Magic e o ódio

       

Por: edutsubaza em 31/10/13 22:35 | 10 comentários / 8,551 visitas

Magic e ódio natural das coisas (ou das cores)

 

 

Através dos tempos no mundo de Magic the Gathering®, com os conflitos eternos entre os magos cromáticos e suas características naturais da cor (Azul:Água e Controle; Vermelho: Fogo e Caos; Branco: Luz e Ordem; Preto Trevas e Morte; Verde – Natureza e Vida Livre). Tornava-se legítimo que algumas cores se "odiassem" naturalmente.

 

 

 


Desde Alpha® o Cavaleiro Branco e o Cavaleiro Negro, declaravam guerra, ainda mesmo que distantes, e através desta batalha épica o ódio era evidenciado pelos planos.

Entretanto, não parou por aí, o tempo viria a colocar ainda mais lenha nessa fogueira. Vários cards apareceriam, muito mais devastadores, para mostrar o quanto algumas cores não se davam bem .

Um caso: se meu arqui-inimigo, fosse um Planinalta "Sombrio", bastava conjurar um Karma , e seus próprios Pantanos, fonte de seu poder, o afundariam de dano em dano em questão de tempo.

 


Contudo o meu oponente tinha uma chance de expressar o seu ódio às luzes e à ordem. Convocando o poder da Obscuridade! Com isso minhas mágicas Brancas custarão 3 a mais para conjurar. Agora não poderei me valer do Karma tão cedo . E se eu tiver um Desencantar na mão, mesmo assim, ainda precisaria de cinco mana hábeis, para fugir dessa tão densa escuridão repleta de ódio.
 

Feitiços de "ódio à cor" ficaram ainda mais cruéis com o passar do tempo . Alpha® também teve Flashfires , que permitiam à cor vermelha destruir todas as Planícies por apenas quatro manas. Quando Era Glacial foi lançado, o ódio só aumentou! Era impresso o card Exalações do Mal.
Agora não bastava o mago branco ter que perder todas as Planícies, dano será causado também!

 

Vermelho também teria mais armas contra Branco , Anarquia estava lá para resolver o problema do vermelho com o tão temido Círculo de Proteção: Vermelho . E e de bônus todas as outras permanentes brancas!

 

Foi um marco na história do Magic, e até hoje é uma das poucas formas que o vermelho tem de remover encantamentos, algo totalmente fora da color pie vermelha, ainda que só de uma cor específica. Para nós vermos, o que o ódio não faz!

 

 

 


O conjunto com o ódio à cor mais devastador foi o de Tempest. Todo um arquétipo de "weenie" poderia ser invalidado por uma única mana preta com Dread of Night. Não só isso, matar toda uma horda branca, mas como encantamento permanecendo na mesa para fazer que todos os combatentes da ordem e da justiça ficasse enfraquecidos pelo mal .

O Preto encontrou uma resposta incrível para o Mevlevi e todas as outras criaturas verdes com proteção, com o card Perish . E até hoje é usado como resposta contra a temível Hidra multi cromática: Progenitus!

 

 


Olhando para trás, Alpha® novamente não podemos esquecer de Explosão Elemental Vermelho e Explosão Elemental Azul. Esses cards sempre foram muito eficientes contra a cor inimiga, inclusive eram figurinhas carimbadas no Magic competitivo.

 

 


No Bloco de Urza, Abafar, Tapete de Flores, Santimônia, Fada dos Ventos, Discípulos da Lei e da Graça continuariam a promover esse ódio.

Em Frente Fria surgia um ciclo onde cada cor tem um card visando suas duas cores inimigas. Esses cards são Luminesce , Flashfreeze , Deathmark , Cryoclasm e Karplusan Strider .

Bloco após bloco, era evidente que a guerra estava mais do que declarada, a insanidade promulgada pelo "ódio natural" estava estabelecida. E como na teoria do caos, algo de bom deveria ser retirado dessa balbúrdia. Nesse ponto crucial, utilizar a razão no meio deste ódio todo seria a chave para diversas vitórias preanunciadas: Assim surge uma arma poderosíssima: O Hate Sideboard!


Hates card* e o Sideboard.

 

 

 


Hates cards continuaram a ser lançados edição após edição por diversos motivos. Em primeiro lugar, para os jogadores novatos, ajudam a definir as cores, a famosa color pie . Em particular, que há cores aliadas e cores inimigas. As especificidades das cores e como eles se relacionam , são uma parte maravilhosa do Magic.

 

Outra razão é que se o seu amigo tem um Deck que você acha difícil de lidar, este tipo de card pode dar-lhe uma chance de lutar com mais "Justiça".

Aqui abro um parênteses para relatar um causo do Magic Casual:

 

"Hauhauahua, legal foi a cara do meu amigo que sempre jogou de Mono Red ultra apelão, quando eu conjurei Justiça pela primeira vez: Ele leu, depois releu, olhou para mim e disse: A tradução está errada, o nome correto deveria ser Injustiça! E recolheu os cards hahhaha."

-Jefferson Eduardo, Jogador Casual de Magic

Outro motivo semelhante é que ele ajuda o jogo competitivo. O Hate Sideboard mantém os ambientes mais equilibrados. 

 

Exemplo: Se existe um Deck que está destoando dos demais e supondo que você tem apenas uma chance de 30 % de ganhar o primeiro jogo em um confronto particular, mas o seu Sideboard deixa a sua chance de ganhar cada jogo subsequente em até 60%. Isso seria o suficiente para dar-lhe um marginalmente favorável ( 50,4%) * num confronto melhor-de- três. 

 

Dessa forma um bad match, com ajuda de um hate sideboard eficiente equilibra a partida para uma just match, e isso é incrível!!

 

 



São apenas quinze cards que podem conter no máximo em um sideboard em jogos competitivos. Parece até número bastante limitado , porém é mais do que suficiente para mudar o destino de um Match em jogos deste tipo de torneio.

 

 

Normalmente a maioria dos Cards do Sideboard são voltados para os Decks mais populares. Porém se o seu Deck for um Deck Rogue** , e não for vulnerável contra esses tipos de Sideboard você pode estar em vantagem. Pois seus oponentes não tem como ter todos os Cards de Sideboard contra você em tudo. Enquanto isso , você estará preparado para os Decks mais tops do field, e terá muitos cards eficientes para substituir cards menos eficazes nesses combates .

 

Outro caso, você pode tentar ler o ambiente e construir um deck voltado para combater o deck mais presente do ambiente e já colocar esses hates cards, que são naturais ao sideboard, direto no Main Deck!!!!


Já aconteceu algumas vezes em grandes torneios, no Worlds de 2004 contra o temido Afinity*** o deck mais popular da época, o campeão daquele torneio Julien Nuiten colocou de Main Deck um hate natural contra o afinity, Viridian Shaman reforçado pelo combo Eternal Witness + Oxize no seu SideBoard, afim de domar o Afinnity.

"Garantindo" que se confirmasse sua expectativa, o ambiente fosse formado por 50% de Afinitty ele teria no mínimo 45% de vitória no torneio!- estimativa minha- . E o fez, sem descaracterizar o deck demais, ficando competitivo contra os demais decks, conseguiu chegar no topo da competição.

 

 




É aqui que eu quero chegar: Neste ultimo Pro-Tour aconteceu justamente isso, Os torneios Pré-Pro Tour foram dominados por Agro-Reds/Based Reds Decks. Então era bem lógico que este arquétipo de Deck fosse bem explorado em um evento grandioso como o Grand Prix.

 


O campeão do torneio fez a mesma leitura daquele campeão do passado, montou um Deck "Hate Against Red" reservando em seu Main Deck nada mais, nada menos que OITO cards característicos de Sideboard! Isso mesmo, OITO cards específicos contra a cor vermelha: Pense num ódio!

 

 


Um com proteção contra o vermelho e um efeito de colocar fichas e outro com efeito específico contra o vermelho, virar a criatura e mantê-la virada, e de bônus ainda contra o verde.

 

Assim garantindo, que mesmo que os Red Decks tivessem uma proposta mais eficaz do que o dele, contando com o ódio a seu favor essas eficácia não seria tão devastadora assim.


Pura estratégia! E se sagrou campeão com um Deck Monoblue, abrindo mão das anulações (características da cor) em favor do ódio à sua cor inimiga!Uns podem até dizer que foi aposta, tiro no escuro, mas eu creio que foi apenas puro ódio que o guiou ao topo!!

 


O ódio parece ser um termo tão feio, mas ele ajuda a trazer equilíbrio para o Multiverso desse tão amado Card game: Magic the Gathering.

Que o ódio esteja com você, Só que não , né?

 




* Aqui uma forma de calcular a 50,4 % correspondem vitória probabilidade. Você pode ganhar jogos 1 e 2 ( 0,3 * 0,6 = 0,18) . Você pode ganhar um jogo , perder o jogo 2 , e ganhar o jogo 3 ( 0,3 * 0,4 * 0,6 = 0,072 ) . Finalmente, você pode perder um jogo , ganhar o jogo 2 , e ganhar o jogo 3 ( 0,7 * 0,6 * 0,6 = 0,252 ) . 0,18 + 0,072 + 0,252 = 0,504 = 50,4 %.

** Rogue Decks - é uma gíria para especificar que um tipo de Deck que ainda não se estabeleceu no ambiente competitivo, mas que tem chance de se tornar um Deck top, dependendo de algum fator efêmero.

*** Afinnity – É um arquétipo de Deck onde a habilidade estática Afinidade por Artefatos é explorada de tal modo que você pode conjurar sua mão inteira em apenas um turno (geralmente nos primeiros) assim não dando chance do oponente se defender devido a essa velocidade, somadas combinações mortais voltadas para artefatos.

 

 

 







Leia também

Estou com medo de ir jogar magic 0 comentários / 404 visitas
O leão e o peixe dourado na selva financei.. 2 comentários / 1,499 visitas
E aí standard, cadê a "diversidade"? 2 comentários / 836 visitas
Mensagem subliminar no magic update 0 comentários / 1,235 visitas
O dna da decadencia do futebol brasileiro 5 comentários / 3,990 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 07/11/2013 19:03
Quem joga mesão usa e abusa desse ódio, uma colega meu usava um encantamento azul "Abafar" para segurar o mago vermelho e depois mudar a cor das mágicas para combar, ainda fazia uso de arreio mental, fada dos ventos, Criaturas voadoras com proteção ao verde... Era uma zoeira só hauhauaa.

Off

Queria ter mais tempo para fazer mais artigos, tantas ideias e talz, quem sabe não consigo alguém para me ajudar né?

(Quote)
- 02/11/2013 11:54
Poxa Edu! Ótimo artigo! Parabéns! =)

E a nostalgia vai rolar solta nos comentários, o que eu, particularmente, acho ótimo!
(Quote)
- 01/11/2013 17:04
Não se faz mais hate como antigamente...(2)

Saudades dos Sufocar, Perecer, etc.
Ultimo bom que vi foi o Andarilho do Fogo Kor.
(Quote)
- 01/11/2013 15:55
Não se faz mais hate como antigamente...
(Quote)
- 01/11/2013 09:22
A primeira Stench of Evil a gente nunca esquece.
Muito bom. Parabéns!
(Quote)
- 01/11/2013 08:10
Muito bom o texto, divertido esse tal de ódio kkk
(Quote)
- 01/11/2013 00:35
Já ganhei alguns jogos no terceiro turno com Ódio e Lagoa dos Mortos.

=)

Era legal!
(Quote)
- 31/10/2013 23:55
Curti o artigo da mesma forma que sempre gostei desses hosers de cores presentes nas edições. Tornam mais simples e eficaz montar um sideboard, já que Flashfreeze é bom tanto contra Mono Red Aggro como RG Ramp, por exemplo.

Vale mencionar que Theros foi até um pouco além, com um ciclo de feitiços de ódio contra as próprias cores (Glare of Heresy, Dark Betrayal, Hunt the Hunter, Peak Eruption e o reprint de Gainsay).

Abraços!
(Quote)
- 31/10/2013 22:34
excelente texto parabens.
(Quote)
- 31/10/2013 22:22
Muito legal o artigo, parabéns ^^
A cara do oponente quando te vê usando um card desses é
sempre épica :D

Cheguei a usar Fluxo de Energia em umas partidas casuais
contra um affinity =X