Interagindo com mulheres no ambiente do Magic

       

Por: tunicoberno em 06/11/14 17:26 | 55 comentários / 6,571 visitas

Interagindo com mulheres no ambiente do Magic: Responsabilidade, Respeito e Consciência.

[Nota do Tradutor: este texto é uma tradução de um Blog, os depoimentos aqui citados são de experiências do autor original do texto.
Fonte ]
[Nota do escritor habitual deste blog: Eu gostaria de dar as boas vindas a um autor convidado para esta postagem, meu grande amigo, David de la Iglesia. Os tópicos de hoje – gênero, privilégio e perseguição – são muito sensíveis e difíceis de serem discutidos publicamente, mas esta conversa é muito importante, e importante além também do Magic.
Aqui há também um fator de vulnerabilidade pessoal do lado de David, como você saberá em breve o porquê. Quando um de nós se levanta para falar sobre suas experiências, é essencial que todos nós levemos essa abertura com respeito consciente. [Com essa introdução e nota feitas, para vocês, David – Sean]

A comunidade de Magic é dominada por homens. Mulheres enfrentam grandes dificuldades quando tentam fazer parte da cultura gamer, e está em cada um de nós a responsabilidade de fazer os torneios de Magic mais inclusivos a todos e livres de preconceitos.

A comunidade de Magic está comprometida com a segurança e inclusão, e o comportamento dos jogadores é controlado por causa disso. Para os jogadores nós temos o IPG do Magic e o Comitê de Investigações, e para os Juízes nós temos a Esfera de Conduta que está sendo desenvolvida e colocando à disposição de todas as ferramentas necessárias para melhor arbitrar eventos e educar jogadores.

Piadas sexistas, palavrões e linguagem opressora, criam um ambiente hostil para as mulheres e não deveriam ser parte dos torneios de Magic. Mesmo quando o conteúdo não é ofensivo, quando proferido em torneios de Magic podem ser impróprios e inadequados. Todos nós já ouvimos histórias que começam com "Eu fui derrotado por uma garotinha", "Ela só está aqui para acompanhar o namorado", "Ela não é uma gamer de verdade" ou "Ela está aqui para conseguir atenção".

No começo eu não achava que tudo isso era um grande problema, mas por causa do que aconteceu comigo (mais sobre isso abaixo), eu tentei ser um pouco mais consciente sobre mim mesmo, eu tive conversas difíceis com grandes amigos e eu pesquisei muito na internet.

Durante minha pesquisa eu encontrei histórias e depoimentos de eventos similares acontecendo em outros ambientes, tanto em ambientes profissionais quanto em convenções de lazer. Um exemplo é o incidente conhecido como ‘Elevatorgate’ (Portão do Elevador). Uma mulher participante de uma convenção ateísta foi abordada às 4 da manhã em um elevador do hotel por um homem que, muito gentilmente e de forma não ameaçadora, convidou ela para o quarto dele. O problema é que, apesar da gentileza, naquela hora da noite e em um lugar aonde ela não tinha saída, aquela mulher se sentiu extremamente insegura. A percepção dela neste tipo de situação é o que dita se isso é um problema ou não, o fato de alguém pensar que ela estava fazendo uma tempestade em um copo da água não diminuem as emoções dela e a forma como ela percebeu a abordagem. Um outro exemplo é um conjunto de eventos conhecidos como ‘Gamergate’, vamos lá, jogue isso no Google e veja os resultados, isso é o quão ruim as coisas podem ir quando uma comunidade não tem mecanismos de controle e regulação.

A coisa é séria, e se você está lendo isso, você também tem a capacidade de ajudar!


Aceitando a Responsabilidade
Eu devo admitir que eu agi errado em algumas ocasiões quando eu interagi com mulheres em eventos. Claro que minhas intenções nunca eram maliciosas, mas isso não muda o fato de que minha conduta deixou a desejar. Isso causou uma investigação da minha conduta do passado, o que causou uma suspensão de seis meses para mim.

Eu recebi sugestões e criticas de outras pessoas nesse assunto e agora eu entendo que eu preciso fazer um trabalho melhor para atender as expectativas que eu tenho como um líder na minha comunidade, que eu devo ser mais inclusivo e devo tratar todo mundo de maneira respeitosa. No passado eu agia de maneira errada seguindo um padrão de comportamento que feria a outras pessoas. Isso não era meu intuito e eu peço desculpas por isso.

Depois de conversar com meus amigos sobre meus erros eu percebi como namorar e flertar pode ser algo muito esquisito. Eu tenho certeza que outras pessoas cometeram os mesmos erros que eu. Eu nunca tive a intenção de tornar alguma situação estranha, intimidadora ou não acolhedora, mas no final o que importa é o efeito do que você fez e não suas boas intenções. Preocupo-me porque contribui para o problema, e agora eu gostaria de contribuir para a solução, contando minha perspectiva a outras pessoas na esperança de que isso fará com que muitos outros não se comportem de maneira inapropriada.

Também conversei com algumas de minhas amigas sobre estes erros e não foram conversas fáceis, foram conversas sobre meus fracassos, minhas inseguranças e vulnerabilidades e também sobre as vulnerabilidades delas, apesar de conturbadas, essas conversas valeram a pena. Foi importante para eu perguntar para uma mulher sobre o que eu estava fazendo, e eu pedia a elas para me explicar o ponto de vista delas e me dar dicas do que eu posso fazer para melhorar. Com o que essas amigas me disseram eu estabeleci mecanismos e critérios para eu aprender o que é inapropriado e o que não é.

