Meus primeiros Regionais

       

Por: exocry em 31/03/11 17:46 | 6 comentários / 1,994 visitas

A galera de Maceió já jogava T2. Organizávamos torneios (não sancionados) só para nos divertir e eu me divertia bastante (o deck de trocar grimórios que o diga). Mas a verdade é que ninguém realmente jogava competitivamente. Embora alguns netdecks sempre surgissem, o fato de haver sancionados em Maceió deixava a galera muito relapsa nos torneios.
Foi quando o amigão Dudu nos falou do Regional de Recife que ocorreria naquele ano (não lembro bem que ano era, mas os blocos eram Ravnica e Espiral Temporal até então sem Visão do Futuro). Se fosse uma turminha pequena, poderíamos ficar na casa da irmã dele. A galera não se animou muito, mas eu, viciado como sou em Magic, topei na hora. Fizemos a inscrição e nos programamos. Eu nunca tinha jogado um torneio grande e nem sequer tinha DCI. Fui para brincar com meu deck de Agostinho.
Viajamos na sexta à tarde de ônibus e o Dudu acabou conhecendo melhor o meu lado pessimista da vida. À cada curva da estrada eu só me lembrava daquele filme Premonição 2.
Chegamos na sexta à noite, o cunhado do Dudu nos levou para uma balada e aí veio o primeiro problema. Como viajei pensando apenas no torneio, não levei tênis (calor dos infernos no Nordeste, nada mais natural que andar por aí de chinelos). Só podia entrar no bar se fosse de sapatos (frescura da po##@!). E o pior é que eu calço 43. Ninguém tinha um sapato para me emprestar. Acabamos dando um jeitinho brasileiro e driblamos a segurança para entrar. Não ficamos até tarde porque o torneio começaria pela manhã. Chegando na casa da irmã do Dudu, desalojamos a sobrinha dele (de 5 ou 6 anos) e dormimos no quarto dela.
Pela manhã, me olho no espelho e meu rosto começou a descascar! WTF!?! Devo tudo à minha chefe: na sexta-feira perdi uma aposta e ela depilou meu rosto com cera quente na hora do almoço. Agora eu estava escamando como se fosse uma cebola!!!!
Tomamos café e fomos para o Regional. O Dudu compra um booster e tira um Venser (criatura, pois planeswalkers nem eram cards ainda). Confirmamos a inscriçaão e então surge outro probleminha: muitos de meus terrenos, por serem antigos estavam com o verso desgastado e para piorar, eu estava usando sleeve transparente (aqui em Maceió é o popular saquinho de flau). Tive que jogar com proxies. O juiz me entregou um monte de ilhas e eu escrevi o nome das cartas com verso marcado para substituir em meu baralho. O problema é que meu baralho era azul e branco e ficou muito confuso para mim e para meu oponente diferenciar as ilhas renomeadas das ilhas do baralho.
Enfim, o torneio iria começar. O Dudu, que começou a fungar de manhãzinha, já andava com papel higiênico do lado para assoar o nariz entre as partidas. Eu comecei enfrentando um dos jogadores TOP de lá, que já havia até participado de um nacional e que jogava com um deck Orzhov, um dos Tier 1-2 da época. Não tive dificuldades para vencer com meu deck totalmente desconhecido o que o fez achar que eu estava roubando. Aparentemente, ele achava que um iniciante (em regionais, já que eu jogava há muito tempo) não podia vencer um pró-player com um deck desconhecido que ele próprio montara. O juiz não viu nada de errado em minhas jogadas (até porque não havia) e ganhei minha primeira partida num regional).
Na segunda rodada, outro Orzhov. Fiquei tranquilo pois como venci o primeiro sem dificuldade, achei que não teria problemas para enfrentá-lo. Vale ressaltar que eu desconhecia a maior parte dos decks tops que rolavam. Afinal eu não fuçava a internet atrás dos decks do momento. Sabia da existência do famigerado Dragonstorm apenas porque tinha alguém que jogava com ele no SESC. Por isso fiquei tranquilo ao ver um deck que eu já vira a estratégia. Tive um pouco mais de dificuldade, mas ganhei.
Veio o intervlo para o almoço e o Dudu já não respirava sem fungar, reclamava de dor de cabeça e já havia perdido uma partida se lembro bem para um Dragonstorm (inclusive foi depois desse Regional que o Dudu montou um para ele). Comemos qualquer besteira e comentamos as partidas. O Dudu descansou um pouco para ver se o mal estar passava, mas já era claro que ele havia gripado.
Na terceira rodada, enfrentei um UR Urzatron. Eu não conhecia o deck e não possuía Quarteirão Fantasma no deck. Perdi de 2 a 0. Depois enfrentei outro deck qualquer e ganhei. O Dudu perdeu pela segunda vez e poderia ter dropado, mas seguiu jogando já que eu ainda seguiria adiante.
Na quinta rodada, perdi para outro UR Urzatron. Não dropei pois queria continuar lá e o Dudu implorando aos deuses para que eu perdesse a próxima partida para podermos ir para casa e ele tomar um banho quente.
Na sexta rodada, perdi para um monoblue com um combo estranho que usava Elemental da Salmoura e Metamorfo Vesuviano para me deixar tapado pelo resto do jogo.
A sétima rodada eu não lembro o resultado (nem mesmo lembro se joguei pois o Dudu já estava com febre). Voltamos, o Dudu descansou e acordou revigorado na manhã seguinte. Eu até queria ir jogar um t4 (com meu deck de modular), mas o Dudu não estava a fim. Acabei jogando Rayman 2 no PlayStation com a sobrinha do Dudu. Almoçamos fora em um pesque e pague e fomos embora naquele domingo.
Aquele torneio me ensinou muitas coisas sobre o Magic competitivo. Decidi que iria para o Regional de Aracaju depois de upar o meu deck pois achei que corrigindo as falhas dele, eu teria uma chance maior.
No próximo post, conto como foi e coloco a lista do deck aprimorado.
Para finalizar, depois da viagem de retorno, o Dudu decidiu que jamais viajaria de avião comigo. Afinal, meus comentários durante a viagem acabavam sempre em filmes de terror com acidentes trágicos.






Leia também

Escrevendo um livro 8 comentários / 987 visitas
Caldeirão! caldeirão! 1 comentários / 1,507 visitas
Num futuro alternativo não muito distante... 21 comentários / 2,886 visitas
Falsificado é foda! 6 comentários / 2,081 visitas
Chupa que é de uva! 1 comentários / 1,720 visitas

Favoritos

O que isso vai ser O.o

Por: rafael05 - 30 comentários / 2,928 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 01/04/2011 19:25
Kraio Clísthènes, desinterrou essa história...

Nossos primeiros regionais, não tem palavra para descrever a experiência que foi...

A parte do Rayman com certeza é a mais engraçada, e o pior que Maria Paula ficou incrível qnd viu vc jogando na época, foi ótimo!!

Bons tempos, ótimos tempos, que não voltam mais... Uma pena!!

Abraços Grande amigo, saudades do "fatia"!!










P.S. Continuo sem querer viajar com vc de avião, vai que vc tem um premonição verdadeira?!?! Como enganaremos a morte?!?! hauhsuahsasuahsaushaushaushasuhaushaushaushauhsas...

FLw!!
(Quote)
- 01/04/2011 11:09

Sou péssimo fisionomista em se tratando homem reparo ainda menos. Se lembro bem, ele era forte (não gordo), estatura mediana e tinha um cabelo castanho claro.

(Quote)
- 01/04/2011 09:10

procura pelo deck pickles, o nome se deve ao fato do elemental se parecer com um '.'

(Quote)
- 01/04/2011 00:52

Que deck é esse? fiquei curioso

(Quote)
- 01/04/2011 00:40
como era esse jogador Top de recife pra ver se eu conheço
xD
(Quote)
- 31/03/2011 19:27
... perdi para um monoblue com um combo estranho que usava Elemental da Salmoura e Metamorfo Vesuviano para me deixar tapado pelo resto do jogo.

Já montei esse deck, se não me engano o Gabriel Nassif ganhou um Torneio com este deck.