Load or Cast
NÊMESIS - CAPÍTULO 19
JULGAMENTO
08/11/2019 18:05 - 4.070 visualizações - 9 comentários
Load or Cast

 

 

Ela desapareceu num piscar de olhos. Mesmo contra o ofuscante feixe de energia, o flash do teleporte de Crovax com Belbe foi intenso. Ele sentiu o ar se deslocando e o excesso de poder colidir contra ele, então ele rolou pelo chão e começou a rastejar.


Era um longo caminho da beira da morte até o teatro da vida.

 

* * * * *

 

A multidão não ousou abandonar o salão da coroação. Ninguém o faria. Todos tinham medo do que poderia acontecer se presenciassem a ascensão de Crovax. Então eles ficaram por lá, uma, duas horas, suando e se coçando em seus trajes finos até, de repente, uma luz cegou a todos e um vento quente agitou suas vestes. Crovax retornara com Belbe nos braços.


O Corpo de Sargentos, que estavam descansando, se posicionou assim como cortesãos que se colocavam de pé. Sem falar nada, Crovax sentou-se no trono enquanto a emissária dos soberanos se inclinava sobre a cadeira.


“Excelência, estamos aqui. Cumpra seu dever.”


Ela respirou fundo.


“Povo de Rath, perdoem minha fraqueza. Os soberanos me deram a tarefa de encontrar um novo governante para Rath e, com grande esforço, tentei encontrar o melhor candidato. Eu não tinha percebido até o momento que a pesquisa era uma farsa, que a escolha já tinha sido feita pelos soberanos.”


“Diga o que você veio dizer,” falou Crovax impaciente.


“Eu me arrependo do que vou dizer agora. Eu lhes entrego o novo evincar-”


“Pare!”


Crovax saltou. “Quem ousa interromper?”


Duas figuras saíram da multidão – Greven il-Vec e o chefe Kor, Furah.


“Greven, vou colocar sua cabeça numa caixa de ferro. Vou queimar seu cérebro no fogo, e ainda assim não te deixarei morrer-”


“Guarde suas ameaças, meu lorde. Há assuntos mais importantes para lidar.”

 

Os sargentos tentaram detê-lo, mas o gigante guerreiro conseguiu passar facilmente, então Crovax deu ordem para que deixassem passar.


“Por que você não está se contorcendo de dor no chão? Sua espinha devia estar fumaçando agora.”


“Você não é o único que controla o dispositivo. O que você ordena outro pode cancelar.”


“Absurdo! Ninguém ousa interferir contra minha vontade!”


Furah avançou, se curvou lentamente e sorriu.


“Estive ansioso para lhe conhecer. Greven me contou sobre suas atividades.”


“Quem é você?”


“Eu sou aquele cuja cadeira pertence. Você, Crovax de Urborg, é um usurpador.”


Crovax curvou a cabeça e ordenou que a rochafluente ao redor de Furah crescesse, mas nenhuma delas subiu mais do que uma polegada, e nenhuma machucou o Kor. O chefe Kor, na sua vez, abriu os braços e um fluxo de esferas de rochafluente, do tamanho da cabeça de Greven, explodiram da parede e acertaram Crovax, fazendo cair para trás.


Extasiados com esse súbito desafio a Crovax, a multidão se empurrava e acotovelava para assistir ao espetáculo. Aqueles que se aproximaram mais logo se arrependeram disso, pois lanças subiram, empalando dezenas, criando um círculo ao redor de Furah e Greven. Crovax surgiu de detrás do trono com os lábios sangrando.


“Você comanda bem a rochafluente. Quem é você?”


“Pensei que você já saberia a essa altura. Greven me disse que te falta imaginação para tudo, menos para matar. Esperava que ele estivesse errado.”


“Chega de conversa. Explique-se!”


Ao invés de falar, Furah começou a mudar.


 

Seus ombros se expandiram; seus braços e pernas se fortaleceram. Sua cabeça cresceu e suas feições aumentaram e desapareceram.


No lugar do pálido e magro Kor, agora estava um homem com um corpo esculpido em proporções impossivelmente perfeitas. Maior do que Crovax por uma cabeça, ele exalava graça e poder. Seu rosto demonstrava sabedoria e força.


Toda multidão falou seu nome. “Volrath!” Belbe estava impressionada. Para o povo, Volrath parecia um deus tanto que muitos da corte começaram a se ajoelhar e curva a cabeça em reverência ao evincar.


“Então, você voltou. Por quê?”


“Para reclamar o que é meu.”


“Você perdeu o trono quando o abandonou. Sou o novo evincar. Diga a ele, Excelência.”


Belbe abaixou os olhos, “Sou emissária dos soberanos de Phyrexia. Fui enviada para apontar seu sucessor.”


“Isso não é mais necessário. Eu retornei.”


“Você voltou para sua própria morte!” Crovax gritou.


A multidão bradava. “Volrath! Salve Volrath!”


Crovax cuspiu para a multidão. “A próxima boca que saudar este impostor vai respirar pela última vez!”

 

“Você pode matar todos eles, mas não mudará a verdade. Eu sou Volrath. Eu sou o evincar.”


“Você é apenas um corpo que não caiu ainda!”


Crovax puxou sua espada e adaga e avançou, enquanto Volrath, desarmado, pegou a gigante espada de Greven.


“Parem com isso! Parem com isso de uma vez! Berrou Belbe, avançando para o meio da luta.


Crovax tentou cortar Volrath, mas Belbe pegou a lâmina com uma mão. Crovax tentou soltar a espada, mas ela a segurou. Volrath girou a larga espada de Greven por cima da cabeça como se fosse um bastão. Com Crovax preso por Belbe, ele deu uma estocada contra o usurpador, porém a emissária bloqueou o ataque com a outra mão. O golpe foi profundo em sua palma de metal, mas sua mão se apertou fortemente e não soltou a espada.


Ela arremessou a espada de Volrath para o lado e quebrou em dois a lâmina de Crovax. Apesar da intromissão dela, não poderia haver dois evincares. Com as mãos sangrando, ela subiu e sentou-se no trono.


“Este é meu último ato como emissária. Sentar-me-ei para julgar uma disputa entre Crovax e Volrath, e o vencedor será o único e por direito, governador de Rath.”


“Ultrajante!” Crovax rugiu. “Eu tinha sua palavra de que você me nomearia evincar.”


“Eu também protesto,” disse Volrath. “Fui evincar por mais anos do que este usurpador viveu. Por que eu deveria me submeter a um julgamento ou a uma disputa ridícula?”


Primeiro, ela se dirigiu a Volrath.


“É verdade que você era o governador deste mundo, e durante seu reinado os soberanos estavam satisfeitos com seu governo. Entretanto, quando você abandonou seu posto para perseguir uma vingança pessoal contra o Bons Ventos e sua tripulação, você abandonou todo o crédito com nossos mestres Phyrexianos. O próprio Escondido me enviou para encontrar um substituto. Considerando e reconhecendo seus serviços passados é que permito que você limpe seu nome da mancha da deserção.”


Se Volrath aprovou aquilo ou não, era impossível dizer. Seu rosto era uma máscara viva. Ele ponderou suas palavras e se curvou. “Sua Excelência é muito generosa. Aceito sua proposta.”


Crovax estava frustrado. Ele virou seu olhar ameaçador de Belbe para Volrath e sua raiva diminuiu.


“Não vejo problema. Este fraco patético não apresenta desafio para mim. Vou matá-lo, então matarei você.”


Greven pegou sua espada e se colocou ao lado da emissária. “Enquanto durar a disputa, eu protegerei a emissária, para que nenhuma vantagem injusta seja obtida ameaçando-a”


As portas do salão de convocação foram abertas e os últimos espectadores saíram. Um espaço oval foi limpo de carpetes, bandeiras e observadores. Os sargentos de Crovax se retiraram para a parede direita. A paliçada de rochafluente foi desfeita e os corpos dos infelizes mortos retirados.


Espadas de aço e escudos de tamanhos idênticos foram providenciados para os combatentes. Ambos pegaram manoplas de malhas e, enquanto Volrath esticavam os músculos, Crovax bebia uma taça de vinho.


O embate estava prestes a começar. A única regra era vencer.


Crovax atacou prontamente com um amplo corte lateral. Volrath recuou e ergueu o escudo. Fagulhas surgiram quando a lâmina acertou o escudo polido. Crovax usou seu escudo para empurrar e golpear Volrath. Volrath parecia ficar mais alto. Ele se movia tão rápido que a maioria das pessoas não conseguia ver seus verdadeiros movimentos, mas os olhos aprimorados de Belbe conseguiam ver cada movimento.


O braço de Volrath se alongou enquanto ele o empurrava para frente. A ponta deslizou do topo do escudo de Crovax e continuou. Um lutador comum teria ficado sem ar até então, mas o alcance de Volrath era sobrenatural. Crovax percebeu seu perigo e se afastou quando a ponta do impulso de Volrath cortou sua orelha esquerda. Ele chamou o piso para fazer Volrath tropeçar, mas as ondas de rochafluente se quebraram como água e não o detiveram.


Volrath invocou outra barragem de esferas de rochafluente. Crovax estava esperando por elas. Ao invés de liquefazê-las como seu oponente, ele as afastou com comandos forçados. Os projéteis do tamanho de crânios, acertaram cinco espectadores.


Volrath retraiu seu braço para proporções mais normais e avançou. Ele fingiu um ataque direto, mas novamente com incrível rapidez mudou a linha de seu corte para um impulso oculto.


 

Crovax bloqueou com seu escudo e acertou um chute com seu pé direito.


“Você é rápido,” disse Crovax, “Mas você não tem um verdadeiro instinto assassino.”


“Matei mais pessoas em um ano como evincar do que você em sua vida inteira, bárbaro. O que você chama de instinto assassino é apenas um desejo por morte. Estou acima de tais sentimentos.”


Eles trocaram mais quatro cortes que deixaram suas lâminas profundamente entalhadas. Pela primeira vez, Belbe sentiu que Volrath estava preocupado. Ele não esperava que Crovax durasse tanto. Encorajado, Crovax rugiu e esmurrou as pernas e estômago de seu oponente. Volrath deu espaço, recuando dois passos para trás, avançando um com um contra impulso e fazendo, então recuando mais dois.


Atrás de Crovax, o chão se amontoava em uma série de semicírculos arredondados


A ponta da espada de Crovax ricocheteou no escudo de Volrath. Este executou uma pirueta ofuscante, com a lâmina afiada na lateral do pescoço de Crovax. Ele se esquivou, mas seu calcanhar ficou preso no buraco no chão. Com uma expressão de grande surpresa, Crovax caiu. Volrath soltou uma gargalhada triunfante. Ele saltou sobre o caído Crovax, erguendo a grande espada-


Crovax desapareceu num flash branco. A lâmina de Volrath afundou três polegadas no chão. A rochafluente ficou mole e ele recuperou a espada quando seus partidários berravam avisos. Ele se virou e viu Crovax se materializando no ar, bem atrás dele.

 

Não haveria tempo para aparar ou esquivar. Ao invés disso, Volrath encolheu. Ele contraiu seu corpo para um quinto. A lâmina de Crovax acertou suas costas, abrindo a pele. O óleo brilhante respingou sobre a túnica branca de Crovax.


Encolher salvou a vida de Volrath, mas ele conseguiu uma ferida dolorosa da omoplata esquerda até o quadril direito. Sorrindo amplamente, Crovax tentou atropelar seu inimigo no chão. Volrath rolou de costas. Crovax tentou pisoteá-lo, mas somente conseguiu levar um chute no peito. Os músculos finamente proporcionados da perna de Volrath se desenrolaram, lançando Crovax ao ar.


Num piscar de olhos ele estava de pé, cortando qualquer um ao alcance da sua espada. Cortesãos e soldados tentaram sair do seu caminho, mas ele matou pelo menos dez antes que mais fugisses. Belbe sabia que aquilo não era assassinato sem sentido; Crovax conseguia nova força da morte dos outros. Ele estava se recuperando no meio do duelo matando espectadores inocentes.


 

Volrath foi até o pé do trono, as costas molhadas pelo óleo brilhante e o odor do fluído exalando. Ele olhou para Greven, de pé com a espada em punho ao lado de Belbe.


“Como estou indo?” perguntou secamente.

 

* * * * *

 

Ertai rastejou da boca da fornalha até os elevadores. Guardas passavam por ele sem parar, os homens observando ociosamente seu doloroso progresso. Ele alcançou o elevador e caiu com tudo. Fazia muito tempo desde sua última infusão. Sem a energia negra para suprimi-las, suas antigas feridas lentamente emergiriam outra vez. O laboratório era muito longe. Apesar das suas feridas antigas e novas, seu primeiro pensamento foi de encontrar Belbe. Sua vida estava na balança – uma vez que ela o pronunciasse evincar, certamente ele a mataria.


Ele deu a ordem para ir para a sala de convocação. Assim que chegou, ele viu a antecâmara cheia de pessoas. Todos esticando a cabeça para a porta aberta do salão. Ele ouviu os sons de combate. Ertai agarrou a pele de couro do elevador e se levantou. Se este era para ser seu último ato, ele desejava entrar de pé, não de joelhos.


Ele abriu caminho pela multidão, alguns o deixavam passar devido ao seu péssimo estado; Quando Ertai alcançou o círculo interno da multidão ele viu Belbe, sentada no trono e guardada por Greven il-Vec e conversando com Volrath. Ertai o reconheceu pelas estátuas espalhadas pela Fortaleza.


Desatento ao perigo, Belbe deixou que o jovem mago se aproximasse.


“Perdi muita coisa?” ele sussurrou.


“Você não devia ter vindo. É perigoso aqui.”


“Onde é seguro em Rath?”


Distraído, Volrath não percebeu o ataque de rochafluente atrás dele. Um perfurou a panturrilha direita. Ele imediatamente os baniu, erguendo uma muralha de rochafluente. Ele gritou tão forte que o chão tremeu, e a muralha se quebrou em uma nuvem de pequenos projéteis. Volrath mandou-os em direção a Crovax.


Ele ergueu seu escudo, se defendendo contra milhares de agulhas que reduziram seu escudo a um crivo. Vários projéteis acertaram seu rosto e corpo. Com o escudo destruído, ele cruzou os braços, punhos cerrados. Um grunhido surgiu em sua garganta. Começou baixo e gutural, mas ficou mais alto e mais forte enquanto concentrava sua raiva e dor. Um por um, os projéteis de rochafluente saíram do seu corpo caindo no chão.


Ertai tentou analisar a situação; Volrath era uma equação desconhecida para ele. Ele conhecera os aposentos do ex-evincar, ouvira comentários sobre ele na Cidadela. Ele era cruel, implacável, perspicaz e um homem de apetites incomuns. Comparado a ele, Crovax era uma máquina: sem alma, totalmente desprovido de culpa e sentimentos humanos. Volrath esperava vencer por causa das habilidades superiores; Crovax pensou que poderia prevalecer através da força bruta e vontade de fazer qualquer coisa para vencer.


A batalha continuaria até que a sobrevivência determinasse o vencedor. Com a habilidade de se regenerar com a vida dos outros, Crovax venceria. Nada que Ertai fizesse ajudaria Volrath a ganhar. Uma vez que o antigo evincar estivesse fora do caminho, retribuição cairia sobre todos.

 

Crovax arrancou o escudo de Volrath, agora, os lutadores tinham apenas espadas. Volrath assumiu uma postura de lado, a pose de um esgrimista e não de um soldado de infantaria. Crovax o circulava, trocando golpes e cortes ocasionais. Ele percebeu Ertai e ficou surpreso em ver que o jovem mago ainda estava vivo.


Volrath se adiantou um passo quando a atenção de Crovax se desviou. O braço dele se alongou duas polegadas e ele cuidadosamente dobrou o cotovelo para esconder o novo crescimento. Volrath começou sua investida. Seu braço se endireitou e, com a velocidade de uma víbora, ele enfiou a lâmina na junção do braço e peito direito de Crovax.


Os olhos de Crovax se arregalaram em alarme. Ele tentou recuar de perigo, mas sua resposta foi muito lenta. A lâmina cortada e amassada voou em sua direção. Ele levantou sua própria espada em um desvio de desespero, mas o ímpeto da investida de Volrath apoiou seu punho contra seu próprio rosto. Trinta polegadas de aço temperado deslizaram pelo braço de Crovax.


A investida de Volrath foi bem-sucedida e o usurpador assustado pareceu paralisado pela realização de sua derrota iminente. O tempo se estendeu. O brilho amarelo normal das lanternas do corredor na lâmina de aço brilhante tornou-se arroxeado. O rosto triunfante de Volrath caiu. Uma força desconhecida estava diminuindo o comprimento de sua lâmina. Alguém estava adulterando a luta, usando magia antiquada para desviar sua arma.


Com um olhar horrorizado no rosto, Volrath observou a ponta da espada cair uma polegada, duas polegadas, até passar sob o braço de Crovax. Volrath e Crovax colidiram peito a peito, a espada de Volrath balançando inutilmente nas costas de Crovax.


A própria lâmina de Crovax foi dobrada para trás por cima do ombro pela força do ataque de Volrath. Ele se torceu, jogando Volrath e ao mesmo tempo dando um soco no rosto dele com a mão livre. Volrath bateu no chão. Sua espada saltou livre e deslizou para a multidão.


Crovax se jogou nas costas de Volrath. Ele passou o braço esquerdo ao redor do queixo do homem e afastou a cabeça, arqueando as costas de Volrath como se fosse um arco longo. A ponta irregular de sua espada desceu para cortar a garganta esticada de Volrath. Volrath bloqueou a lâmina com a mão.


 

A parede de cortesão e soldados se dissolveu para mostrar um capitão do palácio cujo rosto estava coberto de sangue.


“Meus senhores! Os rebeldes se barricaram nos Salões Oníricos.”


Belbe ficou de pé, esticou a mão para os lutadores e ordenou que parassem. Eles continuaram. Ela apelou para Greven, mas o guerreiro Vec não se mexeu.


“Declare um vencedor, ou fique de lado, Excelência.”


Perdida, Belbe começou a olhar na multidão em busca de respostas até que...

 

* * * * *

 

E agora, o que vai acontecer? Será que Belbe declarará Crovax como evincar ou Volrath conseguirá contornar a situação? Como Eladamri vai conseguir escapar dos Salões Oníricos?


A resposta para essas perguntas você encontrará AQUI.

 

Disponibilizei o PDF da compilação de todos os artigos e com a conclusão da saga de Nêmesis.


Este é o último artigo sobre Nêmesis, então, quem quiser saber o final terá que ler a compilação.


Logo nos encontraremos novamente em terras distantes.

Leandro Dantes ( Arconte)
Leandro conheceu o Magic em 1998 e, desde então, se apaixonou pelo Lore do jogo. Após retornar a jogar em 2008, se interessou por lendas, o que resultou por despertar a paixão pela escrita. Sempre foi mais colecionador do que jogador e sua graduação em Pedagogia pela Ufscar cooperou para que ele aprimorasse e desenvolvesse um estilo próprio. Autor de alguns contos, todos relacionados ao Magic, já traduziu o livro de Invasão e criou sua própria saga com seu personagem, conhecido como Arconte.
Redes Sociais: Facebook
Comentários
Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 13/11/2019 13:11

Os capítulos finais estão no link aí ao final do artigo. Lá você encontrará o PDF com os 2 capítulos finais de Nemesis

(Quote)
- 12/11/2019 21:47
Estava ansioso por mais um capítulo, esse demorou. Kkkkkk
Excelente trabalho.
Terá mais capítulos???
(Quote)
- 12/11/2019 19:48
Estava ansioso por mais um capítulo, esse demorou. Kkkkkk
Excelente trabalho.
Terá mais capítulos???
(Quote)
- 12/11/2019 09:18
Parabéns pelo trabalho...
Incentivar a leitura por qualquer meio é sempre louvável...
(Quote)
- 11/11/2019 13:56
Estava ansioso por mais um capítulo, esse demorou. Kkkkkk
Excelente trabalho.
Terá mais capítulos???
Últimos artigos de Leandro Dantes
Nostalgia
Aliada ou Inimiga?
4.772 views
Nostalgia
Aliada ou Inimiga?
4.772 views
Há 28 dias — Por Leandro Dantes
Trilogia Phyrexiana
“Por que eu deveria me gabar? Os bardos o farão por mim – e com música.” -Ertai, mago graduado
3.920 views
Trilogia Phyrexiana
“Por que eu deveria me gabar? Os bardos o farão por mim – e com música.” -Ertai, mago graduado
3.920 views
16/05/2020 10:05 — Por Leandro Dantes
A Grande Pandemia
Que os fracos se alimentem de fracos, para que possamos adivinhar a natureza da força. - Escrituras Phyrexianas
4.773 views
A Grande Pandemia
Que os fracos se alimentem de fracos, para que possamos adivinhar a natureza da força. - Escrituras Phyrexianas
4.773 views
01/05/2020 10:05 — Por Leandro Dantes
O PRIMEIRO DEUS
Uma jornada pelas deidades do Multiverso
9.596 views
O PRIMEIRO DEUS
Uma jornada pelas deidades do Multiverso
9.596 views
28/02/2020 10:05 — Por Leandro Dantes
Que seja Doce enquanto dure
Um conto Autoral para adoçar seu Natal.
3.634 views
Que seja Doce enquanto dure
Um conto Autoral para adoçar seu Natal.
3.634 views
25/12/2019 10:05 — Por Leandro Dantes