Load or Cast
A Cabala
A Maior Organização de Otária
Há 11 dias - 3.547 visualizações - 13 comentários
Load or Cast

“Magia corrompida, destino deturpado, Que a terra verta em ódio destilado.”

— Canto da Cabala


Os gritos não cessavam. Toda a multidão estava eufórica. O Grande Coliseu tremia com o soar dos passos, ovações e imprecações da multidão. De repente, um silêncio... e então, o uivo da multidão ensandecida. A luta acabara. Mais um lutador se ajuntava aos cadáveres da Cabala enquanto outro lutador saia vitorioso.


 

Senhoras e senhores, hoje conheceremos um pouco mais sobre a organização que comandou Otária por um grande tempo. Cuidem de suas carteiras, vigiem cada beco, pois adentraremos os domínios da Cabala.
 



 

Para iniciarmos nossa trajetória, precisamos lembrar do continente onde a saga de Odisseia aconteceu. Otária foi um continente que se localizava ao norte-sul em Dominária, ficava ao leste de Jamuraa, ao sul de Shiv e ao oeste de Terisíare. Este continente sobreviveu intacto à Invasão Phyrexiana e se tornou refúgio de diversas raças que migraram com o passar dos anos. Lembrem-se que Dominária é cerca de duas vezes e meia o tamanho da Terra, então houve vários lugares que permaneceram intactos à Invasão Phyrexiana.


Foi nessa terra próspera que a Cabala proliferou. Devemos atentar ao fato de que, a Cabala no Magic não faz relação alguma com a religião da Cabala. Embora deva ter sido inspirada na Kabbalah judaica, em nenhum momento a Cabala voltava-se para conhecimento místico, iluminação espiritual e afins. Pelo contrário, na Cabala, abaixo do entidade que era venerada, dinheiro e lucro eram adorados.


A Cabala fora fundada no ano de 4050 AR (Argivian Reckoning/Contagem Argiviana) por Virot Maglan, também conhecido como Patriarca da Cabala ou O Primeiro da Cabala. Virot fora o primeiro e principal adorador de Kuberr, o qual garantiu a ele uma vida longa e a capacidade de deteriorar qualquer coisa que tocasse.


Kuberr, a divindade adorada por Virot e posteriormente pela Cabala, fora um Numena. As lendas dizem que nos primórdios do tempo os Numena, um grupo de magos, conseguiram derrubar sozinhos o reinado dos Primordiais de Dominária. Os Primordiais (recuso-me a usar a tradução Primevos) foram os cinco dragões que apareceram durante a Invasão Phyrexiana, liderados por Darigaaz.


Os cinco Primordiais foram:


● Darigaaz, o Ígneo;
● Dromar, o Banidor;
● Treva, a Renovadora;
● Rith, a Incitadora;
● Crosis, o Purgador

 

Estes cinco dragões governaram Dominária durante eras até serem derrotados pelos Numena. Durante a Invasão Phyrexiana, Darigaaz conseguiu realizar os rituais e ressuscitar cada um deles para lutar contra as hostes de Phyrexia, entretanto, o plano não saiu conforme ele planejara, levando ao confronto dele contra a tripulação do Bons Ventos e eventualmente, à destruição dos Primordiais.


 

Cada cor da Magia possuía um respectivo Numena, contudo os Numena branco e verde foram mortos pelos outros três magos, os quais se recusaram a compartilhar o poder entre eles. O nome desses dois Numenas mortos se perdeu com as eras, mas o nome dos demais ainda é conhecido pelos historiadores.


Lowallyn foi o Numena azul chamado de Senhor das Águas Escondidas. Ele matou Dromar e assim recebeu seus poderes.


Kuberr foi o Numena preto o qual matou Crosis e assim recebeu seus poderes. 


Averru, o mais poderoso dos três, foi o Numena vermelho o qual matou Rhammidarigaaz (Darigaaz para os íntimos) e assim recebeu seus poderes.


O mais interessante sobre os Numena é que, posteriormente, eles reencarnaram durante a saga de Odisseia. Lowallyn reencarnou como Numena azul em Ixidor e Averru reencarnou numa cidade, que se tornou abrigo de alguns refugiados da guerra e fora chamada de Sanctum.


O Patriarca da Cabala era um devoto de Kuberr e trouxe prosperidade à Cabala que se estendeu pelo continente. Crescendo e atraindo devotos, clérigos, asseclas, ladrões de túmulos e magos. Era totalmente voltada ao comércio, chantagens, manipulação e ganância adquirindo assim, poder e influência por todos os cantos. A Cabala comprava pessoas, autoridades e atraia a todos graças as suas lutas nas Liças. Qualquer um podia lutar. Uns lutavam por fama, vingança, dinheiro ou pagar algum débito.


A cidade de Aphetto, perto dos pântanos e lar da Guilda do Corvo, se tornou o epicentro do poderio cabalístico tornando-se a sede do Patriarca.

 

 

Foi em Aphetto que Virot fico exilado por um tempo, vítima das maquinações de Chainer. Após o Embaixador Laquatus conseguir a informação do seu nome secreto, Calchexas, o Patriarca se exilou na cidade de Aphetto. Enquanto esteve exilado, a Cabala fora liderada por Chainer e somente após sua morte, o Primeiro recuperou o controle da Cabala. Nesse interim, Virot Maglan se apaixonou por Phage, que compartilhava sua maldição de deterioração.


Phage se tornou cada vez mais importante dentro da Cabala e foi incumbida de fiscalizar a construção do Grande Coliseu. Mas o que o Patriarca não contava era que o poder que concedera à Phage log se tornou uma ameaça ao seu governo. Ele tentou matá-la várias vezes, porém sem sucesso.


O estranho casal acabou tendo um filho, o qual, para surpresa de todos, foi a reencarnação do Numena Kuberr. O antigo deus adorado pela ordem da Cabala havia renascido da bizarra união entre Phage e o Primeiro. Está curioso para saber quem foi a prole desses dois? Tenho certeza que o filho de Phage é bem conhecido entre a maioria de vocês.



 

O Herdeiro da Escuridão era o filho de Phage e reencarnação de Kuberr. Após seu nascimento, Virot tentou matar Phage outra vez, aproveitando seu enfraquecimento, mas descobriu que perdera sua imortalidade. Isso permitiu que Braids o detivesse, destruindo-o com uma criatura de demência.

 

Estrutura


A Cabala era tida como uma “família”, do ponto de vista de seus membros. Seus membros se referiam um ao outro como “irmão” e “irmã”. O conceito chave que dominava toda a hierarquia da Cabala era o de nomes secretos. Cada membro da Cabala recebia um nome novo cabalista quando adentrava à ordem. O nome original era mantido em segredo que, quando pronunciado, dava ao orador poder sobre a pessoa.


Esse foi o motivo do Patriarca se exilar em Aphetto, pois Chainer descobrira seu nome secreto. Os nomes regiam a hierarquia, afinal quem descobrisse o nome do outro membro teria total controle sobre ele. Apenas o Primeiro sabia o nome de todos e, portanto, podia usá-los para controlar seus súditos.


Dentro da Cabala os zumbis eram chamados de Ressurgidos (Revenants), cavaleiros de Grimnants enquanto que clérigos e magos eram chamados de Mestres da Demência.

 

 

Os mestres da demência, também chamados de Invocadores, eram aqueles que possuíam a habilidade única de invocar horrores do seu “espaço de demência” pessoal, um local, psíquico ou mental, que abrigava os maiores temores do invocador assim como todas as criaturas que ele já matara. Com o tempo, mestres da demência podiam invocar os horrores na mente das pessoas.

 

O Espaço de Demência era o termo usado para se referir ao lugar onde o invocador mantinha seus monstros e os horrores que podia criar. Cada Espaço de Demência era diferente para cada indivíduo, variando conforme os medos e monstros que enfrentara, e para a pessoa se tornar um Mestre da Demência ou Dementalista, era necessário ter total controle sobre os monstros do primeiro nível do Espaço de Demência.


Esses primeiros monstros eram aqueles que foram mortos pelos aspirantes a mestres. Os Dementalistas também tinham a habilidade de drenar criaturas para seu próprio espaço. As criaturas tinham sua antiga mente e agiam conforme ela, porém não passavam de memórias.

 

 

Antes da Construção do Grande Coliseu as lutas eram travadas nas Liças. Essas lutas eram as maiores fontes lucrativas da organização, pois atraíam pessoas de todos os cantos para assistirem aos gladiadores, bestas de Krosa, escravos ou horrores de demência se digladiando para ganhar o afeto do público.

 

Como Dominária estava se recuperando da Invasão, a vida ainda era muito miserável, então nada como uma política de pão e circo para atrair dinheiro e investidores. Esse tipo de comércio crescia cada dia mais, criando gladiadores profissionais que ganhavam suas vidas sob a influência da Cabala nas lutas.


 

As Liças ocorriam na Cidade da Cabala, porém a cidade fora destruída por um dragão Krosano e depois tomada pelas criaturas da demência de Chainer, quando este tomou o controle da Cabala e exilou o Patriarca para Aphetto. Após a perda do Mirari e a morte de Chainer, a cidade foi abandonada e a sede migrou para Aphetto, e assim surgiu o Grande Coliseu.


Todo dia havia mais e mais pessoas desejando adentrar às Liças, mas entre todos os grandes gladiadores, com exceção de Ixidor e Kamahl que apareceram no Lore, houve cinco lutadores lendários que chamariam sua atenção na lista de aposta.


Em um artigo de 2003, Rei Nakazawa, um membro do time criativo de Investida, deu algumas notas explicando algumas curiosidades sobre os cinco lendários lutadores.

 

 

Arcanis, o Onipotente: o nome do mago vem da palavra “arcano”, que significa obscuro. A ideia da criação do personagem era que ele deveria ser sombrio e misterioso – tão misterioso que ninguém saberia se “ele” é homem ou mulher ou mesmo humano! Justin Sweet (artista da carta original) fez um belo trabalho em conseguir transmitir isso;

 

 

Rorix Asas Laminadas: o primeiro nome do dragão vem da palavrar “roar” (rugido). O time de desenvolvimento queria alguma coisa diferente para essa lenda dracônica além do tamanho e corpo avantajado, então decidiram que o dragão seria serpentino como asas que pareciam facas (para dar sentido ao título de Asas Laminadas) e assim pudesse voar muito rápido. Na carta você consegue ver o Grande Coliseu ao fundo;

 

 

Jareth, Titã Leonino: o nome Jareth fora escolhido porque soava como algo “branco”, legal e de soldado. Originalmente ele fora projetado para ser um soldado humano pesadamente armado, mas isso parecia muito mundano para uma criatura tão poderosa, então o transformaram em uma estátua de pedra viva semelhante a um leão. Foi pedido que a única arma que ele portasse fosse o escudo, para demonstrar suas habilidades defensivas;

 

 

Visara, a Pavorosa: O nome desta criatura medonha vem da palavra “vision” (visão). A primeira ideia para o nome foi “Gazera”, com origem na palavra “gaze” (olhar). Ela foi originalmente concebida para ser um vampiro, com a habilidade de receber marcadores +1/+1 sempre que matasse alguma criatura. Mas quando R&D removeu essa linha, ser um vampiro pareceu inapropriado. Foi então que eles se lembraram da carta Górgona Mascarada (Julgamento). Uma vez que górgonas transformam criaturas em pedra, isso pareceu ser um tipo de criatura mais interessante. Observem que a Górgona Mascarada não destrói criatura porque seus olhos estão, bem, mascarados. A equipe pediu que, na arte da Visara, fizessem suas asas do mesmo material das garras da Górgona Mascarada;

 

 

Silvos, Elemental Desgarrado: o nome desta criatura gigante vem da palavra “sylvan” (silvestre) cujo significado está atrelado a bosques e florestas. Dentre os cinco lutadores, seu conceito foi o que mais sofreu alterações pela R&D. Uma das alterações mais divertidas foi em deixa-lo parecendo com um gorila gigante, porém isso pareceu como algo bobo para alguns membros da equipe. Por fim, decidiram dar ao elemental a aparência fúngica semelhante as das Talídias (percebam as vinhas que brotam do seu corpo fazendo-o parecer com um fungo);



 

Embora a Cabala tivesse extremo poder e influência em Otária, seu reinado não era absoluto. A Ordem, um grupo religioso e militar, sempre se opôs às suas ambições e forma caótica e destruidora de governo. Os seguidores da Ordem eram nômades humanos e guerreiros avianos que habitavam as planícies de Daru, cuja adoração era voltada para a entidade conhecida como A Ancestral. No retorno a Dominária, foi dito que, possivelmente, a crença na Ancestral, na verdade, era uma forma diferente do culto à planinauta Serra.


Talvez a crença em Serra tenha se espalhado após a Invasão e se misturados com outros mitos e com a restauração das terras de Benália, o ecumenismo tenha tomado conta dos devotos. Mas tudo isso são especulações sem muito fundamento.


A Cabala foi desfeita após a morte de Kuberr e o cataclismo que se seguiu após o surgimento de Karona. Mas nenhum mal está realmente morto, apenas dorme sob as ambições humanas. Após a Emenda, remanescente da Cabala realizaram um ritual na esperança de trazer de volta o Numena caído, Kuberr, mas a única coisa que conseguiram foi soltar, acidentalmente, o demônio ancião, Belzenlok.


Belzenlok restaurou o poder da Cabala, agora não mais voltado ao lucro e dinheiro, mas a um culto a morte; conseguiram se espalhar e residiram sua sede na antiga Fortaleza, nas terras sombrias de Urborg. O objetivo de Belzenlok era reescrever a história de Dominária e nomeá-lo como autor de todos os eventos negativos no plano. Pode-se perceber isso bem no início do Lore, quando recuperam a Lâmina Negra Reforjada e como tentam desmentir a história original envolvendo um dragão ancião, para colocar Belzenlok no centro da narrativa.


Após a queda do demônio e a derrota de seus seguidores pelos Sentinelas, o destino da Cabala é incerto em Dominária.

Leandro Dantes ( Arconte)
Leandro conheceu o Magic em 1998 e, desde então, se apaixonou pelo Lore do jogo. Após retornar a jogar em 2008, se interessou por lendas, o que resultou por despertar a paixão pela escrita. Sempre foi mais colecionador do que jogador e sua graduação em Pedagogia pela Ufscar cooperou para que ele aprimorasse e desenvolvesse um estilo próprio. Autor de alguns contos, todos relacionados ao Magic, já traduziu o livro de Invasão e criou sua própria saga com seu personagem, conhecido como Arconte.
Redes Sociais: Facebook
Comentários
Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 05/08/2020 16:45

Sim, sim, entendo e respeito o lance da opção.
Só para complementar, quanto aos elders, eu usei o termo em referência a todos os nascidos do Ur-Dragão, o que inclui os anteriores à ninhada do Nicol Bolas.

(Quote)
- 03/08/2020 22:05

Excelente explicação, jovem. Sobre a escolha do termo, foi uma escolha minha, pois não gostei da tradução de Primevos. E sobre os Elder, embora sejam todos como os mais antigos, isso não é 100% certo. O Lore deles é considerado como Pré-revisionista (Lore que veio antes da Saga do Bons Ventos) então não é todo canônico. Quando saiu o Lore narrando a ascensão de Ugin e Nicol bolas, você vai perceber que havia outros dragões além deles e que já eram maiores que Nicol Bolas (lembrando que ele era um Elder) então afirmar que os Elder foram os primeiros não é certo. Segundo a Contagem Argiviana, os Elders vieram primeiro do que os Primordiais, então nesse contexto sua explicação de encaixa, mas outra vez, foi uma opção minha porque quando traduzi Invasão, eu usei nos 3 livros a palavra Primordial.

(Quote)
- 03/08/2020 16:24
Narrativa topp Leandrao!
(Quote)
- 03/08/2020 01:51
Poxa, muito interessante seu artigo. A história da Cabala, de Phage e tudo em volta de Karona SEMPRE me cativaram... Mês passado vi esse vídeo sobre a Cabala https://www.youtube.com/watch?v=L07LBpCJ_2s&fbclid=IwAR3qfgOpYa5tIKg1vNH2tTD1JnoYhx_k9-L2AQRIZAvhzzhe7fi-mIWFuas no canal Diário de um Planinauta, narrado por Marcos - responsável pelo melhor canal de lore de Magic que eu conheço no youtube
(Quote)
- 02/08/2020 22:30
Gostei do artigo.
A única coisa que me incomodou foi a escolha por usar "primordial/primordiais" no lugar de "primevo/primevos", já que existe uma sutil, porém significativa diferença entre os termos, tanto em português, quanto em inglês (primeval, primordial). Ambos carregam o sentido "primeiro" ou "em primeiro lugar", uma vez que derivam do latim "primus" (primeiro), mas, enquanto "primevo" se refere a algo muito antigo (vem de primaevus, "no início da vida, jovem", de primus + aevum, "uma idade, uma época"), "primordial" tem mais a ver com algo que está na origem, algo que efetivamente veio primeiro (vem de primordialis, "primeiro de tudo, original", de primordium "um começo, o começo, origem", de primus+ ordiri, "começar").
Assim, os Primeval Dragons (dragões primevos) não são "primordiais", porque antes deles vieram os Elder Dragons, que nasceram diretamente da "entidade multiversal" (por assim dizer) conhecida como Ur-Dragão, que seria o detentor do "título" de primordial, uma vez que ele é a origem dos dragões em todo o multiverso.
Últimos artigos de Leandro Dantes
Nostalgia
Aliada ou Inimiga?
4.849 views
Nostalgia
Aliada ou Inimiga?
4.849 views
12/06/2020 10:05 — Por Leandro Dantes
Trilogia Phyrexiana
“Por que eu deveria me gabar? Os bardos o farão por mim – e com música.” -Ertai, mago graduado
4.000 views
Trilogia Phyrexiana
“Por que eu deveria me gabar? Os bardos o farão por mim – e com música.” -Ertai, mago graduado
4.000 views
16/05/2020 10:05 — Por Leandro Dantes
A Grande Pandemia
Que os fracos se alimentem de fracos, para que possamos adivinhar a natureza da força. - Escrituras Phyrexianas
4.830 views
A Grande Pandemia
Que os fracos se alimentem de fracos, para que possamos adivinhar a natureza da força. - Escrituras Phyrexianas
4.830 views
01/05/2020 10:05 — Por Leandro Dantes
O PRIMEIRO DEUS
Uma jornada pelas deidades do Multiverso
9.712 views
O PRIMEIRO DEUS
Uma jornada pelas deidades do Multiverso
9.712 views
28/02/2020 10:05 — Por Leandro Dantes
Que seja Doce enquanto dure
Um conto Autoral para adoçar seu Natal.
3.694 views
Que seja Doce enquanto dure
Um conto Autoral para adoçar seu Natal.
3.694 views
25/12/2019 10:05 — Por Leandro Dantes