Report - TOP 4 no Nacional Legacy - Miracles

       

Por: thmduarte em 29/11/15 11:02 | 10 comentários / 2,551 visitas

WARNING: TEXTÃO IS COMMING!!

 

Fala comunidade de magiqueiros jogadores do melhor formato de todos os tempos, o Modern......Rá, pegadinha do Malandro, afinal aqui ninguém faz Stony Silence e estende a mão pro oponente. A gente faz coisas mais legais, tipo Show and Tell e ganha : /

 

Estou passando de novo, depois de um hiato sem falar nada por aqui (acho que a ultima coisa foi o Primer do Miracles) para contar uma historinha bem resumida, SQN, que a galera do grupo do whats pediu (é, isso mesmo, Miracles é doença) que vou chamar de TOP 4 no Nacional Legacy! Só que pra contar essa historinha rapidinha, tenho que me introduzir no meio, digo, introduzir o meio pelo qual cheguei na lista que usei no Natz. Ou seja, melhor começar do começo, pra ninguém falar que sou retardado, apesar de boa parte das vezes eu ser mesmo!!

 

Um espermatozoide fez seu caminho através das Trompas de Falópio da minha querida mamãe....zueira, to de brinks. Beleza, 28 anos se passaram, estou eu jogando o semanal da UG, ultimo antes da ultima etapa da Liga Mineira de Legacy de BH - liga sinistra que angaria cadas vez mais players ao longo dos meses, que rolou dia 25 de outubro de 2015 aqui em BH - com a seguinte lista, recém modificada para caber 2 Wasteland e usando Blood Moon de side:

 

MB

3 Snapcaster Mage

2 Monastery Mentor

3 Terminus

1 Entreat The Angels

1 Council's Judgment

4 Swords To Plowshares

4 Force Of Will

2 Counterspell

4 Brainstorm

3 Ponder

4 Sensei's Divining Top

4 Counterbalance

3 Jace, The Mind Sculptor

1 Arid Mesa

4 Polluted Delta

4 Flooded Strand

3 Tundra

2 Volcanic Island

4 Ilhas

2 Plains

2 Wasteland

 

SB

1 Surgical Extraction

1 Rest In Peace

1 Containment Priest

2 Reb

1 Pyroblast

3 Flusterstorm

2 Vendilion Clique

1 Blood Moon

2 Wear/Tear

1 Izzet Staticaster

 

Isso mesmo, você não leu errado. São duas Wasteland no MB do Miracles. Por favor, não caia da cadeira e não pare de ler o report. Dê-me, antes, o beneficio da dúvida e deixe-me explicar.

 

Sei que falo no meu próprio primer que Waste não compensa no deck, pois é mais vantajoso o Miracles manter a própria mana, do que destruir a do oponente. Entretanto, com o banimento de DTT, vários decks sumidos voltaram e com eles vários lands problemáticos, incluindo aí o Boseiju, que não sumiu, ao contrário do que alguns pensam, pelo menos não no meu meta local.

 

As 2 Waste estão no deck, então, para destruir os terrenos que dão trabalho, só para resumir são eles: Creeping Tar Pit, Mishra's Factory, Inkmoth Nexus,Cavern of Souls, Caverna Mutavel, Karakas, Gaea's Cradle, Fortaleza de Volrath, Porto de Rishada, outra Wasteland e de quebra te salvar de um Price of Progress letal. Eventualmente ela pode te garantir umas free wins, seja zicando mana vermelha no RUG, por exemplo, fazendo seu Mentor ficar vivo por tempo demais ou zicando mana do oponente que keepa mao de uma única dual, confiando que Miracles não tem Wasteland (apesar de mais raro), por isso, e só por isso, resolvi testar e apostar nelas. Afinal se o Ruel usou no GP Lile, não é possível que seja tão errado assim.

 

Foram 4 rodadas de suíço, das quais seguiram os seguintes resultados:

 

2x0 Infect

2x0 Rug Delver

2x0 Blank (esqueci, pq tem muito tempo)

1x2 Blank (vide anterior)

 

Com esse resultado, pensei eu, saporra tem potencial que merece ser mais explorado. E seguindo meu instinto, fui feliz para Quinta Etapa da LML, que deu 22 jogadores, valendo classificação para o top 8 do Ranking e vaga para o Nacional, com a exata mesma lista:

 

2x1 Burn

2x1 UB Reanimator

2x0 Rug Delver

2x0 UWR stoneblade

ID Jund

 

Top 8

 

2x1 Monored Sneak Attack stompy (mas concedi pro brother, porque eu já estava classificado tanto para o top8 do Ranking quanto para o Nacional e ele não)

 

Se eu achava que a lista tinha potencial, agora tinha certeza. Nos resultados somados, tirando o ID, eu estava 8x1 com o deck e isso só podia ser bom. Enfim, fui pro GP POA, perdi miseravelmente jogando de UR Twin (Junds malditos), amaldiçoei o Modern e fui jogar o paralelo Legacy, das 17hs, com mais uns 30 malucos. É, no sul não tem só bombacha, chimarrão e loiras dos olhos claros, tem, também, muito jogador de Legacy e tudo gente finassa. Troquei apenas um Containment Priest, se não me engano, por uma Supreme Verdict no meu SB e me inscrevi. Resultados:

 

2x0 (bye) - o cara ainda estava no main event do GP e não chegou a tempo, ou seja, bom pra ir no banheiro cortar um charuto.

2x0 Junk

2x1 Death and Taxes

2x0 Belcher

2x0 Rug Delver

 

Geeezzz. Combo hit strike. No resultado acumulado, 12x1. Mais do que suficiente pra eu perceber que Waste não era só boa, era mega delícia e só perdia em gostosura para a Blood Moon do side. Afinal, todos os jogos, exatamente todos os jogos, repito, todos os jogos que resolvi Blood Moon, até o presente momento, eu ganhei, com exceção de um que empatei, mas que na verdade era uma vitória certa e vocês vão entender porque daqui a pouco.

 

12x1 estava fine, tirando o ID e o bye. Ou seja, estava me achando o cara do Legacy, o Mestre do Tampo, o Senhor dos Milagres, (com esse tanto de título até garanti vaga como personagem do Game of Thrones) até que chegou o domingo de manhã para me dar uma lição de humildade, justo no open Legacy, que ia ter top 8 e tudo lá no GP. Seguem resultados:

 

1x2 Monored Moggcatcher Stompy (deck que, por sinal, fez 9x0 no day 1 do GP seatle)

2x0 12 post (não me pergunte como, mas ganhei)

1x2 Aggro Loam com Chalice

0x2 Jund

Drop

 

Isso aí, 13x4, no acumulado, já que Deus castou uma Humility em cima de mim, colocou-me no meu devido lugar, só pra me lembrar de que sou o verme do coco do cavalo do bandido. Mas como bom praticamente do deboísmo, fiquei de boas e fui encher o saco do Raf Sarmento pra fazer umas fichas de monges fudedores pra mim, afinal já estava bem satisfeito com a premiação do paralelo que ganhei.

 

 

De volta a BH, na quinta seguinte, peguei a mesma lista e fui feliz ver o que que dava. Resultados:

 

2x0 MUD

2x0 Infect

2x1 RUG Delver

2x0 Grixis Delver

 

Uuuuuhhh-ha estoy de volta. 17x4 no acumulado e estava decidido, quase que com certeza, a lista do Nacional. Nos testes percebi, porém, que o MU contra Jund piorou. Menos EtA, mais Mentor e menos Terminus não foi uma boa combinação. Entretanto, essa modificações melhoraram significativamente os demais jogos, sendo que Wasteland melhorou os jogos contra Infect, MUD, 12 Post, Death and Taxes entre outros e Blood Moon garantiu vitórias certas contra decks de 3 cores ou mais, com bases de mana bem frágeis. Entretanto, a fragilização contra JUND, por causa do menor número de Terminus e EtA (Entreat the Angels) no main deck, me levou, no dia antes de viajar, a trocar um Snapcaster por mais um Terminus no MB e fui assim pro Natz:

 

MB

2 Snapcaster Mage

2 Monastery Mentor

4 Terminus

1 Entreat The Angels

1 Council's Judgment

4 Swords To Plowshares

4 Force Of Will

2 Counterspell

4 Brainstorm

3 Ponder

4 Sensei's Divining Top

4 Counterbalance

3 Jace, The Mind Sculptor

1 Arid Mesa

4 Polluted Delta

4 Flooded Strand

3 Tundra

2 Volcanic Island

4 Ilhas

2 Plains

2 Wasteland

 

SB

1 Surgical Extraction

1 Rest In Peace

1 Containment Priest

2 Reb

1 Pyroblast

3 Flusterstorm

2 Vendilion Clique

2 Blood Moon

1 Wear/Tear

1 Izzet Staticaster

 

Mudanças mínimas no deck, mas o incrível sucesso da Moon me obrigou a adicionar mais uma no SB. Chegamos em SP na sexta. O bróder que foi comigo cedo (Matheus) ainda precisava da vaga e eu precisava só de mais 65 pontos para o bye 2, logo fomos ambos para os trials. Deixei o Miracles na mochila, peguei o Sneak and Show, vulgo Destruidor de Esperanças, e fui para primeira rodada. Garantimos a R1 e na R2 fomos pareados, concedi para ele e me inscrevi no próximo.

 

No próximo fiz 3x0, ganhando de Jund, MUD e Burn. O Matheus ganhou a vaga no primeiro trial e voltamos com o objetivo cumprido e com fome para casa. Ressalta-se que o Sneak and Show joga sozinho e ganha sozinho e faz tudo sozinho, geralmente só preciso fazer as manas. Se não gostasse tanto do Miracles, só jogaria de Sneak and Show. Com destaque para o G2 contra o Burn, na terceira rodada, que eu tinha 5 de vida, 1 Volcanic, 1 fetch, 1 Tumba Antiga, 1 Tampo de Adivinhacao do Sensei e 1 Sneak Attack no jogo, mais 1 Griselbrand e 1 Emrakul, o Fragmento dos Eons na mão. Meu oponente estava com todas as três manas tapadas e duas cartas na mão. Qual a jogada?

 

Esperamos pelo terceiro bróder chegar do aeroporto (Moises), que chegou quase as 23hs. Comemos uma pizza e fomos dormir, afinal, sábado era o início da maratona.  O evento estava marcado para começar as 10hs, mas começou as 12hs. Aproveitei meus byes para almoçar e lá para as 14:30 eu estava começando a jogar, na terceira rodada. Impossível eu lembrar detalhes de todas as partidas, por isso vou tentar descrever os pontos altos de alguns jogos em cada rodada, na melhor clareza de detalhes que eu conseguir, já que citarei os pontos cruciais de cada partida, que geralmente significaram o turn over do game, assim como estratégias de side in e side out:

 

Rodada 1 – bye

Rodada 2 - bye

 

Rodada 3 - 1x1

Jund - Aldo (isso mesmo, ainda tinha as 2 pyroblast e o Reb de MB)

 

Bom, pra quem não sabe esse cara ganhou o Nacional do ano passado com um Jund com 3 efeitos de REB no MB. Para minha infelicidade, ele continuava com as 2 Pyro e o REB no MB, ou seja, é muito ódio no coração. Percebi, por óbvio, no G1, que JTMS não seria uma win con sustentável, pelo excesso de p.fire e cartas para tira-lo.  Perdi o G1 porque, creio eu, fiz um EtA apressado, sem estar sendo pressionado, e coloquei apenas 4 tokens que morreram, uma para P. Fire e o resto para Pulse no turno seguinte, quando na verdade deveria ter ficado punhetando o EtA no meu top, até ter letal em um único ataque ou conseguir protege-los do Pulse com uma Plowshares ou counter, pelo menos.

 

Side in: 2 Blood Moon, 1 RIP, 1 Wear/Tear, 1 Surgical Extraction, 1 Clique

Side out: 2 JTMS, 4 FoW (muito card disadvantage)

 

No G2 fiz jus ao nome do deck e operei um verdadeiro milagre, perdoe-me pelo trocadilho tosco. Ganhei em cima de dois Choke resolvidos. Mas como MTG é só sorte, meu oponente floodou, e minha mana branca somada ao Tampo acharam as duas win con do deck, 1 JTMS que havia deixado para traz e um EtA. Importante que antes de tentar resolver o JTMS, resolvi uma Surgical no Pyroblast do oponente, o ruim é que ele tinha uma REB na mão, já o bom é que ele tinha só mais um Golgari Charm e mais nada. Não fiz o JTMS, mas resolvi um EtA com duas plains e 3 island que estava guardando em pé durante vários e vários turnos, já que as outras 3 estavam viradas permanentemente por causa dos Chokes.

 

O G3 quase não durou. Se não me engano ele chegou a resolver uma Chains of Mephistopheles e um encantamento verde que permite olhar as três cartas do topo, no início da manutenção. No final dos 5 turnos ele estava na frente, mas não decisivamente com o jogo ganho. Afinal, Miracles é um deck que sempre começa atrás e aos poucos vai ganhando espaço até sobrepujar o oponente. Entretanto o empate não aconteceu por slow play, sendo que ninguém jogava lentamente. Não me importo com empates, desde que nenhum dos jogadores contribua para que ele aconteça.

 

Rodada 4 – 2x0

Infect – (esqueci o nome do brother)

 

Jogos contra Infect são bem complicados, já que o deck pode tirar uma kill tão cedo quanto turno 2 e tem bastante proteção para suas criaturas. Matar um bicho em cima de Daze, Vines of Vastwood e FoW pode se mostrar bem mais difícil do que parece, por isso considero um bad MU para o Miracles.

 

O G1 foi mais tranquilo, sendo que consegui responder todas as criaturas do meu oponente, inclusive com a Wasteland cuidando do Inkmoth. Meu win rate subiu consideravelmente contra Infect depois que adicionei as Wastes, tanto é que os últimos três jogos contra o deck eu ganhei. O mais relevante, porém, aconteceu no G2. Meu oponente resolveu Sylvan Library, entretanto, como usava shock land, acabou pressionando o próprio life demasiadamente, de forma a não conseguir comprar muitas cartas por turno, como deveria ter feito. Afinal, aproveitei da situação para resolver um Snapcaster rapidamente e uma Clique para garantir que o life total do adversário não permitisse muitas compras em definitivo. Deu certo!

 

Side in: 1 Clique, 2 Blood Moon, 2 REB, 1 Wear/Tear, 1 Izzet Staticaster

Side out: 2 JTMS, 1 EtA, 1 Council’s Judgment, 1 Plains, 1 Counterspell

 

Todas as cartas do side out são lentas demais para o MU. Além disso, não quero muitos lands, quero muitas mágicas para conseguir remover os bichos e ganhar a counter war. Wasteland foi linda aqui, destruindo um Inkmoth Nexus de maneira crucial no G2.

 

Rodada 5 – 2x0

Grixis Delver – Sergio Ferry

 

Gente fina demais o Sergio. Enquanto jogávamos trocamos umas ideias sobre GP Seatle, o Legacy no Brasil, entre outros. O jogo foi aquele jogo protocolar contra Delver, ou seja, fazer dois por um sempre que possível e responder as ameaças mais perigosas. No G1 ele muligou a cinco, mas uma combinação de good draws quase levou a vitória, me deixando a 05 de vida, quando resolvi o lock de CB, logo depois de limpar a mesa com Terminus.

 

No G2 devolvi a gentileza e muliguei a 5. Entretanto ganhei esse jogo, garantindo minha sobrevivência nos primeiros turnos e desenvolvendo o jogo lentamente, impedindo Pyromancer de ganhar corpo com muitos tokens. Basicamente uma repetição do primeiro game, com CB lock entrando logo depois de um Terminus. Não tenho certeza, mas creio ter finalizado com Mentor.

 

Side in: 1 Staticaster, 2 REB, 2 Blood Moon, 1 Wear/Tear, 1 Clique

Side out: 4 FoW, 2 JTMS, 1 Council’s

 

Rodada 6 – 2x1

Shardless BUG – (esqueci o nome do brother)

 

Esse jogo foi decidido pelo power level das cartas do meu side, leia-se Blood Moon. Cometi um erro terrível no G1, que me custou o jogo com absoluta certeza, mas felizmente conseguir levar o match, ganhando os outros dois jogos.  No G1, com JTMS resolvido, o que impedia meu oponente de transformar o Tar Pit e ataca-lo era minha Wasteland. Infelizmente usei mana da Waste para resolver um tampo, o que abriu espaço para o ataque que levou meu JTMS para o cemitério. Isso, com certeza absoluta foi decisivo na partida, que terminou com meu oponente ultando o JTMS dele.

 

Miracles é um deck difícil de jogar, não só porque envolve inúmeras decisões ao longo de uma partida, mas porque tem que ser jogado rápido. Eu jogo rápido, na verdade jogo bem rápido pois tento compensar eventual lentidão dos meus oponentes, não que esse oponente tenha jogado de forma lenta. Infelizmente a velocidade custa alguns erros que acontecem de forma automática, como que se você estivesse no piloto automático e meu piloto automático gera mana incolor pra baixar o Tampo, não uma mana colorida. Só fui perceber isso quando era tarde demais.

 

Side in: 2 Blood Moon, 2 Clique, 2 REB, 1 RIP

Side out: 4 FoW, 2 CB, 1 Terminus

 

O G2 ele começou forte, mas sem básicos ficou aberto para Blood Moon. Mesmo com a mão violentada por HTT, meu topo estava razoável, com Snapcaster e Moon. Chegamos a um ponto na partida que ele tinha 3 ou 4 cartas na mão, uma Vision suspensa, e uma Liliana recém resolvida. Se não me engano, eu não tinha nada na mão e 3 ou 4 lands em jogo. No EoT resolvi um Snap comprando com Tampo, que foi seguido de Blood Moon no meu turno. Foi questão de tempo até a concessão.

 

O G3 foi agarrado, pois dessa vez ele buscou Floresta com uma das fetches. Novamente Blood Moon brilhou, conjugada com Tampo e CB atrasou bastante o jogo dele, mas ainda faltava a win con. Isso aconteceu porque, apesar de ter EtA no topo, me faltava a segunda mana branca em jogo, apesar das inúmeras “montanhas”. Se não me falha a memória, ele então, tentou resolver um Shaman, que eu tinha a opção de anular comprando com Tampo, mas não o fiz já que ele só poderia gerar mana verde com sua floresta básica e não iria conseguir me matar com a habilidade de dano do bicho. Além disso, comprar com o Tampo poderia resultar em um Tampo anulado com FoW no meu turno, sem contar que o Shaman poderia lhe dar mana preta, que poderia ser utilizada para destruir minha Moon com Decay e então abrir minhas manas brancas para um EtA letal. Como eu precisava ganhar logo o jogo, por causa de tempo, Shaman ficou.

 

Ocorre que meu oponente não usou mana preta do Shaman para Decay tão cedo e eu resolvi mudar para um plano B e tentar ganhar com Snapcaster, já que não tinha duas azuis para a Clique, também.  Foi aí, que depois de um turno batendo sem block, na minha fase principal, usei Plowshares no Shaman e a mágica aconteceu. Em resposta ele gerou a mana preta e destruiu Moon. O mais provável é que ele não tivesse comprado o Decay ainda, por isso a demora. Creio eu que já tinha 6 ou 7 terrenos em jogo nessa hora, ou mais, e meu oponente já havia levado algum dano do Snapcaster. Passei pra ele, ele virou três lands e castou Liliana, revelei EtA do topo para anular com CB, ele parou, pensou por dois segundos e estendeu a mão.

 

Moral da história, a Moon segurou demais e se não fosse ela, provavelmente eu teria perdido. Alguns amigos meus que assistiram ao jogo, falaram-me depois que a mão do oponente estava monstra, mas a Moon impediu o jogo dele de rolar. Palmas para Moon!!!!

 

Rodada 7 – 1x1

Lands (esqueci o nome do brother)

 

Nota mental para esse MU: sempre chame um juiz para acompanhar a cadencia de um jogo, se você achar que seu oponente está jogando lentamente.

 

No G1 não consegui achar o custo dois no topo para travar a engine do Lands (vulgo Loam) com CB. Resultado: perdi. Já percebendo que meu oponente era lento para realizar as jogadas, comecei desde o início a pedir que jogasse mais rápido, pois naquela velocidade de tomada de decisões seria muito provável que empataríamos.

 

Side in: 2 Blood Moon, 2 Clique, 1 RIP, 1 Surgical, 1 Wear/Tear

Side out: 4 FoW, 2 Terminus, 1 Counterspell

 

G2 ganhei com lock de Blood Moon. Sem nenhum básico ele não tinha qualquer resposta. Creio que finalizei o jogo com Mentor e EtA. Não teve nenhuma jogada extraordinária, somente o feijão com arroz do Miracles contra Lands, que é tentar travar o Loam ou os terrenos não básicos. Ele tentou combar duas ou tres vezes e chegou a quase 60 de vida, se não me engano, por causa das Swords to Plowshares na Marit Lage, entretanto, depois que a Moon fez seu papel muito bem, ele não tinha mais como segurar os anjos e os tokens de Mentor do Monasterio.

 

Ambos os jogos haviam demorado, afinal tirar quase 60 de life do oponente não é rápido. Nessa altura já havia pedido ao meu oponente que jogasse mais rápido, pelo menos mais umas três ou quatro vezes. Ele começou a ficar um pouco tenso com a situação e alegar que o deck dele tinha muita coisa para prestar atenção, tentando justificar a demora. De qualquer forma pedi que não me levasse a mal pela insistência, uma vez que se continuasse a demorar tanto, o empate seria certo.

 

G3 não durou muito, pois, como previsto por mim, lá no inicio da partida, logo logo entramos nos 5 turnos. Fato é que terminei com Mentor na mão, JTMS no topo, na mesa Blood Moon, Rest in Peace, Tampo e Vendilion Clique. Do lado dele só “montanhas” e um P. Fire na mão que usou pra matar minha Clique. Nessa hora eu estava 6x0x1 e aceitar o empate foi f#$%! Como disse na rodada 3, não me importo com empates, desde que ninguém contribua para que isso aconteça. Infelizmente, nesse jogo, meu oponente contribuiu para esse empate, afinal, não consigo entender a demora para se fazer uma jogada, quando a única carta na sua mão é um Ghost Quarter !!! Saudades da contagem de tempo do Magic Online nessas horas. Anyway, no hard feelings bro! As coisas acabaram dando certo no final.

 

Rodada 8 – 0x2

BUG Delver – Chico do time de Presidente Prudente (Team PP)

 

Tenho que confessar que ainda estava meio p%$% do jogo anterior. Que por sinal só fui esquecer por completo no Day 2. Entrei de cabeça quente, mas, por sorte, meu oponente era gente finassa e mesmo tendo perdido, saí do jogo mais descontraído.

 

Os jogos contra Delver Decks geralmente são levemente favoráveis para o Miracles, entretanto tem mãos bem difíceis de serem superadas, ainda mais quando o jogador de Delver sabe o que está fazendo. Esse era o caso desse jogo. Meu oponente estava X-1 e precisava ganhar para lockar o Day 2. As trocas não foram tão boas para o meu lado e ele consegui proteger bem as próprias criaturas, não tive muito a fazer.

 

Side in: 1 RIP, 2 Blood Moon, 2 Clique (não subi Fluster, pois não vi Stifle)

Side out: 4 FoW, 1 EtA

 

No G2 ziquei mana branca pela primeira vez em muito tempo. Aqui, especificamente, a Wasteland me atrapalhou, pois se fosse uma fetch teria sido mais relevante. Perdi o jogo quando tentei resolver um Terminus na draw phase, meu oponente tinha Bob, Goyf, Shaman na mesa e todas as lands viradas, alem de uma única carta na mão. Fiz o Terminus mais safe da história e tomei um Envelop. Depois de me recuperar do tombo da cadeira que tomei com esse Envelop, estendi a mão e concedi, mas só depois que ele deu Waste na minha Tundra (única fonte de mana branca que havia conseguido, porém tarde demais).

 

Rodada 9 – 2x1

Enchantress (brother gente fina de Brasilia, esqueci o nome também)

 

Pelo numero de pessoas no campeonato, em conjunto com o numero de rodadas, desconfiei desde o principio que x3 passaria para o Day 2, por isso continuei jogando e sentei pra jogar contra um deck que havia treinado muito pouco. Para falar a verdade, nunca havia jogado contra Enchantress de Miracles, sendo que a única vez que joguei contra o deck, eu estava de Esper Deathblade há seculos atras.

 

Fui jogando, lendo todas as cartas do oponente, tal qual um newbie que pega seu deck de insetos e vai jogar Legacy no semanal de uma lojinha qualquer. Eu parecia um tio perdido na loja de RPG, tentando entender o que o sobrinho estava fazendo, perguntando cada encantamento. Cheguei a manter Plowshares no deck, no G2, pensando que tiraria a Enchantress criatura. OMG!!!! Ok, podem me xingar. Eu mereço.

 

Acontece que não conhecia o deck na pratica, mas na teoria sabia que ganhava com lock de Confinamento, mais encatamento que põe anjo no jogo, por isso, quando comprei um  EtA no turno 3, cego, castei para 1 anjo e fui batendo em conjunto com um Mentor, para evitar chegar no late game. Deu certo!

 

Side in: 2 Clique, 1 Wear/Tear, 1 Surgical

Side out: 4 Terminus

 

G2 foi tão horrível, que perdi para o combo de Helm mais RIP, feitos com santuário de Serra gerando várias manas, depois do meu oponente ter comprado varias cartas, em razão da Enchantress em jogo, que tentei tirar com uma Plow!! Se tivesse um espelho na minha frente, acho que teria visto alguém tão ruim jogando que falaria para meu reflexo largar mão do magic, na boa!

 

Side in: 4 Terminus, 1 Priest

Side out: 4 Plowshares, 1 Surgical Extraction

 

Dei uma respirada no G3, mudei o side e comecei o jogo pensando em evitar que caísse qualquer Enchantress, Confinamento e RIP. Foi mais razoável, já que agora sabia melhor o que esperar e trocando ideia com meu oponente, ele disse que preferiria um soco no estomago do que jogar contra Miracles, apesar de ter falado que havia ganhado de dois outros Miracles no dia.

 

Subi o Priest por falta de opção. Não queria 4 Plow no deck de jeito nenhum, então subi mais um bicho para ajudar no clock. Minha mão inicial tinha, que eu me lembre, CB, Clique, Priest e uma FoW, o que achei bem decente de keepar. Acontece que resolvi o Priest turno 3 para bater e no turno 4 uma Clique, que acabou por tirar uma Enchantress na draw. Meu oponente, então, comprou a carta da Clique e desceu Karakas e resolveu Humility, já que preferi guardar a FoW para algo mais complicado.  A Humility no quarto turno me atrasou infinito, ainda mais que meu oponente tinha Karakas para segurar a Clique, razão pela qual fiquei batendo com Priest 1/1 por um bom tempo.

 

Tomei o cuidado de economizar meus Brainstorm (sim, meu CB estava cego), para tirar vantagem das Cliques para anular as magicas importantes dele de CMC3 (Confinamento, Enchantress, etc). Eu sabia que ele possuía Confinamento, já que uma Clique chegou a cair antes da Humility, por isso segurei o BS pelo máximo tempo que consegui, que acabou anulando uma Enchantress, colocando Clique no topo, em resposta ao trigger do CB, com a Brainstorm.

 

Foi questão de tempo até eu comprar Wasteland, que usei para destruir a Karakas (pois ele possuía outro Santuario na mão) e comecei a bater com minha incrível fada, três manas, flash 1/1 e meu temível Priest flash 1/1. Ocorre que logo depois se juntaram ao exercito de criaturas terríves o mago japonês da desolação e o monge careca ninja. De grão em grão a galinha enche o papo e de 4 em 4 se chega a vinte bem rápido.  Sai vencedor e classificado para o Day 2 em 16º lugar, com 20 pontos, enquanto o primeiro do suíço possuía apenas 04 pontos a mais que eu.

 

 

DAY 2

 

Cheguei pro Day 2 imaginando precisar de X-0 para classificar, então nenhuma derrota seria permitida. Fui pensando como se fosse um outro campeonato, tipo uma quinta-feira na UGcardshop aqui em BH. 4 rodadas de suíço, é so fazer 4x0 Thiago, só fazer 4x0!! Por sorte, comecei pareado com um bom MU.

 

Rodada 10 – 2x0

Elfos – Murilo Lixandrão

 

Nesse game não consegui o Tampo no início, por isso a CB caiu no T2 ceguinha, ceguinha. No quarto turno dele ele tentou combar de Natural Order, que tomou FoW. No meu turno fiz JTMS, usei brainstorm dele e coloquei, no topo, nessa ordem, Terminus e outro JTMS (primeiro do topo) que estava na minha mão. Ele tinha pelo menos cinco criaturas na mesa e uma ou duas cartas na mão. O jeito mais provável de ganhar a partida seria um outro Natural Order, que por mais improvável que fosse, seria o que o faria ganhar automaticamente, já que um Glimpse of Nature tinha mais chances de fizzle, já que meu oponente, com a draw de seu turno, iria para apenas 2 cartas na mão, resolvi apostar em um segundo NO; afinal, sabe quando você faz JTMS com CB em campo e o oponente não parece muito preocupado com isso? Pois é, foi esse o caso.

 

Dito e feito. No turno dele, comigo sem mais counters na mão, ele gerou 4 manas e castou NO, só para ser anulada para o CB com o JTMS no meu topo. Daí em diante seguiu o Terminus e achei o Tampo. GG.

 

Side in: 1 Staticaster, 1 Priest, 1 Clique

Side out: 1 Council’s, 1 EtA, 1 JTMS

 

O G2 foi bem burocrático. Não lembro com certeza o que me levou a vitória, mas provavelmente que tenha sido um lock de CB e Tampo, após um Terminus bem encaixado. No geral é good MU e isso é raro para o Miracles, que é um deck bem justo contra o field de maneira geral. Esse era um jogo que eu não poderia perder de nenhuma maneira, afinal, ainda faltavam mais três rodadas.

 

Rodada 11 – 2x1

Miracles – Alessandro (foi o outro Miracles do top 8)

 

Esse MU foi épico. Ambos sabíamos do deck de cada um, eu porque sabia que ele era o Miracles que havia passado muito bem para o Day 2, ele porque sabia que eu era o camarada que escreveu o Primer do deck aqui na Liga (tô famosa, diva!!! SQN). Vamos ao que interessa.

 

G1 foi um jogo horrível para o meu lado. Muliguei a 6 e meu oponente fez o CB/Tampo lock bem cedo. Para piorar ziquei o quarto land drop e comprei 2 Plow e 1 Terminus (e vc aí pensando que dureza é jogar contra 12 post né?) Não concedi até tentar resolver um JTMS que estava na minha mão, só pra tomar uma Counterspell.

 

Side in: 1 Wear/Tear, 2 REB, 1 Pyroblast, 1 Staticaster, 2 Clique, 2 Flusterstorm

Side out: 1 Council’s, 4 Terminus, 2 Plow, 2 Wasteland

 

G2 foi mais justo, pelo menos com relação à minha mão inicial, que dessa vez tinha Tampo e CB. Entretanto, por alguma razão que me falha a memória, meu oponente resolveu Tampo + CB antes de mim. Creio que tenha havido uma counterwar na tentativa de resolução do meu CB, por isso na mão tinha apenas a Wear/Tear e um Tampo em jogo. Fato é que na passagem do turno, logo depois do CB dele resolver, fiz Wear/Tear fused, dando alvo em CB e Tampo. Ele buscou o custo três no topo e não achou, mas achou Spell Pierce, que comprou com o Tampo e castou dando alvo na Wear. Acontece que para isso ele teve que perder o Tampo, já que o único land untapped era uma fetch.

 

No turno dele, ele apenas desvirou, comprou um card e passou. No meu turno, eu sabia que meu topo era uma nova CB e Clique, mas eu tinha apenas três lands ainda, de qualquer forma, fiz a CB e deixei Clique no topo, passando pro meu oponente (o objetivo era proteger a CB de Council’s Judgment, já que pós side JTMS é mais contornável por causa de REB). No turno dele, ele tentou o Council’s que foi anulado pelo flip da Clique, voltei com Land e passei desvirado e mais tranquilo, desde então. O jogo se estendeu mais um pouco, ele chegou a resolver um JTMS, tendo CB em jogo e fez brianstorm com o bichão. No meu turno resolvi meu Mind Fucker, dei Fate Seal no meu oponente, coloquei o custo 1 dele para o fundo e destruí o JTMS dele com REB. Isso foi o suficiente para ele conceder.

 

Side in: 2 Terminus

Side out: 1 Plow, 1 EtA

 

No G3 fiz essas modificações porque vi que ele tinha deixado Terminus no G2, por causa de um fate seal do JTMS. Com isso, presumi que também teria deixado EtA, afinal, se ele estava com medo de eu ter deixado EtA, poderia muito bem tê-lo feito também. Tirei a Plow e meu EtA, pois eles já não seriam tão bons mais.

 

O momento crucial da partida foi quando eu tentei resolver meu mentor. Eu tinha FOW, Ponder, Fluterstorm, além do Mentor na mão e tentei resolve-lo no quarto turno, deixando uma Volcanic desvirada. Ele tinha 5 cartas na mão, o que dificilmente seria três counters. Acontece que o improvável sempre acontece. O Mentor levou Counterspell, que levou FoW, que levou Flusterstorm, que levou Flusterstorm, que levou Flusterstorm. Entendeu? Moral da história, ele tinha counters mais eficientes que os meus, mas perdeu o Tampo, mais uma vez, pois a land que sobrou para castar a última Fluster era uma fetch. Eu estava tapado de manas e sem cartas na mão, com Tampo e jogo e Clique no topo. Meu oponente comprou, fez land, Mentor, Ponder, colocou ficha e passou (momento a casa caiu).

 

Comprei a Clique, pensando em fazê-la para bloquear eventual ataque do Mentor e passei o turno. Meu oponente comprou, fez Ponder de novo, colocou ficha e atacou. Eu fiz Clique e meu oponente fez a Clique dele em resposta, colocando minha FoW no fundo do deck. Eu bloqueei o Mentor, mas ele já tinha duas fichas e uma Clique comendo meu fígado.

 

Minha única saída era achar um dos dois Terminus que coloquei no deck, ou pelo menos a única Plowshares para a Clique, então comecei a procurar estourando fetches e olhando três novas sempre que possível. Foram necessários apenas dois turnos (dos quais tomei apenas 5 de dano em cada um) para achar o abençoado Terminus. Castei para evitar o terceiro ataque e mandei todas as criaturas dele para o fundo de seu deck. No meu turno voltei de CB e JTMS que deu fateseal até o infinito enquanto eu acumulava counters na mão.

 

Dois jogos cheios de reviravoltas, bem tensos, que me custaram alguns litros de suor. No final trocamos umas ideias sobre os decks e descobri que meu oponente tinha dado side out no Terminus no G3, porque não tinha visto Mentor nem G1 e nem G2 no meu deck, o que justificava aquela counterwar insana para impedir Mentor de entrar. Anyway, parabéns Alessandro que entrou no top 8 também, apesar da derrota. Valeu pela ajuda em lembrar os detalhes dos jogos. Sem contar que joga rápido com o deck, o que fez com que terminássemos as três partidas faltando 10 minutos no relógio ainda.

 

Rodada 12 – 1x2

UWR Stoneblade (esqueci o nome)

 

Esse jogo foi estranho, além de tudo me deu branco total dele. Meu oponente começou com Plateau e eu não fazia ideia do que estava enfrentando. Ainda mais quando ele fez o Jacinho no turno 2.  Acontece que lembro pouquíssimo desse MU e ele se resumiu a uma derrota no G1 e outra no G3. Uma delas eu perdi pra JTMS, Nahiri, the Litomancer e Batterskull em jogo. Mesmo com vários anjos feitos no EoT, que tiraram os dois Planeswalkers, ele tinha as remoções certas para os dois blocks que deixei, uma delas era o Council’s Judgment, a outra uma Plow na ficha de monk, que limpou caminho para um ataque letal.

 

Side in: (não lembro)

Side out: (não lembro)

 

Brother, se quiser me ajudar a lembrar os pontos importantes, edito aqui depois.

 

Rodada 13 – 2x1

UR Twin – Polar

 

Os pareamentos, pelo grande numero de rodadas, estavam malucos. Boa parte de quem tinha ido muito bem no Day 1, não estava muito bem no Day 2 e todo mundo teria que jogar, menos o primeiro do suíço, que creio eu que era o Elfos (Diogo), que podia, inclusive, conceder que passava. Isso era vantajoso, pois quem ganhasse de nós dois, mesmo com o Polar somando 28 pontos, entraria no top 8. Assim, sabíamos que seria um jogo sem empates, ninguém queria lockar top 16 e deixar o top 8 para trás.

 

Apesar de ser tipicamente um combo famoso no Modern, o UR Twin tem potencial a ser explorado no Legacy. Descobri que o jogo, inclusive, é um inferninho, pois preciso das minhas cartas boas do side, que geralmente entram contra combos (Fluster, REB), mas também quero as Plow, os Terminus do main deck. Ou seja, quero cartas de mais para espaço de menos. O deck dele é basicamente o UR Twin Modern, só que bom, com cantrips e counters do Legacy, além da habilidade de combar mais cedo, graças a Sol Lands.

 

Infelizmente não me lembro dos detalhes da partida, mas creio ter ganhado o G1, que foi muito longo, com ultimate do JTMS. O G2, quem ganhou com JTMS foi ele, resolvido no turno 3, que deu brainstorm infinito, até me afundar em CA. O G3 começou com pouco tempo no relógio, mas o momento crucial foi épico.

 

Meu oponente estava no plano de acabar comigo no dano, sem combar, ao que pareceu. Havia uma Pestermite, um Exarch e uma Clique comendo meus pontos de vida ferozmente, além do Tampo do lado dele, que lhe dava bastante card quality. Eu possuía apenas um Tampo, na mesa, mas na mão tinha Counterspell além do REB e o Terminus no topo. Tomei mais um ataque do Polar, e na minha draw tentei resolver o Terminus vindo do topo. Meu oponente, sem pensar duas vezes castou FoW, que tomou uma Counterspell da  minha mão, que tomou Misdirection, que tomou REB, deixado estrategicamente no topo do deck, como medida de segurança. Infelizmente a REB foi castada de uma fetch, razão pela qual tive que embaralhar o Tampo.   Como sabia que faltava pouco tempo e meu oponente tinha apenas duas cartas na mão, já castei Mentor no meu turno, mesmo desprotegido, que para minha infelicidade tomou um Raio na careca, right the way!

 

Sobraram poucas cartas na mão do meu oponente, e no meu turno de volta, comprei Tampo do topo. Isso ajudou achando um turno depois mais dois Snapcaster, que caíram na mesa para bater, sendo que um levou um Raio no óculos e morreu.

 

A contagem dos 5 turnos foi aberta e eu tinha Tampo e um Snap batendo, com Plow e REB na mão. Meu oponente tinha Tampo e nada na mão. No ultimo turno dele ele tentou uma Brainstorm, que levou REB, nessa hora, sem pensar duas vezes, ele pegou a slip, de imediato, e marcou 2x1 para mim. É isso, estava no top 8!

 

Polar, obrigado man, por nem ter hesitado em preencher a slip. Se aquele Terminus não tivesse entrado, o jogo era seu e quem teria preenchido a slip, com um resultado diferente, teria sido eu. Valeu!!!

 

Side in: 2 REB, 1 Pyroblast, 1 Wear/Tear, 2 Clique

Side out: 2 Terminus, 1 Council’s, 1 EtA, 2 Wasteland

 

TOP 8

 

 

Finalmente, depois de cansativas 13 rodadas, com um resultado final de 9-2-2, subi em oitavo para o TOP 8, junto com 2 Grixis Delver, Lands, Elfos, Storm, outro Miracles e Death and Taxes, não necessariamente nessa ordem. Depois da pequena pausa para os juízes arrumarem as mesas da forma adequada, para a organização tirar umas fotos, fomos para os jogos. Felizmente o primeiro do suíço era Elfos e fui pareado com ele.

 

Top 8 – 3x0

Elfos – Diogo

 

Esse jogo não tem muito segredo. Basta um Terminus no final do turno, seguido de CB lock para as coisas ficarem bem feias para o oponente. O único cuidado que se deve tomar é com Reclamation Sage e NO, pois geralmente essa mágicas fogem da curva do CB. Ganhei G1 e G2 desse jeito e meu oponente não pode fazer muita coisa para tentar reverter o jogo.

 

O G3 não teve CB lock, se não me engano não fiz Tampo nesse jogo, apesar de ter comprado dois em seguida. Meu oponente começou lento, com duas Pithing Needle, as duas nomeando Tampo, seguidas de Sylvan Library. No meu turno dois fiz a CB que entrou cega mesmo. Diante da Library eu precisava pressionar o total de vida dele para que ele comprasse pouco, assim, depois de um Terminus vindo do topo, a jogada crucial para a vitória foi quando respondi a um Zenith para 2 ou 3 com Priest. Daí em diante fiz Izzet Staticaster que limpou a mesa do oponente aos poucos e depois Clique que viu apenas um Reclamation Sage na mão dele.

 

Deixei o Reclamation e comecei a bater com Clique também (nessa altura já era muito perigoso comprar pagando 4 de vida). Ele ainda achou um Decay para meu CB e no turno que ele comprou um Glimpse, ele tinha apenas mais o Reclamation na mão. Esse Glimpse resolveu, pois sabia que meu oponente tinha apenas 4 manas na mesa e um Reclamation na mão, que teria que castar para dar um draw. Diante da grande chance de fizzle, o Glimpse e Reclamation resolveram, ele deu um draw e ponto final. Na passagem matei o Reclamation com Izzet e continuei o clock até o oponente chegar a 0 de vida.

 

Side in: vide rodada 10

Side out: vide rodada 10

 

TOP 4 – 2x3

Lands - Mignon

 

Lands é um MU que pode variar de muito bom para muito ruim e isso vai depender da sua build e da sua compra no jogo. Geralmente, para a build de Legends que o Joe Loesset usa, esse MU é muito favorável para o Miracles, entre outros motivos você tem acesso main deck a 3 Clique, 2 Venser, 2 Karakas que seguram a Marit Lage muito bem. Para a build de Ponder e Mentor, que é a que estava usando, as coisas não são tão legais assim. Entretanto, no G1, CB lock com custo 2 no topo é praticamente GG, pois você para as duas engines principais do lands que é o Loam e o P. Fire, impedindo-o que combe recorrentemente.

 

No G1, apesar de JTMS na mesa e inúmeros Brainstorm, consegui o lock com 2 no topo muito tarde. Meu oponente já tinha dois ou três Portos na mesa e feito Loam uma infinidade de vezes. Tendo, inclusive, destruído minhas três Tundras do deck. Perdi do jeito clássico, com ele virando minhas manas brancas e combando de Marit.

 

O G2 perdi na velocidade da luz. Se não me engano foi no quarto turno, já que meu oponente pareceu ter o combo na mão e começou com Exploration, o que deu a ele uma grande vantagem. Minha mão tinha o CB lock, mas não cheguei a ter três manas em jogo quando morri. Não achei a Plowshares e ainda tomei Krosan Gripo no Tampo. Atropelamento, sem direito a anotação de placa.

 

G3 e G4 ganhei basicamente com o lock de Blood Moon e Rest in Peace, sendo que no G3 a Loam ainda tinha tomado uma Surgical Extraction. Meu oponente começou o G3 fazendo mana Mox e Loam, entretanto esqueceu-se de descartar um land para a Mox. Isso fez com que ela fosse necessariamente para o cemitério. A jogada voltou e ele fez Needle para Tampo. Creio que isso tenha atrapalhado ele o resto do game. Terminei batendo com Vendilion Clique os dois games, se não me falha a memória. Registra-se que a Moon continua invicta. Não perdi nenhum jogo que a tenha resolvido com sucesso.

 

O G4 foi estranho. Meu oponente começou de mana, Mox e Loam, dessa vez descartando o land corretamente. Comecei bem, com Surgical Extraction no Loam, no EoT, já no primeiro turno, entretanto vi um Choke na mão dele para o qual não possuía resposta. Fiz land e passei, ele voltou de Choke. Aí começou o martírio. Eu tinha uma fetch na mão e 3 Brainstorm e precisva achar uma resposta para aquilo, ou a Blood Moon para travar geral e começar a desvirar minhas “montanhas”, entretanto só achei desespero e solidão!!!!

 

Comprei a carta do topo, fiz Brainstorm, achei Plow, coloquei Terminus e Entreat e dei Shufle. Estourei fetch pra plains e passei. Meu oponente comprou e fez Dark Depths e Needle pra Tampo. Comprei a carta do topo, fiz ilha, seguida de Brainstorm e....Brainstorm lock, com dois JTMS entre as três cartas, sem  fetch, sem Wear/Tear, passei com mana branca aberta. Meu oponente comprou Thespian Stage, fez e passou. Comprei o JTMS do topo, fiz Vocanic Island, Brainstorm e...Brainstorm lock de novo, sem resposta, voltei dois Jaces para o topo. Nesse ponto eu estava bem perdido. Tinha 3 Plow na mão, mas se não saísse do lock, era questão de tempo até o Porto vir. Dito e feito, passo o turno, meu oponente faz Gamble, pega o Porto (que não foi descartado), desce ele e passa. Compro meu JTMS, passo, ele tapa a minha mana branca, copia Depths com Thespian e é GG.

 

Nessa hora o seu Manoel da padaria aqui em BH me ligou, só pra avisar que o sonho tinha acabado. Concordei com o seu Manoel, infelizmente, assinei o contrato da Praça é Nossa, por causa dessa piada horrível e estendi a mão pro meu oponente que estava radiante e desejei sorte no próximo game. Na mesa atrás, Grixis Delver tinha ganhado de Storm e pensei: final do GP Seatle se repetindo aqui. Land ganha do Miracles na semifinal, exatamente como aconteceu lá e depois ganha do Grixis Delver....mas como diria Joseph Climber, “a vida é uma caixinha de surpresas...”

 

É isso galera. Foi a primeira vez que participei do Nacional Legacy e foi bom jogar um campeonato nesse formato, com mais de 100 pessoas, de novo. Continue com o bom trabalho Central, que o Nacional do próximo ano tenha ainda mais jogadores e continue sendo o maior campeonato independente de MTG do Brasil! (só pras inimigas continuarem se roendo falando que o Legacy morreu).

 

Chegar no top 4 e perder é uma merda, mas depois que a ressaca da derrota passa, a gente acaba sacando que foi um bom resultado. Jogo de Miracles tem um tempo já e acredito que seja um dos melhores decks do formato, principalmente depois do banimento de DTT. Ele só exige bastante dedicação e treino. Como diria um amigo meu, o Louco do Saco, vulgo Joao Carvalho, espero voltar para contar mais umas historinhas desse magic Neymar, magic de raiz, magic moleque, magic toco y me voy que todos nós gostamos!

 

Props

 

- pessoal de BH que estava lá torcendo e de vez em quando levando algo pra eu comer;

- pessoal de BH que não estava lá, mas estava torcendo muito pelo Whats e enviando vibrações positivas;

- minha noiva que aguenta todas as viagens que faço por causa de MTG, sem reclamar, e ainda torce por mim: te amo linda, vlw pelo apoio nesse hobby de cartinhas e pelas msgs durante todo o dia!

- até pra minha mãe que mandou uma msg no facebook só pra saber se eu estava indo bem num campeonato que ela nem entende direito o que é! Isso aí mãe!!

- pra Xuxa, porque, pô, se eu mandar beijo pra todo mundo e não mandar pra Xuxa, algo de ruim pode acontecer.

 

Slops

 

- pro Bruno que pediu para jogar contra Death and Taxes e quando jogou perdeu;

- pro Jesus, que, costumeiramente, apareceu apenas para dropar alguns jogos depois, não desista mano;

- porque faltou apenas um food truck na porta da loja!

 

Thiago "Miracles Man" Duarte - em referencia a filme "Rain Man", claro, pelo retardo mental e não pela genialidade!

 

 

 







Leia também

Nacional legacy 2018!!! vai perder as novid.. 8 comentários / 1,501 visitas
Os 20 melhores flavor texts do mtg 53 comentários / 21,997 visitas
Gp new jersey – super sunday series – p.. 22 comentários / 4,940 visitas
capitulo i - contos inacabados - mergoth 2 comentários / 1,798 visitas
Report lq cambuquira (sábado) - top 8 - uc.. 13 comentários / 2,008 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.
(Quote)
- 30/11/2015 12:12

Vlw man. Boaa, acho que vai ser fácil achar um dono de food truck interessado em atender um evento com umas 150 pessoas!!

(Quote)
- 30/11/2015 12:10

tá na mão:

[1] : Grixis Delver por Leandro Gurther
[2] : RG Lands por Diogo dos Santos Mignon
[3] : Storm por Eduardo Shimizu
[4] : Miracles por Thiago Mata Duarte
[5] : Elfos por Diogo Vieira
[6] : Grixis Delver por Sergio Ferry
[7] : Death and Taxes por Antonio Lucas Longo
[8] : Miracles por Alessandro Hirayama

(Quote)
- 30/11/2015 11:11
Parabéns Thiagão! Sempre sepresentando bem com Miracles!

E no próximo vamos providenciar essa sugestão tua! =P
(Quote)
- 30/11/2015 10:39
Muito bom o Post! Parabéns!
Só no final que vc podia ter colocado a classificação do top8 :D
(Quote)
- 30/11/2015 10:04

Vlw man!

(Quote)
- 29/11/2015 22:18
merecido!!!!! parabens , man!
(Quote)
- 29/11/2015 19:41

Vlw galera!
Crovax, ainda bem que vc não leu isso kkkkk

(Quote)
- 29/11/2015 18:32
Parabéns pelo resultado mano, representa bem demais o deck!
(Quote)
- 29/11/2015 15:06
Parabéns Thiago! Jogou muito =)
Só gostaria de ter lido ali no nosso game, "nao achei o terminus" no g3 hahaha
Enfim, resultado merecido! Ano q vem tem mais miracles !
(Quote)
- 29/11/2015 11:58
Parabéns pelo resultado mano! Merecido!