Aprendiz de Coveiro - pt2
03/04/2017 10:00 / 1,525 visualizações / 2 comentários


Olá amiguinhos!


Estou aqui de volta para escrever mais um pouco sobre o Dredge, o feedback recebido nos comentários por vocês, o que aprendi neste meio tempo entre os artigos e o que mais eu lembrar! 


Bom, quero iniciar o texto discorrendo um pouco sobre o Sideboard do deck!

 

O Básico do SB
 

A criação de um sideboard é uma das partes mais difíceis no processo de construção de um deck. Ele é uma extensão da estratégia, é o lugar no qual as pessoas conseguem colocar sua “personalidade” e criatividade em maior evidência. Pensar e colocar essas 15 cartas extras no deck requer tanto um bom conhecimento do seu baralho, quanto do metagame em si.


Enfim, nesta parte do artigo vou falar um pouco sobre o SB do dredge e como ando fazendo para montá-lo e atualizá-lo. Para começar, vou pensar um pouco nas cartas que REALMENTE machucam nosso deckzinho lindo, aquelas que mexem no nosso cemitério.


Vou listar aqui as cartas que podemos encontrar tanto no MD quanto no SB de decks adversários que interagem com nossa estratégia principal:


Leyline of the Void
Rest in Peace
Grafdigger's Cage
Relic of Progenitus
Tormod's Crypt
Scavenging Ooze
Surgical Extraction
Faerie Macabre
Rakdos Charm
Nihil Spellbomb
Kalitas, Traitor of Ghet


Com certeza existem mais cartas para atrapalhar seu dredge, mas essas são as que possuem mais chance de aparecer durante um campeonato.


Separando essas cartas pelos seus efeitos, acredito que podemos ter duas categorias:
 

1. As permanentes: Nesta categoria estão as cartas que não possuem um efeito único, e sim aquelas que possuem um efeito contínuo. Elas ficam no campo de batalha te atrapalhando até você fazer algo a respeito que as remova ou destrua. Leyline of the Void, Rest in Peace, Grafdigger's Cage e Scavenging Ooze estão nesta categoria.

 


 

2. As momentâneas: Aqui você encontra as armas com apenas uma bala. Estas cartas produzem um efeito, que apesar de devastador, é momentâneo. Quando utilizadas, podem acabar com o seu cemitério, porém, você pode recomeçar do zero, já que o efeito delas não o afetarão mais (a não ser que o oponente conjura outra dessas mágicas novamente). Nihil Spellbomb, Surgical Extraction, Faerie Macabre, Relic of Progenitus.


Apenas um adendo: Coloquei a Relic of Progenitus como um efeito momentâneo pois sua maior força contra nós é quando ela é estourada. Sua primeira habilidade não nos afeta muito, primeiro, porque somos nós quem escolhemos a carta que vai para o exílio, e segundo, que raramente haverá apenas uma carta em nosso cemitério (e quando houver, dificilmente que será o dredge que necessitamos).


Essas são as cartas que temos que ter em mente que podem (e vão!) aparecer eventualmente (quase sempre!) nos games 2 e 3. E dependendo do match, poderão aparecer até no game 1, que é o caso de um Scavenging Ooze


Uma coisa que eu admiro muito nos jogadores experientes de dredge é a forma no qual eles se utilizam do SB (e às vezes sem ele) para contornar cartas problemáticas no decorrer de partidas. É claro que a experiência e treino intensivo os deixaram espertos, mas se eles conseguem, nós também conseguimos!


Contra esses grave hates, possuímos algumas cartas que podemos colocar em nosso SB para nos prevenir. A seguir, algumas delas e quando elas podem ser úteis:


 - Conflagrate e/ou Lightning Axe: Além de nos ajudar a colocar alguma carta importante em nosso cemitério, conseguem lidar com as criaturas que nos atrapalham. Bom contra: Kalitas, Traitor of Ghet e Scavenging Ooze.


 - Nature's Claim: Uma opção barata, que se livra dos artefatos que atrapalham nossa estratégia. O único porém  são os 4 pontos de vida que entrega para o seu oponente. Eu pessoalmente não gosto muito dela justamente pelos pontos de vida, já que o Modern atual, a meu ver, requer ou velocidade ou um arsenal para controlar o oponente. Bom contra: Grafdigger's Cage, Relic of Progenitus e Tormod's Crypt (contra os dois últimos, sua eficácia está em “forçar” o oponente a estourá-los, para você não ficar se “segurando” nos dredges).


 - Wear (Wear/Tear): Minha atual preferência, pelo fato de ser mais “maleável”, podendo atingir tanto encantamentos quanto artefatos. Um ponto a ressaltar: o custo da carta é um pouco menos atrativa em relação a outras cartas que você possui ao seu dispor para combater o hate. Por exemplo em relação a parte do Tear (Wear/Tear), que requer uma mana branca. Isso pode vir a alterar sua base de mana, mesmo que minimamente. Bom contra: as suas hates permanentes.


 - Abrupt Decay: Suas vantagens é que pode se livrar tanto de artefatos, encantamentos ou criaturas e também não pode ser anulado. (ótimo em partidas contra decks controles, que irão tentar se utilizar de grave hate e protegê-los a todo custo) Bom contra: Scavenging Ooze, Rest in Peace, Grafdigger's Cage


 - Fragmentize: Honestamente não conhecia essa carta até eu começar a pesquisar boas cartas para o SB para este artigo. E como me arrependo. Ele consegue lidar com praticamente todos os encantamentos e artefatos problemáticos para o dredge, até contra a temida Leyline of the Void no turno 0. O custo dela é baixa, e apesar de ser uma mana branca, pode ser facilmente conjurada caso você possua uma Gemstone Mine ou mesmo uma rainbow land em seu deck.


 - Thoughtseize “Você não enfrentará um grave hate se seu oponente o descartar”. Esta carta é útil contra muitos tipos de deck, MUITOS mesmo. Ela é útil tanto para descartar uma carta que interfere na sua estratégia, quanto para descartar uma peça do combo do seu oponente, ou mesmo uma carta que apesar de não interferir diretamente em sua estratégia, pode ser beeem problemática durante a partida (por exemplo, uma Nahiri, a Anunciadora). Bom contra: Por fazer o oponente descartar, ela pode ser utilizada contra qualquer tipo de hate (menos Bojuka Bog, aqui só lágrimas) , principalmente os que são mágicas instantâneas, que podem vir a te surpreender. 


 - Collective Brutality: Uma carta bem versátil ,que além de te ajudar a tirar as mágicas não-permanentes da mão de seu oponente, descarta cartas para você. Além de tudo, suas outras habilidades ajudam muito contra Burn ou Zoo. Bom contra: Surgical Extraction e Rakdos Charm.


 - Ancient Grudge: Uma boa alternativa contra artefatos problemáticos, principalmente por ser uma mágica que possui Flashback. Além de combater cartas como Grafdigger's Cage e Relic of Progenitus, é uma ótima carta contra Affinity!


 - Ray of Revelation: Uma carta com Flashback que ajuda a se livrar de coisas como Rest in Peace e Leyline of the Void. Um ponto interessante: se você possuir um Ray of Revelation em seu cemitério e seu oponente conjurar um Rest in Peace, você pode responder à primeira habilidade do encantamento conjurando Ray pagando seu custo de flashback e destruir o Rest in Peace. Os cemitérios serão exilados, mas a permanente não continuará em campo de batalha.


Bom, essas são algumas cartas que podem te ajudar a contornar os grave hate de seu oponente. São várias opções, e elas dependem bastante do meta e do gosto pessoal do jogador. 


E como se não bastasse tanta carta que afeta diretamente sua estratégia, ainda há algumas outras que podem vir a te dar dor de cabeça:


Ensnaring Bridge: Fragmentize, e principalmente, Ancient Grudge, podem te ajudar a contornar esse hate. 
Anger of the Gods e Ugin, the Spirit Dragon: Para ambas as cartas, descartes podem te auxiliar, porém, há também o plano de contorná-los  estourando uma fetchland no final do turno de seu oponente para um ataque com Bloodghast.
 

São muitas coisas com o que temos que nos preocupar pós-Game 1. Mas nada que algum treino e prática não compensem. Uma dica MUITO legal que eu ando tentando colocar em prática é do jogador profissional, Lee Shi Tian, que diz respeito a como sideboardear cartas no deck. Na teoria é uma matemática simples: dredge por dredge, carta que descarta (Cathartic Reunion) por carta que descarta (Collective Brutality) e assim por diante!
 

Caso você tenha que subir algumas cartas a mais, os usuários do MtgSalvation postaram uma ótima referência que vou copiar e colar aqui para vocês:
 

-Se um deck é mais rápido que o seu, corte um Bloodghast;
-Se um deck é mais lento que o seu, corte um Narcoameba;
-Se um deck possui anulas, corte um Conflagrate;
-Se é um deck que não possui criaturas, ou muito poucas, corte um Life from the Loam e então um Conflagrate;
-Se é um deck que você não precisa racear, pode cortar o Scourge Devil (se você usá-lo);
-Se é um deck no qual você não precisa de bloqueadores, corte o Haunted Dead.
 

Sideboardear sempre será uma tarefa que requer muita atenção, uma tarefa difícil, mas como tudo na vida, pode possuir uns atalhos. 
Lembrem-se também que estamos falando de um deck meio combo! Então prestem atenção para não tirar muitas cartas essenciais ao deck.

 

Bridge from Below e Great Gargadon

 


 

No último artigo, o jogador alphateam comentou sobre essas duas cartas que marcaram presença no “retorno” do dredge ao modern, e claro que não poderia deixar de discutir um pouco sobre elas. Bridge from Below é uma carta única no Magic, ela funciona no cemitério. Em qualquer outro lugar, ela não faz nada. E o elefantão é simplesmente demais! No último FNM em que fui, um amigo me emprestou um Restore Balance para jogar. Elefante é louco! Haha


Primeiro a Bridge. Ela marca presença com 4 cópias nos decks dredges Legacy e Vintage, é nestes decks que podemos ver sua incrível força e interação que ela tem com o deck.


Vou falar um pouco do óbvio sobre a carta e a estratégia dredge nestes formatos:
 

-Ela vai para o cemitério facilmente com a mecânica;
-Criaturas, como o Ichorid, realmente abusam deste encantamento, pois no final do turno, quando ele é sacrificado, deixa no lugar uma ficha de zumbi 2/2;
-Estes formatos possuem cartas como Cabal Therapy e Dread Return.  O custo de flashback delas é sacrificar criaturas, mantendo uma poderosa sinergia com o encantamento. 
 

Podemos ver nestes pontos o por que da carta marcar uma presença tão forte nos decks dredges deste formato, mas e quanto ao modern?


Um ponto negativo em relação a esta carta no formato amado é o fato de que ele está, atualmente, infestado de criaturas (Delver of Secrets , Goblin Guide, Affinity, Elfos, Sakura-Tribe Elder). Manter a Bridge from Below no cemitério acaba sendo uma tarefa muito árdua e com um custo alto, (ela poderia ser uma carta com dredge, por exemplo). E também faltam meanismos de sacrifício com valor, como a já citada Cabal Therapy.


Falando em mecanismo de sacrifício, temos o Greater Gargadon, não é mesmo? Ele é uma boa forma de “salvar” as suas criaturas de uma Anger of the Gods ou Ugin, the Spirit Dragon. E ele é uma criatura forte, no mínimo. O problema com ele é como qualquer outra carta que não possua a mecânica dredge no deck: ele necessita estar em sua mão inicial.


Acredito que Greater Gargadon seria bom no deck em um meta com bastantes remoções globais (que exilam, por exemplo as duas cartas exemplificadas acima), que tenham bastantes decks Tron, RG Breach e o novo, mas fort,e Sun and Moon. Em um meta assim, tanto o elefante, quanto a Bridge seriam fortes, podendo coloc-alos no lugar de alguns Conflagrate e/ou Life from the Loam.

 

-

Para terminar, algumas leituras bacanas em relação ao SB:


http://www.mtgsalvation.com/forums/the-game/modern/tier-1-modern/712805-dredge#Counter
http://www.mtgmintcard.com/articles/writers/lee-shi-tian/dredge-21
 

Pontos da semana:
 

 - O jogador Hollow escreveu nos comentários do último texto uma sequência muito legal do deck: utilizar um Conflagrate antes da fase de combate para levar o oponente a 10 ou menos pontos de vida, e então descer um terreno. Dessa forma, os Bloodghast que retornam ao campo de batalha voltam com haste! 

 

 - Para destruir uma criatura com defesa 2 (como um Scavenging Ooze, por exemplo) com um Darkblast, você pode conjurar a instant no seu upkeep, utilizar sua mecânica de dredge, e conjurá-lo novamente no resto do seu turno.
 

 - Lembre-se que é necessário ao menos possuir dois terrenos (pelo menos um deles gerando a cor verde) para fazer o deck rodar de maneira mais otimizada. Isso devido ao Life from the Loam.
 

A partida está truncada? Junte cartas mortas na mão com o seu Life from the Loam. Com isso o seu Conflagrate pode vir a ser letal ou mesmo limpar o terreno de seu oponente.

 

Conclusão da Parte 2
 

Como sempre, espero que tenham gostado do artigo. Convido vocês a deixar um feedback na seção de comentários para que possamos juntas passar neste ensino fundamental e concluir o doutorado do deck!


Para os próximos artigos, tentarei me aprofundar mais na estratégia para escrever melhor sobre SB, mulligans, matches e afins!


Como diria um dos melhores jogadores de Dredge do mundo, Joseph Moreno, #keepdredging 

 

TAGS: 

ARTIGOS RELACIONADOS

Decks da Semana #7 do CLM10: EldraTron

Moodern EldraTron, por Gabriel O. Cano.


Decks da Semana #6 do CLM10: Affinity

Modern: Affinity, por Jose Luis L. Arrieta.


O Submundo do Modern - Empty the Pits

"E de repente, uma invasão zumbi!"


Decks da Semana #6 do CLM10: UB Faeries

Modern: UB Faeries, por Marcelo Bueno.

MTG Cards





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

maximo_prime (05/04/2017 01:52:38)

Muito bom!!! Acompanhando cada post sobre meu querido dredge!

Eu uso também no meu side Vengeful Pharaoh que trava bastante o jogo do oponente!

Kodo (03/04/2017 19:40:46)

Show!!!!

Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina