Sala de Comando - Review Commander 2017
04/09/2017 14:00 / 4,353 visualizações / 9 comentários

 

Olá, satanitos! 
 
Vamos dar continuidade aos trabalhos?

 

 

Draconic Domination - Commander
2017-08-16

Jogador

sadysaneto

Visitas

4435

Código Fórum

[deck=658657]
Main deck (99 cartas)

37 terrenos

32 criaturas

30 outras mágicas

Sideboard (15 cartas)

1 criaturas

  • Menor Preço

    R$ 1,37

  • Preço Médio

    R$ 16,24

  • Maior Preço

    R$ 49,95

 

Novidades.

 
Criaturas:
 

 
Bom, se você joga commander e não ama dragões, obviamente você tem problemas.
 
Sim, nós amamos dragões, mas odiamos pagar o custo desses calangos alados gigantes.
 
Pois bem, a eminencia do Bichão ajuda justamente nisso. Dentro ou fora da mesa. Sério, é como começar o jogo com metade de um Sol Ring na mesa.
 
E se você conseguir resistir ao chamado do amor e arremessar um dragão 30/30 (acredite, ele vai ficar “tufado”) pra cima de quem você ama, ele vira uma máquina de c@#@r permanentes.
 
Mas a carta é boa?
 
Quem se importa? É o Ur-dragon! Faz chover!
 
 

 
Na coluna passada, eu falei que Kindred Boon se ferrava com Final Judgment.


Pois bem, esse bichão aí, o-kagashi, é o bichão na arte de final judgment.
 
Vou te falar, é um dragãozão da p*$$@, mas toda carta que depende do inimigo atacar, já perde ponto comigo.
 
O-kagashi, porém, deixa você escolher qual permanente vai exilar, o que já muda bastante a situação.
 
Pode ser bacana num 5c dragons stax.
 

 
Jund não é um shard com dificuldade de controlar mesa, nem tirar value de corpos disponíveis pra sacrificar, tipo com Shattergang Brothers​..
Um general com dupla evasão que desova tokens 3/3 com evasão é gg, bebê!


Junte os dois e você tem a receita do amor.

 

O que eu mais gosto de de wasitora é como ela pode ser um general voltron-control endemonhado, um general voltron burro, e como tem sinergia com os tops de jund, como Sek'Kuar, Deathkeeper, Shattergang Brothers, Prossh, Skyraider of Kher, e Kresh the Bloodbraided.

 

Sinceramente? o dragão menos relevante em termos de lore, acabou sendo meu dragão favorito do deck.
 


Eu não gosto de generais mais focados no goodstuff/combo, mas se essa é sua praia, Ramos periga ser o general mais poderoso que já vimos.
 
Serião, com um deck redondinho, muito dificilmente você não puxa um combo maluco pra acabar o jogo em uma ativação, como dar one shot com Door to Nothingness, ou alguma estupidez do nível fazer Progenitus.
 
E se nada mais der certo, command damage.
 
Ramos é uma máquina (ta-da-tsssss)!
 

 
Às vezes os maiores satanazes vem nos menores corpos.
 
Taigam é provavelmente insuportável no x1 – o simples fato de entrar na mesa já muda toda a dinâmica de jogo.
 
Mesão não é muito terra de counteragem, então ainda é forte, mas não um pesadelo.
 
E se conectar, ah, papai...
 
Depois que esse diabo der rebound na primeira magia de turno extra, sente e chore.
 
 

 
A pergunta que você deve se fazer é – você prefere ver o mundo pegar fogo, ou prefere ser eficiente?
 
Porque um bichão 6/5 com evasão e haste, mas com ataque aleatório e que pode ficar parado um turno, VIRADO (inútil) na mesa, com certeza não é pra quem busca eficiência.
 
Mas se, assim como eu,  sua definição de diversão é agir como um goblin bêbado, mermão, mete bronca.
 
Vai pro meu Ruhan, só porque minha definição de diversão é agir como um goblin bêbado.
 


2 manas por um 4/3 voador é estúpido, e em um deck tribal de dragões ele nunca vai ser só 4/3.
 
O bicho é forte, mas só tem serventia em tribal de dragões mesmo, e olhe lá.

 


 
Bom, nada chama mais removal do que grandes ameaças. E pouca coisa é mais ameaçadora do que um calango gigante voador.
 
Resumindo, aquele seu bicho que custou 132 manas pra baixar pode até morrer prum swords to plowshares e virar um peso de papel com um pacifismo, mas você, pelo menos, vai levar alguma coisa do safado sem coração que fez isso  junto.
 
 
Spells:
 

 
Eu sou um homem simples e sigo um mantra – em commander, de graça, só porrada.
 
Isso quer dizer que a carta é ruim?
 
Não, só depende do estilo de cada um.
 
Se você curte política e loteria, vai fundo.
 
Se você joga o x1,  é uma excelente carta. Se adicionar multiplicador de token ou de trigger, fica demente a parada.
 
Se você gosta de combo maluco, phage, the untouchable tá aí  pra isso.
 


Esse ciclo de curse tá uma delícia – quase toda curse é pra acabar amizade de infância.
 
Trocar peia por mana de qualquer cor é uma parada que pouca gente vai conseguir resistir.
 
Por Draw, idem.
 
E maldição que a Profeta de Crufix deixou ao ser banida, já foi analisada.
 
E quanto menos resistirem, mais você lucra.
 
Satanice da melhor qualidade.
 
 

 
Escolha algo que você não controla.


Nesse mesmo review eu já devo ter dito umas 3x que se o efeito depende do oponente, eu não gosto.
 
Continuo com a mesma opinião, e só piora quando o(s) oponente(s) pode(m) escolher algo meu.
 
 

 
Draw engine pra tribal com trigger em ETB E ataque.
 
Não entendeu? Deixa eu te explicar, então:
 
Draw engine pra tribal com trigger em ETB E ataque.
 
É melhor que Coastal Piracy e Bident of Thassa (mas f*#@-$&! Você vai usar os 3 juntos mesmo).
 
Se você rodar um tribal com azul, sem essa carta, você tem muitos problemas amiguinho.
 
Alguém precisa dar um jeito de fazer um tribal de gafanhotos com isso e The Locust God.
 
 
Artefatos:
 


Já falamos sobre isso
 

 
É um Mirage Mirror tribal.
 
Curiosamente, quanto mais eu penso, menos eu vejo vantagem disso num tribal.
 
 
Reprints de destaque: Dragonspeaker Shaman, Fist of SunsCommander's Sphere  e um caminhão de dragões.
 
Pode não ser o melhor deck do set, mas é o mais emblemático, não adianta argumentar que não tem Money card, que não tem muito reprint de staple, ou qualquer outro argumento lógico.
 
É um deck tribal de dragões, carregado de lore e flavor, com a melhor lista de possíveis commanders do set, e com o melhor commander principal do set.
 
Lógica não funciona com deck tribal de dragões, se eu tivesse que escolher apenas um, escolhia esse sem nem pestanejar.

 

 

Arcane Wizardry - Commander
2017-08-22

Jogador

sadysaneto

Visitas

4399

Código Fórum

[deck=663027]
Main deck (99 cartas)

38 terrenos

27 criaturas

34 outras mágicas

Sideboard (15 cartas)

1 criaturas

  • Menor Preço

    R$ 43,75

  • Preço Médio

    R$ 49,70

  • Maior Preço

    R$ 59,95

 

Novidades.
 
Criaturas:
 

 
Pra mim, o segundo melhor general principal do set. E esse segundo lugar é discutível, dependendo do freguês.
 
7 de dano a cada passe do inimigo não é pouca coisa, mas também requer um certo trabalho.
 
O lance é que inalla, assim como Edgar, não precisa entrar nunca na mesa, a habilidade secundária é perfumaria, é na eminence que ela brilha.
 
Isso cria um paradoxo – Inalla é tão poderosa sem fazer nada, que é difícil justificar outra build que não seja um goodstuff wizards etb/reanimator.
 
Ou seja, deck “burro”, de magos.
 
Hue.
 

 
Kess, provavelmente é o melhor general spellslinger que já saiu, simplesmente porque tem custo baixo e tem as cores pra abranger todo mundo – Keranos, God of Storms, Talrand, Sky Summoner, Mizzix of the Izmagnus, Young Pyromancer, Guttersniper, etc, e adicionando preto.
 
Ah, sim! Buyback brilha com Kess.
 
Adios, Jeleva, Nephalia's Scourge.
 
 

 
Bant ou azorius é onde você quer estar para blink. Mas tendo azul e algo que valha a pena o esforço, dá pra arriscar.
 
Como Mairsil exila as cartas que “copia”, e como elas são “cumulativas”, ele caba sendo a toolbox definitiva.
 
AEtherling e Quicksilver Elemental são essenciais. Daí pra frente, satanás tá na direção.
 
 

 
Commander que alimenta GY não é uma coisa com pouca oferta no mercado.
 
O diferencial do taigan UB, é que ele vem com skip draw step embutido.
 
Ou seje, Necropotence, Null Profusion, Psychic Possession e quaisquer cartas que eliminem draw step, perdem o drawback.
 
Pode ser uma excelente notícia para você, mas pode não fazer nenhuma diferença também.
 
Realmente, depende da lista.
 

 
Preto é uma cor que não tem deficiência de sac outlet e reanimação. Os dois são o básico de qualquer deck de zumbi. E como, já falamos, Inalla faz um deck de wizards nesse mesmo caminho.


Qualquer carta que possa ser abusada nesse contexto, por algum efeito, é forte. Tendo 3 efeitos pra escolher, é muito forte.
 


Já falamos sobre isso.
 

 
Como todo o ciclo de magus, uma versão “alternativa” da carta original (Mind's Desire), mas que funciona melhor com storm do que com spellsinger.
 

 
Commander não é lugar pra trick. Mesmo se tiver pernas e tribo.
 
Dito isso, se você quiser sentir o gostinho de ter uma permanente blinkável, duplicável com Inalla, Archmage Ritualist, capaz de arremessar aquele monstrão endemonhado do amiguinho pro outro lado da mesa, vai nessa.
 


Não dá bounce em land e não protege tuas permanentes, mas cyclonic rift também não e isso nunca impediu a carta de ser um staple.
Galecaster é um Cyclonic Rift, caro, sem overload, mas permanente e facilmente abusável em tribal.
 


No papel parece até bom demais pra ser verdade.


E é.

 

Quando você começa a fazer as contas, é uma criatura de cmc 3, que começa a exilar carta um turno depois que entra, e se você sacrificar no próximo turno, já custou 3 turnos e 6 manas.

 

Eu tenho certeza que vão arrumar uns mil combos malucos com isso, mas, sei lá, dá trabalho demais.
 
Spells.
 


 
O ciclo quase todo de curses é lindo. Já discutimos isso.
 
 

 
Se o seu deck for cheio de criaturas indestrutíveis (hello, tribal de deuses!), é sensacional. Fora isso, é um lixo.
 


Muito mais caro que harsh mercy, mas sem perigo de dar ruim contra um outro tribal.
 
Eu não consigo pensar em um deck tribal com ramp e fix, como meus slivers, rodando sem essa carta E harsh mercy.
 
 
Artefato.
 

 
Já falamos sobre isso.
 
Reprints de destaque: Nevinyrral's Disk, Commander's Sphere, Memory Plunder, Decree of Pain, Marchesa, the Black Rose, Niv-Mizzet, the Firemind , Azami, Lady of Scrolls, Vela the Night-Clad , Nin, the Pain Artist , Arcanis the Omnipotent.
 
Muito parecido com o deck de dragões – um monte de commander novo arrombado, um monte de reprint de lendárias excelentes, e alguns Staples.
 
Mas ao contrário do deck de dragões, que só precisa da eminência de Ur-dragon e baixar bichos ignorantes, o deck de magos parece ser o menos jogável, direto da caixa.
 
Não me entendam mal, desse deck, saem uns 20 decks diferentes, mas ele, em si, é uma salada do c@#@%¨*.
 
 
Menção Honrosa CMD 2017
 

 
Entra virado e não funciona com cartas que buscam terrenos básicos, mas dá scry quando usa.
 
Ok, não é uma Cavern of Souls. Mas é quase, é excelente pra commander e é comum.
 
Merece morada em qualquer deck tribal seu.
 
 
 
Bom, é isso aí, amiguinhos – commander 2017.
 
O que acharam do set?
 
Até a próxima!

 

 

 


ARTIGOS RELACIONADOS

Laboratório de Commander

Ixalan através do Microscópio,


Sala de Comando - Review Commander 2017

Parte I – Gatíneos e morcegas.


Deck do Leitor - Child of Alara, do Beholder

Um tribal dos Deuses!


Sala de Comando - Review HOU

Parte Final - Multicoloridos, Artefatos e Lands.


Laboratório de Commander – Ep LI

Unesh, Decifra-me ou Devoro-te.

MTG Cards





Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

vampirehunterd (19/09/2017 18:24:02)

Um novo Barão Sengir teria sido a cereja do bolo, espero que saia algo dele na expansão "DOMINÁRIA" no 1º semestre de 2018.

SliverQ (17/09/2017 21:41:33)

Ô Sady, cadê vc meu filho!
Saudades dos seus artigos, voltaê!!!
Abração

GilsonBrujah (08/09/2017 09:07:35)

Ficou bacana a coleção apesar de eu esperar outras lendas. Achei que poderia sair uma nova versão do Barão sentir ou alguma lenda da época no baralho de vampiros, ou uma nova Oliva.

max_goblin (06/09/2017 13:40:08)

Bom dia,

Eu ando percebendo, no geral das análises, que o povo não viu o potencial da Identidade Fraturada. Talvez no X1 ela funcione como spot removal, talvez, mas de todo caso, ela mais lembraria algo do tipo pague 5, controle a permanente alvo.

No mesão, isso daí é pra combo mesmo, ou demais interações vantajosas. Vc faz mina uivadora, e depois exila ela, pronto, agora todo mundo compra 4 todo turno, em vez de 2. Além do combo da Phage, que eu achei muito louco, com certeza logo aparece outro japa mostrando o potencial da carta.

Se tem algo que meus anos de magic me ensinaram é: sempre que um card tiver um efeito único, analise-o com cuidado e mantenha-se de mente aberta =]

Eu achei o O-Kagashi muito fraco =/
E concordo com o sady, se a opção é do seu oponente.. ela, geralmente, não compensa. Esperar vc levar uma porrada, para no outro turno, atacar, e se conectar, exilar UMA permanente... é muito fraco. No mesmo deck vem um dragão, dando efeito para todos, que ao ser alvo já destrói permanente..

Ao meu ver, não deveria ter a clausula de atacar.. ou então exilar X, onde x é igual ao dano que vc recebeu, ou ao número de dragões, ou algo assim. #TISTI

VIP STAFF sadysaneto (06/09/2017 07:51:08)

pois jogue :)

valeu xuxu satanito

é um caso a se pensar um artigo sobre atualizacoes, mas acho q o lotério deve fazer.

traduzo não.

this

Zarlos (05/09/2017 09:59:55)

Ele não esta mais traduzindo porque agora os lores saem em portugues tb.

BlindDefender (05/09/2017 02:42:13)

Belo artigo, Sady!
Peguei o de Dragões e a primeira coisa que fiz foi tirar as lands viradas que adcionam 3 cores, coloquei algumas fetchs que tinha (rg e gw e as de pobre), algumas shock, check e pain lands nos lugares ( espero um dia ter condição pra deixar mais diversificado ).
Ainda não botei pra rodar pra ver como é, mas ainda penso em tirar alguns desses dragões que você citou e deixar outros. Pretende fazer outro artigo com sugestões para alterações?
Valeu
PS: Não traduz mais lores de coleções? =-[

rodrigoareis (04/09/2017 18:40:29)

Commander e formato diversão... sempre compro todos e nunca me arrependo... belo post como sempre Sady

kuung (04/09/2017 15:39:42)

Porra, até eu que não sou muito fan de comander queria jogar com esses calangos alados gigantes aahahaha

Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina