Faraway - Jogos e Desafios
Decks da Semana #13 do CLM7: GW Tokens
Standard: GW Tokens, por Rafael Tirelli.
14/06/2016 12:15 - 3.549 visualizações - 7 comentários
Faraway - Jogos e Desafios

Olá, tudo bem?

 

Penúltima edição do "decks da semana" na temporada 7 do CLM, hoje falarei do grande monstro do Standard, o GW Tokens. Lista do Rafael Tirelli, da Lotus Games, de Mogi Mirim/SP.

 

[DECK 364095 NOT FOUND]

 

O GW apareceu no Pro Tour SOI e foi um dos baralhos com melhor aproveitamento, boa parte dos jogadores com o baralho passaram para o Day 2 e desses a maioria também premiou. De grande promessa o deck virou realidade e com o desenvolvimento do formato o GW venceu os 3 últims[os GPs, se tornando o deck to beat.

 

Mas o que faz o GW bom? Ao contrário de outros baralhos baseados em fichas o GW não é um deck puramente agressivo, ele tem aberturas fortes, com Advogado Silvestre seguido de Nissa, Voz de Zendikar e Gideon, Aliado de Zendikar. Mas também tem um mid game forte com os planeswalekrs já citados, Arcanjo Avacyn e Proteger os Ermos. O grande ponto é como grande parte das cartas é boa em vários momentos do jogo e permite que o deck ataque em linhas diferentes.

 

A lista do Rafael mostra bem isso, são poucas as cartas condicionais, como Comando de Dromoka, Salto Evolutivo e Inspetor de Thraben (que muita gente já trocou por Pacifista de Lambholt). Um baralho com diversas cartas que tem valor sozinhas, mas muito mais quando combinada com as outras, como é o caso de Proteger os Ermos e Abadia de Oestevale, boas cartas em um deck midrange, mas que juntas permitem diversos "vitórias roubadas", onde o GW pode em um turno inverter a situação do jogo.

 

O side do Rafael é padrão, com a novidade de um Casulario, que pode ser bem interessante contra algum aggro, como o White Winnie Humans.

 

Vou ficando por aqui, até amanhã! 

Rudá Andrade dos Reis ( Ruda)
Rudá joga Magic desde 2003, sendo que em 2012 começou a produzir conteúdo sobre o jogo, fazendo artigos, streaming e narração. Como jogador tem diversos resultados, destacando top8 no Magic Fest São Paulo em 2019 e participações no Regional Player Tour Europe e Kaladesh Championship.
Redes Sociais: Facebook, Twitter
Comentários
Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 17/06/2016 13:27

Joguei, lembro com carinho, só quoiz citar algo mais recente.

Isso só corrobora com minha tese. Se aumentar o power level das comuns e incomuns como foi em M11 (com reprints poderosos em nesssas raridades) E dar enfase a boas mecanicas, não tenho dúvida que booster box venderia como água, o pessoal draftaria com mais tesão e as lojas e dealer não teriam tanto poder de especulação.
E raras boas (SEMPRE COM espaço para REPRINT DE LANDS) não precisa criar mais nada de land raro na forma de dual, apenas lands com mecanicas novas e com LORE.

Pode perceber,que as Scrylands e que esses Showlands que foram lançados agora poderiam ser incomuns de boa.

Outra coisa é que as raras lançadas sempre fortifiquem a mecânica das comuns, Já as míticas somente e TÃO SOMENTE com LORE, sem powerlevel descabido ou destoado demais e com um mecanica bem diferente da abordada no universo de comuns e incomuns
Isso deixaria os preços dos decks bem mais baixos.

Só basta olharem para o passado, daquilo que deu certo. Magic não precisa de mais mofo/bulk card, de zilhoes de comuns que não servem para nada a não ser para Draft/Selado (por imposição) e não precisa virar um Yugioh da Vida.

(Quote)
- 16/06/2016 23:19

Eu não sei se vc chegou a jogar T2 na epoca de investida e odisseia... Decks tier 1 eram Ug Madness (Não lembro de cards raros neste deck) Psicatogue (menos de 10 raras no deck) Monoblack (este tinha mais cards raros, mas não passava de metade do deck) Mirari (menos de 10 raras no deck) e por ai vai... TEMPO BOM :)

(Quote)
- 15/06/2016 14:01

Não é bem isso, se vc 2200 ta no preço médio, e além disso os cannopy vista aqui estão como expedition. O preço do deck gira em torno de 1200 a 1400 reais, o que ainda é bem caro, mas comparando a rotações recentes do T2, muito mais acessível.

(Quote)
- 15/06/2016 11:42

Assim como na época do Bant, o GW é um dos decks caros. Mas existem opções baratas,como o WW e o UR Eldrazi.

(Quote)
- 15/06/2016 09:58
E outra coisa. 90/95% é de cards raros/míticos isso é insano. O power level dos cards tá pior que yugi-oh num tempo desse só dava pra fazer decks competitivos lotados de rare cards.
Sds do t2 com TItan trap, ou do t2 com Pyromancer, Tempered Steel, Valakut, e um monte de deck COMPETITIVO entupido de comuns e incomuns. Para se ter ideia teve um deck que era o Bant Conscription era algo tão surreal para um deck ter 90% de cards raros e miticos como corpo principal que ganhou a insignea de "Mythic Bant".
Últimos artigos de Rudá Andrade dos Reis
Começando com Kamigawa: Neon Dinasty
Analisando os primeiros spoilers
5.578 views
Começando com Kamigawa: Neon Dinasty
Analisando os primeiros spoilers
5.578 views
Há 12 dias — Por Rudá Andrade dos Reis
Os Meus decks de 2021
Baralhos que marcaram meu ano e deixaram saudades (ou não).
5.942 views
Os Meus decks de 2021
Baralhos que marcaram meu ano e deixaram saudades (ou não).
5.942 views
Há 26 dias — Por Rudá Andrade dos Reis
As Escamas Ainda estão Lá
Scales no ambiente atual do Modern
5.870 views
As Escamas Ainda estão Lá
Scales no ambiente atual do Modern
5.870 views
08/12/2021 10:05 — Por Rudá Andrade dos Reis
Metagame Histórico - Innistrad Championship
Análise do Metagame Historic (Histórico) do Innistrad Championship
4.509 views
Metagame Histórico - Innistrad Championship
Análise do Metagame Historic (Histórico) do Innistrad Championship
4.509 views
03/12/2021 10:05 — Por Rudá Andrade dos Reis
Metagame Padrão - Innistrad Championship
Análise do Metagame Standard (Padrão) do Innistrad Championship
4.815 views
Metagame Padrão - Innistrad Championship
Análise do Metagame Standard (Padrão) do Innistrad Championship
4.815 views
02/12/2021 15:56 — Por Rudá Andrade dos Reis