Pre-Lançamento DTK: História de um Juiz jogando

       

Por: tunicoberno em 03/04/15 15:40 | 11 comentários / 3,167 visitas

[Editado] Este artigo é uma tradução de Kevin Desprez, o original pode ser visto aqui:

Eu sempre jogo os pré-lançamentos, eu gostaria de jogar mais, mas já é dificil encontrar tempo, já que a maioria das minhas Sextas estão ocupadas.

O pre-lançamento de DTK foi muito interessante, tanto do ponto de vista de um jogador como do ponto de vista de um Juiz. Eu sinto que essa edição requer muita habilidade para a construção do deck e para atacar e bloquear corretamente, dito isso, eu pude observar pelo menos quatro situações interessantes.


Você atacou no turno passado?

Meu oponente me ataca com um bicho 2/1 e eu digo "vou para 16" (eu estava a 18) e anoto no meu bloco de notas. Ele hesita um pouco e diz "Ah, mas você já estava a 16, eu ataquei com esse bicho no turno passado". Eu fico confuso. Pedi para checar as anotações dele e vi que ele não tinha marcado a perda de vida também.

A situação era a seguinte:

Meu oponente tinha um bicho 3/1 e um Trilha-Luz.
Eu tinha conjurado um Amongue Robustecido no quarto turno porque eu não pude fazer terreno no meu terceiro turno.
Nós hesitamos um pouco e temos a seguinte discussão:
"Eu ataquei com ambas as criaturas no turno passado, nós provavelmente esquecemos de marcar a vida"
"Você hesitou na hora de declarar os atacantes e eu tenho quase certeza que você não atacou com o bicho 2/1. E também, se você tivesse atacado, então eu teria bloqueado o bicho 2/1 ao invés do outro, já que se ele se tornar voador, eu não consigo tirar ele do campo. E eu iria bloquear porque eu só quero ficar vivo até comprar o quarto terreno"
"Bom, você está zicado de mana então eu realmente quero que você bloqueie para não ter acesso a um drop 4 ou 5 se você atacar com o Amongue, então eu ataquei com os dois"

Nós dois temos estratégias válidas: eu acredito que ele quer guardar o Trilha-Luz porque na hora que ele revigorar naquele bicho, eu provavelmente perco o jogo. Ele acredita que atacou com ele para me forçar a bloquear e ganhar dano extra.

Eu também acredito que, se ele tivesse atacado com o Trilha-Luz, eu teria bloqueado ele e não o 3/1, porque, apesar do poder maior, eu estou preocupado com o voar.

Nós dois concordamos que meu oponente me disse para esperar um pouco no turno passado porque ele estava pensando como declararia os atacantes, e ele fez o seguinte: primeiro ele virou ambas criaturas. Depois ele virou apenas o 3/1. O que não ficou claro é quais foram as criaturas atacantes no final das contas.
Quando você estiver apitando e tentando descobrir o que aconteceu em uma situação assim, a melhor forma de fazer isso é pedir para que os jogadores se afastem da mesa e conversar com cada um individualmente, porque assim eles podem te contar em privado quais estrategias eles tinham em mente e você pode pensar em qual é o cenário mais provavel. Eu digo "provavel" porque na maioria das vezes, é dificil saber o que realmente aconteceu.

Nesse caso eu não sei se teria funcionado tão bem, porque nós dois tinhamos motivos válidos, mas de modo geral é uma boa prática.

Além do mais, eu e meu oponente estavamos discordando nos fatos que haviam acontecido. E eu estou seguro de que nenhum de nós estava mentindo. Mas também não vou dizer que era eu quem estava certo. Eu posso realmente ter tido um lapso de memória e não lembrar corretamente do que aconteceu baseado nos pensamentos que eu tinha quando pensando que eu queria bloquear aquela criatura.

