Porque o magic não "decola"? - by Devan

       

Por: Devan em 12/11/14 21:50 | 106 comentários / 16,136 visitas

Esse não é um artigo patrocinado, vim apenas abrir uma discussão, e também registrar uma opinião pessoal sobre esse assunto que tanto me incomoda. Espero que apreciem a leitura =)

Bom, antes de mais nada, muitos devem ter pensado: "o que é DECOLAR pra você seu prepotente? Magic tem mais de 20 anos, milhões de fãs, campeonatos, histórias, etc, etc."

"Decolar", pra ser bem direto, significa pra mim - atingir a mídia de massas, fazer parte da cultura de um ou mais países, e ter força como marca em multíplas mídias diferentes.

O Magic, infelizmente, está longe disso, e esse fato me entristece.

Me entristece porque mecanicamente falando ele é um jogo muito completo. MUITO completo MESMO, ele premia criatividade, raciocínio lógico, empatia, e ainda assim tem seu toque de sorte que dá aquela apimentada na partida. Não perde em quase nada para clássicos atemporais como Dominó, Truco e Xadrez, sério. E nem vou me aprofundar no flavor, na colecionabilidade, são inumeráveis os motivos para eternizar o magic.

Voltando ao problema: apesar de todos esses predicados, o jogo ainda engatinha quando o assunto é decolar. Falar com receio, ou receber "caras e bocas" quando se fala - eu jogo magic - é um absurdo, sério, o jogo desenvolve sociabilidade, inteligência, tem uma comunidade forte e unida, e ainda assim o esteriotipo do magiqueiro é um gordo seboso anti-social e arrogante, really?

Não é mimimi sem respaldo: vinte anos atrás qualquer pessoa que conhecesse os Avengers caia no mesmo fosso, se fosse Guardiões da Galáxia até mesmo os "Avengeiros" poderiam te zuar ueahehuea, quinze anos atrás você jamais consideraria "cool" um time de caras vencendo um campeonato de Counter Strike, pelo contrário, era quase tão incrível quando vencer um campeonato de bate-tazo. Dez anos atrás você jamais imaginaria uma série de televisão voltada especificamente ao geek, e hoje cá estamos nós, com zilhares de referências nerd que são glorificadas de pé. Exceto magic.

Sim, existem campeonatos, existe público, existe um bom mercado, mas quando você compara com outros grandes nomes, fica parecendo série E do Brasileirão, e se fosse um jogo feito pelo seu primo com papelão reciclado tudo bem, mas é fucking Magic the Gathering cara, não tá tudo bem.

Porque não tá tudo bem? Porque esse jogo pode nos entregar muito, muito mais. Nos contentamos com migalhas, e ficamos nesse "para e volta" eterno que ataca todo veterano, tudo porque esse sentimento de "magic lifestyle" é precário, mal-visto, e pouco recompensado.

Mas falar mal é fácil, ficar aqui chorando o preço das cartas, as dificuldades do Brasil, ou que floodei land enquanto meu oponente só compra business, isso tudo é mole, o que eu quero mesmo é pontuar em quais angulos o Magic pode, e deve, evoluir, para que daqui 20 ou 30 anos ainda vejamos nossos netos mastigando montanhas básicas.

PRIMEIRO PONTO - LEVAR A SÉRIO O JOGADOR COMPETITIVO

É irritante, revoltante, angustiante ver um cara que joga o Magic dia após dia, treina sem fim, abdica dos melhores anos de sua vida, e quando muito tira o mesmo que um assalariado mediano (isso quando fatura algo) enquanto no Poker um jogador de bom gabarito, mesmo que longe do topo do mundo, tira mais por ano do que um vencedor de Pro Tour.

Remuneração pesada gera grandes vencedores, vencedores viram ídolos, ídolos geram seguidores, seguidores aquecem o interesse pelo jogo, que consequentemente aumentam a remuneração dos grandes vencedores, futebol é assim, poker é assim. Enquanto no DotA 2 tivemos 10 milhões de dólares de premiação num só camp, no Magic você não faturaria isso nem se fizesse top 8 nos últimos 20 mundiais seguidos.

Sim a Wizards tem um programa bem legal para estimular o jogo competitivo, mas esse programa falha em criar interesse das massas. Por mais desigual que seja, uma cifra absurda junto ao troféu é algo bem mais empolgante, e essa empolgação gera o efeito em cascata de capitalizar futuros eventos para que se ganhe ainda mais em todas as colocações de vitória, é o círculo virtuoso que citei no parágrafo acima, pois com isso o narrador ganha mais, o vendedor de carta ganha mais, até o cara que escreve artigos ganha mais (hehehehe).

