Load or Cast
Construindo um cEDH Orzhov – parte 1
No artigo de hoje iremos aprender o conceito de Bottom > Up na prática, construindo um deck Orzhov!
Há 28 dias - 5.527 visualizações - 30 comentários
Load or Cast
Fala galera, tudo certo? 
 
Quem acompanha nossa coluna sabe que no ultimo artigo finalizamos uma sequencia focada em Vermelho e Branco, cores no mínimo subestimadas que agora estão encontrando seu lugar ao sol. 
 
Devo agradecer à todos que nos acompanham nessa jornada, e principalmente aos que tiraram um tempo para comentar e deixar opiniões como nosso amigo MasterP que sugeriu o tema da nossa próxima aventura de deckbuilding. 
 
 
Inicialmente o assunto de hoje seria baseado num livro escrito por Patrick Chapin, chamado “Next level Deckbuilding”, que trata a criação de decks como algo mais complexo que abrange o cenário competitivo de outros formatos, mas que atinge o cEDH de forma precisa. 
 
Então aproveitando a sugestão do nosso leitor, resolvi adaptar um pouco nosso texto e colocar essas técnicas em pratica construindo um deck orzhov a partir de alguns princípios citados nessa obra prima, que irei tentar explicar da melhor forma possível em outra sequência de artigos.
 
No livro em questão, Chapin trabalha com quatro princípios que constroem a espinha dorsal do deckbuilding, sendo elas Bottom -> Up, Top -> Down, Backwards e Foward, que olhando assim soa como uma equação matemática extremamente complexa, mas que depois de entendida se torna uma ferramenta extremamente útil para a vida do magiqueiro que gosta de construir os próprios decks. 
 
Já lembrando que nosso intuito é extrair sempre o máximo das listas que criamos, sem um limite de budget no processo, porém durante a leitura você pode adaptar todos as dicas para encaixá-los aos seus limites.
 
E lembrando também que hoje em dia o acesso à meios alternativos para jogar online permitem que a barreira econômica que assola nosso querido jogo seja muito menor. 
 
Voltando ao assunto principal, nessa primeira parte resolvi trabalhar um conceito chamado de Bottom -> Up, que como o nome sugere, consiste na escolha de nossa Win Condition primária e os cards necessários para seu funcionamento (a base da pirâmide) excluindo cards pouco eficientes ou que não passem em alguns outros critérios como: Cores, custo de mana, valor monetário, etc. Essa é uma abordagem de deckbuilding muito utilizada no casual ou em memes decks, onde os jogadores escolhem um tema e os cards pertencentes a ele (T-Pose, Girls Looking Left, Hot Guys, Elfos) e depois escolhem o melhor comandante possível para aquela seleção de cards. A grande vantagem desse método é a não-dependência do nosso comandante, onde ele serve como um plano B ou C para a estratégia, porém, sacrificar uma peça que está sempre a nossa disposição na zona de comando pode custar alguns jogos.
 
A escolha da estratégia principal
 
Como citado acima, a escolha da estratégia principal será nossa decisão priméria, conduzindo o restante de nossas escolhas baseando-se nesse núcleo. 
Então a partir disso podemos começar analisando o que se adequa melhor às cores que temos em mãos, o que é um trabalho um pouco árduo por conta da falta de variedade disponivel no Orzhov. 
 
E com a ajuda do nosso querido Nogueira, definimos uma linha que tem sido frequentemente explorada no cEDH nos ultimos tempos, e que utiliza do preto como cor principal, facilitando um pouco o desenvolvimento desse projeto: 
 
Turbo Nauseam
 
    
 
Para os menos habituados, o arquétipo “Turbo Nauseam”, ou também conhecido como “Farm”, consiste em decks focados em draws massivos que podem te levar até sua condição de vitoria contornando sua maior desvantagem, que é justamente a perda de vida no processo. 
 
Essa estratégia possui algumas características que a delineiam muito bem, que são: 
 
* Comandantes de baixa curva que permitem que você consiga extrair valor rápido e eficientemente;
 
* Acesso à cor branca é um ponto muito importante nesse caso, pois diferente de outros decks onde ela fornece uma base limitada, podemos abusar de seus efeitos de ganho de vida para sustentar o drawback trazido por suas cartas principais. Criaturas como Filhos de Korlis, Ascendente de Serra podem te trazer uma vantagem muito grande justamente por alimentarem sua Ate Enjoar, por exemplo; 
 
* Comandantes que consigam ampliar seu alcance durante o “Farm” podem ser mais efetivos, como por exemplo a mais comum entre todas, que é nossa querida Tymna the Weaver, que além do card advantage, ainda oferece ganho de vida; 
 
* Escolha de uma build de curva bem baixa, variando preferencialmente entre 1.5, 1.6cmc, o que diminui os riscos de uma explosão durante a resolução de sua Ate Enjoar
 
Pois bem, após definida nossa estratégia temos que escolher nossa condição de vitória, que irá tirar proveito desses draws massivos, e analisando dentro das cores BW, temos alguns combos que podem ser bastante efetivos, sendo eles: 
 
 
 
 
Sickening Dreams, que serve como um finisher fácil e rápido, transformando o numero de cartas nas mãos numa possível vitória, e na pior das hipóteses como um 'board wipe' que pode ser muito perigoso para seus oponentes. 
 
 
    
 
 
Gato de Shcrodinger também é uma excelente opção muito efetiva para essas cores, já que possui uma baixa quantidade de Dead Slots e conta com um baixo CMC, permitindo um loop de reanimações que se transforma em dano direto aos oponentes com ajuda do nosso Artista do Sangue
Também é essencial a inclusão das outras cartas redundantes para esse combo, que são as demais auras de reanimação, juntamente de seu finisher: Necromancia, Danca dos Mortos e Degolador de Zulaport.
 
 
A famosa Caixa d’agua também pode marcar presença por aqui, já que após resolvidas nossas mágicas principais, é muito comum que tenhamos muitas outras mágicas para conjurar, alimentando o ganho de vida oferecida pelo artefato que eventualmente pode se tornar uma pedra no sapato. 
 
E para finalizar a escolha de finishers, vamos com uma carta que não é exatamente um, mas que após resolvida temos uma vitória garantida, permitindo uma Ate Enjoar para comprar todo o deck, ou até mesmo servindo como empecilho em resposta ao combo de Oraculo de Tassa do seu oponente. 
 
Uma carta muito versátil que faz um papel muito importante por aqui.
 
 
 
 
Agora com nossos finisher’s definidos precisamos de meios para facilitar o andamento do nosso plano, já que estamos lidando com um deck fast combo e queremos que haja uma progressão rápida, que pode ser atingida por meio de tutores. 
 
E é justamente nessa hora que a escolha da cor preta brilha com mais intensidade, disponibilizando uma enorme quantidade de cartas que buscam outras cartas diretamente pra sua mão, como por exemplo: 
 
 
  
 
  
Tentando manter sempre a curva baixa dentro das escolhas das cartas, é inevitável que a quantidade de tutores precisa ser alta, obrigando a inclusão de outros tutores para fortalecer a resiliencia dos combos, e são eles: Talisma de Garra dos Desejos, Tutor Sinistro, Imperial Seal e também os da cor branca, sendo eles Abrir o Arsenal e Tutor Idilico
 
Após isso, mas ainda mantendo o foco em acelerações, precisamos pensar em situações onde você acaba tendo um early pouco explosivo, o que demanda card advantage ao longo de sua estadia no jogo, que pode ser oferecido por cards como Confidente Sombrio e Ritos da Vila
 
Porém é sempre bom ter em mente que estamos conduzindo um deck que busca ser na maior parte das vezes rápido e direto, priorizando mãos com tutores e aceleradores de mana, sejam eles em forma de Mana Rocks ou Rituais, dos quais temos uma vasta quantidade de opções. 
 
 
  
 
Já também aproveitando uma citação ao nosso querido Eskirge Familiar, que alem de um ritual que possui um discard outlet embutido também potencializa nossos reanimates, que muitas vezes podem chegar em sua mão sem necessariamente possuirmos outros combos. 
 
Apesar do custo alto, nosso skirge acaba sendo uma peça chave para quando precisamos encerrar o jogo, transformando o flood da mão em mana para mais interações. 
 
 
Por fim, precisamos suprir as desvantagens das cores escolhidas em relação ao seu núcleo, que pretende ser um combo agressivo rumo a vitória que dificilmente se reconstrói depois de um counter bem colocado. 
 
E counters/disrupts no geral serão sempre grandes pedras no sapato, por isso também é interessante o uso de algumas staples que servem tanto como desaceleradores para os oponentes, quanto te dão segurança na hora de progredir, como por exemplo: 
 
 
 
 
Todos eles possuem além do problema trazido aos oponentes, uma segurança e proteção para que seu combo não seja impedido tão facilmente, suprindo algumas falhas que a falta do azul traz inevitavelmente. 
 
Também podemos colocar na lista outras cartas como Abolidor-Mor, Silencio, Malicia do Diabrete e Arrancar da Eternidade, que serve como backup contra mágicas de exílio que podem ser muito assustadoras para nossa lista. 
 
 
Escolhendo um Comandante
 
Talvez a etapa que mais me tomou tempo durante a produção deste artigo, já que escolhi deixar a sugestão de Teysa, Herdeira de Orzhov para exemplificar o conceito de Top -> Down em nosso próximo episodio. 
 
Minha primeira tentativa foi utilizar de nosso Humano Conselheiro Kambal, Consul da Alocacao para ser o rostinho desse deck, por conta de seu efeito de drenagem de vida que parecia satisfatório, principalmente dentro de um ambiente recheado de decks que tiram proveito de múltiplas mágicas por turno, porém nada saiu como o planejado durante os testes.
 
 
 
 
Seu custo exigia que nossos planos fossem desacelerados, e apesar de ter um efeito que parecia promissor, demorava demais para conseguir trazer vantagem ao board, já que efeitos estáticos são facilmente contornados. 
 
Junto a isso também podíamos notar o maior defeito desse deck, que é a falta de respostas e interações dos oponentes, onde um simples bounce ja significava a perda total de todo um turno. 
 
Apesar de gostar muito da criatura, creio que seu lugar seja num deck mais focado em controle ou até mesmo Hard Stax, onde punir a vida dos oponentes a longo prazo pode ser mais efetivo.
 
Seguindo nossa busca por um comandante, tivemos também a ideia da utilização do desconhecido Conselho Fantasma de Orzhova, que venhamos e convenhamos, foi uma péssima ideia, já que sem a possibilidade de combar mana infinita não temos formas de aproveitar seu efeito de ETB, que serve para drenar seus oponentes. Fora todos os outros pontos, como fácil de ser removido, exigências altas no custo de mana e etc.
 
Tudo que consegui foram algumas noites drenadas em vão tentando adaptar o deck que não chegou a lugar algum. 
 
 
 
 
E por fim, cheguei até o comandante que eu queria evitar por conta de sua unanimidade quando se trata de decks orzhov. 
 
Nosso felino banido do vintage acabou conquistando meu coração depois de uma demonstração de como poderia ser uma carta promissora. 
 
Começando por ser um 3/2 com lifelink pelo custo de 3 manas, onde duas são manas Hibridas já traz uma grande vantagem, suprindo os parâmetros para rodar muito bem em um deck turbo Nauseam. 
 
Outro fator importante é que o valor gerado pela sua permanência na mesa é indiscutível, podendo trazer de volta peças chave, como nossos encantamentos de reanimação para o combo, como também nossas proteções caso removidas, como Abolidor-Mor e Perimetro Defensivo.
 
 
 
 
Esse efeito também se encaixa perfeitamente com o uso das criaturas com custo zero utilizadas como food no deck, como aconteceu em um certo jogo onde utilizei um  Memnito como sacrifício para um Apartar os Fracos  e o reconjurei para servir também como sacrifício para um Intento Diabolico
 
Essas interações são simples, mas agregam muito em decks onde seus recursos são importantes nos primeiros turnos, o que Lurrus da Toca Onirica consegue fazer com maestria. 
 
E pois bem, após toda a construção do esqueleto do deck e alguns testes, preferi retirar algumas coisas, como por exemplo Reservatorio do Fluxo de Eter  e adicionar algumas staples importantes presentes nas cores que fossem interessantes junto ao comandante escolhido.
 
E depois de alguns dias de teste junto de alguns amigos (Mateus_Nogueira e SrGoblin) que tiveram uma baita paciência, essa é a lista final. 
 
Lurrus Turbo Nauseam
Por D3AD
3736 visualizações
25/10/2020
R$ 10.225,90
R$ 15.249,02
R$ 35.201,13
3736 visualizações
25/10/2020
Visualização:
Padrão
Cor
Custo
Raridade
Visual
CMC
Comprar Deck
Comandante (1)
1  Lurrus da Toca Onírica   39,18
Criaturas (14)
1  Esfera de Escudos 6,30
1  Memnito 2,75
1  Ornitóptero 0,20
1  Ascendente de Serra 29,00
1  Filhos de Korlis 0,80
1  Mascote de Sangue 0,04
1  Abolidor-Mor  51,03
1  Artista do Sangue  6,12
1  Confidente Sombrio  111,75
1  Degolador de Zulaport  0,64
1  Guarda-Relíquias Leonino  0,10
1  Magistrado de Drannith  8,49
1  Mnemocensor Aviano  3,39
1  Eskirge Familiar  10,00
Mágicas (34)
1  Pacto de Massacre 9,42
1  Apartar os Fracos 4,00
1  Arrancar da Eternidade 2,24
1  Canções dos Condenados 0,75
1  Capturar Pensamento 69,90
1  Chuva de Imundície 22,98
1  Coagir 0,03
1  Espadas em Arados 3,00
1  Fragmentalizar 0,10
1  Graça do Anjo 53,78
1  Imperial Seal 2.070,00
1  Inquisição de Kozilek 8,00
1  Maldição Sombria 0,35
1  Reanimar 30,11
1  Ritos da Vila 0,85
1  Ritual Sombrio 0,63
1  Sepultar 59,50
1  Silêncio 14,92
1  Terapia da Cabala 2,00
1  Tutor Esclarecido 76,50
1  Tutor Vampírico 222,90
1  Abrir o Arsenal  2,88
1  Demonic Tutor  121,19
1  Intento Diabólico  113,91
1  Malícia do Diabrete  38,12
1  Ritual da Cabala  15,00
1  Sonhos Revoltantes  0,24
1  Enterrado Vivo  3,49
1  Reivindicação de Sevinne  16,98
1  Toxic Deluge  71,78
1  Tutor Idílico  8,46
1  Tutor Sinistro   62,55
1  Até Enjoar   33,44
1  Perscrutar o Abismo    3,70
Artefatos (18)
1  Amuleto de Pedra Preciosa 5,27
1  Cripta de Mana 387,60
1  Diamante Olho de Leão 1.275,00
1  Mox de Âmbar 71,96
1  Mox de Cromo 153,00
1  Mox de Diamante 1.466,25
1  Mox de Opala 144,50
1  Pétala de Lótus 21,99
1  Anel Solar 8,78
1  Cofre de Mana 198,00
1  Tampo de Adivinhação do Sensei 120,40
1  A Pedra Fellwar 8,50
1  Monolito Sinistro 799,90
1  Perímetro Defensivo 25,88
1  Sinete Arcano 9,50
1  Sinete Orzhov 0,75
1  Talismã da Hierarquia 1,25
1  Talismã de Garra dos Desejos  0,89
Encantamentos (4)
1  Dança dos Mortos  34,16
1  Reviver Cadáver  6,30
1  Necromancia  61,33
1  Necropotência   89,00
Terrenos (29)
1  Capela Isolada8,10
1  Catacumbas Verdejantes169,95
1  Cavernas de Koilos1,69
1  Cavernas de Pedras Preciosas72,00
1  Clareira Silenciosa29,75
1  Delta Poluído79,20
1  Lagoa dos Mortos150,00
1  Lamaçal Ensangüentado71,99
1  Meseta Árida121,50
6  Pântano0,00
1  Pântano de Alcatrão1,69
2  Planície0,00
1  Planície Pantanosa105,00
1  Praia Inundada61,28
1  Sacrário Ateísta24,30
1  Scrubland600,00
1  Torre Phyrexiana46,53
1  Torre de Comando1,58
1  Tumba Antiga127,50
1  Urborg, Tumba de Yawgmoth93,50
1  Urzal Ventoso47,69
1  Veio de Cristal4,00
1  Vista Prismática104,95
100 cards total

Maybeboard (5)
1  Canto de Orim 46,88
1  Diabrete Pútrido 0,25
1  Nodos de Pórfiro 6,32
1  Latência  23,99
1  Garras do Pretor   24,00
 
Mesmo deixando claro em quase todos os textos, é bom reforçar que esses decks podem ser facilmente adaptados a um budget, porém isso deve ser feito com coerência. 
 
A base de mana e as rocks positivas representam grande parte do valor dessa lista, que pode facilmente ser diminuído, principalmente quando levamos em conta a dificuldade de adquirir cartas atualmente, seja pelos spykes, ou pela alta do dólar. 
 
Espero que esse artigo tenha sido útil para quem gosta de construir decks baseados em estratégias especificas, e que também fomente a criação de listas com combinações de cores menos utilizadas. 
 
E com isso chegamos ao fim de mais um episodio. 
 
 
Se você gostou, tem uma sugestão, duvida ou critica, deixe nos comentários, mas sejamos todos coerentes em relação a isso, tentando promover discussões saudáveis e uteis para os demais leitores, sem ofensas ou fiscalização da diversão alheia. 
 
E se você gosta de commander competitivo e quer acompanhar mais conteúdo como esse, siga nosso grupo cEDH Brasil no facebook, e não deixe de nos seguir nas demais redes sociais. 
 
Temos também lives na twitch duas vezes por semana, alem de um canal no youtube. 
 
Muito obrigado pela paciência e um grande abraço! 
 
Até a próxima! 
Jefferson C Faria Barbosa ( D3AD)
Jefferson é entusiasta do formato cEdh
Redes Sociais: Facebook
Comentários
Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 29/10/2020 22:58

Eu ia falar para aumentar 800 aí no budget pq tem q entrar a Lotus Negra nova aí.

(Quote)
- 29/10/2020 21:43
Falta bota a lotus nova ai agora rs
(Quote)
- 29/10/2020 09:49
Tenho uma teysa, to doido pra ver a materia sobre ela
(Quote)
- 28/10/2020 23:11
Muito interessante seu deck! É claro que o preço alto reflete o uso de cartas raríssimas com powerlevel diferenciado (principalmente na busca por redundância), mas é possível adaptar a lista trocando algumas cartas de valor mais elevado sem sacrificar tanto a eficiência.

Imagino que a evolução deste deck será contínua na medida dos testes, mas uma coisa que eu acredito que valha a pena testar tão logo commander legends seja lançada, é a nova dupla Scheming Symmetry + Opposition Agent.
(Quote)
- 28/10/2020 16:02

Amigo, esse tipo de comentário é absolutamente infeliz e desnecessário.
A frase do leitor que deu origem ao artigo foi: "Sei que tá longe de ser tier, mas tava curioso sobre o quão viável seria". Não é preciso muito esforço pra identificar que a viabilidade mencionada é sobre a força do deck, e não sobre o preço.
Além disso, tanto o comentário quanto o presente artigo são sobre cEDH, que é sim caro por diversos motivos. Cabe a cada um decidir se tem o desejo de adquirir pra jogar presencialmente ou montar pra jogar online nas diversas plataformas existentes.

Últimos artigos de Jefferson C Faria Barbosa
O impacto da Jeweled Lotus no Commander!
Voce também já se perguntou isso?
10.138 views
O impacto da Jeweled Lotus no Commander!
Voce também já se perguntou isso?
10.138 views
Há 18 dias — Por Jefferson C Faria Barbosa
Boros no cEDH: Winota Primer
No artigo de hoje finalizaremos o ciclo de artigos sobre as combinação boros com um primer acompanhado de uma entrevista com Gabriel Medeiros, seu criador!
9.780 views
Boros no cEDH: Winota Primer
No artigo de hoje finalizaremos o ciclo de artigos sobre as combinação boros com um primer acompanhado de uma entrevista com Gabriel Medeiros, seu criador!
9.780 views
15/10/2020 10:05 — Por Jefferson C Faria Barbosa
Vermelho é uma opção no cEDH! Pt2
No artigo anterior dissecamos a utilização do branco no commander, e hoje falaremos de outra cor que vem ganhando o mesmo espaço, o Vermelho!
4.377 views
Vermelho é uma opção no cEDH! Pt2
No artigo anterior dissecamos a utilização do branco no commander, e hoje falaremos de outra cor que vem ganhando o mesmo espaço, o Vermelho!
4.377 views
24/09/2020 10:05 — Por Jefferson C Faria Barbosa
Boros é uma opção no cEDH! Parte 1
Na primeira parte desse artigo iremos explorar o que a cor branca tem para nos oferecer de melhor no ambiente competitivo do commander!
3.415 views
Boros é uma opção no cEDH! Parte 1
Na primeira parte desse artigo iremos explorar o que a cor branca tem para nos oferecer de melhor no ambiente competitivo do commander!
3.415 views
09/09/2020 10:05 — Por Jefferson C Faria Barbosa
Pratique o Gathering no cEDH!
Se você joga commander, é hora de lembrar o que signfica o Gathering!
5.103 views
Pratique o Gathering no cEDH!
Se você joga commander, é hora de lembrar o que signfica o Gathering!
5.103 views
26/08/2020 10:05 — Por Jefferson C Faria Barbosa