No final, meu oponente disse que, já que nenhum dos dois tinha escrito nada, nós deveriamos continuar assim, que provavelmente seria o que eu teria dito como Juiz, já que era dificil determinar com precisão o que aconteceu. Na verdade, a falta de mudança de vida nos dois blocos de anotações é a única coisa concreta que você pode confiar na ausência de elementos não concretos mas relevantes (como pensamentos estratégicos).

Time Selado em Pre-Lançamento

Durante outro pré eu vi o dono da loja ir até uma mesa de quatro amigos que tinham uma bagunça enorme na frente deles. Leiam a conversa que aconteceu:

"Vocês trocaram cartas?"
"Não"
"Então porque tem uma pilha gigante de cartas no meio da mesa?"
"Ah, são as cartas que a gente não vai usar"
"Então eu posso recolher e devolver para vocês no final do dia?"
"Porque?"
"Porque não há como saber de quem é o que então seria melhor que nenhum de vocês usasse essas cartas, como uma medida de ser justo com os outros jogadores"
"Beleza"

Eu gostei bastante do que o lojista fez. Existe a possibilidade daquela história ter sido verdadeira. Claramente são jogadores inexperientes e não entendem porque aquilo é um problema. Então a conversa continua:

"Só por desencargo de consciência, vocês tem certeza que vocês tem com vocês apenas os decks que vocês abriram?"
"Sim, claro"
No final da construção dos decks, o dono da loja volta para aquela mesa e pergunta aos garotos se ele pode dar uma olhada nos decks. Ele da uma olhada na qualidade dos decks e todos parecem muito bons. E em um deles, ele encontra três incomuns de Fate Reforged:

"Eu estou confuso. Vocês me disseram que não trocaram nenhuma carta. É impossivel ter três incomuns de Fate se vocês abriram apenas um booster cada."
"Ah, talvez nós tenhamos trocado uma carta ou outra"

Voltar à mesa e checar o conteúdo dos decks foi excelente. Eu não estou certo que eu teria pensado em fazer isso. Ele desqualificou os jogadores, nem tanto por trocar as cartas (existe uma chance que eles não sabiam que não se podia fazer isso) mas principalmente por mentir para ele, mesmo depois que ele deu a eles uma oportunidade.

No começo o lojista estava meio incerto sobre desqualificar os jogadores, porque ele pensou que poderia ser um prejuizo para o comércio dele. Então ele me consultou e eu disse: "Todo mundo que está jogando agora já se deu conta que algo estranho aconteceu com esses caras. Você acha que os outros 40 jogadores vão se sentir bem se perderem para eles? Sinceramente, mesmo que eles não tivessem mentido pra vocês, eu me sentiria super desconfortável jogando contra eles só pela possibilidade de eles terem feito isso. Mas acima de tudo, eles mentiram, então você pode até se questionar sobre as intenções deles."

Eu sei que desqualificar um jogador nunca é algo agradável. Para um lojista, isso significa potencialmente perder um cliente. Mas isso também significa criar um ambiente de jogo mais comfortável e mais saudável para todos os outros clientes, que provavelmente se tornarão mais leais a seus torneios.

Algumas coisas sobre investigações por adicionar cartas a decks Selados em Prés:
Mesmo que os jogadores só queiram se divertir, é melhor colocar cada jogador em um lugar aleatório. Isso diminui as chances dos jogadores trocarem cartas entre si (dependendo do ambiente e se houver jogadores novos que querem ajuda dos amigos - sem a troca de cartas - você pode ser mais flexivel)

Checar o número de comuns, incomuns, raras e miticas (e lembrando que cartas foil substituem uma carta comum) é a melhor maneira de detectar anormalidades em um deck.

Como são pre-lançamentos, saiba qual o conteúdo de cada booster especial, pode haver mais de 14 cartas e pode haver uma distribuição diferente de cores.

Lembre-se, não tome um deck como sendo "Muito bom" como sendo trapaça. Enquanto isso pode ser um indicador, não é algo decisivo por si.



Suborno em pré-lançamento

Durante outro torneio, no final da última partida da terceira rodada, o funcionário da loja está esperando pelo resultado enquanto conversa casualmente com seus amigos. Enquanto isso, os jogadores dizem o seguinte:

"Um empate é como se fosse uma derrota para ambos. Você deveria conceder pra mim"
"Porque?"

Essa é uma boa dica que algo está estranho. Na verdade, esse é o momento perfeito para um Juiz intervir e dizer algumas coisas.

Como eu não era um Juiz naquele torneio, eu não pude fazer nada mais do que chamar a atenção do funcionário da loja, que não fazia ideia alguma do que estava acontecendo. Não deu em nada, mas tem algumas coisas a serem aprendidas dessa situação.

Quando você for definir a premiação, não distribua de acordo com a colocação, mas sim de acordo com a pontuação, isso evita que os jogadores se sintam mal porque perderam alguns boosters baseado em critérios de desempate.

Boa prática: 12 pontos = 8 boosters, 9 pontos = 4 boosters
Má pratica: 1º = 8 boosters, 2º = 6 boosters, 3º = 2 boosters
Faça de forma que o empate tenha o mesmo peso para os dois jogadores, para evitar que eles prefiram combinar um resultado.

É muito chato para os jogadores quando um empate é como se os dois tivessem perdidos, e isso incentiva eles a praticarem suborno (na forma de uma divisão de premiação).

Eu joguei um terreno nesse turno?

Em algum momento durante um jogo eu tinha 8 terrenos em jogo e eu precisava de 9 manas para fazer tudo o que eu queria fazer, mas eu não lembrava se eu tinha jogado o terreno do turno ou não. Depois de pensar um pouco, eu contei rapidamente as cartas da mão e do campo, logo depois disso eu percebi que teria sido muito mais rápido se eu tivesse lembrado o que eu fiz no turno anterior, quando eu conjurei duas mágicas de custo 4.

Me fez perceber que a maneira mais eficiente é:
Cheque o que aconteceu no turno passado
Se não funcionar, então comece a contar as cartas.


Isso é tudo pessoal!






Leia também

Respostas para as perguntas mais frequentes.. 15 comentários / 7,081 visitas
Infestação de zumbis 15 comentários / 2,498 visitas
Deck/decklist problem 5 comentários / 2,426 visitas
Cuidados em torneios 6 comentários / 3,959 visitas
Camadas 31 comentários / 7,723 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 06/04/2015 13:53
Muito bom os relatos deste texto.
A unica coisa que eu vou atrás nos eventos é das fichas...
As cartas em si eu só troco depois...
Como colecionador, eu pelo menos quero ter uma idéia de quais fichas estão na coleção vigente...
O pessoal da minha cidade já manja isso e muitas vezes já até me passa as fichinhas... XD
(Quote)
- 05/04/2015 17:54
Eu não entendo porque alguns lugares acabaram com a prática de acabar com decklists em pre-release. Não faz sentido, e só dá confusão.

"Ah, é casual, as pessoas só vem pra se diverir". Sabe o que não é divertido? Ser roubado. Eu parei de jogar pre-releases em lugares que não fazem listas. Só quem interesse nisso é quem quer trapecear.
(Quote)
- 04/04/2015 22:36
Suborno em pré-lançamento

Durante outro torneio, no final da última partida da terceira rodada, o funcionário da loja está esperando pelo resultado enquanto conversa casualmente com seus amigos. Enquanto isso, os jogadores dizem o seguinte:

"Um empate é como se fosse uma derrota para ambos. Você deveria conceder pra mim"
"Porque?"

Essa é uma boa dica que algo está estranho. Na verdade, esse é o momento perfeito para um Juiz intervir e dizer algumas coisas.

Como eu não era um Juiz naquele torneio, eu não pude fazer nada mais do que chamar a atenção do funcionário da loja, que não fazia ideia alguma do que estava acontecendo. Não deu em nada, mas tem algumas coisas a serem aprendidas dessa situação.

