Aprendiz de Coveiro - pt3
21/05/2017 10:00 / 10,557 visualizações / 5 comentários


E chegamos ao terceiro post! 
 

Como estão todos? Espero que bem!
 

Não tive tempo de escrever nem de jogar tanto nessas últimas semanas, estava realizando um curso de pós-graduação e não tive muito tempo para minhas queridas cartinhas! Bom, segue um pouco do que absorvi nessa semana.

 

Turno 1: Faithless Looting ou Insolent Neonate?


Eis aqui um dilema que venho tendo desde a primeira partida: qual será a carta que será conjurada primeiro? A criatura ou o feitiço? Qual delas irá me trazer maiores benefícios para a partida?


Esse início de sequenciamento, apesar de ser uma parte básica do deck, continua me incomodando e me fazendo quebrar a cabeça desnecessariamente,  e logo no começo de cada jogo!


Para isso, vou discorrer um pouco aqui sobre as decisões que venho tomando e vou dar uma analisada de leve sobre ambas as cartas. 

 


Insolent Neonate é uma criatura, sua habilidade permite que se descarte uma carta com Dredge e a utilize no mesmo efeito. Ou seja, se você não possuir nenhuma carta no seu cemitério e utilizar a habilidade do vampiro descartando um Golgari Thug, por exemplo, pode substituir o “compre uma carta” pela habilidade do Golgari Thug recém-descartado.

 


 

Faithless Looting, por sua vez, cava mais fundo e ativa mais cartas com Dredge, além do Flashback, muito importante aqui.


Certo, voltamos agora a questão inicial, qual eu conjuro inicialmente?
 

Apesar de existirem apenas três caminhos disponíveis (contando o fato de que você pode escolher não conjurar nenhuma das cartas), há diversos rumos e possibilidades que cada um trará.


Para os exemplos a seguir, tenha em mente o início do jogo, ou seja, você não possui nenhuma carta disponível em seu cemitério:


Com o Insolent Neonate, eu o conjuro caso possua uma carta com Dredge alto (Stinkweed Imp, por exemplo), desse modo, se eu utilizo a sua habilidade antes do draw phase do meu próximo turno, a possibilidade de se colocar millar uma outra carta com Dredge é maior. Assim, não ficarei um turno sem colocar cartas no meu cemitério. Isso tudo se levando em conta que eu utilize a habilidade do vampiro juntamente com a do Dredge.


Nas vezes em que inicio o jogo com apenas um terreno ou nenhuma carta com Dredge, opto por iniciar com um Faithless Looting, desta forma, posso “procurar” por terrenos ou cartas com a habilidade Dredge, para iniciar a escavação no turno 2. Algumas vezes opto por utilizar o Faithless para colocar no cemitério criaturas como Bloodghast e Prized Amalgam, para iniciar os ataques o mais rápido possível.


Apesar de o sequenciamento ser extremamente ligado as outras cartas que você possui em mão, costumo conjurar o Insolent Neonate primeiro contra decks como Burn, para servir tanto como block como uma carta de “ação”.


Como já dito, utilizo o Faithless Looting inicialmente tanto para colocar cartas com dredge no cemitério. quanto para buscar cartas que necessito durante o jogo (terrenos, ou mesmo  cartas do side).

 

Mini report e impressões iniciais:


Depois de um tempinho, consegui “fechar” o Main Deck IRL (físico) do Dredge! Depois de alguns meses de procura pelas cartas e muita ajuda de amigos, tenho as cartinhas em mãos para jogar campeonatos físicos! Aliás, hoje (01/05) que meu grande amigo Joe me passou os dois Conflagrate que tanto procurei! Aproveitei para jogar um campeonatinho que teve em Bauru neste feriado para testar o deck fisicamente.


Vocês já devem saber o quão péssimo eu sou em reports (se não sabem, vão ver agora), mas escreverei mesmo assim, para tentar passar um pouco do que passe com o deck e quais foram minhas impressões iniciais jogando com ele fisicamente.


Bom, antes de mais nada, o campeonato foi na cidade de Bauru, um torneio com o REL regular (para diversão e treinamento!) e que teve a participação de 14 players, desde jogadores que estão iniciando sua jornada neste hobby maravilhoso até pessoas que passaram por diversos PPTQ, WMCQ, Nacionais e tudo o mais.


Bom, segue a lista que utilizei: 

 

Dredge V1.0 - Modern
2017-05-22

Jogador

Ruda

Visitas

8425

Código Fórum

[deck=589666]

 

Round 1: UG Infect


Primeiro jogo começou bem para mim, já que o deck sorriu, e com uma Cathartic Reunion e dois Stinkweed Imp. Consegui colocar dois Prized Amalgam e dois Narcoameba em campo de batalha no segundo turno. Um Conflagrate matou a única criatura com Infect do oponente e os Narcoameba seguiam bloqueando os Inkmoth Nexus. Conseguindo “segurar” meus marcadores de infect, consegui levar o game 1 atacando com Prized Amalgam e Bloodghast.


Segundo game não tenho muito o que falar, o deck Infect fez o que decks Infects fazem de melhor: ganhar o jogo rapidamente. Se não me engano foi no turno 3. Keepei uma mão razoável (razoável para games 1, contra qualquer outro deck que não seja combo), mas lenta. Fiquei muito dependente de draws de um Insolent Neonate e um Faithless Looting. Lição aprendida. (será?)

 

No terceiro game, o Darkblast veio na mão inicial, assim como dois terrenos, um Bloodghast e alguns enablers (não lembro muito bem se era Faithless Looting ou Cathartic Reunion). Apesar de um início “lento” para o Dredge, um único Darkblast conseguiu segurar o jogo, destruindo todas as criaturas que o oponente descia. Mesmo com um Dredge lento (Darkblast), consegui ir colocando algumas criaturas em jogo e conjurei um Stinkweed Imp da mão, para utilizar como um block precaução para Inkmoth Nexus.

 


Nsse game subi um Darkblast (vou procurar mais um, ótima carta, diga-se de passagem), dois Ancient Grudge (contra um potencial hate e Inkmoth Nexus) e dois Abrupt Decay. Tirei um Bloodghast (ele não bloqueia, e o deck do oponente é mais rápido que o meu), um Insolent Neonate, um Life from the Loam e um Conflagrate
 

1x0

 

Round 2: Abzan


Eis uma match que gostaria de jogar! Isso pelo fato dela possuir bastante removals e sua lista ser montada para o grinder extremo. O piloto do deck foi o Rafael Panice (Pinguim!), que já joga com o deck a algum tempo e sempre atualiza a lista com uma techzinha diferente para surpreender e melhorar ainda mais esse baita deck! Desta vez não foi diferente! 


Game 1 inicio com bons dredges através de uma Cathartic Reunion, colocando em campo tudo que o deck tem direito (Narcoameba, Prized Amalgam, Bloodghast...). Consigo vantagem em cima de um Lingering Souls, pelo fato dos Bloodghast estarem sempre voltando ao campo. O game é finalizado com um Conflagrate

 


Game 2 keep uma mão um tanto discutível ( no sentido de não possuir alguma carta do SB, anti hate, ou mesmo uma mão rápida), fui com ela pelo fato de possuir um Faithless Looting e um Cathartic Reunion, que poderiam me ajudar a buscar as cartas que necessitarei durante o jogo, como já fica meio que subentendido, grande erro. Em meu primeiro turno, conjuro um Looting, para buscar alguma carta anti hate, descartando no processo um Bloodghast e um terreno qualquer. No passe, o Rafa me solta um Surgical Extraction no Bloodghast. Não me preocupo muito, pois tenho meus Prized Amalgam e meios de colocá-los no campo de batalha. Segundo turno do Rafa, ele me conjura um Grafdigger's Cage. Nos turnos decorrentes, não encontro nem minhas cartas anti hate, nem alguma carta com dredge para tentar encher meu cemitério e retornar meu exército de uma vez após destruir o artefato maldito.


Por volta do turno 5 ou 6 compro um Abrupt Decay, mas no campo inimigo havia uma Liliana of the Veil, um Gideon, Ally of Zendikar, dois tokens de soldado 2/2 e um Worship. Logo, eu concedo.


Game 3 eu keepo uma mão com Ancient Grudge, terrenos, cartas com Dredge e Cathartic Reunion. O Rafa mulliga. Inicio o jogo com os dredges, enchendo meu campo de batalha com minhas criaturas e minha mão com terrenos, através de um Life from the Loam. Finalizo o jogo com um Conflagrate, após meu oponente comprar vários terrenos.


Anti hate foi de monte nesta partida. Subi dois Abrupt Decay, dois Ancient Grudge, um Vengeful Pharaoh (tendo Tarmogoyf e Siege Rhino em mente) e mais dois Lightning Axe. Retiro alguns Insolent Neonate, um Conflagrate, um Life from the Loam, um Dakmor Salvage e mais um Bloodghast.


2x0

 

Round 3: Mono Green Infect
 

Outra partida, outro deck Infect! Desta vez perco o game 1 por não conseguir colocar blocks o suficiente na mesa. (Os: meu primeiro turno fiquei em dúvida de utilizar um Faithless Looting ou um Conflagrate. Utilizo o looting e coloco um Bloodghast e um Prized Amalgam no cemitério. Percebo um pouco tarde que deveria ter colocado um Conflagrate, para garantir uma criatura a menos do meu oponente, apesar de “atrasar” um turno a volta das minhas criaturas).


Game dois, seguro o jogo novamente com um Darkblast (MVP contra Infect, sério!), deixando apenas um Noble Hierarch em jogo. Continuo atacando com algumas criaturas, e bloqueando a Hierarca com Narcoameba. Meu oponente mostra a mão dele com alguns pumps, o plano era me matar com a Hierarca, o problema foi que faltava apenas +2 de pump para me matar! Sorte a minha! 


Game 3 o Infect foi mais rápido. Turno dois o campo do oponente consiste em um Noble Hierarch, 2 criaturas com infect e um Inkmoth Nexus. Perco no turno 3! Bola pra frente e vamos colocar mais um Darkblast no SB! (ou quem sabe subir um pro MB).


Meu plano de SB foi o mesmo que no primeiro jogo. Só o que aprendi da pior forma possível foi que um Vengeful Pharaoh não é lá muito bom neste match. Quando uma criatura com Infect ataca, geralmente é para te matar. Ainda mais em uma partida que é quase como um combo X combo.
 

2x1

 

Round 4: Grixis Control
 

Última partida do dia, contra outro grande amigo que me ajuda desde que voltei a jogar esse maravilhoso jogo, o Joe! Sabia que a partida ia ser tensa e divertida ao mesmo tempo, pelo fato do Joe sempre jogar apertado e calcular todos os outs das suas jogadas!
 

Game 1 consigo levar o game apesar de um início lento. O deck não sorriu para o Joe e ele acabou comprando todas as lands do deck e quatro Ancestral Vision.


Game dois não foi para mim, apesar de possuir um início rápido, colocando algumas criaturas em campo de batalha e ir atacando aos poucos. Um Surgical Extraction retira meus Prized Amalgam da partida e um Anger of the Gods  limpa meu campo. Alguns ataques com Tasigur, the Golden Fang e um Lightning Bolt nos levam para o game 3.

 


Ultímo game do dia, o grind foi alto. Joe usou alguns Fatal Push e Lightning Bolt para segurar mihas criaturas. Conjurei algumas criaturas da mão para forçar dano (Stinkweed Imp e Golgari Thug, para colocar alguns Narcoameba de volta no topo do deck, para voltar ao jogo), mas a carta que me auxiliou muito neste vai e vem foi o Haunted Dead, que me permitia trazer ele e os Prized Amalgam de volta para o jogo no final do turno do oponente para ataques letais. Ao final, um Conflagrate me ajudou a retirar um Tasigur, the Golden Fang da mesa e levar o game.
 

Para essa partida, por ser bem control, retirei um Narcoameba além do usual (usual eu digo um Conflagrate, pelo fato dele ser um alvo fácil para counters), e subi anti hates habituais. Senti falta de Collective Brutality no meu side, era uma carta que queria ter para testar nessa match.
 

3x1

 

Bom, após meu primeiro dia com o deck, segue minha principal impressão física sobre jogar de Dredge:
 

-manter o cemitério organizado é muito difícil. O espaço físico é limitado e seu cemitério só tende a crescer. Tentei mantê-lo o mais organizado possível para poder conseguir visualizar todas as cartas sem ter que mexer nelas. Ao mesmo tempo, procurei mantê-las na ordem em que eram milladas, não colocando em destaque cartas que poderiam ser usadas, que triggavam e etc... Apesar de dificultar um pouco para você, dificultará mais para o seu adversário. 

 

Bom, por hoje é isso. amiguinhos!


Tentarei jogar mais com o deck esses próximos dias, e tentarei treinar contra decks específicos para poder escrever por aqui! Como sempre, mandem um feedback do que estão achando, do que pode melhorar, o que adiciono e etc...!


E antes de ir embora, gostaria de saber de vocês, turno um, Faithless Looting ou Insolent Neonate? E por que?

 

 

TAGS: 

ARTIGOS RELACIONADOS

Por Dentro do 5c Humans

Tudo o que você precisa saber sobre a sensação do Modern.


Decks da Semana #8 do CLM10: Abzan Midrange

Modern: Abzan Midrange, por Bruno A. Neivae.


Decks da Semana #7 do CLM10: Fractius!

Moodern: Fractius!, por Vinicius Marcilio.


Decks da Semana #7 do CLM10: EldraTron

Moodern EldraTron, por Gabriel O. Cano.


Decks da Semana #6 do CLM10: Affinity

Modern: Affinity, por Jose Luis L. Arrieta.

MTG Cards



Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

Walter_Makoto (29/05/2017 20:29:38)

Respondendo a sua pergunta: Depende da sua mão.
Caso você possua uma mão "razoável" pra arregaçar o oponente (ex: duas manas, 1 neófito, duas fontes de dredge e reunião catártica), você pefira já sair na um com o neófito e ir enchendo seu grave para um dredge alto no turno 2 trazendo várias coisas pro campo.
Mas se você ainda precisar de algum recurso pra poder esculpir melhor a mão (falta um terreno,, por exemplo), abra na um com pilhagem infiel. Tudo vai depender do quão rápido você pode ser a match ou se te falta algum recurso para desenvolver seu jogo.

VIP STAFF Yadabadabadu (24/05/2017 09:58:24)

O rapaz, a leitura facilitada agradeça o fato de eu ser um asno em redação e escrita! Hahahah

O sb estava bagunçado, mas que eu me lembre era esse:
-1 ghost Quarter
-1 bojuka bog
-1 darkblast
-1 vengeful pharaoh
-2 natures claim
-1 wear tear

maaicon (22/05/2017 11:00:31)

Leagal o post, e serve também para outros formatos, eu mesmo jogo pauper legacy e uso os dois em meu deck Turbo Exume, que dependendo da mão combo no primeiro com Pilhagem e neófito sempre ajuda acastar o grumag, duas cartas top!

Olocauster (22/05/2017 01:51:47)

Muito show o post... trabalho muito bem feito facilitando a leitura... senti falta só da descrição do seu side... de resto continue assim👏🏽👏🏽👏🏽

JOsmar (21/05/2017 16:43:42)

Bacana o post e parabéns pelos resultados. Uma sugestão de próximo deck a ser feito o artigo poderia ser o Esper Shadow ou o UW Control.

Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina