FRONTIER

       

Por: FlankingNews em 07/01/17 14:53 | 0 comentários / 893 visitas

Estamos vendo a ascensão de um formato criado recentemente no Japão pelas lojas Hareruya e BigMagic. Assim como o Modern, o Frontier terá origem em um novo frame criado para as cartas, a ediçao M15, que foi lançada em julho de 2014. As regras básicas deste novo formato, sendo um formato construído, seguem os antecessores como o Standard, Modern, Legacy e Vintage. As edições permitidas para o formato são M15, Bloco Khans of Tarkir, Battle for Zendikar, Shadow over Innistrad e Kaladesh até o presente momento.

 

Frontier é um formato sem rotação, ou seja, todas as cartas lançadas a partir de M15 são válidas e permanecerão no formato até que um possível banimento seja determinado. (Nota-se que até o presente momento não há lista de cartas banidas e restritas)

A criação deste novo formato se deu por alguns fatores bastante relevantes no cenário atual, o elevado das cartas e consequentemente da montagem dos decks nos outros formatos sem rotação são bastante elevados (dois sets de fetch lands combinados com apenas um set de shock lands giram em torno de R$500,00) é um deles. A utilização de cartas com menor rotação de vendas nas lojas e entre players é outro fator bastante importante a se considerar.

A cada edição são acrescentadas mais de 200 cartas ao Modern e agora ao Frontier, o formato terá suporte o suficiente para sustentar as novas cartas sem que o seu ambiente ? Quando o modern foi lançado haviam aproximadamente 13 blocos contemplando o formato, hoje já são 20 blocos. Frontier está sendo lançado com apenas 4 blocos, sendo apenas 3 deles completos e dois deles com apenas duas edições.

Segundo Reid Duke, devemos considerar alguns fatores muito importantes para a construção de um formato construído, estes fatores são:

Speed: Em que turno  o deck mais rápido consegue vencer o jogo. Quantas defesas e de quais tipos você precisa pra sobreviver à este tipo de pressão ? Com qual frequencia os jogos chegam ao late game ?

Assim como no Modern, o Atarka Red é um dos decks mais rápidos e geralmente finaliza o oponente no 4-5 turno. Este deck dificilmente chega ao late game, é win or die e para aguentar a pressão de um deck como este geralmente utiliza-se ou da mesma arma ou de uma arma completamente contrária. Neste aspecto na maioria das vezes o melhor jogador (geralmente o mais treinado) leva o game. 

Power Level: Como você consegue medir o que poderia fazer em certo ponto do jogo ? Quão poderosas são as criaturas e mágicas com custo de mana variados ?

Ainda é muito cedo para medirmos certos aspectos do jogo. Com menores possibilidades de utilização de cartas quando comparadas com os outros formatos eternos, o jogo tende a ser hoje uma outra vertente do Standard, fazendo com que cartas de custo alto não seja tão restritiva.  

Balance: Algum deck, estratégia, ou carta desponta em relação às outras ? Se a resposta for sim o que isto faz com que este deck, estratégia ou carta compita de forma justa contra os outros decks tops ?

Falar sobre Atarka Red é sempre complicado. Uma estratégia que desponta em praticamente todos os formatos e, em muitas vezes é injusta. 

Diversity: Você pode prever o que você poderá enfrentar quando estiver em um torneio ? Quão competitivos são os decks ? Qual a variação que você espera de cada arquétipo ?

O formato tende a ser bastante diverso pela possibilidade de utilização de decks 5 color competitivo. 

Complexity: Quão desafiador são os jogos ? Isto pode afetar sua escolha de deck e outros aspectos na sua preparação para o campeonato ?

sem resposta

The Size of the Format: Quantas cartas e quais sets são legais para o jogo ?

Frontier ainda é um formato muito recente, para termos uma ideia Frontier foi lançado com 10 edições válidas. Modern foi lançado em 2011 com aproximadamente 30 edições legais para o formato, hoje são mais de 50 edições válidas.

Em 2011 quando o modern foi lançado, ele já havia sido testado por algum tempo pelos desenvolvedores de jogos da Wizards.  Sam Stoddard, um destes desenvolvedores, nos conta em seu artigo “DEVELOPING MODERN” que há muitas dificuldades em manter um formato sadio como o modern é hoje. O Frontier foi lançado sem que houvesse um estudo efetivo sobre o formato e impacto das cartas em seu metagame. De fato a Wizards não se empenha tanto em testar cartas nos formatos eternos como se empenha no Standard, as cartas são lançadas para serem jogadas no formato rotativo, o que produz lucro para a empresa, mantém saudável a competitividade e desenvolvimento de novos decks, entre outros fatores.

A cada edição novas cartas podem causar impactos nos formatos eternos, recentemente tivemos a adição de algumas delas para o Modern, cartas como Monastery Swiftspear, Siege Rhino, Deflecting Palm, Become Immense, Dig Through Time, Treasure Cruise, Temur Battle Rage e o relançamento das fetch lands.  Alguma coincidencia ? A maioria destas cartas foram lançadas em Khans of Tarkir, são e foram staples em praticamente todos os formatos onde são permitidas. Isto posto, nos leva a crer que o frontier será apenas uma vertente pior do Modern ao longo dos anos, ou ainda se tornará o próprio modern.

Após algumas pesquisas realizadas no Facebook, Reddit, Ligamagic, MTGSalvation entre outras fontes logo podemos perceber que aderir ao Frontier é ainda mais pessoal do que migrar do Standard para o Modern e do Modern para o Legacy. Trata-se de pode utilizar cartas as quais muitos dos novos jogadores de frontier utilizaram num passado recente e ainda não se desapegaram. Temos que concordar que as staples citadas anteriormente fizeram a alegria de muito jogador, renderam boosters e fizeram inimizades. Ainda há a intenção de muitos destes jogadores em utilizar cartas que foram pouco utilizadas em seus decks e que continham algum tipo de flavor que atraia os jogadores, como Goblin Rabblemaster.

 

No passado tínhamos o Extended  que, apesar de um pouco diferente do proposto no Frontier, tinha uma quantidade de sets razoável  e as cartas novas podiam ser utilizadas junto com velhas cartas, havia uma rotação maior do que há com o standard, assim sendo, teoricamente haveria uma maior utilização de cartas menos importantes para o Standard e consequentemente maior rotação destes cards no formato. Mesmo assim o formato não teve suporte da Wizards, que o excluiu da lista de formatos sancionados e incluiu o Modern em seu lugar. Espero sinceramente que Wizards repense um pouco sobre os formatos, há várias ideias surgindo a respeito. Recentemente lançaram o já morto Tiny Leaders, uma versão de menor custo de Commander.

Especulou-se bastante a respeito de um novo formato eterno que se utilizaria de cartas de todas as edições, neste formato seriam válidas todas as cartas e a sua lista de banidas englobaria a lista do Legacy e as cartas hoje presentes na reserved list. Gostaria muito de ver algo como isto surgindo, há maiores possibilidades de utilização de cartas, maior possibilidade de interações.

Deixem suas expectativas e opiniões a respeito deste novo formato nos comentários, todos serão lidos com muita atenção e respondidos assim que possível.

MTG Cards





Leia também

I hate you ! 0 comentários / 558 visitas

Comentários

Ops! Você precisa estar logado para postar comentários.

tattoowalker (13/01/2017 00:49:38)

Penso que seria mais viavel o frontier do que o suposto formato que englobaria modern e legacy sem a reserved list.. Isso favoreceria os decks muito velozes, ja que seria proibitivo demais decks coloridos.. o frontier ja esta pronto. Trmos todos os elementos na mesa. Temos fetch, duals. Decks rapidos, mid, controls, combos.. So vejo uma questao de tempo.

Participe de um dos maiores eventos de Magic: The Gathering da América Latina