Quando você for definir a premiação, não distribua de acordo com a colocação, mas sim de acordo com a pontuação, isso evita que os jogadores se sintam mal porque perderam alguns boosters baseado em critérios de desempate.

Boa prática: 12 pontos = 8 boosters, 9 pontos = 4 boosters
Má pratica: 1º = 8 boosters, 2º = 6 boosters, 3º = 2 boosters
Faça de forma que o empate tenha o mesmo peso para os dois jogadores, para evitar que eles prefiram combinar um resultado.

É muito chato para os jogadores quando um empate é como se os dois tivessem perdidos, e isso incentiva eles a praticarem suborno (na forma de uma divisão de premiação).


Gostei muito desse critério de premiação .

Poderiamos falar mais sobre ???
(Quote)
- 04/04/2015 21:31
Suborno em pré-lançamento

Durante outro torneio, no final da última partida da terceira rodada, o funcionário da loja está esperando pelo resultado enquanto conversa casualmente com seus amigos. Enquanto isso, os jogadores dizem o seguinte:

"Um empate é como se fosse uma derrota para ambos. Você deveria conceder pra mim"
"Porque?"

Essa é uma boa dica que algo está estranho. Na verdade, esse é o momento perfeito para um Juiz intervir e dizer algumas coisas.

Como eu não era um Juiz naquele torneio, eu não pude fazer nada mais do que chamar a atenção do funcionário da loja, que não fazia ideia alguma do que estava acontecendo. Não deu em nada, mas tem algumas coisas a serem aprendidas dessa situação.

Quando você for definir a premiação, não distribua de acordo com a colocação, mas sim de acordo com a pontuação, isso evita que os jogadores se sintam mal porque perderam alguns boosters baseado em critérios de desempate.

Boa prática: 12 pontos = 8 boosters, 9 pontos = 4 boosters
Má pratica: 1º = 8 boosters, 2º = 6 boosters, 3º = 2 boosters
Faça de forma que o empate tenha o mesmo peso para os dois jogadores, para evitar que eles prefiram combinar um resultado.

É muito chato para os jogadores quando um empate é como se os dois tivessem perdidos, e isso incentiva eles a praticarem suborno (na forma de uma divisão de premiação).


Gostei muito desse critério de premiação .

Poderiamos falar mais sobre ???
(Quote)
- 04/04/2015 15:05

Feito! Obrigado.

(Quote)
- 04/04/2015 00:33
Exelente texto, li ate o fim...
Todas as duvidas e questionamentos levantados sao reais e acontecem no dia a dia...

Parabens.
(Quote)
- 03/04/2015 22:48

Em caso de dúvidas sobre as cartas é direito do jogador o acesso ao gatherer da carta para ler seu "oraculo".
Neste caso, você deveria ter chamado o juiz/dono e pedido para ele consultar o gatherer ou permissão para usar seu celular para fazer essa pesquisa.

Não fique na duvida, pergunte para evitar de ficar frustado, pois acabou que por não chamar atrapalhou a partida pois a partida foi jogada incorretamente.

ps: eu só percebi o erro na carta no dia 2, mesmo tendo jogado com ela no dia 1 (corretamente, nem li a carta em portugues pois conhecia dos Spoilers) quando ocorreu um problema similar, chamamos o juiz e ele abriu o gatherer confirmando como ela funciona

(Quote)
- 03/04/2015 21:03
mto legal o artigo... adoro jogar prl, eu sempre acredito no coração das pessoas, mas tem horas que fica até difícil...
gostei da sugestao de premiacao com base nos pontos, bem melhor mesmo p evitar bribery...
(Quote)
- 03/04/2015 20:57
poderia colocar os creditos do autor original ne
(Quote)
- 03/04/2015 16:34
Gostei do artigo.

Sou novo em pré-releases. Participei de três até o momento.

O primeiro foi de born of gods, numa cidade relativamente pequena, a loja administrava de uma forma diferente a abertura de boosters para o evento (descobri quando fui numa loja maior, participar do fate reforged)
Eu mesmo conferia minha caixa, ninguém determinava o lugar que eu fosse sentar.
Conclusão, poderia sentar perto de amigos e trocar cartas conforme o arquetipo que decidiríamos.
Não dizendo que fiz rsrs, mas participantes mal intencionados agiriam dessa forma, fiquei desconfortavel com essa possibilidade, pois estava levando amigos que jogavam a menos tempo que eu e qualquer "roubalheira" poderia perder parceiros de jogo.
Ocorreu tudo bem nesse evento, mentalizei as regras do dia para o proximo pre-release que fosse participar.

Fui numa loja grande de uma cidade relativamente grande também, mais participantes, mais atenção no evento.
Eu estava acostumado com o "evento de born" (participei de 2 pre naquela cidade, os dois da mesma forma em relação as regras)
Cheguei nessa loja só tomei esporro kkk
Eu rasguei o plastico antes do aviso.
Marquei errado na folha (no outro evento o pessoal só queria o nome e fim, lá pediam até DCI na folha de marcação das cartas rs)
E a maior vergonha, foi que eu não sabia que o colega da frente abriria minha caixa e vice e versa. Eu conferiria as cartas dele e eles as minhas.
(É o mais correto, pois qualquer mal intencionado poderia tirar um carta boa de ktk e incrementar o seu deck)
Ambos escolhemos abzan.
Primeiro booster que abro, saiu um Ugin.
Eu fico feliz e um cara do lado fala "felicidade por que? foi o outro que ganhou"
Daí deu a confusão. Porque até então eu pensava que cada um abria o seu (como ocorreu no evento e born)
Expliquei que na cidade que eu fui, ocorreu da forma que agi, perdi perdão por precipitar em abrir as coisas.
Mas o colega da frente queria o Ugin para pagar os gastos dele e dizia que tinhamos trocados as caixas.
Rapaz! Fiquei ofendido.
Porque eu era o unico com a caixa violada e a dele estava intacta, até lembrei "lembra que você comeu meu toco por abrir antes da hora?"
Foi conversando e tudo se resolveu, o dono da loja conversou com ambos e o cara falou que queria aproveitar a chance de ter um Ugin hahah

Vou na loja até hoje.
E o colega não virou inimigo kkk

E essas atitudes com novatos é muito frágil, por perder clientes e tudo mais.
Alguns até desistem.
Como se algo desse errado no evento de Born. Se amigos dividisse cartas por aproveitar a falta de monitoramento de juiz/lojista, pode ser que alguns dos meus amigos nem participariam de mais eventos por achar na desvantagem dos hardcores.

E o apoio de ambos os lados para o evento ser divertido é o que mais conta.
Torcer para que pessoas fiquem no Magic pela emoção e a historia em si, do que judiar dos novatos ou aproveitar das regras para se darem bem rs

(Quote)
- 03/04/2015 16:09
Sempre me interesso por artigos de juízes e gostei bastante do que escreveu!

Neste pré eu tive um problema com uma tradução em uma das cartas, e nenhum dos juízes estava ciente sobre a errata, ai me surgiu a dúvida de até que ponto os juízes devem prestar atenção a isso? Isso me custou o primeiro jogo em uma das partidas (porque só fui conferir no site depois que o jogo acabou se eu estava certo) e como não quis atrapalhar o andamento e "estava escrito" na carta eu deixei rolar aquele jogo, ai enquanto meu oponente embaralhava para a segunda partida que fui conferir... A minha dúvida seria se os juízes tem que ficar espertos a estes erros e avisarem antes ou eles só avisam quando há um aviso da wizards/devir (em um dos pré que joguei a muito tempo, lembro de juízes avisando da errata).