Eu sou responsável pelas minhas atitudes e palavras e eu aceito isso. Apenas admitir o erro não é o suficiente, no entanto. É crucial aprender com as criticas e sugestões. Com as criticas que eu recebi, eu mudei a forma como eu abordo e interajo com mulheres.


Reconhecer os sentimentos d@s outr@s
Percepção é subjetivo. Quando nós tentamos ter um relacionamento romântico com alguém nós temos que pensar que talvez o que nós imaginamos como boas e doces intenções podem parecer intenções indesejáveis, intrometidas e até mesmo opressoras para outras pessoas. É triste saber que em nossa sociedade o homem é privilegiado em relação à mulher. Para os homens que estão lendo este texto, talvez não estejam conscientes disso, mas isso não diminui a sua responsabilidade. É importante entender que o privilégio masculino existe – e isso não é balela – e isso não significa que os que possuem este privilégio são malignos ou ruins.

A responsabilidade que nós temos não é de sentir remorso, mas sim de reconhecer isso e usar todas as oportunidades que nós temos para mudar. A sociedade muda e evolui continuamente, e todos somos responsáveis por fazermos a diferença quando podemos.

Quando interagimos com outras pessoas é crucial que tenhamos em mente o sentimento alheio. A reação de outras pessoas a sua interação com elas deve ser tão considerada quando a nossa, não importa se temos os mesmos pontos de vista ou não. Se alguém se sente incomodado com nossa abordagem, ser ignorante ou inconsequente é algo que com certeza vai tornar aquela interação ainda pior, e isso não é legal. Esse conceito não se aplica apenas a mulheres, mas também com aquele jogador chateado que acabou de perder a partida para entrar no Top 8. Ele também merece compaixão e solidariedade. Esse tipo de mentalidade e solidariedade pode resolver muitos conflitos interpessoais quando aplicado de maneira geral.

Quando alguém começa a dar atenção a alguém que não pediu é extremamente difícil de falar do ponto de vista daquele que está recebendo essa atenção, especialmente na hora que isso acontece. Como uma comunidade, nossa conscientização das nossas ações e como nós temos um impacto nos outros é essencial. É de suma importância garantir um ambiente seguro para que as pessoas possam dizer o que pensam quando necessário. Há uma necessidade para a comunidade ser protegida, e nós temos que apoiar esse processo de desenvolvimento.


Atenção especial e respeitando os limites
Até agora nós falamos sobre ideias conceituais e sentimentos. Vamos conversar agora sobre como isso afeta o dia a dia dos torneios de Magic.

Imagine um jogador em um torneio de Magic. Ele (ou ela) terá seus próprios objetivos para o torneio; talvez a pessoa queira participar do evento para competir, talvez só para jogar por diversão, para ter algumas cartas assinadas e artes alteradas ou para trocar cartas por cartas. Os juízes e organizadores também têm expectativas para o torneio. Alguns vão desenvolver suas habilidades, outros tentarão melhorar como juízes, outros se desafiarão com maior responsabilidade, etc.

As motivações são diversas e cada um tem a sua, mas o que todos têm em comum é de querer uma experiência agradável. É possível começar um relacionamento em um torneio; eu pessoalmente tenho vários amigos que conheceram seus parceir@s em eventos. Não é proibido conhecer alguém e começar um relacionamento em um evento, mas o problema está quando algum participante que está lá para jogar, apitar ou trabalhar e recebe atenção especial por causa de seu gênero.

Você já deve ter ouvido a frase "não quer dizer não" como algo essencial em respeitar os limites do outro quando abordando alguém com uma intenção romântica. Quando nós tentamos interagir com uma pessoa com a intenção de romantismo nós devemos nos perguntar primeiro se a pessoa vai ter uma resposta positiva a nossa abordagem. Se a resposta que você espera é "Não", então você não deve tentar, por respeito à outra pessoa.

Na vida real, possivelmente o "Não" virá seguido de alguma explicação "Não, mas eu...". Um excelente conselho que eu recebi sobre isso é para não se preocupar com o que vem depois do não. Uma vez que você ouviu um "não", você deve apenas esquecer o caso. Ser rejeitado não é uma sensação legal, e é comum que as outras pessoas tentem deixar isso mais fácil para você quando você começa a dar atenção especial a alguém. O que segue o "não" é uma maneira que a outra pessoa tem para deixar a situação mais tranquila, para fazer a rejeição parecer menos estranha para a pessoa, você e todos à sua volta. Uma pessoa que dá uma resposta negativa não quer ser percebida de uma forma negativa: a mensagem que eles estão dizendo representa sim a escolha deles (ou delas), o que é de direito, mas não necessariamente representa eles (ou elas) como pessoa. A pessoa rejeitando na verdade está sendo generosa com isso, tentando fazer com que você não saia com a cara no buraco, e você deve aceitar isso com graça ao invés de achar que é um desafio que você deve superar. Fazer chacota ou menosprezar alguém que rejeitou você ou outra pessoa é desrespeitoso e deve ser evitado.


A chave está no contexto: diferenças culturais e espaço pessoal
Respeitar o espaço pessoal de cada um significa muito mais do que "não tocar" outras pessoas. Ser respeitoso com o espaço pessoal de alguém é uma habilidade social e é comum para algumas pessoas que tem dificuldade com habilidades sociais invadir o espaço pessoal de outra pessoa sem querer fazer isso.

O espaço pessoal varia de um individuo para outro, e é comum que isso dependa de muitas coisas, como por exemplo, quão familiar você é com a pessoa, o seu gênero, a confiança que ele ou ela tem em você, o ambiente aonde a interação acontece, a origem cultural, etc.

A suposição básica que eu uso quando viajando para outros lugares é de se adaptar e misturar, ou pelo menos adaptar as normas do meu ambiente. Como diz o ditado: "Em Roma, faça como os Romanos". Normalmente eu sou uma pessoa para frente, intensa, direta e apaixonada pelos meus interesses. Quando eu foco em algo, eu coloco todo meu esforço naquilo, e dificilmente sou indiferente às outras pessoas ao meu redor. Isso é uma faca de dois gumes, é algo que eu aprendi que agrada a muitos, mas também afasta outros muito facilmente.

Generalizar diferenças culturais e como lidar com espaço pessoal pode cair em muitos clichês usados, mas essas generalizações do que é comumente aceito servem um propósito. Elas proporcionam um guia do que esperar quando interagindo com pessoas de culturas diferentes.

Por exemplo, quando cumprimentando outras pessoas na Espanha nós normalmente damos dois beijos, um em cada bochecha quando o cumprimento é entre um homem e uma mulher ou entre duas mulheres. Dois homens apertarão as mãos a não ser que sejam amigos próximos ou parentes. E tudo isso pode mudar quando você está em um ambiente mais profissional. Por exemplo, eu já cometi gafes onde eu estava me curvando e me aproximando de uma mulher americana para beijar ela nas bochechas quando eu imediatamente percebi que algo estava errado.

Com certeza isso não seria considerado errado na Espanha, aonde a maioria da população tem os mesmos padrões que eu tenho, mas isso não é relevante aqui. É mais importante adaptar ao ambiente e ajudar os outros a aceitar as diferenças culturais e aceitar uns aos outros. Essas diferenças fazem nossa comunidade mais forte e mais rica, mas elas precisam ser tratadas com respeito em relação aos costumes alheios e regras sociais normais daquela região.


Concluindo
Este texto não foi fácil de escrever, mas mais do que escrever, isso tem sido uma auto avaliação dos meus motivos pessoais e de caráter pessoal. Ninguém gosta de pensar de si mesmo que já machucou alguém. Ninguém quer sentir que as outras pessoas pensam mal dela. Eu encarei esses sentimentos e a estrada do crescimento é a estrada em que eu estou agora.

Eu não sou o único juiz que já fez uma tentativa inapropriada de abordar alguém ou que inadvertidamente invadiu o espaço pessoal de uma mulher. Eu estou certo de que não sou o único que falhou em flertar com alguém em um evento, e piorou a situação por não entender o quadro total dos acontecimentos e como minhas atitudes estavam afetando a pessoa que eu estava interessado.

Mas eu aprendi com os meus erros. Como eu disse, eu gostaria de contribuir com a solução do problema compartilhando com as outras pessoas a minha experiência. Com sorte este artigo vai ajudar outras pessoas a perceber que, mesmo inconsciente, nosso comportamento para com as mulheres pode ser inapropriado, e isso é algo que nós devemos ser capazes de identificar e parar antes que se torne um problema maior. Todos nós podemos aprender, e podemos fazer melhor como uma cultura, como uma comunidade, tão simplesmente quanto às pessoas interagindo bem com outras podem aproveitar melhor do jogo.






Leia também

Respostas para as perguntas mais frequentes.. 15 comentários / 7,079 visitas
Infestação de zumbis 15 comentários / 2,497 visitas
Deck/decklist problem 5 comentários / 2,425 visitas
Cuidados em torneios 6 comentários / 3,959 visitas
Pre-lançamento dtk: história de um juiz j.. 11 comentários / 3,167 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 14/11/2014 10:42
a casos e casos , respeito é bom em qualquer ambiente e ponto final , todos podem jogar e se divertir, e só
(Quote)
- 13/11/2014 23:44
http://9gag.com/gag/a5N6B3y
(Quote)
- 13/11/2014 13:59
A barbaridade é tão grande, que existe um texto sobre como os homens deveriam se comportar diante das mulheres, quando jogando magic. Ninguém achou isso estranho, não? Precisa vir alguém tirar um texto sei lá de onde, e dizer: "olha aqui amiguinhos tem que controlar a puberdade ai, e não se escroto com as mulheres". Só durante o magic né? E depois?
Ou seja, por mais que a intenção pareça boa, está tudo invertido. Se deve respeitar a mulher em qualquer lugar, não importa.
Parece que tem gente que joga tanto magic que nunca viu mulher que não seja impressa, ou encontra mulher só quando lê Terese Nielsen no rodapé das cartas.
(Quote)
- 12/11/2014 16:43
"Se a resposta que você espera é "Não", então você não deve tentar, por respeito à outra pessoa."

E a civilização humana entra em extinção seguindo esse conselho.

Seilá, uns 80% dos homens (e uma parcela menor, mas ainda muito expressiva das mulheres) sempre acham que vão ser rejeitados pelo interesse amoroso.

Falta de respeito pode estar no -modo- como você tenta, e não o -ato- de tentar.
Chegar e tentar conversar não é falta de respeito; "fiu-fiu" na rua e pedrerice, sim, por exemplo.
(Quote)
- 12/11/2014 14:24

Falou tudo !

(Quote)
- 12/11/2014 01:18
HAHAHA...
Não sei o que é mais patético...
Acho que vi inúmeras vezes o verbo ler nesse lixo de post...
Acho que precisam escolher melhor as referências...
Por favor, deixem de puerilidades e respeitem o debate sobre gênero...
Leiam algum artigo acadêmico, tem vários no google.
Não me interessa opiniões, elas estão em todos os lugares...

PS:É engraçado como uma pessoa se dá o trabalho de escrever porcaria (texto e posts) e não aceitar a opinião adversa... de antemão generalizando a tal ponto, que parece haver só uma interpretação (e reduzir o mundo entre aceitadores e não - bem e mal).
(Quote)
- 10/11/2014 19:07

Concordo, parei de ler na metade pelo tanto de voltas que o texto da, sem sair do lugar.

(Quote)
- 10/11/2014 15:53
Bem, concordo que o texto esta grande e aborda o assunto muito delicadamente.
Mesmo assim vejo que ele serviu efeito, so observando esse painel de comentários.
Fico feliz de ver Pessoas de boa índole tentando levar esse assunto adiante.

Creio que no final o que conta é que ofender alguém/constranger/causar medo, não importa qual é a abordagem e sim o que ela representa para a pessoa.

Não podemos ser conviventes com a discriminação, sendo ela esdruxula, ou mascarada. Afinal isso não é debatido na sociedade, tem um outro vídeo de um ONG Americana que gravou uma mulher caminhando pela rua de NY vejam ele, https://www.youtube.com/watch?v=EZClqB26 percebam quantas dessas abordagens são costumeiras de ouvirmos quando caminhamos pela rua.
O negocio é não passar essa atitude adiante. Seja onde for, em casa, no trabalho ou não sua loja de Magic
(Quote)
- 10/11/2014 14:58
É natural dar atenção especial e apresentar mais simpatia ao sexo de seu interesse. O que não deve-se fazer, como muito bem explicado no texto, é exorbitar a linha de conforto da pessoa. Toda essa discussão não faz o mínimo sentido,são apenas formas diferentes de interpretação.
(Quote)
- 08/11/2014 08:39
e para encerrar o que tenho a dizer sobre o assunto: estamos caminhando para isto:
http://9gag.com/gag/ax2WGdY
(Quote)
- 07/11/2014 23:35
bom video, bom resumo =)
(Quote)
- 07/11/2014 19:28
https://www.youtube.com/watch?v=p8uOErVShiE
(Quote)
- 07/11/2014 19:21
bluemaster contei mais de 10 walls of text nesses comentários, cais no mesmo problema do autor do texto: cansa conversar quando você dá voltas demais.

sei que parece rude, mas se der pra mandar uma resumida do status da conversa eu ficaria bem feliz e mais apto a interagir =)
(Quote)
- 07/11/2014 16:26

E é isto o que vai mal no mundo. rapaz se não é simples ser educado, o problema está em quem está sendo educado ou na pessoa receptora? (ou na sociedade como um todo?)

Fato: antes da internete as pessoas se comunicavam cara a cara. depois da net cada vez mais estão se fechando em si mesmas nas ruas e sendo extrovertidas na net.

Nós estamos vivendo numa sociedade cada vez mais introvertida... ok? Chamem pelo nome.

Ainda melhor, mostrem esse texto à pessoas mais velhas, (não o texto todo, só a parte do elevador, e da atenção dada as mulheres pq são mulheres e não postes da luz.),que viveram no mundo pré-internet. E perguntem como era ter que se preocupar com o espaço pessoal das outras pessoas e que precauções elas tomavam para dizer um "bom dia, o dia está lindo, não está? quase tanto quanto os seus olhos".

A sociedade muda mas nem sempre isso significa que é na direção certa. acho que foi aqui mesmo na liga que li sobre isto: "as propagandas são baseadas no medo" e " se queres ser igual a todo mundo normal, tens que ser, fazer ou adquirir o que estamos vendendo"
De uma forma geral as escolas já não ensinam matérias, mas sim dogmas, fazes esse cáclculo deste jeito. nã me interessa que estejas resolvendo a questão atravez de um metodo mais avançado para tua idade, como não foi do jeito que ensinei levas negativa, depois começam a ser bombardeados com midia, depois entre outras coisas o texto exposto aqui.

e quando voce fala: "Por mais educado que você seja seu comportamento (por razões históricas em nossa sociedade) acaba causando desconforto e constrangimento (para não falar em medo e outras coisas).

Então não é uma simples questão de "ser educado", o texto fala sobre os impactos mesmo quando "somos educados"." que diabos de impacto há para gerar?

infelizmente esse tipo de atitude de que tudo tem que ser com luva de pelica, mais a padronização estudantil em certos países, é tudo para criar gerações "gado para abate"
me disvirtuei um bocado do assunto agora. mas os que só tiveram acesso informatico online após os 20 anos comparem lá como viviam e como vivem hoje. a nivel emocional, e social

(Quote)
- 07/11/2014 16:25

E é isto o que vai mal no mundo. rapaz se não é simples ser educado, o problema está em quem está sendo educado ou na pessoa receptora? (ou na sociedade como um todo?)

Fato: antes da internete as pessoas se comunicavam cara a cara. depois da net cada vez mais estão se fechando em si mesmas nas ruas e sendo extrovertidas na net.

Nós estamos vivendo numa sociedade cada vez mais introvertida... ok? Chamem pelo nome.

Ainda melhor, mostrem esse texto à pessoas mais velhas, (não o texto todo, só a parte do elevador, e da atenção dada as mulheres pq são mulheres e não postes da luz.),que viveram no mundo pré-internet. E perguntem como era ter que se preocupar com o espaço pessoal das outras pessoas e que precauções elas tomavam para dizer um "bom dia, o dia está lindo, não está? quase tanto quanto os seus olhos".

A sociedade muda mas nem sempre isso significa que é na direção certa. acho que foi aqui mesmo na liga que li sobre isto: "as propagandas são baseadas no medo" e " se queres ser igual a todo mundo normal, tens que ser, fazer ou adquirir o que estamos vendendo"
De uma forma geral as escolas já não ensinam matérias, mas sim dogmas, fazes esse cáclculo deste jeito. nã me interessa que estejas resolvendo a questão atravez de um metodo mais avançado para tua idade, como não foi do jeito que ensinei levas negativa, depois começam a ser bombardeados com midia, depois entre outras coisas o texto exposto aqui.

e quando voce fala: "Por mais educado que você seja seu comportamento (por razões históricas em nossa sociedade) acaba causando desconforto e constrangimento (para não falar em medo e outras coisas).

Então não é uma simples questão de "ser educado", o texto fala sobre os impactos mesmo quando "somos educados"." que diabos de impacto há para gerar?

infelizmente esse tipo de atitude de que tudo tem que ser com luva de pelica, mais a padronização estudantil em certos países, é tudo para criar gerações "gado para abate"
me disvirtuei um bocado do assunto agora. mas os que só tiveram acesso informatico online após os 20 anos comparem lá como viviam e como vivem hoje. a nivel emocional, e social

(Quote)
- 07/11/2014 16:24

E é isto o que vai mal no mundo. rapaz se não é simples ser educado, o problema está em quem está sendo educado ou na pessoa receptora? (ou na sociedade como um todo?)

Fato: antes da internete as pessoas se comunicavam cara a cara. depois da net cada vez mais estão se fechando em si mesmas nas ruas e sendo extrovertidas na net.

Nós estamos vivendo numa sociedade cada vez mais introvertida... ok? Chamem pelo nome.

Ainda melhor, mostrem esse texto à pessoas mais velhas, (não o texto todo, só a parte do elevador, e da atenção dada as mulheres pq são mulheres e não postes da luz.),que viveram no mundo pré-internet. E perguntem como era ter que se preocupar com o espaço pessoal das outras pessoas e que precauções elas tomavam para dizer um "bom dia, o dia está lindo, não está? quase tanto quanto os seus olhos".

A sociedade muda mas nem sempre isso significa que é na direção certa. acho que foi aqui mesmo na liga que li sobre isto: "as propagandas são baseadas no medo" e " se queres ser igual a todo mundo normal, tens que ser, fazer ou adquirir o que estamos vendendo"
De uma forma geral as escolas já não ensinam matérias, mas sim dogmas, fazes esse cáclculo deste jeito. nã me interessa que estejas resolvendo a questão atravez de um metodo mais avançado para tua idade, como não foi do jeito que ensinei levas negativa, depois começam a ser bombardeados com midia, depois entre outras coisas o texto exposto aqui.

e quando voce fala: "Por mais educado que você seja seu comportamento (por razões históricas em nossa sociedade) acaba causando desconforto e constrangimento (para não falar em medo e outras coisas).

Então não é uma simples questão de "ser educado", o texto fala sobre os impactos mesmo quando "somos educados"." que diabos de impacto há para gerar?

infelizmente esse tipo de atitude de que tudo tem que ser com luva de pelica, mais a padronização estudantil em certos países, é tudo para criar gerações "gado para abate"
me disvirtuei um bocado do assunto agora. mas os que só tiveram acesso informatico online após os 20 anos comparem lá como viviam e como vivem hoje. a nivel emocional, e social

(Quote)
- 07/11/2014 15:48
Parem de ficar criando atrito. Se um acha que não deve respeito o outro não tem nada haver, deixa ele desrespeitar, um dia ele vai acabar pagando o pato. Agora ficarem discutindo isso na net não vai mudar a opinião de nenhum de vcs. Cada um com sua opinião e pronto. Bobagem ficarem se xingando aí. A questão aqui não é respeitar gay, negro ou mulher. A questão é respeitar as pessoas. Independente de quem seja.
(Quote)
- 07/11/2014 15:28
Na moral, eu te dou o direito de pedir desculpas.
(Quote)
- 07/11/2014 15:23


Agressivo??

Na moral, tu devia criar um blog do guia virj ensinando seus truques e manhas de como tratar uma mulher.

(Quote)
- 07/11/2014 15:06

E ESSE, SENHORES FOI O "ALÍVIO CÔMICO". embora pudesse ter tido um pouquinho mais de bom gosto. acho que só estavas tentando ser engraçado, não?

(Quote)
- 07/11/2014 14:45

Isso é explicado no texto no caso que ele chama de "elevatorgate". Por mais educado que você seja seu comportamento (por razões históricas em nossa sociedade) acaba causando desconforto e constrangimento (para não falar em medo e outras coisas).

Então não é uma simples questão de "ser educado", o texto fala sobre os impactos mesmo quando "somos educados".

(Quote)
- 07/11/2014 14:43
[bluemaster=quote](...)[/quote]
Não exatamente. Este texto é de um juiz Nível 3, que vive na Espanha, ele não é um "americano maluco", acredite.

Este assunto é sério e não trata de ser "politicamente correto" trata apenas de ser correto. Se hoje vemos uma mulher como "pedaço de carne com atributos físicos", ao menos nas comunidades de MTG, não devemos fazer isso (na vdd não deveríamos fazer isso em nenhum lugar).

Tudo o que pedimos é para que haja respeito para com todos, de forma igual e sem distinções.
(Quote)
- 07/11/2014 14:39

Estamos trabalhando para produzir mais conteúdo e de forma mais simples e direta. Obrigado pelo feedback :D

(Quote)
- 07/11/2014 14:37

Completamente desnecessário.

(Quote)
- 07/11/2014 14:36

Faremos isso Devan. Não é simples abordar este assunto, e a comunidade de juízas e juízes teme voluído na discussão, bem como a comunidade de jogadores de lojistas.

(Quote)
- 07/11/2014 14:29

E ESSE, SENHORES FOI O "ALÍVIO CÔMICO". embora pudesse ter tido um pouquinho mais de bom gosto. acho que só estavas tentando ser engraçado, não?

(Quote)
- 07/11/2014 14:27

EXATO.

(Quote)
- 07/11/2014 14:15

Lucas, por favor, seu comentário é agressivo a todos e sem acrescentar nada a discussão.

(Quote)
- 07/11/2014 14:08
Novamente, concordo o Bluemaster.

Mulheres não são seres indefesos feitos de cristais finos e rosas. O jeito certo de lidar com uma mulher é o mesmo jeito de lidar com qualquer ser humano. Você trata bem, como trata bem qualquer outra pessoa. Não é porque um imbecil é sexista ou tem medo de mulher que a comunidade inteira deve obrigatoriamente fazer uma compensação e colocá-la num pedestal com anjos cantando ao redor, como se ela fosse um ser divino feito de porcelana.

Como no caso citado, se uma mulher foi desrespeitada aqui na liga, ela tem meios de buscar seus direitos. Ela pode denunciar o agressor para a administração da liga (existem regras na liga contra o desrespeito com outros membros) e dependendo do caso pode até acionar judicialmente o referido agressor. Regras e leis existem justamente pra isso, pra impor limites e reprimir eventuais desvios de conduta.
(Quote)
- 07/11/2014 13:49
eu ein... o povo é taooo nerd q nem sabe tratar uma mulher... oloko... virem homens pq ta loko, ta foda vcs ein.
(Quote)
- 07/11/2014 13:34
certo. e concordo contigo. sobre a lei da maria da penha nem questiono. a não ser o seguinte. sempre que aparece no noticíario. quantos homens aparecem como vítimas? é pq não existem? entenda, as leis estão aí o que ninguem está se apercebendo é que, essa história que mulheres precisam de mais direitos e coisas e tals não é bem assim elas tem, nós é que estamos entrando na obscuridade. ou seja é uma ansia tão grande ai coitadas das mulheres, coitadas das pessoas de côr, coitados dos homosexuais, cara eu concordo que tem que se conciencializar as pessoas para respeitar o ser humano e não um parte ou outra da sociedade. um exemplo que me lembro bem. na holanda uma mulher foi condenada por estupro pq pegou no amigo que tinha bebido demais e tava ali dormindo no sofá e tascou sexo oral nele. ele depois que acordou direito e se apercebeu o do que havia acontecido deu queixa, e lá o caso foi a tribunal. agora põe isto no jornal nacional daqui e me diz qual seria a reação do povo brasileiro (ah! pelo que me lembro ela era mulher de feições bem bonitas. (pq dizer gata ou gostosa é ofensivo)).

entende sempre que se fala em respeitar o próximo há tendencia em dizer que nós: Homens, brancos,heteros, jogadores de magic, de pokemon etc é que temos que usar luvas de pelica para quem está começando. vai dizer isso pro barcelona, manchester united, flamengo e por aí vai.

"O pior Inimigo da sociedade é a Ignorância, em ambos sentidos da palavra, tanto de "não saber sobre tal coisa", quanto de ignorar por vontade." e pior que a ignorância é usar duas palas nos olhos..... (sem ofensa é mesmo uma comparação/metáfora nem sempre distingo...)

"Dizer que a culpa das coisas que aconteceram antes é minha não posso, mas acredito que tenho a responsabilidade de agir para melhorar as coisas a partir de minha perspectiva.
Afinal não vivemos confinados." concordo na medida que sim deves viver da melhor maneira possivel para ti, os seus e em quem está a seu redor ou não. mas tua responsabilidade vai até ao ponto que você quiser que ela vá. isso não dá para discutir ou contrapor. na minha opnião nossa obrigação é ensinar as gerações futuras (nossos filhos mesmo) a serem melhores pessoas, mas a saberem se defender e enfrentar a vida de frente sem "ai de mim, ele/ela falou comigo e eu não queria que ele/ela falasse comigo, me sinto assediado(a)"

e em boa parte essas coisas todas são devido a falta do que fazer mesmo. antigamente antes do celular, internete, jogos computadorizados as pessoas tinham que se relacionar pessoalmente numa base diaria hoje em dia se eu nunca falei contigo na net não tenho pq falar contigo pessoalmente. e nunca se esqueçam eu defendo um mundo igual para todos, e não só para os "mais fracos e oprimidos", pois os brutos também choram.
(Quote)
- 07/11/2014 12:49
Digitei um texto grandinho mas a internet caiu e perdi. enfim vou resumir o resumo.

Na minha opinião, todos temos relação com a sociedade/comunidade.
Vivemos em grupo e tudo é reflexo do que fazemos ou principalmente "deixamos de fazer".

Sobre a lei Maria da Penha, ela serve para qualquer tipo de violência doméstica, ou seja, um homem agredido por uma mulher também pode se utilizar da lei.
Assim como a Lei Carolina Dieckmann serve à qualquer pessoa que tenha sido vítima de tal crime virtual.

O pior Inimigo da sociedade é a Ignorância, em ambos sentidos da palavra, tanto de "não saber sobre tal coisa", quanto de ignorar por vontade.

Maior exemplo do que as eleições não há. O ódio promulgado através das redes sociais e até da mídia.
Tratando como se tal lugar fosse de tal pessoa, e outro tal de outra.

Dizer que a culpa das coisas que aconteceram antes é minha não posso, mas acredito que tenho a responsabilidade de agir para melhorar as coisas a partir de minha perspectiva.
Afinal não vivemos confinados.

"A única coisa necessária para o triunfo do mal, é que os homens bons não façam nada."
Edmund Burke
(Quote)
- 07/11/2014 11:26
nandynho.é culpa sua os comentários sórdidos? a meu ver bastava ela fazer uma reclamação ao pessoal que gere a ligas e eles sim, teriam uma conversa séria, responsável sobre comportamentos inaceitáveis aqui na liga, e punição por este tipo de comportamento. antigamente quando não havia internete elas sofriam esse tipo de comentário e o namorado, marido, pai, irmãos, primos e amigos resolveriam a questão para ela de maneira como o sem vergonha mereceria. e aliás se o sujeito fez o comentário e é amigo dela o que importa saber é: sendo mesmo amigo ela e o namorado ligaram para o comentário? podem até ter achado graça. o sujeito mal conhece ela ou até mesmo nem conhece, ela e o namorado (principalmente ela) tem todo o direito até de processar o sujeito.O tratamento igual / especial a meu ver é assim: tratar uma pessoa melhor só pq ela é negra, gay ou mulher é hipocrisia pura. tem que ser tratados com igualdade e fim. E embora agora não possa dar o exemplo bem correto, aqui vai: um grupo de mulheres num país no norte da europa quis que o governo de lá aprovasse um aumento de impostos pagos pelos homens. (nem me dei ao trabalho de ler o assunto mas vou ver se encontro mais tarde e posto aqui. mas parece que a ideia nao foi para frente) mas a primeira vista isto não é discriminação não? onde está o tratamento especial para aqueles coitados na europa de norte?
e essa história de previlegio masculino não é tanto assim não. há homens que fariam qualquer coisa em prol da mulher, do negro e do gay, e são tratados como lixo por eles. cadê a igualdade? existe a lei maria da penha (tá eu sei que não funciona como deveria) mas e nos casos em que os homens é que são assediados? maltratados e e até mortos por elas? cade a lei chico zé? cadê a linhas de apoio social ao pai solteiro? pq você é homem e até metade do seculo 20 tinhas mais direitos que as mulheres a culpa é tua? a dívida é tua? você talvez nem era nascido nessa época. tudo o deve ser dito é: direitos iguais para todos e esse direitos terminam quando prejudicam o próximo. mas isso é utopia infelizmente, mas também não preciso aceitar comportamentos politicamente corretos, que para mim é hipocrisia pura no dia a dia. e finalizando mais um texto grandinho. peguemos o exemplo Monteiro Lobato: aí uns anos atras ou no ano passado vi uma noticia no telejornal, (que não sei se foi para a frente ou não) que queriam reeditar trechos dos livros dele do sítio do picapau amarelo por ter conotações racistas. se me lembro bem foi um trecho em que " a tia anastácia subiu na árvore tal como uma macaca e pegou as mangas para dar a pedrinho e nrizinho" e comparar a tia anastácia com uma macaca era pq ela era negra e tals, mas para mim a comparação foi devido a agilidade com a qual ela subiu na dita árvore (e tipo o tarzan não era o homem macaco? o cara era negro sequer? ou era por ser ágil nas árvores?). geralmente quem vê maldade em tudo é pq não é feliz consigo próprio e com a vida que leva e procura encontrar defeitos nas outras pessoas para não ter que olhar para si mesmo.
(Quote)
- 07/11/2014 10:55
Aqui na comunidade é só você ir nos perfis de garotas e ver o tipo de comentarios sórdidos que as pessoas fazem..
Tem caso de uma mulher mostrando uma carta que ia dar/deu de presente ao namorado e comentáiso abaixo do tipo:

"Ele quer outra coisa, você já deu?!"
Tamanha falta de respeito, e isto é um exemplo.

Não importa se é amigo ou conhece, a falta de respeito é muita, ainda mais em um ambiente aberto, que é um fotolog/forum.

E o caso de tratamento igual/especial, há muito o que se discutir, pois como a relação é diferente e há como disseram o privilégio masculino, há de se fazer reparações. Como são feitas nas políticas sociais.

Abraços.

p.s.: não me abstive da responsabilidade na foto citada: Comentei a falta de respeito.
(Quote)
- 07/11/2014 10:37

de nada. :D

(Quote)
- 07/11/2014 10:35
Repara Marosalepassos: foquei mais nas mulheres pois foi o ponto mais tocado pelo autor no início do texto, em que ele até teve que fazer "pesquisa de estudo com as amigas". mas sim funciona para todo mundo como igual. entenda, eu cresci numa região de Protugal chamada açores, um arquipélago de nove ilhas. lugar pequeno quase todo mundo se conhece quem você não conhece acaba conhecendo vez por outra. fala se pelos cotovelos, aprendi meu repertório de palavrões lá, sendo que é um fator cultural mesmo. lá você xingar alguém até é elogio as vezes, minhas melhores amigas foram aquelas que quando agiram como tal (passando uma "rasteira" em mim na brincadeira receberam" um "p#t@!", claro que já era amiga antes, isso foi como uma promoção. e em vários lugares em Portugal é igual. na cidade do Porto também xigam a cada frase mas de maneira que você se sente confortável por ser sinal de aceitação.
quanto ao primeiro contato, na minha opnião, deve ser sempre o que deixar as duas pessoas confortaveis (pouca ou muita conversa é indiferente, se for do agrado de ambos). se o receptor não estiver gostando da conversa basta um: ""é um tarmagoif naquela pasta?!" sai de fininho e se afasta do chato e pronto."
pois. o Ari Lax como era um torneio sério deveria ter tido uma postura mais comedida. mas isto pq ele estando ali, é como se fosse uma figura publica. (se fosse num FNM numa lojinha o maximo que ia acontecer era alguem dizer pra ele ir com calma se não o moleque nunca mais volta ) daí a comunidade está opinando, também acho que, (pelo que sei muito por alto) ele exagerou e muito. mas, não sei se foi o caso, o juiz deveria ter dado alerta nele de que estava exagerando, o adversário poderia ter pedido para ele baixar a bola. (aqui estou falando de suposições pois não me preocupei em ler sobre este assunto do ari. quando o povo se perguntar como deve se dirigir a alguém, perguntem aos vossos pais como era no tempo deles quando conheciam pessoas novas. talvez fiquem surpresos com as respostas. fazer novas amizades conhecer novas pessoas é quase tão antigo quanto andar para frente. realmente é necessário tanta filosofia sobre o assunto? na minha humilde opnião há pessoas com boa índole e carater e pessoas que não tem isso. mas não é preciso quase que "policiar" comportamentos. uma pessoa não ta afim de conversar não conversa pronto. é preciso uma sessão de psicanálise para ela se recuperar do trauma que alguem lhe ter dado bom dia de um jeito que ela não gostou? (obvio que nao me refiro a ofensas, preconceitos, e comentarios maldosos descarados). por tanto continuo dizendo estamos numa sociedade mimi (introvertida) as pessoas querem ser aceites em certos meios mas não querem tocar conofrme a musica. pessoas se comportam de maneira inadequada (mesmo sem se darem conta) e ninguem diz nada na hora, mas depois vem para internet dissertar sobre o assunto.... ( dessa vez acho qu efui meio confuso mas to no trabalho e o chefe me interrompeu bués)
(Quote)
- 07/11/2014 10:24
Bluemaster, obrigado por me poupar de escrever um texto gigante aqui. Concordo contigo em gênero, número e grau.
(Quote)
- 07/11/2014 09:41
Blue, a parte do idiota não foi pra vc.

Realmente deveria ter dividido a frase onde coloquei minha interpretação do que é mimimi e depois me incomodei com sua "inflamação" ao chamar o assunto de mimimi.

Onde eu acho que estamos perdendo o ponto... a questão não é tratar as mulheres (a qual vc esta tendo um primeiro contato) como você trata seus amigos, afinal você não trata os homens que ainda não são seus amigos assim.

O primeiro contato tende a ser bem superficial, joga, aperta a mão e tchau, sem aquela conversa insistente, super simpática e alongada que alguns players tendem a ter quando estão jogando contra uma mulher.

Exemplo do incomodo que isso pode causar são as reações ao comportamento do Ari Lax no PT, ali ele tratou um cara que não era seu amigo como um amigo, jogou sendo totalmente intimista e isso foi considerado inapropriado por boa parcela da comunidade.

(Quote)
- 07/11/2014 09:27

a minha deixa, quanto ao xingando é como eu disse: trate elas como trata seus amigos se elas não gostarem deixam de ser tuas amigas, não é o fim do mundo e sua esposa agradece e isso anula o teu ponto tres. :D espero ter ajudado.

(Quote)
- 07/11/2014 09:26
João, nós concordamos com o mesmo ponto mas está havendo um pequeno mal entendimento semântico.
No texto o autor diz implicitamente que esta "atenção especial" que as mulheres recebem é o que faz elas se sentirem desconfortáveis, portanto, seria cortês com elas se, como você mesmo disse, tratassemos elas como tratamos qualquer amigo.