Quero mais batutinhas vivendo de Mol, mais PVs viajando o mundo, é isso que desperta os sonhos (e as carteiras) dos jogadores!

SEGUNDO PONTO - VALORIZAR AS PESSOAS, E NÃO AS CARTAS

A experiência de jogo é inútil sem dois jogadores, e a individualidade deles traz riqueza ao jogo. Quem acompanha sabe que todo formato com algum Whiteweenies forte te obriga a ouvir a opinião do Craig Wescoe sobre o arquetipo, e se tiver um Ramp tier 1 bem maroto é sinal de Kibler nas primeiras mesas, mas isso são relações limitadas, não apresentam o jogador, mas sim a relação dele com o jogo.

Você idolatra o Neymar pelo bom jogo dele, mas sabe das namoradas dele, das opiniões, das polêmicas, e por aí vaí. Ele é um exemplo meio extremo, mas num geral o Magic nos trata como "jogadores de magic" e não como "seres humanos que, além de tudo, jogam magic", e isso tira o carisma que se tem pelo jogo, você assiste apenas as cartinhas, e até as opiniões que dei sobre Wescoe e Kibler, num geral, não são assunto pra esmagadora maioria dos jogadores (mesmo que refutáveis).

Formatos casuais funcionam bem porque valorizam as pessoas, dão margem para regras regionais, e permitem que a gente se expresse através do jogo. No competitivo isso também existe, mas não existe uma cultura disso.

TERCEIRO PONTO - MAGIC ONLINE

É de cair o cu da bunda o quão atrasado o Mol ainda é. Joguei muito tempo nele, e me assusta em pensar que uma empresa tão grande não tenha pudor algum em representar essa poderosa marca de maneira tão precária. Imagina só quantas possibilidades divertidas de jogo casual, de stream, de campeonatos patrocinados, e por aí vaí, soluções adotadas por inúmeras empresas em outros jogos, enquanto no Mol ainda tem gente perdendo campeonato porque bugou o sideboard.

Sei que o Magic no papel é clássico e insubstituível, mas imagina o Mol com uma estrutura gráfica no nível do Heartstone, com uma estrutura de campeonatos no nível do DotA 2, ou até com o matchmaking afinado do League of Legends? Imagina uma Cólera de Deus que você REALMENTE sente que foi uma CÓLERA DE DEUS rolando na tela? Isso não importa pra você, mas pro expectador importa. Minha namorada achava o jogo morto, sem carisma, não tinha prazer algum em ver alguma jogada mirabolante, e vai por mim, isso é um péssimo sinal. Nem me venha com conversa de Poker, pois até os aplicativos atuais de poker tem muita função superior, sem falar na estabilidade superior.

Pessoalmente, pra mim o Mol poderia ser a principal plataforma dedicada ao Magic competitivo, justamente por ser mais simples de "massificar" o conteúdo numa maneira prática e contagiante. Os ajustes gráficos, a práticidade de jogar aonde quiser, tudo isso dá aquela sensação ao expectador de "poxa eu também posso chegar lá", o que é um sentimento forte para tornar o jogo uma cultura, e nem por isso impede o cara de sonhar com uma viagem para um Pro Tour ué, visto que o próprio Pro Tour poderia ser jogado (e streamado) nesses mesmos computadores, em eventos belos como foi a última final de Heartstone.

PS: SIM EU SEI que muito se perde com o jogo online, desde mindtricks até blefes, mas até isso pode ser sanado com uma boa plataforma. Imagina só um exemplo foda: no top 8 os jogadores numa ampla mesa touch, se olhando, e manuseando seus baralhos arrastando a mão na tela? É APENAS UM EXEMPLO.

CONCLUSÃO

Sei que muitas das minhas reclamações não dependem diretamente de sua atitude, meu querido leitor, mas queria levantar a discussão acerca delas assim mesmo, pois não sou dono da verdade. Sei que muitos vão dizer que o Magic não decola porque é caro de manter, ou porque a comunidade é tóxica, mas isso é mentira, todo jogo competitivo custa caro (mesmo que seja uma chuteira top e um uniforme bacana, mesmo que seja uma raquete de marca) e toda comunidade tem gente que incomoda, pra mim os pilares que não deixam o Magic decolar são esses, e pra você? Aguardo sua opinião!

E no mais, agradeço pela atenção dispensada, até mais!






Leia também

Spoilando os spoiladores! 9 comentários / 2,643 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 25/07/2019 15:42
Preço e falta de valor agregado. (Filme série, etc) Agora vai ter a série, mas é da lore. Não sei quanto estimam impactar no jogo mas creio que isso não fará decolar. Precisa ter um yuguio de magic, ter uma visibilidade maior em adolescentes principalmente.
(Quote)
- 23/07/2019 06:52
em 2019, hoje, algumas coisas foram implementadas pra fazer o MGT decolar. Muito visionário esse texto.
(Quote)
- 15/12/2014 10:08
Eu poderia escrever um belo texto resposta sobre esse assunto, mas, como eu concordo 100% com você, só vou dizer: EXCELENTE artigo
(Quote)
- 13/12/2014 23:23

Quest fechou faz mais de 5 anos, agora só juntamos pra cervejinha mesmo, mas ainda jogamos online!

(Quote)
- 13/12/2014 17:21
huahuahuauhahuahuhau, vcs tao indo la na quest ainda?
(Quote)
- 13/12/2014 11:58

É nois! Até hoje ainda jogo com o pavão, o malfoy e a galera no dota 2 o/

(Quote)
- 13/12/2014 11:30

É nois! Até hoje ainda jogo com o pavão, o malfoy e a galera no dota 2 o/

(Quote)
- 12/12/2014 21:01
Devan, vc era o cara que jogava dota 1 na Quest?
(Quote)
- 29/11/2014 09:34
O jogo não populariza mais, por causa da falta de interesse da empresa detentora.

Muitos falaram de filmes, jogos de console etc. Mas Magic começou associado aos livros das histórias dos planos, muitos deles saíram em PT nos primórdios do Magic no Brasil. De lá para cá a Wizards (ou a devir) esqueceu o caráter das histórias e a força que elas teriam no cenário cultural de hoje.
Nunca vi tanto jovem em livrarias como hoje (tenho 33 anos), os filmes mais rentáveis são antes lidos que filmados (HQs, Livros e blogs) e o Magic deu quantos passos atras neste quesito?

Histórias ruins, sem tradução oficial, livros deixados em detrimento de notas e contos em blogs etc.

Falamos muito do competitivo, mas se tivessemos um cenário for-fun saudável, todos poderiam tem meu deck com BOB, Goyf, Duais etc para o competitivo, mas também teria meu deck monoW de cavaleiros, MonoG de saprófita, Fractius etc, para jogar com os amigos (e poderia me divertir mais com eles, mas se o cenário fosse amigável).

Moro em Sergipe e parei com Magic em 2002, por problemas financeiros mesmo. Tinha pouco dinheiro, boosters eram caros e vc teria que comprar uns 30 para montar um baralho jogavel (fora de cogitação); quando vc pegava uma carta boa os jogadores antigos ficavam te assediando, mas as vezes é sim, mais vantajoso passar um Dual em troca de um lixão razoável (falo de iniciantes em 2000 quando era muito dificil vender cartas a preços oficiais).

De lá para cá varias lojas Geek abriram e fecharam sem sucesso por aqui. No inicio deste ano me deparo com um cenário de Magic muito maior, organizado, competitivo e lucrativo para logistas, porque simplesmente uma loja investiu bem no ramo e entrou no universo adolescente, infantil e reagrupou os jogadores antigos que voltaram a jogar em peso.

Resumo: temos problemas com a empresa que produz magic sim, mas no nosso entorno a culpa é somente da comunidade, que não se organiza para atender as diversas demandas dos jogadores, competitivos ou não. Até a wizard tá tentando fazer isso fortalecendo commander.

Muitos aqui falam que Magic era melhor antes. Tenha paciência, né? Sua comunidade de magic pode ter se deteriorado e mudado o foco, mas Magic hoje pode ser até mais caro (e não é), mas tb está mais acessível sim. Sempre sonhei em ter minhas cópias de Anjo Serra, Vampiro de Sergir e Dragão de Shiva e hoje é só dar um clique aqui na LigaMagic e comprar quando eu tiver dinheiro para isso (hoje são cartas creep, mas são referencias de infância que nunca vão mudar). Algumas cartas top tem valores absurdos, mas muitas cartas boas são quase de graça devido a competição entre os logistas de single.
(Quote)
- 28/11/2014 21:52
Cara, MOL realmente é um aplicativo que deixa muito a desejar... eu penso exatamente como você: é inadmissível uma empresa desse porte fazer algo tão PORCO quanto esse cliente. É impressionante também como conseguiram PIORAR o que ja era uma verdadeira BOSTA nessa nova versão.
(Quote)
- 28/11/2014 12:22
Wartiger, concordo com quase tudo do que você falou.
Mas esse esquema das vendas das distribuidoras pras lojas deveria funcionar HÁ DÉCADAS. É mais do que inadmissível não funcionar dessa forma ainda. Essa pode ser uma das raízes do problema.
(Quote)
- 28/11/2014 11:03
O que aprendi com o artigo, e com os comentários:
"Devemos migrar para Hearthstone".
(Quote)
- 28/11/2014 09:08
Ótimo! É massante ter que explicar " o q é magic", "de onde vem", "é igual YGO", "vc compra as cartinhas na padaria". A iniciativa de tornar este game algo conhecido e respeitado tem que vir primeiro da empresa que lucra com ele
(Quote)
- 24/11/2014 21:37
Simples comparar com poker e bestera, poker todos os cards sao iguais a habilidade e um pouco mais importante que a sorte

2- ponto preço o jogo nao e acessivel a ninguem no brasil , so joga quem e teimoso os precos sao deseistimulantes e ponto

O magic nao precisa decolar nos E.U.A ele tem uma proporçao de jogadores bem legal e isso e o suficiente para o que a empresa procura
(Quote)
- 23/11/2014 08:08
Muito abrangente sua opinião wartiger, concordo com ela em quase tudo, e de certa forma o magic "já está dando certo", mas são detalhes como os que você citou que não o deixam crescer tanto assim =)
(Quote)
- 22/11/2014 15:20
Bem, vamos a algumas considerações sobre o porque o jogo não explode.

O Magic the Gathering hoje é considerado o jogo de cards colecionáveis mais jogado do mundo e tem uma legião de fans, mas enfrenta alguns problemas graves para crescer, e vou citar alguns problemas para que isso não aconteça, inicialmente quanto ao mercado brasileiro e depois quanto ao mercado global.

Brasil.

1 - Distribuição:

Apesar de não considerar o trabalho que a Devir faz no Brasil ruim, devido nossas dificuldades alfandegarias e impostos, está longe de ser o ideal para atrair o publico.
O principal motivo disso é o estoque limitado com o qual o mercado brasileiro tem de trabalhar.

Veja bem, em geral o Magic chega ao pais em duas remessas, uma no lançamento e uma aproximadamente 3 meses depois, e essas remessas esgotam antes mesmo de desembarcarem nos portos brasileiros.
A loja então tem de fazer duas estimativas, uma 1 mês antes do lançamento (e consequentemente antes dos spoilers) para a venda nos 3 primeiros meses e outra do restante de vida do produto na loja (em geral 1 ano). Ou seja, a loja tem de desembolsar um grande valor em pré compra de um produto que vai ser vendido ao longo de toda a vida de vendas dele.

Isso gera duas situações graves, pois o lucro do Magic é de apenas 30% do valor da mercadoria, e se a loja não tem capital sobrando para desembolsar, simplesmente não compensa pegar empréstimos para pegar os produtos. Também impossibilita qualquer reposição emergencial, ou negocio de pequeno porte em cima do jogo.

A consequência básica é que pequenos negócios nem conseguem começar com o jogo e lojas maiores tem dificuldade de pagar as contas.

O formato ideal de distribuição seria a garantia (por parte da devir e da wizards) de estoque a pronta entrega do produto durante toda a vida dele no formato T2 (agora vai ser 18 meses). Tal mudança de visão de mercado traria uma vida muito mais fácil as lojas existentes, que comprariam poucas caixas por semana ou mês, desembolsando pouco dinheiro para manter a loja funcionando, mas teriam compras constantes. Essa mudança de formato de negocio também permitiria que bancas, locadoras, livrarias e outros pequenos empreendimentos não especialistas vendessem Magic, o que faria ele ter uma penetração ainda maior no mercado.

Ao meu ponto de vista o aumento e facilidade de distribuição não atrapalhariam as lojas já existentes, pois apesar de haver uma maior quantidade de pontos comerciais vendendo o produto, a base de clientes iria crescer e os pontos comerciais que fazem eventos teriam bem mais participantes.

2 - Juízes

Apesar de não ser tão complicado de se tornar juiz no Brasil, ainda é trabalhoso. O ideal é que cada grande loja ou região tive-se pelo menos um juiz nível 3, cada sub região um juiz nível 2 e cada loja com ponto de eventos um juiz nível 1. Infelizmente estamos atrelados a um processo complicado de se formar e qualificar juízes, que depende da existência prévia de um outro juiz local de nível maior para qualifica-los. Até minha ultima pesquisa existia apenas 1 juiz de nível 3 no brasil, nenhum de nível 4.
Seria necessário pelo menos a distribuidora se dedicar a ter um de nível 4 para espalhar juízes no pais.

Internacional:

1 - Jogo lento

Querendo ou não, Magic é um jogo lento e não é agradável ao publico geral como algo que possa passar em uma TV ou mesmo em canal pago.
Os telespectadores de jogos de Magic se tornam pura e exclusivamente jogadores de Magic, o que limita o marketing que pode ser feito em cima dele.

2 - É um jogo colecionável

Essa é a característica do jogo que mais dá lucro a wizards e que dificilmente eles irão tirar do jogo, apenas aliviar um pouco ela ocasionalmente (fetch lands em Khans, por exemplo). Jogar Magic competitivamente requer um gasto elevado com cartas, o que dificulta a aparição de estreiantes nos torneios realmente competitivos.

3 - Não é um jogo de apostas

A exemplo citado do Poker, jogos de aposta são grandes atrativos, mesas de poker de baixo nível competitivo em casas especializadas tem Taxas de entrada (buy- in)de US$ 20,00 a US$ 100,00. O World Series, evento televisionado de poker, tem uma taxa de entrada de U$ 10.000,00. Muito acima do que seria aceitável para um jogador de Magic pagar.

Por todas essas características acima, o publico de torneios fica restrito, e mais restrito ainda fica o numero de pessoas que assistiria a esses eventos ou estaria disposto a pagar para isso (quanto você estaria disposto a pagar para ver online um torneio da StarCity? Um GP? Um Pro Tour ou Mundial?)
Mesmo gratuito essas transmissões tem poucos telespectadores, só compensando anúncios por lojas do ramo.
(Quote)
- 22/11/2014 08:44
estar muito caro o magic, os preços estão absurdos demais!!
(Quote)
- 21/11/2014 22:13

Eu curti o episodio, foram muito simpaticos com o nosso jogo =)

(Quote)
- 21/11/2014 20:47

Serio, ow, o jogo foi tema de south park. Já é mainstream, hahaha.

(Quote)
- 21/11/2014 19:24

Tudo isso vai mudar depois que o primeiro dos futuros filmes da série Magic: the Gathering for lançado. Se ele for bem feito, vai ser um sucesso, e vai trazer milhões de novos jogadores no seu rastro.

Já há mudanças sutis nas políticas da Wizard apontando para uma futura massificação do produto. Por exemplo, o recente banimento de alguns jogadores por comportamento misógino: isso pode parecer besteira, ou até injusto, na visão de algumas pessoas. Mas isso nada mais é que a Wizards apontando a direção do modelo de negócio que eles querem seguir: a de um jogo massificado, destinado e acessível às camadas mais jovens do mercado de consumo. E pra isso, não bastam medidas logísticas e econômicas, eles precisam mudar a cultura do jogo.
(Quote)
- 21/11/2014 12:22
Acho que uma das grandes barreiras para que o Magic atinga mídias de massa é a complexidade do jogo. Um jogo de futebol, por exemplo, é muito fácil de entender, e ainda assim tem gente que se confunde na regra do impedimento (sem estereótipos machistas, pfv)... Na primeira vez que se assiste ao jogo, pode-se ter noção do que se precisa para entender o jogo, mesmo que muitas regras passem despercebidas.

Já no Magic, só quem tem capacidade para assistir uma transmissão é o jogador mesmo, e muitas vezes nem o jogador casual consegue acompanhar, já que a identificação das cartas e dos efeitos muitas vezes é complicado... Então para entender mesmo o que está acontecendo, só um jogador com experiência no formato que está sendo transmitido.

Pense no League of Legends, mesmo sendo uma transmissão de difícil entendimento para um leigo, qualquer jogador casual pode facilmente acompanhar o que se passa, no MtG não, simplesmente por que enquanto DotA e League of Legends exigem o conhecimento de uma centena ou duas de personagens, no Magic existem dezenas de milhares de cartas. Tente assistir a um torneio standard de uma época que você só jogava casualmente, será impossível sem o gatherer aberto do lado e muitas pausas para pesquisar as cartas...

Essa é uma barreira gigante e difícil de ser transposta. A iniciativa da Wizards de fazer um filme é louvável, e deve trazer uma leva de novos jogadores empolgados com o que se passou no cinema (presumindo que o filme seja bem feito...), mas ainda assim não será uma forma de se colocar as transmissões dos campeonatos em evidência, e eu acho que isso é fundamental para podermos ter grandes premiações. A arrecadação com marketing é uma parte fundamental dos torneios de poker citados, sua transmissão pela TV é uma das principais fontes de renda dos torneios, e uma transmissão de MtG simplesmente não teria "ibope" suficiente para grandes patrocínios.
(Quote)
- 20/11/2014 17:56
Devan escrevendo artigos interessantes desde a época do dota 1 no orkut...
(Quote)
- 20/11/2014 12:13

Egoísmo honesto e louvável meu camarada, longe de mim achar que suas necessidades são irrelevantes, obrigado pelo comentário construtivo!

(Quote)
- 20/11/2014 10:19
Sinceramente acho que o magic já decolou DEMAIS e pode ficar tranquilo porque em pouco tempo suas revindicações serão atendidas para a minha tristeza. Digo isso por puro egoísmo. Quanto mais 'badalado' mais superfaturado o jogo será. Sou 100% contra a profissionalização do jogador de Magic também por puro egoísmo. Esse egoísmo que eu compartilho com os milhões de "assalariados medianos" que só podem jogar magic em pequenos campeonatos regionais nos finais de semana e gostam de poder colecionar e ter seus decks competitivos também. É um absurdo um jogador de magic ter que se obrigar a jogar pauper standard ou criar novos formatos como o MCM (middle class magic) que temos aqui na minha região para poder ter seu deck competitivo. O magic já foi muito mais legal (underground) e piora a cada dia. Essa é a minha opinião egoísta do jogador casual esquecido por todos.
(Quote)
- 20/11/2014 02:37
haha, olha o south park dessa semana
(Quote)
- 19/11/2014 16:16
mimimimi
(Quote)
- 19/11/2014 13:37
Muito bom artigo cara, geralmente vejo vc criticando muitos artigos aqui da liga com razao. É raro ver um artigo não redundante nem superficial. Acharia interessante abrir um topico para debater as possiveis soluções e problemas.
Citei isso em outro forum sobre o tema ¨O problema de verdade eh q heartstone, dota, lol, e outros podem ser jogados em um programa/servidor de segurança e estável sem gastar um centavo, claro q vc pode melhorar sua experiencia com dinheiro mas vc pode se divertir e seguir um estilo de jogo preprogramado (no lol sao os heroes gratuitos e com status definiddos feito pela blizzard), ou seja, na minha opiniao o primeiro passo para a wizards massificar o mol eh tornar o programa e maioria fos cards gratuitos alem de melhorar a interface e o sistema em geral. Cobrando tix apenas em cards mais fortes q melhoram consideravelmente os decks, lembrando q gratuito n eh sinonimo de liberado, o jogador poderia ir liberando cards gratuitos porem mais fortes com o tempo q ele joga no mol, seja como premiaçao ou comprando com dinheiro q o jogo da (assim como mtos jogos)¨
(Quote)
- 18/11/2014 19:22
Interessante o artigo. Lembro que na minha época de Quinta série até terceiro colegial o Magic era realmente uma Febre, estourou de uma maneira muuito grande e ninguem tinha vergonha de jogar muito pelo contrário era jogado dentro da calsse, no intervalo da mesma maneira que jogavam Truco. Infelizmente acredito que hoje em dia ninguem deve nem saber o que é isso . E Eu acredito que seja pelo fato da explosão digital. Realmente a saída seria investir na plataforma virtual. Ser gamer hoje em dia é algo bonito vide a BGS ( Brasil game Show) . Eu fui achando que ia encontrar só Gordos nerds e até mulher bonita ( sem ser modelo) deu pra pegar whats e dar uns pegas depois. Porém o lance de "colecionar cartinha" é muito mal visto até pela própria comunidade Geek. Sou jogador de Dota 2 que foi citado acima e digo que é um jogo Magnifico o melhor do gênero e muito semelhante ao Magic em termos de complexidade e Dominância no Genero. Mas assim como Dota ficou por muitos anos atrás de league of legends ( um jogo inferior ) por questão de marketing e gráficos ultrapassados e etc. Magic precisa se renovar em outros aspectos que não seja jogabilidade por que ai ja é TOP. Realmente um GAME de verdade onde cards gerecem efeitos estilo o antigo Anime de Yu-gi-Oh seria algo magínifico que concerteza transformaria um jogador de Magic em Gamer e assim o jogo explodiria. Apesar de antigamente isso ser um sonho distante com as engines de hj em dia isso seria possível . Esse MOL é quase um Workstation que você tem que gastar dinheiro pra jogar...
(Quote)
- 17/11/2014 21:44

Cara seu texto é bastante empolgado!
Confesso que não vim na intenção de revolucionar o magic, apenas abrir uma boa prosa (que deu muito certo, ouvindo muitas opiniões)

Acontece que, no fim das contas, tem muitos jogos legais pra se jogar, e o bem mais importante que voce adquire jogando magic (as amizades) pode ser levado pra qualquer outro jogo =)

(Quote)
- 17/11/2014 21:33
Tava faltando um artigo assim aki na Liga, cara tenho certeza de que seu ponto de vista é compartilhado por muitos de nós que naum temos condições financeiras para se ligar ao competitivo e vivemos no casual.
Bem agora falar, falar e falar não adianta de nada, já que vc foi o corajoso pra começar com isso que tal unir forças internacionais e começar uma campanha, eu sei que dá um trabalho danado e que vc talvez não tenha tanto tempo disponível, mas quem sabe daki uns 3 ou 4 anos isso realmente mude.
Magic parece mais um daqueles carteis políticos, onde os velhos comandantes naum querem a mudança para não perderem seus privilégios, mas sempre existe aquelas jovens mentes brilhantes que saciam por mudança.
Eu apoio essa ideia de mudança, começando pelo nome do artigo (kkkkk), acho que soaria melhor se fosse: "Magic the Gathering, os pilares da queda."
(Quote)
- 17/11/2014 13:37

Concordo contigo de novo cara.

Conheço o jogo desde 1995, nunca parei de jogar, mas mesmo hoje, ganhando um salário muito acima da média, não vejo vantagem em investir grandes $$ num jogo que tem por intuito me divertir com amigos (sempre fui FOR FUN). Antigamente eu gastava mais, hoje priorizo a "vida real" e deixo as cartinhas "de lado".

(Quote)
- 17/11/2014 12:58
Acredito que não precisaria assim de "grandes" fatos para elevar o potencial do Magic....
ações simples de midia como divulgação em eventos culturais, uma maior interação na steam, psn e live para modo de jogos online free, pontuação de planeswalker para jogadores que divulguem o produto em seus paises (ganhando brindes por isso), a presença de juizes em palestras em escolas, faculdades, etc

Mas ao mesmo tempo me pergunto que se o jogo se tornando popular dessa proporção seria algo bom mesmo...vide alguns problemas que podem ocorrer como falsificação de cards, campeonatos/eventos fantasmas a fim de se roubar dinheiro de vitimas, etc
(Quote)
- 17/11/2014 12:43
Discordo de quem acha que preço não é problema para a popularização do Magic. Para ter uma opinião dessas, você tem que ter tanto dinheiro que fica insensível. Por exemplo, esse fds eu disse para um amigo meu que tinha um deck de modern que valia 2000 reais. Ele simplesmente não acreditou e não entendeu porque eu não vendi ele ainda, por mais eu eu tentei explicar. Daí eu disse que tem decks de campeões que passam de 7000 reais! Resultado, meus amigos acham que eu e todo mundo que joga magic é simplesmente louco de pedra! Verdadeiros rasgadores de dinheiro! Detalhe, todos somos casados, temos mais de 30 anos e ganhamos mais de 10000 reais mensais.

Quantas vezes eu vi um moleque entrando em uma loja para jogar, comprando intro pack e outros produtos e, depois de apanhar amargamente para um deck listado (malditas sejam as listas, destruíram o jogo na minha opinião, pelo menos o jogo que conheci a 20 anos), sai chorando por ter gasto a grana que tinha! Chega uma hora que a pessoa se convence que ou você jogar "for fun" (é o meu caso) ou leva a sério e põe todo dinheiro que tem e não tem no jogo.

Por isso, o jogo não decola.
(Quote)
- 17/11/2014 11:52

Claro, só estava provocando mesmo... mas eu não acho que o Magic esteja ruim... está ruim no Brasil/América Latina. Os GP's, de um ano para outro, aumentam pouquíssimos players... ou até diminuem, enquanto houve um boom de participações nos EUA e na Europa.

Mas a explicação, pra mim, é mais socio-econômica do que qualquer coisa... o pessoal gosta de jogar, por aqui. Jogadores de LoL, Hearthstone... são potenciais jogadores de Magic (na minha leitura)... que são barrados enquanto dois jogos são gratuitos (ou quase), e o outro é caríssimo.

(Quote)
- 17/11/2014 01:03
Outro ponto importante: eu não acho que o Magic será salvo por um filme, ou por um preço de cartas acessível. Cada jogador tem prioridades diferentes, tanto que muita gente no tópico diz que não liga para história do jogo, enquanto outra parcela não liga para o competitivo. Por isso que citei o quão plurais são as soluções para o jogo. Fortalecer o cenário competitivo é fundamental sim, mas assim como é, de igual maneira, fortalecer o ambiente casual.

Não acho que o Magic está morrendo nem nada do tipo, mas sem dúvida alguma está aquém do seu potencial, e pode muito bem continuar assim por décadas se a Wotc ainda lucrar com esse modelo de negócio, e se assim for, quem somos nós para julgar =)
(Quote)
- 17/11/2014 01:01

Não entendi sua analogia meu camarada, nem pesquei se ela é a otimista em relação ao magic, pois você está considerando dois grandes eventos de Magic, que unem os melhores jogadores de vários continentes, contra um evento corriqueiro do esporte mais jogado do mundo, desconsiderando dezenas (quiça centenas) de outros jogos de futebol profissional rolando no mesmo fim de semana =)

(Quote)
- 17/11/2014 00:25
Então, senhores, concordo plenamente com o Mutrol. Lembro dos relatos dos meus irmãos sobre o cenário de magic de antigamente. O pessoal se reunindo pra jogar, booster muito mais barato, decks com personalidade (não copiados de alguma lista), entre outras coisas. Havia emoção em abrir um booster, descobrir novas cartas, trocar com os amigos. A comunidade geek, e até gente de fora, tinha bons incentivos pra entrar no magic e pra permanecer. Hoje é complicado até descrever o jogo pra alguem, principalmente quando você menciona o valor do ticket de entrada e da manutenção. Se a pessoa ainda assim decide entrar, ainda se depara com os abusos praticados por determinadas lojas e jogadores. Depois de passar por tudo isso, o cara ainda se depara com decks bem parecidos, tirados de alguma lista, para os quais ele vai perder bastante. Incentivo o bastante para abandonar.

Os motivos acima fazem com que os alguns jogadores que permanecem no magic tomem uma postura bem individualista, afinal, eles nao tem tempo pra ajudar jogadores iniciantes, já que estão procurando as cartas daquela lista campeã, pesquisando menores preços, negociando com outros jogadores...

Comparando com Avengers e outras nerdisses de antigamente que tiveram ascensão na atualidade, acho que o cenário fica ainda mais complicado. Qual foi o estopim pra essas coisas? Aha! Filmes/Séries! Imaginem que saia um filme realmente bom de MTG. Uma boa quantidade de gente vai começar a jogar. Cerca de 85% dessas pessoas vai desistir pelos motivos que citei acima. A diferença é que o motivo pra elas sairem vai tornar-se publico, diminuindo ainda mais o interesse das pessoas em tentar entrar pra comunidade MTG.

A verdade é que a globalização (e a ganancia da Wizards e lojas rankeadas) estão matando o magic. A ligamagic em si, apesar da boa intenção e de muitos aspectos positivos, também tem sua parcela de culpa. Ao meu ver, a comunidade toda está doente. Essa postura Seu Barriga ("pague o aluguel!") não vai nos levar a lugar nenhum.

Desculpem pelo longo post.
Um abraço!
(Quote)
- 16/11/2014 21:02
Joga Magic a 20 anos, adoro o jogo. Entretanto, Magic é jogo comercial com o objetivo de dar dinheiro para a wizards. Nem pode ser comparado com poker, nem de longe. O lance é que você precisa comprar as cartas, que são caríssimas. Você fala que precisa ser criativo. A criatividade do jogo é bem limitada, porque depois que divulgam as listas todo mundo copia. E se não copiar perde. E assim vai, num ciclo vicioso onde você vai perder dinheiro para sempre. Eu nunca recomendaria nenhum amigo meu a começar a jogar magic, pelo menos os que eu gosto, rsrsrs.

Se você não vê as coisas dessa forma, é seu direito. Mas vai continuar sem saber porque o magic não decola. E não vai decolar, da forma que vc espera.
(Quote)
- 16/11/2014 20:17
Pra mim, em tese, a ideia de que existe um nível profissional estimula os jogadores a tentar alcançar este patamar... e não o contrário.
(Quote)
- 16/11/2014 20:15

Então, eu sempre me questionei sobre o papel dos pro players, você poderia elaborar porque acha que (e por que a Wizards acha também) que os pros são prejudiciais ao jogo?