Negociar cartas baseado em cotações estrangeiras é realmente justo?
 Negociar cartas baseado em cotações estrangeiras é realmente justo?
Tandor

Tritão
1 Referências (100.00% positivas)
Posts: 5526
Registro: 26/10/03
São Paulo - SP

Postado em: 25/12/14 21:12

Essa sua resposta não é um "mas", você concordou comigo sobre a influência de guardarem cartas na pasta esperando que elas "virem mais cartas" através de valorização.

 
Tutuzim_na_FITA

Demônio
1 Referências (100.00% positivas)
Posts: 23041
Registro: 18/10/03
Juiz de Fora - MG

Postado em: 25/12/14 22:50

Mas prá isso você precisa de um motivo real para ajudar, né?
Uma coisa é comprar um caminhão de shocklands e guardar esperando que elas decolem pq são essenciais no modern, ou um caminhão de fetchlands de Khans imaginando que a demanda por elas seja surreal com o passar do tempo, ou até mesmo com Fatestitcher (que deixou de ser uma crap uncommon para ser estrela em um deck).
Outra completamente diferente é fazer isso com uma carta casual que sempre foi boa e não se tornou essencialmente melhor graças a nada...

...

 
Snoopy

Esquilo
0 Referências
Posts: 8607
Registro: 22/07/03
Barbacena - MG

Postado em: 26/12/14 09:38

Obrigado, Tutu, porque eu ia gastar meia hora escrevendo 4 longos parágrafos tentando explicar.

Para uma minoria de cartas (que geralmente jogam em muitos formatos) faz sentido especular; isto apenas remove algumas cópias do mercado, os dealers não possuem 70% dos Cryptic Commands e Fetch Lands por aí. O aumento substancial de players, que nos últimos 5 anos triplicou, é muito mais significativo.

E a maioria das cartas desvaloriza com o tempo.

O problema é que você acha que (a.) a culpa é "só" dos dealers e lojistas, quando eles são apenas mais uma das muitas variáveis no mercado (e uma boa, no que diz respeito à praticidade de se obter cartas e sancionar torneios) e que (b.) isto parte de um erro de avaliação deles entre o valor real da carta e seu preço (o que é dizer que todo mundo que trabalha com a precificação de cartas há anos está errado e você conseguiu ver de fora da Matrix).

Você dá o exemplo da Skullclamp, eu joguei naquela época e tive várias. Quando ela estourou, o preço dela chegou aos R$15 entre players, não dealers. Era 2004. O número de jogadores de Magic de lá para cá no mínimo quadruplicou, possivelmente aumentou 5 vezes ou mais. Ela foi reimpressa em pequenas tiragens de produtos paralelos; a imensa maioria veio dos boosters de Darksteel. E o preço dela hoje é menor que uma década atrás. Em lojas ela está entre R$15-20, sendo que a inflação no período foi de 80,69% (medindo de Jan/2004 a Nov/2014 pelo IPCA), o que colocaria a carta de R$15 em 2004 a R$27,10 em 2014. Evidentemente estou fazendo uma aproximação, pois poderíamos tomar outros índices, mas é apenas para te demonstrar um ponto. E Skullclamp é uma carta muito desejada por qualquer um que jogue formatos casual.

Agora pegue as outras cartas do bloco de Mirrodin que valiam o mesmo tanto, como Damping Matrix (que foi negociada por um tempo a R$15 e nunca sofreu uma reimpressão). Hoje, em lojas, ela sai por menos de R$10, o que seria semelhante a ela custar umas três vezes menos. Porque a maioria se desvaloriza e a Hivemind que você imagina dos dealers não existe, o preço geral das cartas cai com o tempo já que sua procura diminui com as rotações e uma poucas, cuja oferta se mantêm enquanto a demanda (número de players) aumenta, sobem de preço.

 
Tandor

Tritão
1 Referências (100.00% positivas)
Posts: 5526
Registro: 26/10/03
São Paulo - SP

Postado em: 28/12/14 00:47


A onde eu escrevi isso?

Não acho que são os dealers, quando falei "nego acha que tem dinheiro na pasta" não é de dealer que estou falando.

Estou falando de "players" em geral desde o começo, o preço dos dealers é só um termômetro que pode ser usado para avaliar o fluxo geral de cartas.

Quando comparei testemunha eterna com a pinça foi justamente para avaliar como uma circula muito mais fácil que a outra.



Editada em: 28-12-14 01:23:39 por Tandor.