Minha Deckografia
04/11/2017 18:00 / 5,400 visualizações / 9 comentários

 

Eu realmente não sei dizer qual o fator exato que fez o Magic dar certo, se o jogo em si, a comunidade ou a atmosfera das partidas, o certo é que ainda gosto de sentar do lado de fora de uma loja e ficar ouvindo sobre a época que Anjo Serra​ e Leoes da Savana​ eram reis, que Martelo de Bogardan era kill condition de deck control e sobre as viagens para torneios. Claro que muito dessa nostalgia vem de uma época onde a maioria dos que jogavam não tinha responsabilidades e a vida era mais simples. Mas conforme você cresce, aprende que ouvir sobre essa época sem Magic Online, Ligamagic ou internet, é aprender sobre como o jogo nasceu e cresceu.

 

Uma ótima maneira de lembrar é pensando em decks, nossos marcos de época. Se tento lembrar de decks mais sérios, o primeiro que me vem a mente é de uma época negra do jogo, um dos maiores dominadores de formatos da história, o Affinity.

 

Affinity - Legacy
2017-11-04

Jogador

Ruda

Visitas

5415

Código Fórum

[deck=722751]
Sideboard (15 cartas)

    0

    • Menor Preço

      R$ 149,90

    • Preço Médio

      R$ 275,77

    • Maior Preço

      R$ 479,99

     

    Affinity não foi meu primeiro deck (um mono blue com Elemental do Ar e Seguranca das Docas) e nem o meu primeiro deck "sério" (um mono green elfos), mas foi o primeiro contato que tive com um deck competitivo de verdade, não algo que aparecia na loja, mas de um nível acima, com ele vieram as histórias sobre torneios grandes, Regionais, Nacionais, Worlds e jogadores lendários, como Jabaiano e Finkel.

     

    Unhas e Dentes, Grilhoes dos Vedalkeanos, Astral Slide e Ratos, foram outras coisas que fizeram parte dessa época, eu estava começando a jogar em lojas de Magic, aquele lugar cheio de marmanjo, que minha mãe odiava que eu fosse, cheio de pastas enormes com cartas que eu nunca tinha dinheiro para comprar (até porque eu não tinha dinheiro algum). Por sinal, foi nessa época que ouvi falar pela primeira vez da Ligamagic, eram camisetas que os melhores jogadores da loja tinham, aqueles que viajavam para torneios grandes. 

     

    O tempo passou, eu parei de jogar e fui voltar só em Zendikar, os tempos eram outros, eu tinha mais dinheiro e acesso à internet, além da Ligamagic, conheci ChannelFireball e StarCityGames,  é a época que muitos jogadores mudam de perfil, deixa de ser o garoto que vai na loja apenas como um programa de fim de semana, mais dinheiro e conhecimento alimentam sua vontade de vencer e o perfil do spike, jogador competitivo, se desenha. O seu deck não tem que ser legal, ele tem que vencer, hora também de pensar em shields e playmats e o assunto viagens fica mais acessível.

     

    Meu primeiro deck dessa época foi o Eldrazi Green:

     

    Eldrazi Green - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5408

    Código Fórum

    [deck=722752]
    • Menor Preço

      R$ 205,00

    • Preço Médio

      R$ 262,11

    • Maior Preço

      R$ 295,42

     

    Desenhado pelo americano Todd Anderson, o deck gera boas quantidades de fichas e tem sua explosão de valor quando coloca o Monumento de Eldrazi​ na mesa, tornando a vitória apenas uma questão de tempo. 

     

    Nessa época eu jogava toda sexta e sábado na loja, se tinha torneio eu aparecia, e em uma loja cheia de Junds e Vampires, a Grande Palanca Vermelha​ fazia a festa e comecei a ter meus primeiros resultados, não porque eu tivesse melhorado absurdamente, mas porque finalmente tinha acesso á cartas boas. Ainda sim, demorei muito tempo para fechar esse deck, pegando uma carta por vez.

     

    Mas o deck que realmente marcaria essa época da minha vida de jogador e que mudaria tudo, seria outro, já na era de ascensão do Caw Blade, o BR Vampire:

     

    BR Vampire - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5410

    Código Fórum

    [deck=722754]

     

    Um aggro simples e com alcance, o power level do deck era bem alto, contando com Raio, Inquisicao de Kozilek​ e Tutela Sombria.

     

    Era a primeira vez que eu tinha bem rápido um deck completo e que podia jogar sempre com ele, foi o primeiro deck que realmente entendi em cada detalhe e comecei a ter minhas primeiras lições de sideboard. O grande marco desse baralho foi o 6-1 em um Regional e vaga para o Nacional daquele ano, o que para o meio que eu jogava era quase como ir ao Pro Tour. A história da vaga só fica melhor quando lembro que eu fui sozinho para São Paulo e andei 2h antes de chegar à Devir, ou seja, 20 anos, nada na cabeça, mas muita disposição.

     

    Ter jogado um Nacional mudou minha maneira de ver Magic, eu nunca tinha visto um torneio daquele tamanho e com tantos jogadores profissionais, aquilo me marcaria pra sempre e penso que muito da minha relação com o jogo vem dessa experiência. GPs, CLMs, PTQs, RPTQS, tudo isso viria em decorrência de eu ter ido para São Paulo naquele Regional.

     

    Depois disso, veio o deck que mais me ensinou até hoje:

     

    UW Delver - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5412

    Código Fórum

    [deck=722755]

     

    Nenhum baralho me ensinou tanto quanto o UW Delver, era um estilo novo para mim, o tempo, onde saber cada detalhe da match não era só importante, como era vital. Demorei para aprender a jogar com o deck, e nessa época virei fã do japonês Yuuya Watanabe, mestre do baralho. O UW Delver me ensinou que cada mágica importa, que cada vantagem deve ser protegida e o tempo no Magic é maleável para quem sabe dominá-lo. Foi meu maior crescimento em termos de habilidade, o arquétipo me apaixonou de tal forma que até hoje eu procuro decks nesse estilo para jogar, mesmo que não sejam muito bons. Também por causa dele que joguei um Nacional Legacy, obviamente de RUG Delver.

     

    UW Flash - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5406

    Código Fórum

    [deck=722756]

     

    UWR AngelFire - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5411

    Código Fórum

    [deck=722758]

     

    Dois decks baseados em Revelacao da Esfinge​, carta que usei enquanto foi válido no Standard, ambos decks que me ensinaram sobre controlar um oponente e finalizar com velocidade, ou de forma mais tempo, como o Delver havia feito. Acima de tudo, eram decks que exigiam mais de mim, eu precisava ficar mais concentrado e levar minhas partidas mais á serio. Felizmente, nessa época a minha cidade tinha quase um torneio por dia, o que me permitiu jogar muito. Mais do que isso, foi quando comecei a entender que equipes não eram apenas formas econômicas de juntas cartas, era sobre sentar com pessoas que você considerava boas e treinar, foi quando aprendi que em treinos você pode jogar diferente, pode perguntar, entender como o oponente pensa, sobre parar para pensar e discutir uma jogada. Em duas oportunidades eu fiz esses treinos, dois dias completos jogando as principais matchs do formato, nas duas vezes fiz top16 em PTQs grandes.

     

    Sendo que em uma delas, eu jogaria um formato ainda novo:

     

    BG Rock - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5415

    Código Fórum

    [deck=722759]

     

    Modern era uma novidade que entrava no lugar do finado Extended, eu conhecia a estratégia midrangeo e já achava interessante o BGx, mas não tinha acesso às cartas. Em um PTQ eu consegui o deck e treinei com ele, dai viria o meu grande amor no formato e nunca mais deixei de ver com carinho a combinação. Ah, nesse PTQ foi a primeira vez que vi um Abzan em ação, ficando fascinado com como Almas Penadas​ ganhava os jogos.

     

    Mono Blue Devotion - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5405

    Código Fórum

    [deck=722761]

     

    Em uma era de informações, o Mono Blue Devotion foi o caso raro de um deck que passou desapercebido e atropelou no Pro Tour, ele era simples e direto, lembrava muito o Merfolks do Modern, um deck que masterizado fazia muita coisa. Nessa temporada apliquei uma das máximas de alguns spikes, comprei o deck, joguei o máximo que pude com ele, e depois vendi o baralho todo. Em uma cidade que tinha torneios quase diários, não foi difícil lucrar muito sendo um rato de loja. Essa praticidade é o resumo do que muitos jogadores competitivos pensam, o deck é uma ferramenta para conseguir algo maior, e depois que ele não serve mais, é descartado. 

     

    Abzan Megamorph - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5403

    Código Fórum

    [deck=722765]

     

    Comecei essa temporada com Ginete de Mantideo​, mas logo me rendi à força de Rinoceronte de Cerco, Capturar Pensamento e Elspeth, Campea do Sol,  entrando de cabeça no mundo midrange. A interação de Raptor da Nevoa Mortal​ e Protetor do Covil​ era o principal motivo para eu gostar dessa lista. Esse deck também me marcou porque foi quando comecei a aplicar mais os treinos, com a máxima de "não existe bad match, existe abordagem errada", eu e meus amigos sentávamos por horas tentando quebrar cada oponente do Abzan. RG Devotion, uma das piores matchs do baralho, foi resolvida quando descobrimos que interações no primeiro ou no segundo turno e Protetor do Covil​ morphado turno 3 eram a chave para evitar Xenagos, o Orgiaco​ e a explosão do ramp.

     

    Essa também era a época que começram os PPTQs, torneio obrigatório para os jogadores competitivos, e peguei minhas primeiras vagas jogando com esses decks:

     

    Boros Aggro - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5411

    Código Fórum

    [deck=722766]

     

    5C Bring to Light - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5401

    Código Fórum

    [deck=722767]

     

    O primeiro é um dos melhores aggros que já usei, o deck jogava fácil e as criaturas tinham grande valor sozinhas, punindo um oponente que não matasse todas. E Cerco ao Posto Avancado, meu senhor, que carta maravilhosa em um mundo que pouca coisa eliminava meus encantamentos. O segundo deck foi um baralho de um único tiro, usei apenas em um PPTQ e o deck atropelou o que via pela frente, Trazer a Luz​ era um canivete disfarçado de cartola de mágico, já que, pela estratégia ser nova, muitos oponentes não sabiam o que poderia vir. Rinoceronte de Cerco e Ojutai, Soberano Dragao fizeram a festa.

     

    Bant Comapny - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5406

    Código Fórum

    [deck=722770]

     

    4C Rally - Legacy
    2017-11-04

    Jogador

    Ruda

    Visitas

    5406

    Código Fórum

    [deck=722772]

     

    Uma das eras negras do Standard, Companhia Agrupada​ e Jace, Prodigio de Vryn​ dominaram o formato enquanto foram válidos, gerando card advantage em quantidades absurdas. O primeiro deck é bem parecido com o Bant Company do Modern, um aggro que consegue jogar em modo flash, já o segundo é um dos melhores combos que o T2 já viu, uma série de criaturas ditas "ruins", que juntas limpavam os pontos de vida do oponente, tudo isso em um mundo onde Anafenza, a Principal e Kalitas, Traidor de Ghet eram válidos, mas que não seguram esse deck fantástico.

     

    Daqui em diante entramos em baralhos mais recentes, UW Flash e Mardu Veículos foram outros baralhos que me renderam bons resultados, 4C Saheeli e Marvel quebraram o formato e chegamos ao mundo de Temur Energy e O Deus Escaravelho​. Ver todos esses decks diz muito sobre o próprio jogador, tenho certeza que alguém menos competitivo teria uma lista completamente diferente, mesmo outro spike teria uma lista diferente, já que em ambientes mais saudáveis, ele escolheria outros decks de sua preferência. Enumerar os decks que você usou diz muito sobre sua trajetória e explica sua relação com o jogo.

     

    Ainda não sei porque Magic dá certo, mas sei que algo ainda me impulsiona, porque em 2h horas estarei pegando outro ônibus para um torneio, como o cara que foi para São Paulo com um BR Vampires e nenhuma ideia sensata na cabeça.

     

    Me desejem sorte!

     

    Ruda

     

     

     

     

     

    TAGS: 

    Rudá Andrade dos Reis (VIP STAFF Ruda)
    Aficionado por decks azuis agressivos, mas que não dispensa um bom Siege Rhino nas horas vagas, está no Magic desde 2003, em Flagelo. Em 2012 começou escrever sobre Magic e não parou mais, sendo que em 2015 se tornou Editor da Ligamagic.
    Redes Sociais: Facebook, Twitter

    ARTIGOS RELACIONADOS

    Decks da Semana #9 do CLM10: BW Tokens

    Modern: BW Tokens, por Christopher L. Silva.


    Decks da Semana #9 do CLM10: UB Control

    Standard: UB Control, por Márcio D. Preto.


    Decks da Semana #8 do CLM10: Abzan Midrange

    Modern: Abzan Midrange, por Bruno A. Neivae.


    A outra metade do Metagame

    Os resultados do Pro Tour Ixalan.


    Acompanhe o Pro Tour Ixalan

    Os melhores do mundo, em ação.

    MTG Cards





    Comentários

    Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

    VIP STAFF Ruda (07/11/2017 13:03:48)

    Comecei a jogar em 2003 e mais sério só em 2010 xD



    Faz Tic a ideia do texto é justamente que mais gente faça essas listas.

    JOMM (07/11/2017 09:04:26)

    só deck novo, achei q teria decks dos anos 90 e começo dos anos 2000

    VIP STAFF GAROTOTIC (06/11/2017 12:54:56)

    Eu gostei muito mesmo do que eu li.
    A cada momento que eu lia eu ia relembrando a minha história no Magic, meus decks.
    Até pensei em fazer o mesmo, mas não sei se tenho essa capacidade.
    No mais, parabéns. Eu sempre gosto de ler isso de outros players.

    Unreal_Lord (06/11/2017 12:02:12)

    Eu sou um saudosista, nostálgico total. Comecei logo quando lançou Miragem, com 12 anos. Cheguei a parar em alguns períodos, mas nunca me desfiz das minhas cartas. Lembro com carinho da época do Seera Angel, Barão Sengir, Espectro Hipnótico, Gênio Mahamoti. A alegria que tive quando consegui o meu primeiro Assassino da Realeza. Olhava aquilo vidrado, como uma relíquia. Sentia orgasmos sempre que ele vinha na mão e eu o descia. Sonhava com o Kraken Polar no meu primeiro deck azul e preto, 11/11 atropelar, uau... Fui pegar o meu primeiro Kraken Polar e Barão Sengir esses dias para a coleção, 20 anos depois.

    Lançando o papo de velho, naquela época era muito melhor. Essa questão do fácil acesso aos cards e a informações pesa tbm. Antigamente era difícil VER alguém com um Dragão de Shiva e quem tinha não passava, era uma relíquia, algo especial mesmo. Hoje em dia basta ter dinheiro q vc compra em qualquer loja, na liga, enfim. Acabou esse lado de cartas míticas de verdade, lendárias de verdade.

    Quando comecei em 1996 quase ninguém tinha Internet e um amigo montou um mono W Winnie destruidor, todos o achavam um gênio do Magic, ninguém o vencia. Na real era um netdeck, copiado de um campeão da época q provavelmente ele viu por ter acesso à Internet e por nós não termos achávamos q ele criou aquele deck.

    Enfim, dá pra escrever um livro só disso, mas pra finalizar, sou tão saudosista que criei um deck de cada cor com cartas até 1996, de Visões para trás. Decks q eu sonhava em ter na época, só para ter o gosto de jogar com Assassino, Anjo Serra, Mahamoti, Esfera de Raios, Força da Natureza etc. Sempre bom jogar com eles.

    jnfirst (05/11/2017 01:57:17)

    Eu joguei no início de Magic no Brasil e lembro até hoje quando tomei tropical island, birds e Mox Saphire no 1 turno, Savannah e Erhnam no 2 e Armageddon no 3 e percebi que o jogo era bem mais complexo do que imaginava e que tinha que aprender muito ainda (sequer tinha visto uma Mox ou uma dual até então).
    Parei quando ganhei um torneio local T1 com necropotence, hymm, bolt, sedge troll, Erhnam e com duals e pain lands - mesmo sendo fã dos decks control à época (uw, mill deck, stasis decks e afins - sofri muito quando "inovaram" com a restrição de tempo nas partidas oficiais).
    Agora, reaprendendo o jogo novamente, vejo seu artigo e me identifico em muitas observações (principalmente ao acesso às cartas), exceto pela qualidade de jogador, sou newbie novamente...
    Boa viagem e boa sorte.

    tattoowalker (05/11/2017 00:31:14)

    muito foda!! so deck maneiro..alguns eu joguei mas a maioria infelizmente eram meus inimigos rsrsrsrs

    nossa, pinca craniana!! maluco!! que doidera!!! pinca providencialmente banida..
    uw delver nunca esquecerei desse deck.. que deck foda
    gostei desta perspectiva , parabens

    roberto_geolol (05/11/2017 00:13:31)

    Muito bom conhecer a história e a evolução! Obrigado por compartilhar (=

    cesar_mattos (04/11/2017 21:10:47)

    Saudades do inicio do magic, leão da savana turno e anjo serra finalizando o jogo, nessa época era acirrada as disputas das partidas

    HHHH (04/11/2017 18:34:07)

    Muito legal sua história no Magic. Me fez lembrar da época que ganhei minhas primeiras cartas e que eu adorava usar Julgamento de Radiante nos Rizowala de Couraça dos meus amigos. Kkkkk!

    Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina