O Conclave no topo: GW no Standard, por Storks

       

Por: letscollectbrasil em 17/01/13 19:46 | 0 comentários / 2,510 visitas

Olá a todos!

Return to Ravnica já está entre nós há 3 meses, com 5 das 10 guildas já presentes e impactando diversos formatos do Magic com seus novos cards. Selesnya, Golgari, Izzet, Azorius e Rakdos vieram com tudo e todas as guildas estão presente com força no Standard. Mas uma guilda em especial é minha escolhida:

O Conclave Selesnya, como o título do artigo já entrega de cara.

A combinação GW é muito forte no Standard atual por várias razões, mas principalmente por uma característica em particular: a guilda fornece as ferramentas certas para montar um deck aggro/midrange forte que tem jogo tanto contra decks hiper-agressivos – como Rakdos e Mono Red -, quanto contra controles como Bant Control e URW. Eis as ferramentas:

1. Uma das melhores bases de mana do formato















Não é apenas a existência de seus respectivos cards dourados que fazem de Rakdos, Azorius, Izzet, Selesnya e Golgari as combinações mais fortes do formato (e decks de três cores que combinem duas dessas guildas). A principal razão para o sucesso e a consistência desses decks são as shocklands. Se Breeding Pool e Stomping Ground estivessem no formato, com certeza existiriam decks UG, RG e UGR viáveis pelo simples fato da base de mana funcionar perfeitamente. A guilda Selesnya possui Temple Garden e, além disso, os dois melhores terrenos utilitários do formato: Gavony Township e Cavern of Souls.

Não dá nem pra começar a comparar Gavony Township com as outras 9 "ability lands" do bloco de Innistrad, porque ela está simplesmente um degrau acima de todas as outras boas, sem exceção, e muitos degraus acima das ruins (*cof* Stensia Bloodhall *cof*). Gavony Township é espetacular. Num mirror de decks GWx, o jogador que tiver uma Township ativa (ou um Bonfire of the Damned no topo, claro..) está em larga vantagem em relação ao oponente. O terreno ganha sozinho em situações onde a mesa está "travada". Mais do que isso, Township permite que cards como Avacyn’s Pilgrim e Arbor Elf sejam funcionais no mid/late game, além de garantir que um Wolfir Avenger e fichas 2/2 possam eventualmente atacar pra cima de um Restoration Angel. Township é insana. Pra mim, é razão suficiente para o GW Aggro/Midrange ser superior a um BG similar, por exemplo, como o BG recentemente montado pelo Brian Kibler.

Além da Township, o deck ainda usa e abusa de Cavern of Souls. É muito tranquilo jogar contra um UW ou URW Flash, ou contra qualquer outro controle com azul, quando temos acesso a uma ou duas cavernas. Dissipate e Rewind junto com Snapcaster Mage passam de respostas ótimas para simplesmente inúteis, particularmente quando a Cavern of Souls é usada com…

2. As melhores 5-drops do formato














A combinação GW tem acesso a algumas das melhores cartas de custo 5 do formato. As mais notáveis são Thragtusk, provavelmente o card número 1 do formato em termos de "ou seu deck usa, ou precisa ter um plano contra", e também Garruk, Primal Hunter, o melhor planinauta do Standard. Mas não paramos por aí: ainda temos acesso a Sigarda, Host of Herons, boa em qualquer matchup e um pesadelo para oponentes de controle e/ou decks Pretos, e Wolfir Silverheart, o melhor "one-two punch" entre as criaturas mais caras.

Possuir toda essa qualidade e versatilidade no topo da curva é uma das chaves da viabilidade e sucesso de decks GW. Além de possuir ótima aceleração em Avacyn’s Pilgrim, Arbor Elf ou até mesmo Farseek (caso você queira colocar uma ou duas cores a mais em seu GW) e ótimas criaturas para o meio da curva, como Loxodon Smiter e Restoration Angel, a guilda Selesnya ainda possui um mid/late game sensacional graças a esses cards poderosos de 5 manas. Com isso, não há um único buraco na curva do deck, com cards excelentes em todos os custos e estratégias.


3. Planinautas excelentes








Além do já mencionado Garruk, Primal Hunter, o GW tem acesso ao outro Garruk e ao Ajani 3.0, dois cards excelentes para a estratégia do deck. Por serem baratos, caem nos turnos 2 ou 3 com aceleração no turno 1, desviando de mágicas de anulação (o formato usa, basicamente, Dissipate, Counterflux e Rewind, impossíveis de anular um Garruk Relentless acelerado se o jogador Azul estiver na draw). Uma vez na mesa, são extremamente difíceis de remover, e vão gradativamente criando uma mesa forte sem que seja necessário jogar mais cards na mesa. Ajani com uma ou duas criaturas, mesmo pequenas, pode ganhar o jogo sozinho, e o Garruk faz literalmente tudo: faz fichas, pode remover uma criatura e, transformado, ainda é um tutor/Overrun.

Basear o mid-game em planinautas é o melhor plano contra remoções em massa como Supreme Verdict, e dificultam bastante a vida de um oponente que quer estabilizar e ganhar o controle do jogo. O mais legal é que os dois planinautas são também muito bons no mirror, e contra decks hiperagressivos também. Garruk Relentless sempre será um dois-pra-um contra Mono Red, absorvendo alguns pontos de dano e levando uma criatura consigo, e Ajani absorve MUITO dano, além de fazer seu 1/1 capaz de trocar com o 2/2 do outro lado, ou seu 2/2 poder bloquear um Ash Zealot ao virar um 3/3. É, amigos, a parceria que começou em Lorwyn, entre Ajani e Garruk, permanece firme até hoje.



Para finalizar, eis minha versão atual do deck. Ainda estou testando alguns cards e variando alguns números, mas a base é essa aqui:

GW Standard

Criaturas (28)
4 Avacyn’s Pilgrim
3 Arbor Elf
4 Elvish Visionary
2 Borderland Ranger
3 Wolfir Avenger
3 Loxodon Smiter
4 Restoration Angel
1 Sigarda, Host of Herons
2 Thragtusk
2 Wolfir Silverheart
Planinaltas (6)
3 Ajani, Caller of the Pride
2 Garruk Relentless
1 Garruk, Primal Hunter
Mágicas (3)
3 Selesnya Charm
Terrenos (23)
3 Gavony Township
3 Cavern of Souls
4 Temple Garden
4 Sunpetal Grove
6 Forest
3 Plains
Sideboard (15)
3 Pacifism
2 Faith’s Shield
2 Oblivion Ring
1 Selesnya Charm
2 Triumph of Ferocity
2 Thragtusk
1 Yeva, Nature’s Herald
1 Sigarda, Host of Herons
1 Garruk, Primal Hunter

Rapidamente, vou explicar algumas presenças/omissões notáveis na minha lista.

Elvish Visionary e Borderland Ranger

São três as razões que me fizeram optar por esses cards. A primeira é Restoration Angel. É muito importante se tirar o máximo proveito do anjo. Para isso, precisamos de criaturas com custo menor que 4 que possuam habilidades desencadeadas quando entram no campo de batalha. Assim como o UW e o URW jogam com Augur of Bolas para, além de ajudar no early game, maximizar o poder do Anjo, Visionary e Borderland fazem o mesmo papel para nós. A segunda razão é poder jogar com 23 terrenos, algo crucial em um deck agressivo sem azul, ou seja, sem a possibilidade de comprar cards para contornar mana flood. Gavony Township ajuda bastante, mas a melhor forma é usar o mínimo de terrenos, e garantir que acharemos nossos terrenos e cards com essas criaturas. Pra finalizar, Ajani, Caller of the Pride e Gavony Township podem transformar nossos Visionaries e Borderlands em criaturas de fato relevantes, mimimizando o lado negativo de serem apenas criaturas 1/1 e 2/2.

Rancor?

Basicamente, Rancor é completamente desnecessário se você não utilizar Ulvenwald Tracker no main e/ou Intrepid Hero no side. Por quê? Porque contra decks de controle, você não precisa de Rancor (planinautas e Gavony Township são melhores, e Selesnya Charm já permite atacar pra cima de um Restoration Angel sem medo), e contra Mono Red/Rakdos o card Rancor é simplesmente morto. Sim, é legal combar Rancor com Selesnya Charm e poder matar criaturas com 3+ de poder, mas garanto que Rancor não faz a menor falta no deck. Claro, se sua versão utilizar Ulvenwald Tracker, provavelmente também usará Strangleroot Geist, o quarto Loxodon Smiter, 1 Restoration Angel a menos e… Bom, será outro deck. Aqui, Rancor não faz falta.

2/2/1 split nas 5-drops?

Pra mim, num formato aberto com o Standard, diversidade é tudo. O Sam Black sempre defende isso em seus artigos, e eu sempre gostei de ter algo no meu deck fora do esperado, para tirar proveito do fato de que as remoções hoje em dia são mais restritivas (Ultimate Price, Selesnya Charm) do que antigamente (Putrefy, Terminate). Além disso, alguns fatos pra mim:

a) Wolfir Silverheart é, disparado, a melhor 5-drop do deck para o game 1. Portanto, natural que esteja no maindeck.
b) Thragtusk é a criatura-chave do formato. Não dá pra jogar sem.
c) Garruk Relentless. Sua habilidade de tutorar fica muito melhor com mais opções.
d) Sigarda, Host of Herons é um trunfo muito forte contra alguns decks, não dá pra ficar fora do maindeck (vide item c).

Por isso, optei por um split 2/2/1 entre Wolfir/Tusk/Sigarda.

O resto do deck é natural: os planinautas, que são a base do deck, aceleradores de turno 1 (sete cópias são o suficiente, e Pilgrim Arbor), e Wolfir Avenger e Loxodon Smiter são as melhores 3-drops no geral, tanto contra aggro quanto contra control. As duas desviam de counters (Smiter completamente) e as duas são bloqueadores muito melhores do que Centaur Healer contra Mono Red.

Sobre o side, Yeva, Nature’s Herald, Triumph of Ferocity e cópias extras de Garruk, Sigarda e Thragtusk podem entrar contra decks de controle com muitos sweepers, como UWR/Bant/Esper, dependendo da versão. Procuro cortar 1-2 aceleradores de turno 1, os Wolfir Silverhearts e os Selesnya Charms (exceto se o oponente jogar de Angel of Serenity, aí deixo 1-2 cópias). Contra Rakdos/Mono Red/Zombies, Pacifism é surpreendentemente ótimo e a melhor remoção disponível, o que mostra o quão absurdo era Celestial Purge, que é infinitamente melhor que Pacifismo em todos os sentidos. Bons tempos.

Só não coloque os Pacifismos no mirror (GWs, Nayas, etc), pois Restoration Angel[card] ignora o card. No mirror, os planinautas e [card]Selesnya Charms são chave, procure ficar com mãos iniciais rápidas e curvar bem, deixando o oponente na defensiva sempre. Faith’s Shield pode entrar, pois anula os charms do oponente e dá um Time Walk em um oponente que jogue um turno inteiro em função de uma ativação de um Ulvenwald Tracker. Todas as 5-drops são boas no mirror, assim como as duas versões do Garruk. Oblivion Rings também devem entrar, para resolver qualquer problema (em especial, planinaltas, Ulvenwald Trackers e Intrepid Heroes).



Bem pessoal, é isso! Eis o deck que tenho utilizado no MOL nas últimas semanas, com ótimos resultados. O Standard atual tem um número muito grande de cards viáveis/excelentes para o arquétipo e é bem difícil escolher entre eles. Ainda não encontrei uma lista "100% correta", se é que isso existe, mas estou satisfeito com até onde cheguei. Ainda vou testar Rancor e seus amigos (Geists e Trackers) novamente, mas meus resultados apontam para essa versão com Elvish Visionary como 2-drop e Ajani, Caller of the Pride como pump.

Se tiverem quaisquer dúvidas/sugestões sobre o deck, estou às ordens! Obrigado pela leitura, um ótimo final de semana a todos e até o próximo artigo!
Rafael "Storks" Quadros






Leia também

Pauper “gifts rock” homebrew – análi.. 10 comentários / 4,529 visitas
Mol – por quê jogar? – por josé “_zeh_.. 13 comentários / 4,745 visitas
Mythbusters: filtrando o deck com fetch lan.. 32 comentários / 12,020 visitas
Gpsp14 - abertura para interessados em banc.. 2 comentários / 2,449 visitas
Lidando com a raiva para obter vitórias, p.. 26 comentários / 5,488 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.