WMCQ, Modern e você.
14/02/2017 14:20 / 3,442 visualizações / 45 comentários

 

Olá, meus caros! laranja_ de volta e, apesar de não poder comparecer ao CLM por problemas pessoais, não perdi uma das últimas novidades anunciadas pela Wizards. 

 

Acabaram-se os Classificatórios para a Copa do Mundo de Magic (World Magic Cup Qualifiers ou WMCQs) e com isso voltaremos a contar com os Nacionais. Não entrarei em detalhes sobre as mudanças em si. Quem quiser pode vê-las aqui.

 

Nesse texto pretendo falar sobre o que as mudanças significam para dois dos maiores formatos de Magic hoje: Standard e Modern, os mais impactados pelo anúncio da grande WotC.

 

 

Como vocês podem acompanhar no meu último artigo, a Wizards está preocupada com os números do formato Padrão (T2) e talvez essa mudança seja uma das formas de endereçar o problema. Como disse em meu artigo, são vários os fatores que causam a migração de jogadores do Formato Padrão para o Moderno, como a falta de rotatividade, maior variedade de decks e a nova política de reimpressões, que tornou alguns cards chave do formato acessíveis.

 

Agora, estou vendo vários jogadores indignados com a novidade. Muitos com receio sobre o futuro do Moderno e a ênfase maior do Padrão como o veículo chefe do circuito profissional, se me permitem o trocadilho. Porém, eu acredito que é cedo para sentir isso. Talvez até mesmo não haja sentido em temer pelo Moderno. 

 

Todas as mudanças causam um estranhamento inicial, e a reação natural é sentirmo-nos receosos do futuro. 

 

Entre outras, essas mudanças fizeram muitos jogadores pensarem que o Modern será “abandonado” pela Wizards e que você não poderá mais jogar Modern, que as lojas não terão mais torneios com a remoção dos GPTs, que a Wizards está abandonando sua história e que ela simplesmente “não liga para os jogadores”, entre outros medos infundados. 

 

Primeiramente, vamos tentar entender o que aconteceu e depois falarei mais sobre os medos dos jogadores e por que (ainda) não há razão para temor. 


Mudança dos Holofotes

 

Em abril de 2016, houve a confirmação de que o Modern não seria mais um formato de Pro Tour. Muitas pessoas consideraram isso ruim num primeiro momento, inclusive eu. Em retrospecto, posso dizer que foi uma das melhores coisas que aconteceu tanto para o formato, quando para o jogo em si. 

 

Na época, não recebi bem a mudança pois o Modern era um dos meu formatos favoritos, e o que eu mais jogava. Eu considerava que o Standard não era tão diverso e que era “menos divertido” do que o Modern. Eu também gostava de acompanhar os meus jogadores favoritos jogando com seus decks favoritos em um campeonato de altíssimo nível, que é algo incentivado pela natureza do formato. O Modern não é um formato sobre mudanças e adaptação, ele é sobre domínio de um deck e dedicação. 

 

Porém, o Pro Tour não é sobre isso. O Pro Tour não tem como objetivo ser um evento de altíssimo nível, apesar de o ser. Ele não é sobre os jogadores e as jogadas mirabolantes, apesar delas acontecerem. Não é sobre deckbuilding, não é sobre contar histórias, apesar de haver muitas delas. 

 

O Pro Tour é uma vitrine. 

 

Ele deve mostrar cards novos e nos excitar para o que vem por aí.

 

Ambas as coisas são impossíveis em um formato sem rotação. Esse tipo de formato é facilmente descoberto, as interações acabam sendo escancaradas pelo tempo e o que resta é uma barreira para os cards mais novos, menos seguros e, muitas vezes, mais “fracos” que suas contrapartes de 2005. É consenso entre os jogadores do Pro Tour que formatos como o Standard são mais excitantes pelas novidades e pela possibilidade de descobrir o melhor deck em um formato que acaba de nascer.

 

Dessa forma, torna-se bastante complicado de se conseguir mostrar um formato “novo” a cada três ou quatro meses. Precisamos dar um jeito de agitar o que está acontecendo no formato e sem a constante entrada e saída de cards que temos em formatos como o Padrão a ferramenta que sobra para a Wizards é ainda mais odiada: banimentos.

 


Mark Rosewater demonstra o processo de escolha de cards banidos


A política de banimentos do Modern é um assunto ainda mais delicado. Enquanto cartas obviamente quebradas como Blazing Shoal, Dig Through Time, Dread Return e Hypergenesis aparecem com toda razão na lista, outras, como Jace, the Mind Sculptor, fazem com que eu me pergunte se os critérios adotados à época de sua criação já não teriam sido superados.

 

E existe o caso de Splinter Twin

 

Uma vez considerado o garoto-propaganda do formato, que nunca ganharia antes do 4º turno, que era bom, mas não opressor e que aparecia em grande quantidade, mas não dominava o formato, hoje, aparece entre os decks que “limitam a diversidade de um formato, tirando os decks dos quais ele ganha do formato, ou superando decks similares”. 

 

O mesmo pode ser dito de um deck como o Affinity, que figura no Top8 de 4 dos 5 Pro Tour Modern, um dos únicos decks agressivos do formato e um deck que odeia interação, sendo conhecido justamente pela sua velocidade, meio que a contraparte do que o Splinter Twin representava. Seria o caso para banir Arcbound Ravager? Talvez.

 

 

Uma coisa é certa, entretanto: banimentos são ruins, afastam jogadores de formatos e minam a confiança de consumidores, ainda mais quando afetam baralhos que facilmente custam mais do que dois salários. 

 

De volta ao tópico principal, formatos sem rotação limitam os cards novos que podem aparecer na grande vitrine que é o Pro Tour, e o abacaxi para descascar torna-se ainda maior quando a Wizards tem que utilizar seu poder para restringir o uso de cards apenas para agitar e modificar um formato. Essa não é a função principal dos banimentos e, acertadamente, a Wizards removeu o Modern dos Pro Tours.

 

Eventos Premier

 

O Pro Tour é um dos “Eventos Premier” de Magic: the Gathering, eventos organizados diretamente pela Wizards ou por seus parceiros. Esses eventos incluem, entre outros:

 

  • Grand Prix (incluindo Trials)
  • Pro Tour (e seus Classificatórios)
  • World Championship
  • World Magic Cup (e seus Classificatórios)

 

Esses eventos são, de certa forma, os eventos competitivos mais importantes a que temos acesso enquanto jogadores. Você pode jogar apenas os Pre-Releases ou os FNMs e não há nada de errado com isso. 

 

Porém, é através desses eventos maiores que muitos jogadores ganham a vida, uma vez que existe premiação em dinheiro associada à sua grande maioria. 

 

Então, como a Wizards pode pagar os jogadores que comparecem a esses eventos, e aos que premiam? 

 

Bom, primeiro um pouco sobre o modelo de negócio da Wizards: 

 

Ela faz cartinhas para podermos jogar e colocam-nas com todo o carinho em boosters. Esses boosters são colocados em caixas, e as caixas enviadas para distribuidores, que repassam para as Local Game Stores (ou lojas locais), que é onde você compra seus produtos selados de Magic. 

 

Boosters, Decks fechados, From the Vaults, Gift Boxes e todos os outros produtos do tipo são feitos pela Wizards e seguem por um caminho semelhante, gerando um lucrinho a cada “nó” do caminho. Esse tipo de produto é conhecido como Selado porque… bem, ele vem selado. 

 

Onde a Wizards NÃO faz dinheiro: quando um lojista abre um booster e vende as cartas de forma avulsa, quem arca com o lucro ou o prejuízo do produto selado que foi aberto é o lojista. Dessa forma, não existe relação direta entre os preços dos cards e a Wizards. 


Assim sendo, quando eu ou você compramos uma Damnation, ou um Jace, the Mind Sculptor, para nossos decks Legacy, Modern, Vintage e Commander. não existe nenhum repasse para a Wizards. Comprar cards avulsos ajuda o lojista a se manter. E ele ajuda a Wizards a se manter comprando material selado, porém, sem acesso aos números, isso não faz absolutamente nada para manter o jogo do ponto de vida dos números da Wizards. 

 

 

Além disso, a venda de material selado para funcionários e produção de cards. Até onde vão as informações liberadas pela Wizards, o lucro de material selado não volta para os jogadores em premiação. 

 

Sendo assim, como é que a Wizards paga jogadores profissionais, passagens para diversos países e premiações? 

 

Marketing. 

 

Os Premier Event da Wizards são organizados e usam o dinheiro de suas promoções para vingar. Dessa forma, não faz sentido nenhum comercialmente promover formatos que não tenham impacto direto nos números tanto Wizards quanto da Hasbro, a quem ela é subsidiada. 

 

Como exemplo, podemos citar Hearthstone, que até há pouco tempo não tinha diferenciação entre formatos. Agora existem o Standard, que equivale mais ou menos ao Standard em Magic: the Gathering e o formato Wild, que tem semelhança com o nosso Legacy. O mesmo ocorre com Pokemon TCG, onde também temos um formato chamado Padrão, onde são válidos os cards a partir da coleção de 2014-2015.

 

A grande diferença é que em Magic, ao contrário de Hearthstone, por exemplo. Você pode ir à sua loja e jogar um evento oficial no formato Modern, Legacy ou Commander. O mesmo não acontece com Hearthstone. Todos os eventos oficiais do jogo digital ocorrem no formato Standard, incluindo o mundial. 

 

Modern Masters, Suporte e Segurança

 

“Ah, mas para que ela lança Modern Masters se agora não tem mais nada Modern para jogar?”

 

“Por que dar suporte para um formato que não tem eventos que me interessem?”

 

Ora, pelo mesmo motivo que ela lança a edição de Commander todos os anos, Eternal Masters, Duel Decks, Planeswalker Decks, Bundles e Gift Box. 

 

Mesmo que não exista um “Duel Decks Championship” onde só podemos nos valer dos cards contidos nos Duel Decks para disputarmos um campeonato, ele ainda é um produto para ser consumido por um tipo de público. 

 

Modern Masters ou Eternal Masters não existem como solução para que jogadores possam jogar um formato. 

 

Servem para serem vendidos. 

 

Alguns jogadores comprarão esperando o bilhete dourado, que é um Tarmogoyf, ou uma Force of Will

 

Alguns jogadores comprarão esperando abrir um Gamble, que nunca antes teve uma versão foil. 

 

Pouco importa o motivo da compra, entretanto. Se existe demanda, provavelmente é interesse da empresa preenchê-la. E é por isso que a série Masters é mais cara. Contando com o conteúdo premium e o tipo de público que ela tem em mente, muito provavelmente o produto terá saída, mesmo que em menor escala. E aqui abro um parêntese - será que Modern Masters tem preço mais alto e tiragem limitada porque a Wizards é malvada e não quer que você tenha um baralho Modern ou só porque sem saturar o mercado de cards avulsos ainda haverá saída para edições posteriores de Masters.   

 

“Ah, mas se a Wizards ficar banindo cards e reprintando sem parar em breve minha coleção não vai valer nada”

 

Algum valor ela sempre vai ter, sim. Mas sim. Sua coleção pode perder valor. Embora seja muito triste, cards fora de boosters ou decks selados não valem nada pra Wizards do ponto de vista financeiro. Magic é um jogo e deveria ser tratado assim. Não como uma poupança para a aposentadoria ou para a faculdade dos filhos. Para isso existem outros investimentos muito melhores.


A Wizards nos odeia?

 

Os últimos pontos que quero abordar são mais subjetivos. 

 

Tenho visto jogadores dizendo que “acabar com o Modern é acabar com a história de Magic” ou que “a Wizards não liga mais para os jogadores”. 

 

Isso está bem distante da realidade. Primeiro por que não é como se o Modern fosse acabar de um dia para o outro, e segundo, por que, com essas mudanças recentes, muitas pessoas estão perdendo o foco no longo prazo. 

 

Segundo Mark Rosewater em seu famoso Blogatog, o Modern tornou-se um formato maduro. Não é mais necessário que a atenção dos jogadores esteja focada nele por conta de eventos de grande nível. Assim como o Legacy, que vai bem mesmo sem eventos enormes durante algum tempo. A mesmíssima coisa acontece com o Commander - a diferença sendo que Commander nunca teve eventos Premier.

 

 

Não está nos planos da Wizards acabar com o formato, assim como não está nos planos dela deixar de lançar cards no Standard que possam fazer parte do formato maior (como Fatal Push) ou de parar de lançar coleções como as Masters.

 

“Mas se ela não quer acabar com o formato, por que não haverá mais eventos Modern? E por que tiraram os GPTs das lojas? A Wizards quer acabar com os eventos locais?”

 

Não, não quer. Talvez ela só queira direcionar mais o público para o Standard. Prova disso são os incentivos que ela vem oferencendo na forma de Standard Showdowns, A Liga Selada, que foi oferecida em Kaladesh, e os eventos da Standard Series, que começaram ontem e oferecem os terrenos raros do formato Padrão com o frame regular e a arte promo. 

 

 

Você vai continuar podendo usar suas cartas Modern normalmente, talvez só tenha que diversificar sua aproximação e adaptar seus planos caso queira chegar ao Pro Tour, ou à Copa do Mundo, utilizando-as. Isso, entretanto, é assunto para outro dia. Espero que esse texto diminua um pouco o medo do futuro e que você deixe de se preocupar para fazer aquilo para que as cartas de Magic foram criadas - se divertir! 

 

Até a próxima!

TAGS:  ModernWMCQ

Raphael Soares Bonfim ( laranja_)
Viciado em ganhar jogos que não deveria, abusando de vantagens minúsculas, Um entusiasta dos aspectos teóricos, psicológicos e financeiros de Magic: The Gathering. Vive para virar Montanhas e declarar ataques. Seus maiores sonhos são poder voltar a usar Golpe Relampejante no Standard e reencarnar como Lavamante Implacável na próxima edição.
Redes Sociais: Facebook

ARTIGOS RELACIONADOS

12º de Grixis Shadow

Report do GP São Paulo


Teorização para o Modern

Diretrizes sobre o formato.


O Submundo do Modern - Green Belcher

Jogando somente com o necessário!


Veículos até Enjoar

Report CLM 9 - Top 16 Standard, Top 32 Modern.


Analisando o CLM Modern

O ambiente da Grande Final

MTG Cards





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

Christan (16/02/2017 23:39:12)

Sem contar q vc pode começar com uma versão budget e ir "evoluindo"aos poucos, pegando as lands e pá... No T2 se vc não montar o deck duma vez em 3 meses ele n joga mais

Diegocado (16/02/2017 22:32:39)

Muito melhor gastar uma vez e ter o deck que sempre sonhou do que a cada ano gastar mil depois mais mil depois mais mil....aff

Christan (16/02/2017 19:23:12)

O que seria ótimo para trazer mais gente pro formato ^^ e fazer ele crescer sozinho, sem a Wizards. Mas algo me diz que eles vão lgo logo anunciar alguma coisa pro modern. A repercussão parece q foi bem ruim da decisão deles...

VIP OURO Derkarus (16/02/2017 17:56:50)

Sim, uma vez q a demanda diminui, os preços tendem a cair.
Mas aqui no Brasil a especulação não permite. Os lojistas brasileiros normalmente não reduzem preços. A não ser em caso de reprints.

Aion (16/02/2017 17:12:18)

Não dá para comparar modern com commander. A premissa do commander sempre foi a de ser um formato casual, for fun. Modern já não. Vários jogadores jogam Modern somente pela sua parte competitiva, e pode ser que esses jogadores parem de jogar o formato por esse motivo.

O estranho é a Wizards tomar essas medidas pouco antes do lançamento de mais um modern masters.

Diegocado (16/02/2017 16:10:06)

O que pode acontecer é nossas cartas saírem dos holofotes de camps importantes e perderem um pouco de seu valor.....acho que isso vai acontecer!

harmoniaakira (16/02/2017 11:24:39)

Pois é mas ela vende é caixa de MM, não Goyf. XD

renanBR (16/02/2017 10:56:36)

vende nao! Esta em duas caixas de Modern Master atoa! :)

leviziinho (16/02/2017 10:46:18)

Tá aí uma coisa que seria legal. Se as promos de FNM fossem Modern, no mês todo eu faria FNM Modern na minha loja para apoiar o formato, passaria o Standard para o sábado especificamente no mês.

lyzzow (15/02/2017 23:51:34)

A wizards não vende goyf :)

Mutrol (15/02/2017 23:21:39)


Sério que vocês está comparando o preço de uma dual com uma base de mana quase que inteira? Nem preciso contra argumentar.

SceL (15/02/2017 20:59:45)

Modern n vai morrer, acho que tende a aumentar o número de jogadores, cartas ficarão mais baratos, bans deixarão de ser constantes e no final todo mundo sai feliz.
Wiz não faz nada oficial de legacy e ainda eh jogado pra caralho, modern não será diferente.

Christan (15/02/2017 18:37:30)

As promos de Friday night podiam ser cartas mais interessantes... Rs podia ter cartas promo modern raras pra Torneios locais, a Wizards podia incentivar até que as lojas fize ssem suas próprias ligas

Diogo37 (15/02/2017 15:32:41)

Não tem mais modern no mundial? To nem ai, eu quero saber se vai ter incentivo pra loja da cidade, isso q eu quero saber e isso q importa pra comunidade.

leviziinho (15/02/2017 14:49:46)

E me desculpem o palavreado, mas esse artigo está DO CARALHO. Parabéns! Gostei muito.

leviziinho (15/02/2017 14:48:59)

Esse argumento já venceu há tempos. A partir do momento que se troca uma dual de 900 reais por 4 filter de 100, 4 manland de 120, e as shocks a 50, acaba dando no mesmo.

Fora que o dedo sempre aponta na dual. Até hoje Serum Visions é mais cara que Brainstorm, Path to Exile mais cara que Plowshares e comando críptico tá se esforçando pra custar uma FOW, rsrsrs.

No fim das contas, o Modern e o Legacy estão quase no mesmo patamar financeiro: O que muda é que vale mais a pena pagar 900 conto numa dual que nunca será banida e vai valorizando (comprei minha Volcanic por R$ 240,00), a pagar uma nota numa carta que pode ser banida por motivos de "manter o formato saudável"

franklee (15/02/2017 14:26:29)

ai quero ver qual vai ser o lojista q vai pagar 1000 reias na caixa de MM2017 e vender as cartas avulsas a preço de banana por que o preço das cartas certamente irao cair de preço ,e a wizard nao vai abaixar o preço da caixa .... e depois vem me falar q nao tem lucro !!! conversa fiada !!!

tattoowalker (15/02/2017 14:11:20)

Concordo com a dinamica do t2 ser um formato onde se se apresente a novidade e divulgar os produtos e tal.. E que tambem o modern por exemplo seja um formato de especialistas nos seus decks. Minha indignacao e o simples fato deles nao terem um plano pra isso. Daqui a um tempo nao fara sentido printar MM ou EM.. Pra que? Pra jogar com meus amigos eu nao preciso de goyf, nem de baloth. Posso fazer uma proxie..

tattoowalker (15/02/2017 14:01:24)

Tem um ponto fora da linha que o ponto de vista comformista parece nao se ater. tudo que envolve magic ajuda a empresa, obvio que eles ganham diretamente com a venda dos produtos que vem da fabrica. Mas dizer que os formatos eternos nao contribui por fomentar o mercado, e piada. Logico que eles estao de olho na farpela bruta que lucram com o lancamento de cada colecao. Mas isso so acontece por terem estabelecido esse sistema de eternidade dos cards. Magic nao seria o sucesso que e se nao fosse por isso.

Mutrol (15/02/2017 13:22:41)

Não é que tem gente de gosta de morrer para 4 raios ou prefere Serum Visions. É gente que não tá afim de pagar 900 conto em old dual ou gosta que o jogo leve mais de 2 turnos para ser definido. Mesmo porque, não haveria old dual para todo mundo mesmo que todo mundo quisesse.

Pelo seu raciocínio, pessoal que joga padrão adora evolving wilds.

VIP OURO Derkarus (15/02/2017 13:05:30)

Esqueci de botar o emoticon. ;-P

Por favor não se ofendam com meu último parágrafo, era uma piadinha. :-]

VIP OURO Derkarus (15/02/2017 13:02:48)

Não conheço nenhum formato Eternal que venda booster standard. O modern (que não é Eternal, pois não valem todas as edições, apenas não rotaciona) não vende tb. Vender goyf ajuda as lojas, mas não tem goyf em BOOSTER t2 e modern masters é uma coleção cara, específica e de alto custo para a Wizards. Não atinge o propósito direto da empresa.

Então a iniciativa de incentivo maior no Standard é uma questão óbvia. Estamos falando de uma empresa, PRECISA gerar lucros para podermos continuar com nosso jogo que tanto amamos.

A única coisa que não entendo, não sei se é a mania de grandeza característica de algumas pessoas que jogam o formato... Mas esse papo de "modern é o mais jogado", "Modern é o mais popular" sem fundamentação numérica para mim não faz sentido.

A empresa trabalha com muito mais números que nós imaginamos, sempre citando a popularidade dos formatos, mas normalmente cita também que o Standard é o mais jogado.

Modern pode ser o mais popular na sia região (lembrando q já cansei de ver jogador de modern reclamando q não tinha jogo na sua região), eventualmente até no Brasil, mesmo sem números para gerar essa base... Assim como na Europa O vintage e o duel Commander são os mais jogados, no Japão é o legacy e não tem mimimi de meu formato favorito. Sem números, dizer que o formato XYZ é o melhor é mais popular é puro bias.

Honestamente Modern não vai morrer. Nenhum pouco. Pelo contrário, vai ter espaço para crescer e se desenvolver naturalmente sem a necessidade de bans constantes pq os prós estão a todo momento tentando quebrar o formato matando alguém no turno 2 para ganhar uma premiaçao ou se qualificar nos mundiais.

Aqueles que estão no formato por motivos competitivos vão tender a abandonar sim, não sabemos o percentual certo. Não imagino que sejam tantos assim. Mas vão existir muitos eventos e muito suporte de lojas, modern não vai morrer. No final, sempre vai ter gente que gosta de jogar Serum Visions ao invés de Ponder e Brainstorm. Ou de morrer para 4 raios (pq os outros 4 vc leva da sua própria base de mana).

Mutrol (15/02/2017 12:05:35)

Melhor coisa que puderam fazer pelo modern foi tirar ele do Pro tour. Chega de decks degenerados, mudanças drásticas e toda aquela bagunça que o formato sofria. Formato está estavel, super variado. Cumpriram com a proposta do mesmo.

harmoniaakira (15/02/2017 09:50:04)

Eu jogo modern e NUM TO NEM AI

jnt_lk (15/02/2017 09:00:33)

Ótimo Post, só saberemos o real impacto com o tempo nos proximos meses seria temporada moderno, vamos ver se o numero de jogador cresce.

ROYCOROI (15/02/2017 01:38:30)

Discordo de alguns pontos, isso vai atrapalhar o Modern sim. Tá na hora de aposentar o Maro, precisamos de sangue novo na Wiz pois a quantidade de erros estão só aumentando.

laranja_ (14/02/2017 23:17:47)

Usei como sinônimo de "superar", "sobrepujar". Obrigado pela sugestão.

Exatamente a minha opinião! Além disso, você apontou um ótimo detalhe que não abordei no texto: sem a necessidade de manter cards Modern, quem joga mais Standard pode se desfazer de sua coleção, barateando ainda mais os cards do formato maior.

Valeu, cara! Você não sabe como esse tipo de comentário dá um gás pra quem produz! :)

Jaspion_T1 (14/02/2017 22:25:29)

Eu gostaria de dar meus parabéns, um dos melhores posts que já li aqui na liga em muito tempo.
Aborda tudo que muitos jogadores não compreendem e simplesmente ficam se queixando da desvalorização ou super valorização do cards sem fundamentar suas argumentações.
Parabéns!!!

VIP OURO SilverGreen (14/02/2017 22:20:25)

Jogador profissional não sustenta a empresa, pelo contrário, o circuito pro é um ralo de sugar dinheiro da empresa. O retorno que ele gera é indireto, ele só existe porque a verba gasta com ele é verba de marketing, ajuda a vender o produto àqueles que realmente geram receita para a empresa: os jogadores comuns.

VIP OURO SilverGreen (14/02/2017 22:12:39)

Isso não vai dar em nada. A galera do Moderno está chilicando a chilicagem habitual e esperada, do mesmo jeito que a galera do Legacy (eu incluso) chilicou um chilique muito bem chilicado quando a Wizards veio com essa história de Modern.

Tá aí o Legacy até hoje. Com o Modern não vai ser diferente. Quem gosta do formato vai continuar jogando, as lojas que tiverem público pra ele continuarão fazendo seus torneios normalmente. Nada vai mudar, exceto que não vai mais haver correria na hora de jogar os torneios maiores. E as pessoas que não jogam Modern não terão mais que perder tempo treinando para um formato que elas só jogam esporadicamente, quando são obrigadas.

Todo mundo sai ganhando. Essas mudanças só podem ser boas.

VIP OURO SilverGreen (14/02/2017 21:47:39)

Endereçar = Colocar endereço em; escrever nome e endereço do destinatário em; sobrescritar. Ex: "não endereçou a carta e a correspondência voltou".

Falso cognato com "adress", palavrinha muito utilizada pelos gringos nos artigos de Médique. Tem sentido tanto de "endereçar" (que não se aplica aqui), quanto de "corrigir", "resolver", "assestar" (que é o que normalmente se quer dizer nesses artigos).

Tá uma onda de usarem isso nos artigos made in Br, e esse troço costuma doer os olhos. Corrige aí pá nói? :p

tattoowalker (14/02/2017 21:06:35)

O lance de vitrine pros cards novos acho bem sensato. Mas esse papo de centralizar o t2 como formato de quem quer seguir carreira no esporte e meio audacioso.. Magic e um dos jogos mais dificeis que conheci na vida, tem que ter coragem de achar que so esse perfil de jogador ira sustentar a empresa, ja que alegam que e fonte do lucro..

no final das contas eles so tem na planilha o que vende e acha que e so standart o alvo, mas se eles disprezarem a magia dos eternos poderam amargar algo que esta alem da calculadora.

tattoowalker (14/02/2017 20:58:28)

Apenas fomentar o t2 nao resolvem todos os problemas. Por mais incrivel que pareca, o fato de existir um format eterno onde possivelmente possa absorver os cards "obsoletos" que saiam de circulacao pos rotacao, simplesmente torna os produtos lancados mais atrativos. Certamente isso agrega valor. Detesto ouvir isso de quem compra apenas single nao contribui pro lucro da empresa.
Cara. Todo mundo quer um goyf, dai o preco do goyf dispara. Vai dizer q isso e ruim pra empresa? E ruim pra quem quer.. Qual empresa no mundo nao quer seu produtos supervolorizados??

Posso ate ta viajando, mas a equacao do lucro da wizards e bem msis complexa que o simples investimento no t2.
Se fosse so o t2, queria ver alguem comprar um booster de bfz nessa altura do campeonato.

Boa parte do valor da empresa esta diretamente associado ao seu legado e dar as costas a isso pode ser um erro. Deveriam agir com mais cautela.

Cris_de_serra (14/02/2017 20:26:09)

Entendi todos os motivos do pq isso aconteceu
Mais não dá pra não se sentir lesado com isso tudo ao meu ver é joguem t2 ou virem 4fun tô achando melhor até migrar pro commander (não que o commander Seja ruim) e fingir que modern nunca aconteceu voltar às raízes de mesas de cozinha e abandonar de vez os decks de mais de 100 reais montar listas ridículas com cards q estiverem em minhas caixas de sapato e por fim parar de comprar material selado pq se é figurinha pra jogar bafo não vejo razão pra pagar tão caro assim.
Pronto falei
Desculpa o desabafo ae galera mais essa parada ia me engasgar

vmmiranda (14/02/2017 17:33:32)

Belicismo artigo!Minha ótica é q a wirzad é uma empresa, e como tal tem q gerar retorno para seus acionistas! O modern é 1 formato eterno e caro mas q não gera retorno financeiro, sustentável,para empresa... Logo ela acha melhor intensificar seus esforços em 1 formato q d mais lucro! Temo q isso faça q o modern fique cada vez mais distantes dos jogadores, como é hoje o legacy, onde se tenha cada vez menos jogadores e sua grande maioria são aqueles jogadores q estão no formado pelo fator nostálgico envolvido...

electrozik (14/02/2017 17:12:40)


Falou exatamente o que penso ! Ainda mais na questão de booster especiais para cada um dos formatos.

Um outro adendo. Moro em Osasco onde temos uma loja e players suficientes para campeonatos de Modern porém as vezes não temos quorum por N motivos. Mas creio que se existisse uma premiação que não fosse arcada pela loja (nessa caso os boosters especiais ou Promos para o formato) ajudariam e muito no aumento de players nos campeonatos

laranja_ (14/02/2017 16:18:33)

Phyrexian, essa mudança só faz diferença para os jogadores mais próximos do competitivo. Se você prefere jogar Modern, Pauper, Commander ou Legacy, isso não significa que você não terá mais eventos locais, e sim que você terá uma chance um pouco menor de se profissionalizar jogador. Se você trabalha com outra coisa e joga Magic como hobby, tomando um chope com os amigos, muito provavelmente essa mudança não vai te afetar.

Eu sou bastante contra reprints de cards sem ser muito bem pensados. Reimpressões indiscriminadas são horríveis para quem coleciona e acaba com a relação de confiança entre jogador e empresa. Tem de haver, sim. Mas com bastante parcimônia.

laranja_ (14/02/2017 16:12:15)

O caso é que Magic é um dos jogos que mais se importa com a diversidade atualmente. Você pode jogar da forma que quiser e com quem quiser. Não sei se entendi bem sua colocação. Além disso, Magic tenta se preocupar em ser um jogo representativo além de diverso - muito provavelmente em Magic você encontrará uma arte ou um personagem com o qual se identifica, o que não ocorre em dezenas de outros jogos.

Outro ponto importante é que o maior formato construído é o Standard. O Modern pode ser o formato mais adotado na sua região, mas talvez ela não represente o hobby como um todo. Eu já pensei como você, mas atualmente imagino o contrário: mais formatos sancionados acabam por diluir o público e minar o jogo a longo prazo. A palavra importante aqui é "sancionado", entretanto. Existem muitas formas de se jogar e de maneira alguma você precisa jogar em formatos sancionados. Joguem da maneira que os divertir :)

Phyrexian_Reaper (14/02/2017 16:05:03)

Exatamente o problema que eu relatei. Seu sentimento é comum.

tattoowalker (14/02/2017 15:57:10)

O "bilhete dourado" so faz sentido se o mesmo poder ser usufruido.. a maior parte dos players esta concentrada fora do t2. Sera que eles nao correm risco de o produtos comecar a ser depreciado.. Nos states blz. Mas aqui no brasil eu to me sentindo um pouco menosprezado. Se eu trabalho nao tenho tempo de jogar com os cards o suficiente pra valer o investimento, se eu nao trabalho nao terei a grana.. Quando a gente acha que ta ruim, nem imaginamos como pode piorar.. Mas vi uns pontos bem interessantes no artigo. Me tranquilizou um pouco, embora ainda me sinto pra baixo..


Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina