Commander 2019 no cEDH
29/08/2019 10:05 - 12,674 visualizações - 16 comentários

Fala galera!


No mês de agosto tivemos um dos lançamentos mais esperados desse ano, o Commander2019, onde a wizards lança seus decks pré construídos com algumas temáticas e interações novas, ou reprints; porém hoje iremos falar sobre as adições desse lançamento no nosso querido cEDH.


Como essa coleção tem como foco atingir novos jogadores, e mesas For Fun, temos que levar em consideração que não temos muita coisa pra extrair, por isso resolvi escolhi falar apenas das criaturas lendárias que podem ser comandantes, e apresentar alguma relevância numa mesa competitiva, escolhendo duas dessas criaturas em especifico: K'rrik, Son of Yawgmoth  e Elsha of the Infinite.


Tentarei nesse artigo apresentar algumas builds que poderíamos utilizar para ter o melhor aproveitamento possível com deck.


Antes de tudo, devo citar algumas menções honrosas que podem ser bem otimizadas, porém não se destacam tanto.



 

Entao, sem mais delongas, vamos ao que interessa.
 

K’rrik, Son of Yawgmoth


Conjurar mágicas de graça sempre foi algo extremamente relevante dentro do Magic, e por experiência já sabemos que mana phyrexiana foi uma das mecânicas mais fortes já impressas pela nossa tão amada WotC, facilmente explicada por Gitaxian Probe, que só não é banida do Commander e do vintage. Tambem podemos destacar o uso de Noxious Revival dentro do cEDH, que nos da recursão em Instant speed pela bagatela de 2 pontos de vida. Para deixar tudo melhor, nosso comandante é um mono Black que tem essa capacidade, mas não só transforma o custo convertido em mana phyrexiana, e sim TODOS os custos B nas cartas.


Nessa lista a presença do comandante é muito importante no campo de batalha, por isso o grande uso de Rocks e rituais é essencial para começarmos a modelar o campo. Também podemos observar a alta densidade de tutores, para solidificar e acelerar o caminho até as win conditions, aproveitando também de cartas como Dark Ritual, Sign in Blood e Leshrac's Sigil, que podem ser baixadas sem custo de mana, já que não possuem nelas custos incolores.

 

K'rrik Doomsday cEDH
Por D3AD
8543 visualizações
23/08/2019
R$ 5.648,51
R$ 7.689,72
R$ 20.352,55
8543 visualizações
23/08/2019
Visualização:
Padrão
Cor
Custo
Raridade
Visual
CMC
Comprar Deck
Comandante (1)
1  K'rrik, Filho de Yawgmoth    49,98
Criaturas (14)
1  Comedor de Podridão 0,50
1  Diabrete Pútrido 0,40
1  Mascote de Sangue 0,15
1  Rastejador de Túmulo 30,00
1  Artista do Sangue  9,00
1  Goblin Pútrido  0,09
1  Abantesma da Cripta  15,00
1  Guarda da Casa Dimir  0,14
1  Aparição de Estrada   8,40
1  Sidisi, Vizir Morta-viva   19,20
1  Mikaeus, o Maldito    70,31
1  Tríscele 0,99
1  Razaketh do Sangue Hediondo    35,00
1  Vilis, Negociante de Sangue    7,00
Mágicas (32)
1  Bruma da Noite 0,08
1  Chuva de Imundície 5,70
1  Coagir 0,03
1  Cremar 0,09
1  Fogos-Fátuos Afóticos 0,20
1  Imperial Seal 1.100,00
1  Lodo Borbulhante 1,60
1  Reanimar 33,90
1  Ritual Sombrio 0,30
1  Sacrifice 9,49
1  Sepultar 31,05
1  Tutor Vampírico 159,95
1  Demonic Tutor  79,75
1  Intento Diabólico  38,50
1  Malícia do Diabrete  4,90
1  Ritual da Cabala  3,20
1  Saquear o Laboratório  0,08
1  Segredos do Mausoléu  0,95
1  Contrato Infernal   0,88
1  Cruel Bargain   23,75
1  Determinação de Yawgmoth  240,00
1  Dia do Juízo Final   4,65
1  Enterrado Vivo  1,50
1  Força do Desespero   4,56
1  Garras do Pretor   6,48
1  Maquinações Dimir  5,48
1  Toxic Deluge  94,99
1  Vitimar  0,50
1  Liquidar  6,11
1  Reprocessar   1,00
1  Petição Obscura   8,00
1  Suplicar à Rainha   10,89
Artefatos (20)
1  Cripta de Mana 555,55
1  Diamante Olho de Leão 559,90
1  Mox de Âmbar 79,90
1  Mox de Cromo 114,99
1  Mox de Diamante 639,90
1  Mox de Opala 299,90
1  Anel Solar 8,50
1  Anel de Prisma 0,15
1  Chave Voltaica 1,50
1  Cofre de Mana 94,00
1  Tampo de Adivinhação do Sensei 73,89
1  Chifre de Demônio 0,08
1  Elmo do Despertar 13,94
1  Grevas Faiscantes 17,00
1  Monolito Sinistro 420,00
1  Perímetro Defensivo 24,90
1  Thought Vessel 19,95
1  Altar Phyrexiano 64,99
1  Reservatório do Fluxo de Éter 27,50
1  Cidadela de Nicol Bolas    5,99
Encantamentos (3)
1  Infestação de Zumbis  0,60
1  Símbolos Mágicos de Leshrac  0,19
1  Necromancia  27,00
Terrenos (30)
1  Cavernas de Pedras Preciosas110,49
1  Charneca Estéril0,20
1  Cofres da Cabala130,00
1  Feira dos Inventores11,50
1  Fortaleza de Ébano0,59
1  Lagoa dos Mortos74,89
1  Nyktos, Santuário de Nyx33,99
18  Pântano0,00
1  Ruína Enterrada1,25
1  Torre Phyrexiana39,90
1  Urborg, Tumba de Yawgmoth47,50
1  Zona de Emergência0,26
1  Zona de Explosão22,90
100 cards total

 

  • Winconditions


Como já percebemos pelo titulo do deck, a estratégia principal gira em torno da grandiosa Doomsday, que nos permite fazer pilhas de cartas que representam um win condition “garantida”, e para que isso ocorra como o esperado, todo o deck segue uma estratégia bem linear, para que com o uso dos tutores e draws, possamos chegar até nosso alvo com certa facilidade.


-“Mas Jeff, ativei a doomsday, paguei metade dos meus pontos de vida, e o que eu coloco no topo agora?”


Quando se joga com essa estratégia, é importante que montemos os decks pensando em como montar sua “Pilha doomsday”, que é basicamente a ordem das cartas que você colocará no topo após a ativação, para que com apenas elas, consiga vencer o jogo.


Aqui apresentarei duas opções presentes no deck, lembrando que tudo foi estruturado para que o comandante esteja em jogo, auxiliando a conjuração das mágicas para que tudo dê certo, porém também é possível continuar sem ele.

 

  • Pilha 1 – Mikaeus Triskellion


Como o nome sugere, usaremos a esse combo de duas cartas para ganhar, mas para que tudo saia como o planejado, devemos ter em mente nossa pilha em uma ordem exata, e uma fonte de draw para comprar a primeira carta.


1) Infernal Contract ou Cruel Bargain; 2) Infestacao de Zumbis; 3) Mikaeus, the Unhallowed; 4) Triskelion; 5) Victimize e pelo menos 3 manas disponíveis.


Após comprar uma carta, iremos conjurar Cruel Bargain ou Infernal Contract pagando 6 pontos de vida, comprando assim as outras 4 cartas da pilha.


Agora com todas as peças na mão, por mais 1 mana incolor e 2 pontos de vida, iremos conjurar Zombie infestation.


Pelo efeito de Zombie infestation, descartaremos duas cartas para criar uma ficha de zumbi 2/2, descartando assim Triskelion e Mikaeus.


Depois disso, por mais 2 manas incolores e 2 de vida, conjuramos Victimize sacrificando o zumbi para devolver triskelion e Mikaeus do cemitério para o campo de batalha, ganhando o jogo.

 


 

Para quem não está familiarizado com esse combo, ele funciona da seguinte maneira: Mikaeus dará Undying e +1+1 (valores estáticos que não interferem nos marcadores) para o triskelion, que fará com que ele volte com um marcador +1/+1 quando morrer caso ainda não tenha nenhum marcador +1/+1 sobre ele.


Triskelion pode retirar um marcador +1/+1 a qualquer momento para dar 1 de dano à qualquer alvo, entrando em jogo com 3 marcadores.
 

Com esse Setup em jogo, retiraremos 3 marcadores +1/+1 do triskelion para causar 1 de dano ao oponente, e 2 de dano a ele mesmo, que estará recebendo o +1+1 pelo efeito do mikaeus. Quando ele morrer, voltará ao campo com 4 marcadores +1/+1. Repita o processo retirando os 4 marcadores, para causar 2 de dano ao seu oponente, e 2 de dano ao próprio triskelion, que irá morrer sem nenhum marcador, gerando um loop.

 

  • Pilha 2 – Carrion Artist


Nessa pilha utilizaremos do efeito do Blood Artist para drenar os oponentes, e para isso precisaremos de uma fonte de draw, Gravecrawler em nosso cemitério, e a pilha na seguinte ordem:


1) Infernal Contract ou Cruel Bargain; 2) Dark Ritual; 3) Carrion Feeder; 4) Blood Artist; 5) Phyrexian Altar e pelo menos 1 mana disponível.


Após o primeiro draw, iremos seguir o mesmo passo das demais, pagando 6 pontos de vida para conjurar Contrato ou Barganha, comprando as 4 outras cartas da pilha. Com o restante das cartas em mãos e gravecrawler no cemitério, pagaremos 2 pontos de vida para adicionar BBB a nossa reserva de mana, que será gasto para conjurar nosso altar Phyrexiano.


Também pagaremos 2 pontos de vida para conjurar Carrion Feeder, 1 mana e mais 2 de vida para o Blood Artist, e por fim mais 2 pontos de vida para conjurar Gravecrawler do cemitério. Agora basta sacrificar o Gravecrawler usando o Phyrexian Altar para adicionar uma mana B a sua reserva, que será gasta para conjurar novamente nosso Gravecrawler, criando um loop de mortes, drenando seus oponentes com o efeito do Blood Artist.



 

  • Pilha 3 – Putrid Artist


Nessa terceira variação também iremos utilizar Blood Artist como win condition, porém de uma forma diferente, pois exige um Setup maior e inviável, podendo servir como um plano B, e dessa vez precisaremos da seguinte ordem na pilha e uma fonte de draw:


1) Infernal Contract ou Cruel Bargain; 2) Carrion Feeder; 3) Blood Artist; 4) Necromancy; 5) Putrid Goblin; Mikaeus no cemitério e pelo menos 4 manas disponíveis.

  
Após a primeira etapa, comprando uma carta e pagando 6 pontos de vida para conjurar barganha ou contrato comprando quatro cartas, teremos em nossa mão o restante da pilha. Pagaremos então 2 pontos de vida para invocar Carrion Feeder, 2 de vida e 1 mana para o Putrid Goblin e 1 mana e mais 2 pontos de vida para o Blood Artist. Com isso, conjuraremos Necromancy pagando 2 pontos de vida e 2 manas, voltando Mikaeus do cemitério para o campo de batalha, completando o combo. Carrion Feeder sacrifica o Putrid Goblin, que com ambas Undying e Persist irá voltar para o campo com marcadores se anulando, criando um loop de sacrifícios para o efeito do Blood Artist.

 


 

Agora que entendemos toda a mecânica de Doomsday, também precisamos de alguns planos de vitória secundários que sejam eficientes, então dentro do deck temos algumas outras opções de combo, como:

 


 

Que permite que por 8 de vida, conjure Leshrac’s Sigil e depois o volte para a mão para conjura-lo de novo, porém com Aetherflux Reservoir em jogo você ganhará vida exponencialmente, chegando um momento onde você apenas aumentará seu total de pontos de vida, podendo finalizar o jogo com a habilidade do artefato.


Outra boa opção é utilizar Bolas's Citadel  em combinação com Sensei's Divining Top e Helm of Awakening que permite que você compre todas as cartas de seu deck, colocando Tampo no topo para comprar uma carta, e o conjurando sem pagar custo pela redução do Helm of Awakening, contabilizando também como storm.


Com todo o deck na mão, podemos partir para qualquer wincondition, inclusive as mesmas presentes nos combos com Doomsday.



 

  • Pontos Fracos do Deck


Um dos fatores mais decisivos dentro do jogo é a capacidade de responder e interagir com seus oponentes, que inclusive é o que faz o Azul ser uma cor muito forte dentro do formato num geral, e quando estamos pilotando um deck com uma estratégia tão linear quanto o K’rrik, que é um general mono B, temos que ser muito cuidadosos, principalmente quando se leva em consideração que linhas de Doomsday (Principalmente nesse deck) costumam ser tudo ou nada, pois um counter bem colocado depois da resolução da carta, pode te deixar sem chances de voltar ao jogo.


Outro fator importante a se considerar, é que o deck foi pensado para ter um general ativo (Claro que podem aparecer outras builds onde isso não é um problema), o que faz com que ele seja um “alvo ambulante” dentro da mesa e sofra muito para remoções pontuais. Lembrando também que Vida é recurso no cEDH, e é muito importante que o deck seja bem estudado para ser bem pilotado.


Depois dessa breve explicação sobre o k’rrik, é a vez da nossa próxima comandante da lista.


Elsha of the Infinite


 

A sub comandante do deck Mystic Intellect é um dos nossos destaques da coleção. Seu efeito que mistura Future Sightcom um bônus de dar flash pra mágicas que não sejam de criatura, facilita combos de storm utilizando artefatos e cantrips.


Suas combinação de cores também agrada muito, pois WUR (Jeskai) se encaixa muito bem com essa proposta, e para extrair o maximo de suas habilidades passivas, algumas cartas como Brainstorm, Preordain e Ponder são essenciais para a manipulação do seu top deck, evitando “Draws mortos”, que podem brilhar ainda mais se seguidos de fetch lands para tirar aquela carta indesejada do topo, reembaralhando as cartas depois da busca.


Outro ponto forte é a possibilidade de fazer feitiços e artefatos durante o passe, na fase final de outros jogadores, transformando essas cantrips em respostas situacionais, te dando a liberdade de escolher o mais adequado a situação no topo quando for conveniente.


Então segue a lista da nossa Monge:


Elsha cEDH
Por D3AD
8515 visualizações
23/08/2019
R$ 9.872,11
R$ 13.611,05
R$ 25.333,25
8515 visualizações
23/08/2019
Visualização:
Padrão
Cor
Custo
Raridade
Visual
CMC
Comprar Deck
Comandante (1)
1  Elsha do Infinito    15,67
Criaturas (1)
1  Salvádegos dos Aurioques  0,27
Planeswalkers (3)
1  Narset, Rasgadora de Véus   15,74
1  Jace, Manipulador de Mistérios    5,49
1  Karn, o Grande Criador 47,99
Mágicas (42)
1  Pacto de Negação 48,00
1  Caminho para o Exílio 17,00
1  Canção do Cisne 13,98
1  Corrente de Vapor 0,20
1  Delir 0,25
1  Espadas em Arados 1,95
1  Explosão Vandálica 6,28
1  Explosão de Chamas 7,99
1  Lapso Mental 2,99
1  Pilhagem Infiel 1,89
1  Ponderar 3,49
1  Preordenar 10,99
1  Silêncio 4,00
1  Sonda Gitaxiana 3,25
1  Tempestade Atordoante 16,74
1  Tempestade Cerebral 2,00
1  Transação Aleatória 11,07
1  Tutor Esclarecido 57,97
1  Tutor Místico 14,95
1  Bagunçar a Mistura  5,18
1  Contramágica  2,50
1  Dizer as Horas  0,20
1  Fenda Ciclônica  59,90
1  Mana Drain  255,00
1  Negar  0,04
1  Pergaminho dos Mercadores  15,00
1  Reset  62,99
1  Reversão Dramática  0,09
1  Reversão de Narset  3,30
1  Rompimento de Mana  29,90
1  Veto de Dovin  0,80
1  Fabricar  12,38
1  Força da Negação   185,00
1  Intuição  171,00
1  Reiterar   22,84
1  Remodelar   34,90
1  Soçobrar   2,60
1  Timetwister  0,00
1  Wheel of Fortune  359,09
1  Passado em Chamas  30,00
1  Reviravolta   8,00
1  Força de Vontade   224,99
Artefatos (20)
1  Cripta de Mana 555,55
1  Diamante Olho de Leão 559,90
1  Mox de Cromo 114,99
1  Mox de Diamante 639,90
1  Mox de Opala 299,90
1  Pétala de Lótus 19,99
1  Anel Solar 8,50
1  Cofre de Mana 94,00
1  Magibomba de Pirita 0,10
1  Tampo de Adivinhação do Sensei 73,89
1  A Pedra Fellwar 5,00
1  Cetro Isócrono 33,00
1  Elmo do Despertar 13,94
1  Monolito Sinistro 420,00
1  Ornato de Safira 75,00
1  Perímetro Defensivo 24,90
1  Prateleira de Pergaminhos 165,00
1  Sinete Izzet 1,00
1  Abre-Nuvem 29,95
1  Reservatório do Fluxo de Éter 27,50
Encantamentos (5)
1  Rêmora Mística 17,00
1  Copy Artifact  107,99
1  Power Artifact  600,00
1  Estudo Rístico  74,90
1  Dízimo Sufocante  24,79
Terrenos (28)
1  Bueiros de Vapor46,75
1  Cidade de Bronze23,75
1  Confluência de Mana49,09
1  Feira dos Inventores11,50
1  Floresta Tropical Nebulosa193,49
1  Fonte Santificada29,00
7  Ilha0,00
1  Ilhota Ardente58,50
1  Lago Alpino Fervente309,74
1  Meseta Árida140,00
1  Planície0,00
1  Plateau449,95
1  Pomar Exótico2,00
1  Pomar Proibido11,00
1  Praia Inundada84,95
1  Recifes de Shiv7,00
1  Regiões Agrestes de Adarkar11,95
1  Sea of Clouds35,00
1  Torre de Comando3,10
1  Tumba Antiga72,90
1  Tundra900,00
1  Volcanic Island1.649,90
100 cards total

 

  • Quais as melhores win conditions?


Quando se trata de artefatos e manipulação de topo, a principal carta que vem à mente é [Sensei’s divining top], e para aproveitar ainda mais a habilidade da comandante, podemos unir redutores de custo de artefato com a habilidade conjurar cartas do topo do deck, para comprar o deck inteiro, mas como?

 


 

Com as duas cartas em campo, você pode usar a habilidade do tampo de comprar uma carta e recoloca-lo no topo do deck, e como custos de artefatos são reduzidos em 1 pelo escultor, podemos conjurar o tampo do topo do deck por 0 e repetir o processo até o deck todo estar em mãos. Mas e depois?


Com o deck em mãos e redutores de custo como Helm of Awakening, podemos conjurar todas as mana rocks, para ganhar com o storm de Aetherflux Reservoir, ou até mesmo com Cetro Isocrono e Dramatic Reversal.

 


 

Uma segunda opção de win condition presente no deck é o famoso combo com Auriok Salvagers e Lion's Eye Diamond (LED), que funciona da seguinte forma:


Com ambas as cartas em jogo, podemos sacrificar LED para adicionar WWW na reserva de mana, gastando duas delas para ativar a habilidade dos Auriok Salvagers, voltando LED para a mão para conjura-la e repetir o processo até que tenhamos milhares de Manas brancas na Pool.


Com toda essa mana, podemos sacrificar LED para outras cores, e utilizar as manas brancas para volta-la do cemitério para a mão, criando loops de geração de mana de qualquer cor. Vale também lembrar que nesse combo, pela quantidade de vezes em que LED é conjurada para adicionar as manas, contamos como storm, então caso haja uma Aetherflux Reservoir em jogo, poderemos finalizar com facilidade os oponentes.

 


 

Como esse deck utiliza um tipo de estratégia menos linear, os combos ficam mais definidos de acordo com a experiência de quem o está pilotando, e por conta da habilidade da comandante, o deck tem uma capacidade responsiva invejável, podendo ser bem produtiva tanto em casos de planos de jogo mais demorados, quanto na hora de avançar sua estratégia com consistência.

 

  • Quais os pontos fracos do deck?


Um dos maiores defeitos do deck, e que colabora para que seu tier não seja mais alto, é o fato de que um comandante de CMC 5, sendo três manas do custo coloridas, não consegue entrar em jogo com tanta facilidade, e como o deck é extremamente dependente do comandante pra seguir essa estratégia, isso pode ser um problema.


Outro ponto importante a se reforçar, é que apesar ao fácil acesso a counters e outras cartas de proteção, o deck fica vulnerável a remoções que o desligam com certa facilidade.

 

Por hoje é só pessoal, espero que tenham gostado do nosso artigo. Agradeço a todos que comentaram nos anteriores, isso ajuda muito, e apesar de não responder todos os comentários, sempre leio e os levo em consideração.


Tem alguma duvida, critica ou sugestão? Deixe nos comentários. Quer aprender mais sobre cEDH e conhecer novos jogadores? Entrem no grupo cEDH Brasil do facebook, onde sempre estaremos de braços abertos para receber novos membros, tirar duvidas e criar malevolências com cartas quebradas.


Até a próxima!

Por Jefferson Barbosa


Jefferson C Faria Barbosa ( D3AD)
Jefferson é entusiasta do formato cEdh
Redes Sociais: Facebook
LigaMagic App



Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

Nekogawa (06/09/2019 23:32)

mt bom artigo

jzmoratori (01/09/2019 15:27)

Gostei da elsha apesar da base de mana esta meio torta no artigo, tenho jogado com as 9 fecths e a prismatic vista pra ter mais efeitos de embaralhar o topo,
E prefiro jogar sem o Salvádegos dos Aurioques e jogar com Cajado de Proteus já que é apenas uma carta pra ir atrás pra combar
A rings também é muito boa no deck pois além de gerar mana infinita com monolito basáltico compra o deck inteiro com tampo e mana infinita sem precisar da elsha na mesa

kamizame (01/09/2019 02:10)

Cade o curtir aqui meu parça?

petruscaex (30/08/2019 18:39)

Entendi, valeu o esclarecimento!

D3AD (30/08/2019 16:16)

Tudo certo meu querido?
Então, vou aproveitar pra esclarecer algumas coisas sobre o Gerrard, e por que ele nao foi a minha escolha.
O primeiro ponto é que C19 ainda é uma coleção relativamente nova, então é muito dificil dizer com propriedade sobre a efetividade de um deck em tão pouco tempo, ainda mais se considerarmos que o artigo é escrito algum tempo antes de ser publicado, por isso resolvi falar sobre dois dos decks que tive uma experiencia com o meu playgroup, os vendo rodar e como se comportavam numa mesa mais otimizada, assim como discussoes com pessoas que ja os havia testado.
O segundo ponto é que no inicio do artigo eu citei tanto o Gerrard, quanto a Atla quanto a Anje, pois apesar do foco serem Elsha e K'rrik, todos eles (dentro dessa coleçao) podem ser bem otimizados e apresentar bons resultados. Inclusive, acho que o Gerrard mereceria uma citação nao por ser um "bom" comandante competitivo, mas sim um dos primeiros comandantes Boros (RW) a conseguirem ter um certo destaque no formato.

Agora falando sobre o deck especificamente, apesar da carga gigantesca de hype e Lore por tras do gerrard, ele na verdade nao é um deck tão forte como aparenta, tanto pelas cores, quanto pela escassez de respostas e de linhas de combo mais diretas e consistentes.
Existem muitos outros decks que se utilizam de uma ou duas diferentes linhas de wincon, porém na maioria deles, o acesso é facil dentro dos primeiros turnos, geralmente com tutores na zona de comando, como por exemplo o Godo, que apesar de ser um mono Red, pode ganhar o jogo sozinho com certa facilidade dentro do turno 3 por ele mesmo conseguir acesso as demais peças sozinho.
Ainda dentro dessa logica, não posso deixar de citar a Atla, que permitiu a montagem de decks com a estrategia de Kiki-Divergent sem precisar de partners e em cores bem inusitadas, que tambem afeta na consistencia do deck.
Enfim, acho que todos os decks listados (Anje, Gerrard, Atla, K'rrik e Elsha) tem um certo potencial a ser estudado, mas tambem nao podemos negar que a coleção veio bem fraca dentro do competitivo, porém apesar disso, ainda pretendo trazer algo mais aprofundado em relação a esses decks.
Obrigado pela atençao, e um grande abraço

petruscaex (30/08/2019 13:41)

Achei que Gerrard+Loyal Retainers+Goblin Bombardment no turno 2-3 era uma boa pro cEDH

Duzpe (30/08/2019 04:42)

Show! Meu Mono B do K'rrik está bem parecido, mas peguei mais algumas ideias!

Necron (29/08/2019 23:23)

Sim, tá aparencendo várias listas delas em cEDH, algumas combam com facilidade no turno 3/4 segurando interação para countermagic.
O deck só sofre por ser um pouco "inconsistente" e que (como muitos outros decks em cEDH) não joga se o comandante for inutilizado de alguma forma.

kluclopk (29/08/2019 20:31)

Top. Continue o excelente trabalho, era algo que faltava por aqui

JaxtheKid (29/08/2019 15:48)

Olá, muito bom o artigo, como muitas pessoas da minha cidade eu subestimei o filhinho de Yawg.
Queria só observar que por mais que esteja no exemplo, o deck de Elsha que você apresenta não tem Escultor. Isso era proposital ou foi só um engano? De qualquer modo, mais uma vez, parabéns pelo artigo.

D3AD (29/08/2019 13:58)

Opa, Tudo certo amigo?

Então, o artigo é escrito com um limite de antecedencia, e até então a Xantcha ainda era uma opção melhor, mas concordo e pretendo falar mais sobre ela, assim como a Atla e o Gerrard.
Abraço

Necron (29/08/2019 13:35)

Sim, tá aparencendo várias listas delas em cEDH, algumas combam com facilidade no turno 3/4 segurando interação para countermagic.
O deck só sofre por ser um pouco "inconsistente" e que (como muitos outros decks em cEDH) não joga se o comandante for inutilizado de alguma forma.

kluclopk (29/08/2019 13:24)

A Anje é a mais jogada de todos estes, tendo entrado no lugar da xantcha pra combar com worldgorger dragon. Ainda mais depois da errata que a Xantcha recebeu há pouco. Achei estranho não ter falado dela, mas quanto ao conteúdo do artigo está bem interessante. De qualquer forma, realmente Krrik sofre por ser mono B e Elsha não tem chance por custar cinco manas, motivo pelo qual a hype é toda da Anje no momento.

pedrohenriquepeu (29/08/2019 12:04)

Ótimo artigo ! Parabéns que venham mais artigos como este.

Bolsan (29/08/2019 10:59)

Otimo artigo
Ambos os generais sao bem.forte , mas colocaria em um proximo artigo o gerrard.
Sobre o kerrick eu prefiro ao inves da linha com infestacao zumbi usar , sacrifice +mikaues +balista+ viscera seer ou carrion feeder.
O resultado eh igual ,mas acho melhor .

lindstrom (29/08/2019 10:25)

Caralho mano deu uma substimada legal no Gerrard em! :(