Meu Mundo Caiu
07/12/2017 10:00 / 6,240 visualizações / 17 comentários
 
Olá Ligamagiqueiros e Ligamagiqueiras,
 
No artigo de hoje vamos aprender como expectativa e realidade são duas coisas completamente diferentes. Expectativa é quando você junta três jogadores nível Platinum e espera que eles ganhem a Copa do Mundo de Magic. A realidade é que um dos melhores times já montados para esse torneio não conseguiu passar da primeira fase. Fim.
 
Para aqueles que não sabem o que aconteceu, no último final de semana (1 a 3 de dezembro) foi realizado a Copa do Mundo de Magic. Cada nação envia três jogadores para competir em um torneio de times e o Brasil conseguiu algo inédito: Juntar três campeões de pro tour em um mesmo time. Um dos integrantes do time é esse que vos escreve e os outros dois jogadores eram Paulo Vitor Damo da Rosa, também conhecido como melhor jogador de Magic do mundo, e Lucas Berthoud, campeão do Pro Tour Dublin 2017. O time brasileiro era a sensação do torneio, muitos acreditavam que top8 era o mínimo que faríamos, mas no final acabamos sendo eliminados no primeiro dia.
 
 
Fazia tempo que as derrotas não me abalavam, mas a eliminação da Copa do Mundo me deixou com um sentimento que eu não sentia a muito tempo. Havia um misto de raiva e ódio correndo pelo meu corpo após a derrota para a Malásia. Eu não parava de repetir como aquilo era injusto. Como um time com três finalistas dos últimos 5 pro tours podiam ter sido eliminados no primeira dia? Eu não conseguia encontrar respostas e isso me deixava mais frustrado ainda. Como eu disse no primeiro parágrafo, a expectativa era muito grande e eu tinha embarcado nesse barco junto com todo mundo.

Eu resolvi me isolar um pouco para colocar meus pensamentos em ordem. A primeira coisa que tive que lembrar era que o Magic é um jogo de variância e as vezes as coisas não acontecem da melhor maneira possível. A segunda coisa que eu tive que me lembrar era que estava em Nice, uma das cidades mais famosas da França, e que poderia pegar um trem e em trinta minutos estaria em Monaco. A terceira e a mais importante de todas era que eu estava com pessoas extremamente agradáveis e divertidas. Não havia porque fazer parte de um funeral enquanto, na verdade, eu estava dentro de uma grande festa. A única saída era encarar aquilo com naturalidade, melhorar o humor e aproveitar todo o que estava sendo oferecido.

Depois do período de autoajuda e autoterapia, consegui melhorar minha moral, mas o baque da derrota tinha sido muito forte. O mais engraçado é que no começo da viagem, o PV me contou sobre o mundial individual que ele jogou em Nice e como ele tinha ficado triste depois de fazer um resultado ruim. Eu disse que não concordava com aquela postura e que se isso acontecesse dessa vez, teríamos que aproveitar as outras partes da viagem. Acredito que disse isso porque nem passava pela minha cabeça ser eliminado no primeiro dia. Pobre Jaba e sua grande língua. O destino riu de mim.
Depois desse começo melancólico de artigo, vamos falar de treino e Magic! 
 
TREINO PARA A COPA DO MUNDO
 
Para quem não conhece o formato de disputa da Copa do Mundo, ela é dividida em três fases diferentes: Classificação para os grupos, grupos e playoffs.
A Classificação para os Grupos é composta por sete rodadas, sendo 3 rodadas de Team Sealed e 4 rodadas de Team Standard Unified. Os 32 melhores times avançam para a fase de grupos. Se um time atingir quatro vitorias antes da sétima rodada, ele está automaticamente classificado e recebe byes nas próximas rodadas. Após a sétima rodada, irão sobrar algumas vagas para a parte de grupos que serão completadas pelos melhores times não classificados. A fase de grupos tem duas etapas: Top 32 e Top16. Os grupos são organizados de quatro em quatro times e os dois times de cada grupo que fizerem duas vitórias avançam para as fases seguintes. O Playoff é o famosos mata-mata, ou seja, se você perder, pode conhecer Nice e suas praias.
 
Tirando as três primeiras rodadas de Team Sealed, todo o resto do torneio é disputado no formato Team Standard Unified e sabendo disso, o foco do nosso treino era exatamente esse formato. Para conseguirmos uma abordagem maior, montamos um grupo no facebook onde incluímos o Willy Edel e outro grupo onde tínhamos os times de Portugal, Espanha e Argentina.
 
O formato Team Standard Unified tem uma regra que dificulta todo o processo de montagem de deck: Caso uma carta seja usada em um deck, nenhuma cópia dela pode estar presente nos outros dois decks. Em um mundo ideal, Temur e Monored jogariam juntos, mas como vivemos em uma realidade onde o formato é Unified, comer muito engorda, a internet não é de graça, as séries que gostamos acabam e a injustiça prevalece, tínhamos que achar soluções para esse problema.
 
Nós sabíamos que iríamos jogar com um deck de energia (temur, sultai ou 4color), o monored (caso conseguíssemos achar uma lista de energia que combinasse) e o terceiro deck nos parecia o mais complicado de montar. A primeira opção foi o GW pilotado pelo Eduardo Vieira e Willy Edel no Pro Tour Albuquerque. O problema era que sem o fator surpresa e com a lista já revelada, o deck perdia muito poder de fogo. Durante o PT, ambos os criadores do deck conseguiram “roubar” algumas vitórias graças ao desconhecimento da lista.

Foram vários decks que passaram pela terceira cadeira, até que na semana de treinos em Nice, nós começamos a simpatizar com o UW Cycling. O deck estava longe de ser perfeito, mas tinha um jogo honesto contra Energia (O Sultai era mais complicado devido as mágicas de descarte) e Monored. Além disso ele conseguia se virar bem contra o Approach que, no nosso entendimento, seria o deck de controle mais jogado do torneio.

Com o terceiro deck decidido, as atenções voltavam para o dilema Temur x Monored. Não estávamos confortáveis de jogar com Sultai e nem queríamos enfraquecer o melhor deck do formato. Nós tínhamos o melhor jogador do mundo, tínhamos que ter o melhor deck na mão dele. Com o UW Cycling decidido, nós não tínhamos como jogar com o UW gifts, então testamos o UB gifts. Não animou. O Temur Budget e o Monored Budget também não animavam. Era muito triste ver o Temur perdendo para um Rampaging Ferocidon por falta de remoção.
 
Os portugueses já tinham acenado com a possibilidade do MonoBlack aggro e, devido as possibilidades escassas, começamos a simpatizar com o deck. Ele estava indo bem contra os controles, o jogo com o monored envolvia uma habilidade imensa de quem tirava o número mais alto no dado e contra o temur, você já sabe, ninguém domina esse deck. Eterno Ammit me agradava demais, assim como a mistura de remoções baratas e um Heart of Kiran​, que tocava o terror. Realmente não consigo falar com certeza se era a falta de opção ou os jogos que eu estava assistindo do deck, mas o MonoBlack começou a agradar.

Perto da meia noite da quinta-feira, dia anterior ao início do torneio, nós acabamos perdendo a confiança no MonoBlack. Jogamos alguns jogos, o deck não se saiu muito bem e como o Bertu seria o responsável por pilotar o deck, resolvemos mudar para o UB Midrange que era um deck que ele já conhecia e não interferia com nenhum dos nossos decks. Listas enviadas, decks montados e o começo da tristeza estava esperando a gente no dia seguinte.
 
COPA DO MUNDO DE MAGIC

Sexta-Feira, dia 1 de dezembro. Nice, França. Três brasileiros acordam com a esperança de fazer história. Todos animados, Bertu coloca a música da seleção de futebol na Copa do Mundo de 70. Tudo está correndo normal. O cenário está pronto, mas como eu disse para vocês no inicio do texto, expectativa e realidade são duas coisas totalmente diferentes.
 
Abrimos um pool de selado com cartas fortes, porém sem muito recheio. Conseguimos dividir o azul e montar um UB Piratas com Vraska e um UR Piratas. Esses eram nossos dois decks mais fortes. O terceiro deck ficou um GW dinossauro sem muito condimento. Ganhamos a primeira rodada (que você pode acomapanhar aqui) e depois tivemos a visita da famosa “Zica” nos outros jogos. Era muito engraçado como eu olhava o PV e ele não conseguia passar do terceiro terreno. Ele me olhava e lá estava o meu UB querendo ser monoblue com 7 ilhas na mesa. Em determinado momento o Bertu fez “um Comungar com os Dinossauros e as cinco cartas eram: Quatro remoções e uma criatura que não era dinossauro. Esse era o sinal do fim.
 
Esse foi meu deck na parte Standard:
 
UW Cycling - Standard
2017-12-07

Jogador

Ruda

Visitas

6258

Código Fórum

[deck=750981]
 
PV foi de Temur e Bertu de UB Midrange.

Na parte do Standard, nosso primeiro jogo (e quarta rodada do torneio) foi contra a Equipe de Malta. Temur (PV) x Gifts, UB mid Range (Bertu) x 4color e UW Cycling (Jaba) x MonoRed. Infelizmente não consegui ver o jogo dos meus parceiros devido a velocidade do meu jogo. Nos treinos, quando o UW Cycling começava o jogo era tranquilo e quando o Monored começava dificultava um pouco mais as coisas. Meu oponente conseguiu abrir uma mão muita boa. A sequência foi Soul-Scar Mage, Kari Zev, Skyship Raider, Shock e Lightning Strike​, com a Hazoret the Fervent no quarto turno. Realmente não tinha muito que eu pudesse fazer com 8 de vida no terceiro turno. No segundo jogo eu comecei com Authority of the Consuls​, e isso me deu folego suficiente para construir o jogo. O terceiro eu sempre estava um terreno atrás de acabar com a partida. Deixei de baixar terreno por dois turnos e isso foi o suficiente para que eu não conseguisse voltar.

A quinta rodada foi uma folga de todo o sofrimento com meu oponente pegando todas as cartas para ler. Nós jogamos contra o time da BieloRussia e eu fui emparceirado contra um BW Tokens. Acredito que seja um dos decks mais fáceis de enfrentar. Ele não tem pressão suficiente para atrapalhar seu jogo, o Drake Haven é mais eficiente que a fábrica de tokens dele, além de que um Fumigate resolve o jogo. Os Cast Out e counters impedem que as cartas chave dele tenham efeito no jogo. Os outros matches eram Bertu x Monored e PV x UG Plummener.

A sexta rodada foi a que fechou o caixão. Os jogos eram PV x Sultai, Bertu x UW Approach e eu x Monored. O primeiro jogo foi muito estranho, ele começou sem pressão, apenas um Earthshaker Khenra me atacando, e eu fiz uma Search for Azcanta no segundo turno. A questão foi que toda vez que eu joguei um terreno com o Search para o cemitério, a próxima carta era outro terreno ou Fumigate. Além disso ele tinha o Scavenger Grounds​, que impediu meu trabalho suado de ser recompensado. Eu comprei apenas duas cartas cycling e fui derrotado na tabuada do 2. O segundo jogo foi ganho com o Authority of the Consuls no primeiro turno, Cast Out no amigo Hazoret the Fervent e Fumigate para o Rampaging Ferocidon. O terceiro jogo foi decidido em uma manobra arriscada que eu fiz. Minha mão consistia em 3 Censor, 1 Authority of the Consuls, 1 Fumigate, 1 Settle the Wreckage e 1 Irrigated Farmland. Como ele começava, eu cogitei fazer o mulligan, mas eram duas compras para conseguir o segundo terreno, além do fato de conseguir fazer o Authority e talvez um Censor para o Rampaging Ferocidon ou Ahn-Crop Crasher no terceiro turno dele. Eu fiquei com a mão e infelizmente o plano não saiu como deveria. O PV ganhou do Sultai, mas o bertu perdeu para o UW Approach e isso era o nosso adeus da Copa do Mundo.

Sobre a escolha dos decks, eu não acredito que erramos grosseiramente. Nós não queríamos enfraquecer o melhor deck do formato e trabalhamos sempre em cima disso. O UW Cycling se mostrou sólido durante os treinos e por isso foi o primeiro deck que colocamos no trio. A troca do Monoblack pelo UB Midrange em cima da hora pode ser  o ponto a ser contestado, mas preferimos colocar nas mãos do Bertu um deck que ele já conhecia do que um deck que não tínhamos muita confiança.

Acredito que cada palavra que eu colocar aqui sobre o torneio vai continuar a expressar minha frustração com o resultado. Ao invés disso vou agradecer ao PV e ao Bertu pela viagem e companhia. Quero agradecer ao Thiago Rodrigues que acolheu todos os brasileiros em Lyon, nos levou para comer um belo Fondue. Quero agradecer a padaria que fica em frente ao centro de convenções de Nice que servia um sanduiche muito bom de presunto cru, queijo e salada. Quero agradecer aos supermercados europeus que vendem chocolate de qualidade por preços bons. Quero agradecer meu pai, minha mãe, minha mulher, meus cachorros e vocês que aturaram meu choro até agora! Como todo o bom gordo, vou ali na cozinha comer um pouco daquela felicidade sólida chamado chocolate. Até o próximo artigo!
 
 
 

Carlos "Jabaiano" Romão ( How_crap)
Campeão Mundial em 2002 e em 2010, Jabaiano é uma lenda do Magic brasileiro. Platinum no Pro Players Club, ele é membro da seleção que representará o Brasil na Copa do Mundo de 2017.
LigaMagic App

ARTIGOS RELACIONADOS

Por Dentro do UW Monumento

Adivinha quem está de volta?!


Real Rogues! – Tribal Gatos!

VAI CAMBADA!


Também erram no Olimpo

Comentando as partidas do Pro Tour.


A outra metade do Metagame

Os resultados do Pro Tour Ixalan.


O Enigma Temur

"Vamos ver se o Temur é tudo isso!"

MTG Cards



Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

KusanagiE (10/12/2017 19:49:52)

Poxa, cara, ler esse report dá um aperto no peito. Mas acredito que cada experiência (mesmo que ruim) nos ensina uma lição. O MTG está sempre a nos mostrar que não devemos perder a humildade, principalmente quando dependemos não só da habilidade, mas também da sorte e da probabilidade.

ekiler (08/12/2017 08:34:22)

Perder, faz parte. As vezes mesmo que façamos tudo certo ainda iremos perder, o jogo sempre vai depender de algum grau de sorte, nenhum campeão vai ficar comprando 5 terrenos seguidos em partida decisiva.

Agora uw cycling?? essa eu não entendi, vocês devem ter dado muita sorte com ele nos testes pra achar que valia a pena sei lá, um ub control me parece bem melhor em todos os quesitos

Cristhiano (08/12/2017 06:22:03)

Ah vá...
"Copa do Mundo de Magic. Cada nação envia três jogadores para competir em um torneio de times"

BUSINESS laemcasa (08/12/2017 01:32:47)

Triste fim Jaba, mas continua sendo meu ídolo! Na próxima bate! =)

Adrianoc14 (07/12/2017 21:29:06)

Que foda. Estar lá já foi uma vitória. Apenas 3 brasileiros foram.
Mas isso não muda que ter avançado no torneio seria lindo.
Bom esperamos que outras oportunidades apareçam no futuro.
Muitas vitórias e derrotas estão por vir.
Boa sorte ao trio.

roberto_geolol (07/12/2017 20:50:42)

Obrigado por compartilhar! Acredito que escrever este post tenha ajudado a metabolizar o acontecido e tudo isso vai fazer vocês crescerem ainda mais.

Essa mensagem, certamente, é muito poderosa tanto pra quem está começando quanto pra um veterano que já desanimou com Magic alguma vez, por conta de resultados.

Parabéns por terem chegado até lá e por tudo o que conquistaram até aqui!

KaervekTheMerciless (07/12/2017 19:44:25)

O resultado não diminui em nada o quão importantes vcs são pro cenário brasileiro de Magic, e é importante saber que nem sempre se vence... Agora é partir pra próxima

Obrigado por tudo, vcs são lendas

Creighton (07/12/2017 17:50:30)

também com esse deck ai meu jovem nem se você fosse um semi-deus.

gcareta (07/12/2017 16:34:50)

Curti muito o artigo e acredito que todos que gostam de jogar, principalmente no mundo competitivo deveriam ler e entender que nem todo dia é o melhor dia. Mesmo que esteja em uma equipe sensacional, há dias que as coisas simplesmente não acontecem como deveriam.

Só um detalhe, nenhum de vocês três precisam provar mais nada para ninguém!

HHHH (07/12/2017 15:24:10)

Jaba, PV e Bertu, não se deixem abalar por essa derrota, pois o Magic tem uma grande margem para o fator sorte. Infelizmente a sorte não favoreceu o Brasil dessa vez, mas haverão outras oportunidades e tenho certeza que venceremos. Enquanto isso vamos comer chocolate e jogar Magic! Abração!

lm7k (07/12/2017 12:39:46)

Parabens por tudo e pelo artigo. Mesmo o time não tendo conseguido todo experiencia vale a pena. Foram escolhas que nao deram certo. Que sirva de aprendizado pra nos aqui que no maximo torcemos muito...

Somente o observo que o time se limitou a nao observar as redundancias em detalhe extrema. O Japao campeao jogou de Mono Red e de 4C energy. A unica carta comum entre esses 2 decks eh chandra. Optou-se la de nao usar chandra no Mono Red porque existem versoes com 1 ou 2 chandra no side e nada de chandra no main. Resolveram o problema de forma simples. Faltou uma avaliaçao mais profunda como o Japao detalhista fez. O mono red deles era aggro. Trocaram a chandra do side por mais 4 Aethersphere Harvester e 3 Glorybringer. No main atacam por terra. No side com voo. Simples.
Se olharmos os top 4 todos aprendemos. Tudo eh um aprendizado.
You are the champion.

O_Turco (07/12/2017 11:45:31)

Pensei que picariam o UB control, o deck é sólido e joga muito nesse meta com o side certo; mas parabens por todo o trabalho que tem feito no Magic, uma derrota não ofusca o brilho do seu time.

caducech (07/12/2017 11:44:32)

Porque o PV não jogou com o Mono red ? Sei que depois do Pro-Tour ele jogou de Temur e talz mais eu esperava esse baralho na mão dele, um mid-rang na mão do Bertu e algo control em suas. Essa e a minha opinião sou apenas um Admirador de vocês e mesmo apesar da Derrota os 3 continuam sendo icones/Idolos para o nosso Pais e parabéns por tudo JABAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Takamtg (07/12/2017 11:43:27)

Parabéns Jaba pelo relato! Cabe a vocês aceitarem a variância e escolhas feitas. Afinal foram escolhas feitas por jogadores profissionais assessoradas também por outros profissionais. E lá vcs eram provavelmente a melhor equipe, mas os outros jogadores também são profissionais, então o abismo de habilidades não é tão pronunciado. Assim como vcs eles vivem pro MTG e tem dias de caçadores e outros da caça. Abraço.

Sr_Brums (07/12/2017 11:30:24)

Eu fiquei muito entusiasmado com a equipe da seleção para a copa do mundo deste ano. Tentei acompanhar, conforme pude, o desenrolar deste torneio, interessado principalmente no desempenho da nossa equipe. Infelizmente o resultado não refletiu a grandeza do time, as coisas são como são. Não é por isso que este time deixa de ser grandioso.

Eu não sou nenhum grande jogador de Magic e infelizmente no meu caso as derrotas são mais frequentes do que eu gostaria, pra mim ver o excelente desempenho do Brasil nos últimos anos me deu muito orgulho e me inspirou a tentar se um jogador melhor. Muito deste excelente desempenho do Brasil foi devido aos resultados dos membros desta equipe. Não é um resultado ruim que me faz parar de tentar ser melhor e não é um resultado ruim que vai mudar minha opinião sobre o quão excelente é este grupo. Vocês tem o meu apoio e torcida.

CamiloArt (07/12/2017 11:28:34)

Acho que o erro foi a escolha do deck...mas quem sou eu, né!

Denfaceupp (07/12/2017 10:20:54)

Parabéns pelo artigo e pelo ótimo trabalho com Magic! Um torneio isolado, por mais copa do mundo que seja não pode definir o norte de um jogador; ainda mais de um jogador fantástico como você!