petrópolis(RJ) estão comecando a jogar, não existe mais t2 na loja de lá e a galera anda bem animada com frontier, vou tentar passar lá (e fica a dica pra galera do rio que queria subir a serra).

VIP OURO SilverGreen (06/12/2016 09:15:33)

(ah, claro: e morra, Moderno. Puta formato manco, descalibrado e apelão da casa do caray.)

VIP OURO SilverGreen (06/12/2016 09:14:23)

Eu jogaria esse formato logo no primeiro torneio que encontrasse, mas não gostaria que ele continuasse como um formato Eternal, mas sim que ele fosse tratado como o finado Extended original: um formato intermediário entre o Standard e os formatos eternos, rotacional, porém com rotações bastante espaçadas e demoradas.

Eu gosto da idéia de poder jogar um formato com uma cardpool grande, porém com restrições que permitam uma renovação das cartas. Adorei ver decks usando Lightning Strikes e battle lands em um slot onde a gente está habituado a ver apenas Lightning Bolts e shock lands, sem necessidade de pensar duas vezes.

Saudades, Extended. Vem ni mim, Frontier.

Schuch (06/12/2016 01:23:11)

Massa, vou fazer algum deck com certeza!
Alguns pontos negativos que já me falaram foi que o formato seria onde os decks T2 que ninguém aguentava (e rotacionam) vão voltar (rhino, company e afins). Particularmente eu espero que o formato continue casual (não-sancionado) e que tenha mais espaço para criação de decks

lucasorsa (06/12/2016 00:42:50)

Na loja da minha cidade já esta rolando o Frontier a alguns meses. Eu tenho curtido e voltei até a participar de campeonatos regularmente. Tenho achado positivo o formato e a diversidades de decks está me surpreendendo não existem 2 jogadores jogando com a msm decklist ou parecida. O 4C Rally é bem forte e o Abzan tb. E tem pessoas jogando com listas T2 de UW e RG Energy e conseguem disputar de igual para igual. Na minha opinião o formato tem potencial.

tattoowalker (06/12/2016 00:17:00)

O ponto negativo seria a possivilidade da comunidade modern se dividi e enfraquecer o modern.. Mas e uma otima possibilidade de aposta pra vc conseguir steaples do "possivel" novo formato antes de inflacionarem..

rmartins (05/12/2016 22:50:26)

Basta pensar um pouco além. Caso Frontier fosse sancionado, não se enganem, os preços aumentariam muito. Hoje só é viável pois é causal.

tattoowalker (05/12/2016 21:49:42)

E tem mais.. Comander levou um tempo pra wizards abracar.pra mim e so questao de tempo e adesao pro frontir ser sancionado..
pra diminuir o preco dos cards modern, um novo formato e mais eficiente que reprint dos mesmos.. E esperar para ver..

tattoowalker (05/12/2016 21:42:42)

Show! No magic pra mim e assim.. Quanto mais melhor.. E a chance que a galera carente que gosta de magic comecar na boa a montar um deck esperto pra nao reclamar depois que ta caro os cards.. Claro que ainda e uma aposta. Mas o modern comecou exatamente assim..

jonvianna (05/12/2016 17:30:00)

Esse artigo veio em boa hora.
O frontier é um formato mais lento e mais barato que o modern, porém sem a rotação do T2.
justamente o que eu procurava.

Ótima análise do formato.

ravisor (05/12/2016 17:10:02)

Acho válido, quanto mais formatos melhor, acho até que poderia existir um "formato" que fosse exclusivo de um determinado evento.Para explorar o máximo a criatividade de deck builders e players.

surfe (05/12/2016 16:40:33)

Joguei e achei bem legal. Obviamente quem já tem deck modern fechado não vai curtir.

Phyrexian_Reaper (05/12/2016 16:03:57)

Tentativa de castar Animate DEad no falecido Extended.

VIP STAFF gTeixeira (05/12/2016 15:55:16)

Parabéns por abordar o Frontier! Acho uma análise interessante. No Japão já tem gente jogando direto e alguns sites abordando esse novo formato. Quem sabe no futuro não tão distante possa ser o substituto do modern!?

EderMogi (05/12/2016 15:34:05)

O problema, é q se formato for oficializado um dia pela Wizards (o q eu acho bem difícil) o preço das cartas boas nesse formato vai subir 500% pra mais. É só observar o q aconteceu com algumas cartas que não jogavam em lugar nenhum a não ser no Commander. Muitas dessas cartas só são baratas pq não jogam em nenhum formato oficial, o dia q isso acontecer, o preço delas explode tbm, e o mimimi será o mesmo.

dinidiniz2 (05/12/2016 14:45:56)

Um formato para quem quer jogar decks escrotos no t2. Se querem fazer um formato novo faz um modern sem fetchs, ia ser mais barato e legal

leviziinho (05/12/2016 14:20:30)

Foi uma boa idéia, se levar em consideração a proposta do Modern na época. Porém, o Modern surgiu 10 anos após o novo frame, e criar o Frontier agora não é muito promissor, porque parece um Double T2. Quem sabe em 2025! :D

Maclaine (05/12/2016 14:13:33)

Achei legal a inserção de um formato novo. Lembro da epoca do Abzan control e sei das dificuldades de se montar qualquer tipo de control no modern e a dificuldade de que ele tenha exito. Acho so vem a acrescentar!

o75ugu4 (05/12/2016 14:11:14)

Só mais um formato pra especulação...

Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina